Próximos workshops
Lisboa 29 de Novembro de 2014
Sábado:
10h30 - 13h00      Entradas e Aperitivos para Festas
 
 
14h30 - 17h00      Doces de Natal
Inscrições limitadas 30  formacao@acpp.pt   21 362 2705 ACPP

quarta-feira, 11 de Agosto de 2010

Era uma vez uma Casa Cor-de-rosa na Ilha do Farol

Quando cheguei a Santa Luzia, Tavira, de férias procurei conciliar aquilo que gostaria de fazer com as actividades que a restante família também queria, de maneira a que todos os dias tivéssemos uma actividade diferente e assim aproveitarmos o tempo o melhor possível. Uma das actividades que agendei foi a ida ao mercado de Olhão.

Em Abril quando participei no programa Paladares ao Sul, dinamizado pela Associação do Sotavento Algarvio, falhei a visita a este mercado e agora não quis perder a oportunidade. Na passada quinta-feira o programa era passar o dia na Ilha do Farol - como é usualmente conhecida uma das pontas da Ilha da Culatra onde fica o farol - mas antes de apanharmos o barco e seguirmos viagem ainda tive tempo de visitar o mercado que está dividido em dois edifícios. Um deles dedicado ao peixe fresco e o outro às frutas, legumes e carnes. Por mais mercados que visite continuo a deliciar-me com a qualidade dos produtos, a variedade e a apresentação. De férias faço as compras sempre nos mercados. O peixe é fresquíssimo, as frutas e legumes são saborosas e têm cheiro. Um pêssego cheira a pêssego, o tomate a tomate, etc.

A visita ao mercado foi muito rápida, mas ainda descobri o litão seco, um pequeno tubarão que costuma também ser servido na noite de consoada na zona de Olhão.

A viagem até à Ilha da Culatra demorou sensivelmente 45 minutos. O barco ia cheio de veraneantes carregados de chapéus de sol, sacos com toalhas de praia e lancheiras. Procurei um lugar onde pudesse contemplar as vistas e sentir os salpicos da água fresca do mar. Ao longo da viagem a paisagem é bonita. Descobri que há locais marcados pelos respectivos proprietários para a apanha da amêijoa. As canas e as bandeiras são disso sinal. Chegámos à Ilha do Farol antes das 10 horas da manhã e a nossa missão foi descobrir a Casa Cor-de-rosa, dos primos Téte e Gino. Ora é no final desta rua - diziam os meus sogros ... ora não é. Se calhar é na outra rua, acho que é mais junto à água, diziam o Ricardo e o Hugo - e assim andámos um bom bocado até encontrarmos a Casa Cor-de-rosa. Desde que conheci o Ricardo que ouvi falar da Ilha do Farol, das estórias de verão ali passadas com os primos Telma e André, mas esta foi a primeira vez que ali fui e estava cheia de curiosidade. A ideia que construí não correspondeu àquilo que vi. A zona residencial está bem arranjada e organizada. As casas são bonitas, algumas até parecem de brincar.

A manhã passámo-la na praia. E foi preenchida com muitas idas à água, banhos de sol e muita conversa, especialmente com as primas Telma e Téte sobre a Ilha, a Casa Cor-de-rosa que tem cerca de 45 anos e que sempre foi cor-de-rosa. Falámos também das dificuldades do dia-a-dia dos primeiros moradores, do modo como se abasteciam de víveres - durante muitos anos não houve luz eléctrica e só muito recentemente tiveram água canalizada. Condições duras para usufruírem de um pedacinho de paraíso.

Na Ilha do Farol a água é límpida e de vários tons de azul, azul transparente, azul intenso. Não há carros e à noite deve-se ouvir apenas o som das ondas e pouco mais. Silêncio.

À hora marcada, sentámo-nos para almoçar. Que privilégio almoçar com vista para a Ria! Começámos a nossa refeição com ovas de choco feitas na frigideira com azeite, alho e colorau. Uma verdadeira surpresa. Nunca tinha visto nem comido ovas de choco. Estavam macias e são completamente diferentes de outro tipo de ovas que já comi, como por exemplo de pescada ou até mesmo de sardinha.

De seguida veio para a mesa amêijoas à Bulhão Pato, umas amêijoas grandes, fresquíssimas (ainda nessa manhã as tinha visto vivinhas num alguidar com água) e saborosas. A simplicidade dos temperos só se consegue se a qualidade do produto for excelente. Estas amêijoas feitas com alho, azeite e coentros estavam divinais!

O prato principal foi uma magnífica feijoada de chocos feita pelo Gino e pela sua irmã Bélinha. Esta feijoada ainda soube melhor sabendo que foram eles que apanharam os chocos numa das suas muitas idas à pesca.

