Próximos workshops
Lisboa 29 de Novembro de 2014
Sábado:
10h30 - 13h00      Entradas e Aperitivos para Festas
 
 
14h30 - 17h00      Doces de Natal
Inscrições limitadas 30  formacao@acpp.pt   21 362 2705 ACPP

quinta-feira, 30 de Abril de 2009

Salama da Sugo



Salama da Sugo é uma especialidade da cidade de Ferrara.

quarta-feira, 29 de Abril de 2009

Gelados em Florença

Ponte Vecchio - Florença, Itália.

Quando viajo gosto de andar pelas ruas, sentir a cidade como costumo dizer, perceber o ambiente que se vive em cada local por onde passo, observar as praças, os cafés, as pessoas que andam na rua, os mercados e as lojas de comida.

Em Florença achei piada ao modo como as gelatarias apresentavam os gelados. Para além de aqui se comerem óptimos gelados a apresentação é muito apelativa.

Em Florença provei gelado de panna cotta.

Mortadella

A mortadella é típica de Bolonha.

Fotos de uma loja na cidade.

terça-feira, 28 de Abril de 2009

Na terra da pizza ...


Pizza com salame picante.

Pizza com rúcula, queijo e presunto.


Pizza Pantera Cor-de-Rosa.

Curiosidade ...


Em Itália, penso que em quase todas as cidades, o café expresso é sempre servido com um pequeno copo de água, normalmente água com gás.

segunda-feira, 27 de Abril de 2009

Bolonha - primeiras impressões gastronómicas

Bolonha é a cidade das duas torres, da Universidade mais antiga da Europa e de boa comida, muito boa comida.

No primeiro dia desta minha estada, quando cheguei e depois de deixar a bagagem no hotel foi altura de procurar um local para almoçar, mas como tínhamos o tempo contado, a minha colega Cristina Pureza e eu almoçámos mesmo junto ao hotel. O local escolhido foi a Trattoria dal Biassanot, um local muito simpático, com comida caseira.



Uma refeição em Itália começa com o antipasto, a seguir o primo piatto, o secondo piatto, dolci e caffè. O antipasto corresponde às nossas entradas; o primo piatto é composto normalmente por um prato de pasta; o secondo piatto tem carne ou peixe. Para além disto tudo têm também o contorno que é o acompanhamento. Normalmente pode-se escolher batatas, verduras, salada, etc.



Aqui escolhi mozzarella fresco com tomate cereja, azeite, orégãos e manjericão. Para prato principal javali com molho doce e polenta.

Por aqui o caffè espresso é o que nós em Portugal designamos de italiana.

Via Dell´ Inferno

Bolonha, Itália.

domingo, 26 de Abril de 2009

Bolonha

Hoje acordei cedo. Apesar de estar a chover fui dar uma volta logo pela manhã. Gosto de observar a cidade.

No meu primeiro dia em Bolonha, depois de uma reunião de trabalho, tive a possibilidade de efectuar um breve passeio pela cidade. Fico sempre encantada com as lojas de comida.


terça-feira, 21 de Abril de 2009

Salada de tagliatelle com rúcula e queijo feta

Na sexta-feira passada tive a oportunidade de assistir a duas experiências de gastrononomia molecular. Uma receita de gelado feito com dois iogurtes, um pacote de natas e doce de morango. Até aqui nada de especial, mas o mais espectacular estava para vir. O gelado foi preparado com azoto líquido. O azoto líquido permite um abaixamento de temperatura rápido, o que permitiu a confecção do gelado em poucos minutos e com um efeito fantástico devido ao "fumo" que se liberta. Devido à rapidez de execução até existe um record mundial de 20,91 segundos para 1 litro de gelado, segundo informação distribuída no local. Depois de ver fazer, claro que quis provar e não me desiludi.

