10h30 - 13h00      Conservas Portuguesas na Ementa
 
15h00 - 17h30      Doçaria Tradicional Portuguesa
Inscrições limitadas   work@sott.pt   91 700 1802 espaço WORK IT

sexta-feira, 31 de Julho de 2009

Cogumelos Portobello grelhados com esparguete, espinafres e tomate seco

Esta é uma receita que já fiz há uns tempos e adorei. Tanto que já voltei a repetir. A ideia foi inspirada aqui.


Ingredientes:
4 cogumelos Portobello médios
3 dentes de alho
6 colheres de sopa de azeite
300 g de espinafres frescos
50 g de tomate seco em azeite
massa esparguete (para duas pessoas)
sal
pimenta
pinhões tostados
queijo parmigiano reggiano ralado

1. Cozer a massa esparguete em água temperada de sal.

2. Retirar a pele dos cogumelos e grelhá-los.

3. Numa frigideira funda colocar o azeite e os dentes de alho picados. Levar ao lume e deixar frigir um pouco.

4. Adicionar o tomate seco cortado em pedaços e deixar cozinhar um pouco.

5. Adicionar os espinafres e a massa esparguete cozida e previamente escorrida. Mexer.

6. Temperar com sal e pimenta a gosto.

7. Servir a massa com os cogumelos e os pinhões. Polvilhar com o queijo ralado.

Eu prefiro usar queijo ralado no momento. Este prato fica muito agradável.

quinta-feira, 30 de Julho de 2009

À quinta-feira ainda há piza

O projecto das quintas-feiras com piza anda em banho-maria. Mas não está esquecido. A semana passada, eu e o Ricardo, voltámos a fazer pizas, mas ainda sem convidados.

O Ricardo está encarregue de fazer a massa para a piza, na máquina do pão. Eu fico responsável por fazer o molho de tomate. O molho fiz como está aqui indicado, com apenas três alterações. Coloquei um piripiri seco picado, para além da polpa acrescentei um tomate maduro picado e folhas frescas de manjericão que colhi no meu quintal, nos pés que a Marizé me ofereceu, que entretanto cresceram e ficaram lindos.

A massa feita deu para três pizas. A primeira piza foi feita a partir desta ideia. Depois da massa estendida coloquei queijo mozzarella ralado e queijo parmigiano reggiano ralado. Foi ao forno.

Depois de sair do forno reguei com vinagre bâlsamico que trouxe de Itália, mas que se encontra facilmente à venda em qualquer supermercado.

Achei que a piza ficou um pouco seca demais, mas penso que isso se deve ao facto de a termos deixado mais tempo do que o devido no forno. No entanto, o vinagre balsâmico marca a diferença. Fica muito agradável.

O Ricardo colocou na sua piza molho de tomate, um tomate cortado em gomos no centro da piza, rodelas de chouriço picante que comprei em Bolonha mas da região da Calábria (Camiglaitello Silano), uma beringela cortada em meias rodelas, rodelas de courgette, azeitonas verdes com recheio de pimento vermelho e queijo da ilha ralado.

Depois de sair do forno, o Ricardo polvilhou com orégãos secos.


Eu na minha piza coloquei molho de tomate, queijo mozzarella ralado, rodelas de tomate e de courgette, rodelas do chouriço picante que já referi, azeitonas pretas às rodelas e queijo mozzarella ralado.

Servi a piza com folhas frescas de manjericão.

Acompanhámos estas pizas com uma garrafa de vinho verde fresquinho.

quarta-feira, 29 de Julho de 2009

Sopa de courgette, ervilhas e hortelã

Há uns anos tinha o hábito de fazer uma panela de sopa por semana. Ao longo da semana íamos comendo a sopa, todos os dias a mesma. À minha mãe este hábito fazia-lhe imensa confusão, ela que prefere a comida feita no momento, no dia, e acha que grande maioria das coisas congeladas perde sabor. Mas cozinhar sopa na altura para a semana inteira poupava-me trabalho, basicamente era isso. Ainda cheguei a congelar, mas entretanto desisti. Assim como agora faço sopa pelo menos duas vezes por semana. Menos quantidade e consigo diversificar mais. Uma estratégia para comermos a sopa sempre com agrado e não nos fartarmos.

No domingo fiz esta sopa para o meu jantar. Aproveitei courgettes frescas que trouxe de Santarém e hortelã do meu quintal.



