quarta-feira, 30 de setembro de 2009

Bife grelhado com salada de couve roxa e beterraba


Já há algum tempo que não fazia bifes de vitela cá em casa. Eu adoro comer um bife grelhado, suculento e tenro.

Para fugir aos tradicionais acompanhamentos resolvi seguir a sugestão da revista Delicious. de Outubro de 2009, e fiz o bife grelhado com salada de couve roxa e beterraba.

Ingredientes:
2 bifes de vitela
flor de sal
1 colher de sopa de sementes de cominhos
2 colheres de sopa de azeite
2 colheres de sopa de molho de soja
2 colheres de sopa de vinagre de cidra
1 colher de sopa de mel
sal
1/4 de couve roxa cortada fina
2 cenouras cortadas em tirinhas
250 g de beterraba cozida e cortada em fatias

1. Preparar o molho misturando o azeite, vinagre, molho de soja e o mel. Mexer bem.

2. Aquecer uma frigideira em lume médio e adicionar as sementes de cominhos, deixar tostar ligeiramente as sementes, mexendo sempre.

3. Adicionar o molho, os legumes cortados e uma pitada de sal. Deixar cozinhar mexendo reglarmente.

4. Grelhar os bifes. Depois de grelhados polvilhar com flor de sal.

5. Servir os bifes com a salada de couve roxa e beterraba.


A salada fica ligeiramente agridoce, mas combina muito bem com o bife grelhado.

terça-feira, 29 de setembro de 2009

Morcelas Doces e outras iguarias de Arouca

Eu adoro receber presentinhos, ser surpreendida com produtos típicos ou doces regionais, mas quem é que não gosta, não é? Sabe tão bem e faz-nos sentir de alguma maneira especiais.

A minha cunhada Cristina no domingo surpreendeu-me com uns produtos típicos de Arouca, onde visitou a Feira das Colheitas.

De doces trouxe uma caixinha com morcelas doces, charutos e pedreiras. As morcelas parecem mesmo os enchidos, mas são feitas com pão e amêndoa.

Para além dos doces, ainda nos ofereceu uma Broa de Centeio e um saco com cebolas compridas, que segundo a vendedora são mais "doces" que as redondas :).

Broa de Centeio.

Cebolas compridas.

Obrigada, Cristina. É muito bom ter uma cunhadinha assim.

segunda-feira, 28 de setembro de 2009

Almoço com sabores açorianos

No domingo recebi os meus sogros e os meus cunhadinhos, Hugo e Cristina, para almoçar. Desde Julho que a família não se reunia. Neste entretanto, meteram-se as férias, o regresso das férias e o medo da gripe A, e compromissos de fim-de-semana que obrigaram a adiar o nosso reencontro.

Como o dia estava quente, decidimos almoçar no quintal. O Ricardo colocou a mesa e eu andei de volta dos tachos e das panelas na cozinha.

Ao almoço, as conversas giraram em torno das férias, dos problemas de saúde que vão aparecendo mas que ainda não são graves, dos projectos a curto prazo e como não poderia deixar de ser das eleições legislativas e nos possíveis resultados, mas principalmente na importância de votar.

Para almoçarmos servi polvo assado no forno com batata-doce, uma receita que já publiquei aqui e que de vez em quando volto a fazer porque adoramos. Apesar de não ser uma receita açoriana, leva batata-doce, o que me faz lembrar os Açores.


Para sobremesa fiz um doce de maracujá. Delicioso. Apesar de na altura de desenformar ter ficado um pouco agarrado à forma, acabou por não sobrar nada.


Doce de maracujá


Ingredientes:
1 lata de polpa de maracujá (565 g)
2 pacotes de natas
1 lata de leite condensado
5 folhas de gelatina
polpa de 2 maracujás para decorar

1. Demolhar as folhas de gelatina em água fria.

2. Bater as natas com o leite condensado.

3. Colocar mais ou menos metade da polpa de maracujá num recipiente e triturar.

4. Adicionar a polpa triturada e a não triturada à mistura de natas e leite condensado.

5. Escorrer as folhas de gelatina e levar ao microondas uns segundos para derreter.

6. Juntar a gelatina ao preparado e mexer bem. Colocar numa forma e levar ao frigorífico até solidificar.

7. Servir decorado com a polpa dos maracujás.

É uma sobremesa rápida e deliciosa. A receita é da embalagem da polpa de maracujá.

domingo, 27 de setembro de 2009

Chá das cinco ...