A minha segunda experiência foi com alginatos. Demonstrou-se o processo de gelificação do alginato produzindo algo parecido com o caviar, mas com sabor a groselha, numa solução de cálcio. Para mim pareciam bolinhas pequeninas, perfeitas, de gelatina de morango. Enquanto assistia e depois quando também tive a oportunidade de pegar na pipeta e de fazer as bolinhas houve uma senhora que me disse que já tinha feito a mesma experiência mas com Moscatel e que tinha muito mais piada. As bolinhas de alginato poderiam ficar todas com a mesma consistência ou com líquido por dentro, dependia do tempo que estavam na solução de cálcio.

Depois de um dia cheio de experiências e que tinha começado bem cedo cheguei a casa ao final do dia com pouca vontade de cozinhar. Apetecia-me algo que não fosse muito complicado. Reparei que tinha uma embalagem de massa tagliatelle fresca no frigorífico e, sem pensar muito mais decidi que este seria o ingrediente principal do nosso jantar.

Ingredientes:
250 g de massa tagliatelle fresca
200 g de ervilhas (usei congeladas)
100 g de queijo feta cortados em cubos
100 g de rúcula selvagem
100 g de milho (usei de lata)
50 g de azeitonas
30 g de pinhões
raspa e sumo de 1 limão
manjericão fresco
6 colheres de sopa de azeite
sal
pimenta de moinho
queijo parmesão ralado

1. Cozer a massa seguindo as indicações da embalagem em água temperada com sal.

2. Depois da massa cozida escorrer bem. Para que a massa não pegue passá-la por água fria.

3. Cozer as ervilhas. Depois de cozidas escorrer e reservar.

4. Numa frigideira anti-aderente torrar os pinhões e reservar.

5. Colocar a massa numa taça. Juntar o queijo feta, a rúcula e a raspa de limão. Temperar com sal e pimenta a gosto. Adicionar as ervilhas, as azeitonas, o milho, os pinhões e folhas de manjericão.

6. Com uma vara de arames pequena bater o azeite com o sumo de limão. Regar a salada com este molho e mexer.

7. Servir a salada com queijo parmesão ralado.



Esta receita é da revista espanhola Comer Bien nº 142 de Junho de 2007 com umas pequenas alterações.

Daqui a umas horas parto para outras experiências gastronómicas agora rumo a Bolonha, Itália. Espero conseguir dar notícias.

segunda-feira, 20 de Abril de 2009

Dia de Piza

Na passada quinta-feira voltámos a ter o nosso dia de piza, como já vem sendo hábito. Começámos com este dia por mero acaso e fazendo um breve balanço, posso dizer que já tivemos seis sessões, 9 convidados e tem corrido sempre bem.

Durante estas últimas seis semanas, passaram por esta cozinha o Nuno Vaz, os meus sogros, a Sandra Palma, o Diogo, a Cláudia, o Paulo, a Cristina e a Patrícia. Foram momentos de boa disposição, alegria e troca de experiências.

Na passada quinta-feira foi a vez do Diogo quase um veterano nestas andanças, pois já tinha participado na terceira sessão, e da Patrícia.

A massa da piza é feita na máquina do pão como aqui referido e para o molho de tomate sigo sempre a mesma receita. Desta vez a única alteração que fiz foi triturar com a varinha mágica o refogado de cebola e alho para que o molho ficasse mais uniforme, sem pedaçinhos de cebola visíveis.

A Patrícia demonstrou ser um ás na cozinha. Chegou e começou logo a cortar pão, tomates, queijo mozzarella fresco para fazer bruschetta.

Barrou fatias de pão com molho basílico napolitana, de seguida colocou uma rodela de tomate por fatia de pão e por cima uma fatia de queijo mozzarella fresco. Polvilhou com orégãos secos e foi uns minutos para o forno.

Quando retirou do forno colocou rodelas de azeitonas pretas e manjericão fresco. Regou com um fio de azeite e seguiu para a mesa. Uma delícia.

Enquanto a bruschetta estava no forno, nós colocámos literalmente as mãos na massa, começámos a tratar das nossas pizas.