Ingredientes:
2 cenouras
1 cebola
2 courgettes
500 g de ervilhas
1 dente de alho
água q.b
sal q.b
1 raminho de hortelã
azeite q.b

1. Colocar as cenouras, a cebola e a courgette com a casca, tudo cortado em cubos para uma panela. Adicionar as ervilhas e o dente de alho.

2. Tapar os legumes de água. Temperar com sal a gosto e levar ao lume a cozer.

3. Depois dos legumes cozidos, triturar.

4. Regar com um fio de azeite e levar novamente ao lume. Assim que levantar fervura, retirar do lume e adicionar o ramo de hortelã.


Outra sopa com courgette e ervilhas:

- Creme de courgette, ervilhas e queijo gruyère

terça-feira, 28 de Julho de 2009

A preparação das férias ...

Este ano regresso, em férias, novamente aos Açores. Estarei nas ilhas do Faial, Pico e Terceira.

A uma semana de partir, aceitam-se sugestões, dicas, restaurantes, locais a não perder...

Obrigada.

Salada de arroz com mexilhões

Nos últimos dias tenho feito algumas saladas. Coisas leves. Umas sopas. Como estou quase a entrar de férias continuo a procurar consumir o máximo de coisas que tenho em casa. Evito ir ao supermercado, pois acabo sempre por trazer um pouco mais do que quero e nesta altura não vejo necessidade.

Esta salada surgiu de improviso e resultou muito bem.


Ingredientes:
10 colheres de sopa de arroz branco cozido
1/2 pepino cortado em cubos
1 tomate cortado em cubos
alface
rucúla
5 pepinos em picles cortados em pedaçinhos
3 colheres de sopa de azeitonas pretas às rodelas
queijo feta
1 lata de mexilhões em escabeche
sal (facultativo)
pimenta
azeite
vinagre

1. Misturar todos os ingredientes com os mexillhões previamente escorridos.

2. Temperar com sal (facultativo), pimenta, azeite e vinagre a gosto.


Na grande maioria da vezes que uso pepinos em picles lembro-me, curiosamente, do filme Adeus Lenine. Quando o vi pela primeira vez achei piada ao desejo da mãe de Alex. Regressada a casa depois de sair de coma, pede a Alex os seus pepinos em picles preferidos, aparentemente um pedido inocente, mas dada a queda do Muro de Berlim e todas as mudanças que acontecem na altura na recente ex-RDA, essa vai ser uma tarefa difícil.

Gostei do esforço que Alex fez para conseguir satisfazer o pedido da mãe e depois a satisfação com que ela come os picles. Mas, o que me impressionou também um bocadinho foi a mãe de Alex comer os pepinos em picles directamente do frasco, tipo um a seguir ao outro, pois, apesar de gostar de picles, sei que não gosto assim tanto. Mas isso, sou eu.

sexta-feira, 24 de Julho de 2009

4 por 6: Pota com Molho de Tomate e Chouriço e Morangos com Chocolate Derretido

Nesta participação para o projecto 4 por 6 apresento, como prato principal, Pota com molho de tomate e chouriço e, para sobremesa morangos com chocolate derretido.

O critério que algumas vezes utilizo para realizar o 4 por 6 é procurar nos supermercados os produtos que mais estejam em conta. Na altura não sei como os irei confeccionar, mas isso vem depois. Foi o que aconteceu com a pota. Encontrei à venda, no Continente, um saco de 1 kg por 1,5 euros. Apesar de não estarem amanhadas, achei que valia à pena.

A receita adaptei-a a partir de uma publicada na revista Nova Cozinha Tradicional de Julho de 2009.


Pota com molho de tomate e chouriço

Ingredientes:

500 g de pota (já limpa)
2 cebolas
2 a 3 dentes de alho
1 dl de azeite
2 colheres de sopa de polpa de tomate
400 g de tomate pelado (uma embalagem)
1 colher de cá de açúcar
0,60 g de chouriço de carne
2 dl de vinho branco
sal
pimenta
1 ramo de hortelã
300 g de arroz
fatias de pão torrado

1. Picar as cebolas e os dentes de alho para um tacho. Adicionar o azeite e levar ao lume. Deixar refogar um pouco.

2. Adicionar a polpa de tomate e o chouriço cortado em pedaços pequenos. Deixar refogar mais um pouco.

3. Juntar o tomate pelado previamente picado, o açúcar e o vinho branco. Quando levantar fervura adicionar a pota cortada.

4. Temperar com sal, pimenta e juntar o ramo de hortelã. Tapar o tacho e deixar cozinhar em lume brando. Se o molho começar a secar juntar um pouco de água.