A manhã de sábado foi atarefada. Uma ida às compras e arrumações. Estas arrumações envolveram uma inspecção aos guarda-roupas. Coloquei de parte camisolas, casacos, calças que já não visto há algum tempo e que já não vou usar. Uma vez por outra faço esta selecção e a roupa que não uso é oferecida.

A tarde foi mais calma. Entreti-me a ver o filme Politiki Kouzina. O filme conta a história de Fanis, professor de astronomia na Grécia, que vai recordando a sua infância em Constantinopla (actual Istambul) e a importância que o avô, dono de uma pequena loja, teve na sua vida. É um filme cheio de referências às especiarias, especialmente a canela, e como elas são importantes na comida e nas relações entre as pessoas.

A acompanhar esta tarde de sábado tive uma oferta dos meus sogros, vinda fresquinha de terras algarvias, uma caixa com bolinhos tradicionais, a que nem tentei resistir, como podem imaginar.


Para acompanhar os bolinhos, fiz um chá Brisa do Mar do Sul, um chá perfumado de flores e frutos, oferta da minha amiga Ana Assis.


sexta-feira, 25 de setembro de 2009

Carne de porco no tacho à moda da minha mãe

Quando era miúda, na minha casa havia quase sempre chouriços caseiros. Na casa dos meus avós maternos, na altura da matança do porco parte da carne ia para os enchidos, era feito presunto e tudo se aproveitava, até o courato. A matança era sinal de festa e de abundância. Havia almoço para quem ajudava e depois jantar para toda a família.

A minha mãe também chegou a fazer chouriços. Cortava a carne de porco, eu às vezes ainda dava uma ajuda, temperava, enchia as tripas e colocava ao fumeiro. Um trabalho árduo que só é feito por quem tem muita estima pelo que come. Lembro-me que ela umas vezes dividia a carne temperada em dois pequenos alguidares, num colocava picante e no outro não. Segundo ela, para assar é sempre melhor com um pouquinho de picante. Entretanto, já se passaram muitos anos e esse hábito foi-se perdendo.
Um destes dias quando a fui visitar, disse-me que tinha uma surpresa. Temperou carne para fazer chouriços, a pedido do meu pai que tinha saudades de a comer no tacho. A carne é temperada como para os chouriços, só que se acrescenta também entrecosto e folhas de louro. A carne depois de cortada em pequenos cubos, é temperada com sal, dentes de alho cortados, colorau, pimenta, folhas de louro e vinho branco. Quem gostar também pode acrescentar piripiri. Deixa-se a marinar.

A minha mãe quando fazia esta carne temperada e cozinhada no tacho acompanhada de feijão verde, cenouras e batatas era uma perdição. Percebo muito bem o pedido do meu pai e como calculam, fui presenteada com alguma desta carninha.


Ingredientes:
carne de porco temperada
vinho branco

1. Colocar a carne temperada num tacho. Adicionar um pouco de vinho branco e deixar cozinhar a carne, em lume médio e com o tacho tapado.

2. Acompanhar com feijão verde, cenouras e batatas cozidas.

Este foi o meu almoço num domingo solarengo no quintal. Delicioso. A carne fica tenra e muito saborosa. Acompanhámos esta refeição com um vinho branco da Casa Ermelinda Freitas do Pingo Doce.

quinta-feira, 24 de setembro de 2009

Filetes de Granadeiro em tomatada

Uma das minhas caixas do frigorífico está cheia de tomates bem vermelhinhos, que vieram de Santarém, e que eu sei que foram cultivados com muito cuidado. Como tal, também me apetece usá-los de uma forma simpática e não remetê-los para o silêncio do congelador. Pelo menos estes.

Resolvi fazer uma receita que encontrei na revista Olive de Setembro de 2009, onde o tomate tem um grande destaque.


Ingredientes:
Tomate maduro (aprox. 1 kg)
2 cebolas cortadas em meias luas ou picada
1 dl de azeite
2 colheres de chá de açúcar
1 raminho de tomilho
3 colheres de sopa de molho de soja
sal
1 kg de filetes de Granadeiro previamente descongelados
Batatas para cozer

1. Escaldar os tomates e retirar-lhes a pele e as sementes.

2. Num tacho, colocar a cebola e o azeite. Levar ao lume e deixar fritar a cebola, sem deixar queimar.

3. Adicionar o tomate picado, o açúcar, o molho de soja, o tomilho e uma pitada de sal. Tapar o tacho, mexer e colocar o fogão em lume brando. Deixar cozinhar.