A Patrícia colocou na sua piza molho de tomate, tomate às rodelas, cogumelos laminados, espargos cortados em pedaços, queijo feta cortado em fatia, rodelas de malagueta, azeitonas pretas, rodelas de courgette, queijo mozzarella ralado, folhas de manjericão e um fio de azeite.

O Diogo colocou também na base da piza molho de tomate, espargos cortados, cogumelos laminados, uma malagueta cortada em pequenos pedaços, tofu fumado, queijo feta, azeitonas pretas, folhas de manjericão, queijo mozzarella ralado e um tomate cortado em quatro no centro da piza.


O Ricardo colocou molho de tomate, cogumelos laminados, brócolos, espargos, tomate cortado em gomos, malagueta, queijo roquefort e queijo da ilha ralado.


Eu na minha piza coloquei o molho de tomate, três fatias de queijo mozzarella, um queijo mozzarella fresco cortado em fatias, espargos inteiros, cogumelos laminados, meia cebola pequena picada, pimento vermelho cortado em pequenos cubos, azeitonas, milho, queijo mozzarella ralado.

Depois de sair do forno reguei com um fio de azeite.

A Patrícia e o Diogo baptizaram as suas pizas de Pizza In Design e Pizza Smiths-85, respectivamente.

Os nossos convidados trouxeram uma garrafa de vinho do alentejo e para sobremesa tortas de Azeitão. Eu servi abacaxi com raspa de limão.

Mais um encontro de sucesso! Em Maio retomaremos as quintas-feiras de piza.

domingo, 19 de Abril de 2009

Aba de novilho assada

A carne da aba de novilho é uma carne bastante saborosa. É boa para guisar ou até cozer. Eu das duas últimas vezes que comprei, fi-la assada no forno e ficou muito boa. No entanto, esta carne é sempre um pouco mais gorda, não é só carne limpa, o que na minha opinião a torna mais tenra e saborosa.


Ingredientes:
1,500 kg de aba de novilho (usei aba de novilho com osso)
5 dentes de alho
1 colher de sobremesa de colorau
2,5 dl de vinho branco
1 ramo de ervas aromáticas (alecrim, salsa e coentros)
2 cebolas
1 cenoura
3 tomates maduros
1 alho-porro
2 folhas de louro
sal e pimenta q.b.

1. Temperar a carne com dois dentes de alho, o colorau, o vinho branco e as ervas picadas. Deixar a marinar durante uma hora.

2. Arranjar e cortar às rodelas as cebolas, o alho-porro, os restantes dentes de alho e o tomate. Colocar tudo dentro de um tabuleiro de forno, juntamente com o louro.

3. Por cima colocar a carne com a marinada. Regar com o azeite e levar a carne a assar em forno pré-aquecido.


A receita é da revista Segredos de Cozinha nº 856 de Março de 2002, com ligeiras alterações.

Acompanhei esta carne com couve lombarda cozida. Cortei a couve lombarda em tiras. Levei a cozer em água temperada com sal e azeite. Depois de cozida escorri e servi.


sábado, 18 de Abril de 2009

Tarde de chuva e caracóis no quintal

Hoje tínhamos pensado em começar os nossos fins-de-semana com grelhados no quintal. Convidámos os meus sogros e a tia Dulce para o almoço, mas o tempo não está para grelhados. Chove e faz frio.

Antes de ir, hoje de manhã, à praça ainda estava com esperança de conseguirmos fazer os grelhados mesmo que não almoçássemos no quintal, mas a chuva é teimosa e não permitiu. Tive que encontrar outra alternativa para o almoço.

Este tempo embrulhado e chuvoso é bom para os caracóis que habitam no meu quintal. Depois de fazermos limpezas e de colocarmos ali algumas plantas ficámos muito mais atentos ao que se passa neste espaço. Às vezes damos por nós apenas a contemplar o verde e as plantinhas a crescer. Protegemo-las a todo custo de um gato vadio que gosta de se passear pelo nosso quintal e remexer a terra.

Assim que a chuva pára, é curioso observar a quantidade de caracóis que começam a espreitar e a sair dos seus esconderijos.