5. Cozer o arroz em água temperada com sal. Depois de cozido escorrer.

6. Servir a pota com fatias de pão torrado e arroz branco.

O segredo deste prato, para mim, está no molho. Misturado com o pão torrado, fica muito agradável.

Depois do prato principal, eis então a sobremesa. Morangos com chocolate, alguém consegue resistir?


Morangos com chocolate derretido

Ingredientes:

0,500 g de morangos
0,175 g de chocolate para culinária

1. Derreter o chocolate em banho-maria.

2. Servir os morangos inteiros regados com o chocolate derretido.

Eu não resisto a esta combinação deliciosa. Adoro. Aconselho servir os morangos com o chocolate ainda quente.

Vamos então às contas:

quinta-feira, 23 de Julho de 2009

Piza D&D numa cooperação transatlântica

As quintas-feiras de piza foi uma iniciativa que teve sucesso. E chego a esta conclusão porque, os meus amigos adoraram a ideia e cheguei a ter durante várias semanas todas as quintas-feiras agendadas à volta da piza e, mais haveria se não fosse o travão da balança. Quase todos os que participaram ficaram com vontade de voltar a repetir a experiência, uns mais sortudos até tiveram essa possibilidade. Para além disso, cheguei a receber emails e comentários de leitores que também adoptaram a ideia. Hoje, quando cheguei a casa tinha uma surpresa, à minha espera, na caixa de correio electrónico.

Os meus queridos amigos David e Daniel, que vivem nos EUA, colocaram as mãos na massa e fizeram uma piza super apetitosa, o que me deixou muito orgulhosa.

Preparação da piza

Piza no forno

Piza pronta a comer

Começaram por colocar na base da piza molho de tomate e queijo mozarella ralado e depois colocaram fiambre, ananás, cogumelos brancos, cogumelos portobello, bolas de queijo mozarella fresco, e folhas de manjericão frescas.

David e Daniel, já sei quem vai preparar o jantar na nossa próxima visita a Nova Inglaterra. ;)

Thank you guys!

terça-feira, 21 de Julho de 2009

Sardinhada

Este fim-de-semana que passou tive a companhia da minha querida amiga Paula Borralho. Todos os anos costumamos combinar uns dias ou um fim-de-semana para ela vir passar cá, em Lisboa, connosco.

Começámos o dia de sábado com uma sardinhada para o almoço. Sardinhas grelhadas compradas de manhã na praça e para acompanhar grelos, cabeça de nabo e cenouras cozidas e, uma garrafa de vinho verde fresco.

Eu infelizmente não pude acompanhar. Contentei-me com uns iogurtes e gelado. Pois recentemente submeti-me a uma pequena cirurgia e só tenho podido comer coisas frescas e, obrigatoriamente que não me obriguem a mastigar. Castigo que está quase a passar. A tarde passámo-la na conversa, a saber as novidades uma da outra.

Ao jantar fomos até à Cervejaria Trindade. O prato escolhido foi Bacalhau à Mosteiro de Tibães, um dos meus pratos favoritos sempre que ali vou. Mas desta vez apenas tive direito a um creme de camarão.

Gaivotas junto à Boca do Inferno.

No domingo fomos dar um passeio pela Praia das Maçãs, Guincho, Boca do Inferno e acabámos a tarde em Belém, nos famosos Pastéis de Belém.

sexta-feira, 17 de Julho de 2009

Salada de grão com chispe

Chispe de porco não é uma parte do porco que entre muito cá em casa. Há uns tempos atrás decidi comprar um chispe para assar no forno. Lembro-me que quando partilhei casa com a São, minha colega de curso, numa das nossas muitas jantaradas, ela ter feito chispe assado no forno. E que bom que ficou! Passados tantos anos, esse assado de chispe ainda anda na minha memória.

Mas como tantas outras vontades e intenções, vai passando a oportunidade e o hoje passa para amanhã e o amanhã para a semana e, assim sucessivamente. Agora que ando a dar volta ao congelador, eis que chegou a vez do chispe, mas não do assado. Curiosamente esta semana também cozi um quilo de grão e achei que deveria fazer receitas para usar o grão cozido e não encher com ele as gavetas do congelador que ando a tentar esvaziar. Pois bem, chispe e grão soa-me a uma combinação interesssante. E salada de grão com chispe?

Confesso que grão, chispe e salada na minha cabeça não pareciam combinar lá muito bem. Soava-me um pouco estranho, mas tinha que encontrar uma solução. Não poderia andar a semana inteira a comer grão guisado com chispe, outra das alternativas que encontrei para o chispe e o grão.