4. Por fim, adicionar os filetes de Granadeiro e deixar cozinhar uns minutos para que o peixe fique suculento.

5. Servir com batatas cozidas.


A receita sugeria o uso de bacalhau fresco. Como não tinha e por cá é mais comum o bacalhau salgado, usei filetes de Granadeiro que comprei esta semana pela primeira vez.

terça-feira, 22 de setembro de 2009

Bolo de nozes

Já há algum tempo que não publico uma sobremesa ou uma receita de bolo. Hoje resolvi contrariar essa tendência e apresento-vos um bolo que fiz, no início das minhas férias, para um almoço em família.


Ingredientes:
5 ovos
5 chávenas de chá de açúcar amarelo
1 chávena de óleo
3 chávenas de farinha
1 chávena de chá de água com gás
1 colher de chá de fermento em pó
100 g de nozes picadas grosseiramente

1. Bater os ovos com o açúcar.

2. Juntar o óleo e a farinha. Misturar bem.

3. Adicionar a água com gás. Voltar a mexer bem.

4. Juntar o fermento e as nozes envolvidas em farinha.

5. Levar ao forno em forma untada com margarina.

Este bolo foi uma agradável surpresa. Fica muito bom. Inicialmente quando vi que levava água com gás, estranhei. Não é um ingrediente muito comum, mas resolvi experimentar e resultou.

Esta é uma receita dos açúcares Sidul.

segunda-feira, 21 de setembro de 2009

Salada de salmão grelhado com endívias, tomate e beterraba


Pouco a pouco, o Outono já se faz sentir. Ontem, despedimo-nos do Verão que de malas arrumadas levou o tempo da fartura, dos figos, das amoras, do tomate, do melão, dos girassóis e das colheitas de trigo e de milho.

O Outono começa a marcar a sua presença com as vindimas, com o cheiro aos lagares e ao mosto, com os marmelos, com os campos revestidos apenas com os despojos das colheitas e já prontos a lavrar, e as azeitonas, inchadas de sumo, estão quase, quase a rebentar de negro.

Os dias ainda são quentes e solarengos, mas as noites já estão mais frescas, exigem agasalhos e comida reconfortante. Apesar desta mudança, cá em casa, ainda vamos dando preferência às saladas.



Ingredientes:
lombos de salmão (1 por pessoa)
8 folhas de endívias
1 tomate grande
rúcula selvagem
1 beterraba cozida
6 rabanetes
nozes picadas
folhas de manjericão
azeite
vinagre de framboesa

1.
Grelhar os lombos de salmão com uma pitada de sal.

2. Numa taça colocar as folhas de endívias cortadas, o tomate em cubos, rúcula, os rabanetes às rodelas e os lombos de salmão desfeitos. Por fim, colocar nozes picadas grosseiramente, folhas de manjericão e temperar com azeite e vinagre de framboesa a gosto.

sábado, 19 de setembro de 2009

Borough Market em Londres e o chef Arthur Potts Dawson

Na minha lista de locais a visitar, durante os dias que estive de férias em Londres, estava o Borough Market, que fica na margem sul do Tamisa. Este é um dos mais antigos mercados londrinos de comida e está localizado no mesmo sítio há 250 anos.

Antes de entrar no mercado comecei por assitir à gravação de um programa de televisão do chef inglês Arthur Potts Dawson, mesmo junto a uma das entradas do mercado.

Dawson, que já trabalhou no River Café e no Fifteen Restaurant, este último de Jamie Oliver, cozinhou salsichas com puré. É sempre interessante ver alguém cozinhar, especialmente alguém que já tem nome no meio gastronómico inglês. No final houve a possibilidade de provar o puré, mas como havia tanta gente a querer experimentar que acabei por nem tentar.

Depois de ver Dawson a cozinhar, seguimos para o mercado. Passámos pela zona dos vinhos, dos legumes e frutas, do peixe, dos chocolates, do pão, dos queijos, dos bolos e da comida, alguma confeccionada no local. Para além da variedade que é sempre imensa, a apresentação marca pontos.

Nota-se que têm cuidado com o que estão a vender.

Nos mercados ingleses uma das coisas que me fascina para além da diversidade de legumes e frutas é a possibilidade de comprar comida feita, pronta a comer. Por cá, encontramos pouco mais que o pão com chouriço, cachorros, farturas e algodão doce. Será que lá a ASAE funciona de outra maneira? Ou eu é que não percebo nada disto?

O Ricardo e eu acabámos por almoçar no mercado. Escolhemos uma focaccia com batata doce e um caril de frango.

Quando estávamos a sair do mercado, encontrámos uma venda de doces onde descobrimos os nossos tradicionais pastéis de nata, o que inevitavelmente nos fez esboçar um sorriso. Entre tanta variedade, acabámos por escolher para sobremesa uma tarte de framboesa. Deliciosa.