A receita da salada de grão com chispe foi encontrada aqui. Não sei muito bem como ali fui parar, mas apesar de à primeira impressão não me parecer lá muito apelativo, como já referi, não coloquei a ideia de lado e resolvi experimentar.


Ingredientes:
3 rodelas de chispe
500 g de grão cozido
6 pepinos em pickles
2 colheres de sopa de azeitonas pretas às rodelas
16 azeitonas verdes recheadas com pimento vermelho
1 cebola
1 dente de alho
coentros frescos
1 tomate
6 folhas de alface
azeite
vinagre de vinho branco
pimenta de moinho
sal (facultativo)


1. Cozer as rodelas de chispe em água temperada com sal.

2. Depois do chispe cozido, retirar as gorduras e cortar a carne em pedaços pequenos para uma taça. Adicionar o grão cozido.

3. Picar a cebola, o dente de alho e cortar o tomate em pedaços pequenos. Juntar à carne.

4. Adicionar as azeitonas e os pepinos picados. Mexer.

5. Juntar um raminho de coentros picados e a alface.

6. Temperar com pimenta, azeite e vinagre a gosto.

Como as azeitonas já têm muito sal, nesta salada não temperei com sal. As quantidades dão para três a quatro pessoas.

A salada fica muito agradável. A carne da zona do chispe é muito saborosa no entanto, como tem muita gordura, só costumamos usá-lo, cá em casa, no cozido à portuguesa, mas o assado de chispe no forno não ficou esquecido. Foi apenas adiado.

quarta-feira, 15 de Julho de 2009

Salmão com gengibre e caril

Já há algum tempo que fiz esta receita, mas entretanto fui fazendo e postando outras que esta foi ficando para trás.

A ideia para este salmão surgiu de improviso e serviu para dar uso a alguns legumes que tinha na altura no frigorífico.


Ingredientes:
6 folhas de couve chinesa
1/2 pimento vermelho grande
1 courgette
200 g de feijão verde
4 lombos de salmão
sumo de 1 limão
2 dentes de alho
gengibre em pó
caril
sal
pimenta
azeite

Cortei em tiras couve chinesa, courgette, pimento vermelho e feijão verde (cortado longitudinalmente).

Num pirex coloquei papel de alumínio e por cima, apenas na base, papel vegetal onde coloquei os legumes cortados.

Por cima dos legumes coloquei os lombos de salmão e reguei com sumo de limão. De seguida, temperei com sal, dispus em cima dos lombos de salmão os dois dentes de alho cortados às rodelas, polvilhei com pimenta, gengibre e caril a gosto. Por fim, reguei com um fio de azeite.

Fechei o papelote com papel de alumínio e levei ao forno.

Gostei da combinação de sabores e da couve chinesa cozinhada assim.

segunda-feira, 13 de Julho de 2009

Julie & Julia num fim-de-semana calminho

Este fim-de-semana que passou foi calminho. Calminho significa que não tive nenhum programa especial, que passei grande parte do tempo em casa.

Na sexta-feira jantei no Bairro Alto, em mais um encontro do À Volta das Letras, no Calhariz do Príncipe, sugestão de um amigo e membro do clube, conhecedor da vida do Bairro como ninguém que eu conheça.

Gostei do restaurante, muita afluência, muita gente à espera de mesa o que normalmente quer dizer alguma coisa, comidinha saborosa e tradicional. Para a mesa veio peixe de espada grelhado, calamares, filetes, secretos de porco preto, arroz de cação com camarões e um arroz de grelos que me deixou a salivar, ou não fosse eu fã deste tipo de arroz. A acompanhar sangria de vinho tinto bem fresquinha.

Depois do jantar demos uma volta pelas ruas do Bairro Alto, acabámos a noite num bar junto ao restaurante O Caracol, que já coloquei na minha lista de restaurantes a visitar, dado que o Paulo e a Rute falaram de forma tão efusiva em relação ao restaurante que me deixaram cheia de vontade de lá ir jantar um destes dias. Para além disso, gostei da esplanada, de ver gente ali a jantar, do ambiente. Na altura fez-me lembrar um restaurante, em Bolonha, onde tive o prazer de jantar na última vez que lá estive.

No sábado e no domingo aproveitei as tardes para estar refastelada na espreguiçadeira, no quintal, a ler enquanto ouvia tocar violino num dos prédios vizinhos. O livro escolhido foi Julie e Júlia de Julie Powell. O livro é o relato de Julie Powell e do seu projecto: cozinhar durante um ano 524 receitas do livro de Julia Child, Mastering The Art of French Cooking. Projecto esse que começou num blogue.

Julie e Julia é um livro bem disposto e divertido. Julie para além de relatar as suas aventuras na cozinha com receitas e técnicas às vezes bem complicadas para quem se inicia na cozinha, estabelece ligações com a vida de Julia e do seu marido, Paul Child, e vai acrescentando aspectos da sua vida pessoal. A relação com o marido, com os pais, com o irmão e com as amigas, o seu trabalho, a sua insatisfação, os problemas da mudança de casa e as peripécias de viver num pequeno apartamento.

O livro passou a filme e chega em Agosto aos cinemas. Julia Child é interpretada por Meryl Streep e Julie Powell por Amy Adams. O interessante neste livro é que me está a despertar a curiosidade para a figura de Julia Child, apetece-me descobrir mais sobre esta figura feminina que se tornou, no mundo da cozinha, uma referência nos EUA.

sexta-feira, 10 de Julho de 2009

4 por 6: Arroz de Peixe com Miolo de Amêijoas e Clafoutis de Pêra

Para esta participação no projecto 4 por 6 escolhi para prato principal Arroz de Peixe com Miolo de Amêijoas e, para sobremesa, Clafoutis de Pêra.
Eu sou fã dos arrozes. De peixe, de marisco, de legumes, de tomate, etc. Para mim um arrozinho sabe sempre bem. Em termos de preferência gosto deles malandrinhos ou seja, com um pouco de caldo e sem que o arroz esteja demasiado cozido, o que estraga logo tudo.

Tive a ideia desta receita quando me apercebi que ainda não tinha feito nenhuma proposta de arroz para o projecto 4 por 6. Antes de chegar à ideia do arroz pensei em carapaus no forno, numa salada de polvo com grão, mas quando fui às compras, andei a ver os preços, pensei nas propostas e no que mais nos agradaria cá em casa, ficou decidido que seria o arroz.

Arroz de peixe com miolo de amêijoas


Ingredientes:
1 cebola
3 dentes de alho
1 dl de azeite
1 tomate maduro
3 colheres de sopa de polpa de tomate
300 g de arroz carolino
sal e pimenta q.b.
3 postas de pescada
0,120 g de miolo de amêijoa (congelado)
1 L de caldo da cozedura do peixe (aproximadamente)
1 raminho de coentros

1. Cozer as postas de pescada em água temperada de sal.

2. Depois do peixe cozido, retirar a pele, as espinhas e lascar as postas. Reservar o peixe e o caldo de cozedura.

3. Picar a cebola e os dentes de alho para um tacho. Adicionar o azeite e levar ao lume. Deixar refogar um pouco.

4. Adicionar o tomate sem pele e sem sementes cortado em pedaços. Deixar refogar mais um pouco. Temperar com sal e pimenta a gosto.

5. Juntar a polpa de tomate e o arroz. Mexer e adicionar um pouco de caldo de cozedura do peixe, que deverá estar quente.

6. Deixar cozer o arroz e ir adicionando aos poucos caldo. Mexer em cada adição de caldo.

7. A meio da cozedura do arroz adicionar o miolo de amêijoa e o peixe. Deixar cozinhar acabar de cozinhar, adicionando sempre que necessário um pouco de caldo.

8. Assim que o arroz estiver cozido, retirar do lume e servir polvilhado com um ramo de coentros picados.


E agora para sobremesa, Clafoutis de Pêra.

Clafoutis de Pêra


Ingredientes:
3 a 4 peras médias
2 colheres de sopa de farinha
4 colheres de sopa de açúcar
2 ovos
2,5 dl de leite
margarina
canela
açúcar em pó para polvilhar

1. Ligar o forno para os 250º.

2. Untar uma forma ou pirex com margarina.

3. Descascar e cortar as pêras em fatias. Espalhar as fatias no fundo da forma.

4. Misturar a farinha com os ovos, o leite e um pouco de canela a gosto. Mexer com uma vara de arames até a massa estar lisa.

5. Deitar o preparado sobre as peras. Levar ao forno cerca de 10 minutos.

6. Polvilhar com açúcar em pó e servir frio ou morno.


Esta sobremesa ficou muito agradável.


Nota: Nesta sobremesa a temperatura e o tempo de cozedura são os indicados na receita do folheto promocional do Pingo Doce de Agosto de 2000.

Vamos às contas:
Os preços referidos são os do Continente.