Para sobremesa foram servidas fatias frescas de melancia, comprada essa manhã no mercado de Olhão, encharcada de ovos e bolo.

Finalizámos a refeição com um vinho branco Quinta da Alorna 2007 de colheita tardia, bem fresquinho, que o Gino fez questão de nos dar a conhecer. Sugestão aprovada! ;)

À tarde demos um passeio até ao pontão da barra. Surpreendi-me mais uma vez com a quantidade de peixe que se consegue observar e acima de tudo com a transparência da água.

Pude também ver ao longe a Ilha da Barreta, mais conhecida por Ilha Deserta. Ao pôr-do-sol regressámos a Olhão com a sensação de um dia muito bem passado.


17 comentários:

  1. Um dia em cheio...
    Obrigado por partilhares estes teus bocadinhos fantásticos...
    Continuação de boas férias...
    Beijinhos....

    ResponderEliminar
  2. Adoro este tipo de histórias... que dia óptimo!.... cheio de cor, sabor e afectos!... Do melhor!
    babette

    ResponderEliminar
  3. uma estoria do setimo ceu! :)
    adorei ler e ver as fotos. tambem passei dias magnificos na ilha do farol, apesar de ja la nao ir ha algum tempo.
    bjs

    ResponderEliminar
  4. Amiga, eu fiquei na primeira paragem do barco!
    Adorei a ilha.
    Para a próxima vou para o farol e vou conhecer a Casa Cor-de-Rosa. :)

    Paraíso!!

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  5. Que fantástica reportagem e as fotos, uma maravilha. Um verdadeiro colírio para os olhos!
    Beijinhos,
    Lia.

    ResponderEliminar
  6. alguem me pode informar onde se faz no algarve,degustação de vinhos e queijos??obrigada desde já
    sílvia alves

    ResponderEliminar
  7. Ricos aniversários foram passados na casa cor de rosa! ;o))) Bjs

    ResponderEliminar
  8. Alguém se esqueceu de incluir a casa cor-de-rosa na nossa visita. Proponho novo agendamento pra irmos conhecer o que falta :) Essa comidinha... ai, era muito capaz de viver do que o mar desse!

    ResponderEliminar
  9. Ola :-)

    No final de Outubro vou rumar a Olhao para o que eu espero serem as minhas ferias de Verao (se o tempo estiver como o ano passado serao ehehe). Adoro Olhao e as redondezas. Este post fez-me querer muito que o tempo passe depressa e tambem eu possa usufruir destas delicias.

    Beijinhos
    Aprendiza de Cozinheira

    ResponderEliminar
  10. Um dia bem passado, em muito boa companhia e brindado com um belo almoço, sim senhor! ;) A casa cor-de-rosa continua a fazer história e a deixar boas recordações... às mais de 3 gerações que já passaram por lá! Não é Joaninha & Duarte? ;)

    ResponderEliminar
  11. Olá!
    Sou seguidora deste blog há algum tempo e encanto-me sempre com o que por aqui vejo. Mas hoje foi especial. Estou neste momento na ilha do Farol e gostei da descrição feita. O Farol é mesmo apaixonante. Ainda cheguei a passar férias no Farol sem luz e até isso tinha o seu lado engraçado. É a melhor praia do Algarve, sem dúvida.

    ResponderEliminar
  12. Olá Aprendiza de Cozinheira,

    se tiveres possibilidade visita a Ilha do Farol, em Outubro deve ter uma beleza especial.

    Um beijinho,

    ResponderEliminar
  13. Raquel,

    muito obrigada pelo comentário. Que feliz coincidência! Fiquei fã do Farol.

    Um beijinho,

    ResponderEliminar
  14. Confirmo tudo :)
    Há trinta anos que passo férias na Ilha do Farol, de onde escrevo neste preciso momento. Vim a primeira vez tinha seis anos, com os meus pais, sem luz e com água do poço, os banhos eram tomados no terraço com água que deixavamos ao sol durante o dia. Andavamos descalços um mês inteiro e voltavamos a Lisboa curtidos do sol até aos ossos. A tradição mantém-se (tirando o conforto dos banhos com água quente e a luz que nos traz apenas e só o que eram luxos há trinta anos atrás) e já vai na terceira geração que tem como "as melhores férias do mundo" as que passamos aqui. A noite hoje está especialmente silenciosa, os últimos barcos foram cheios a abarrotar e pouco ou nada se ouve aqui do alpendre.

    Salete Silva

    ResponderEliminar
  15. Obrigada pela linda descrição de uma ilha que tanta recordação me trás, sem agua e sem luz, mas um verdadeiro paraíso. Subtitui-a á 20 anos pela Armona (a parte pobre eheheheheheh, ao largo da Fuzeta) atualmente sem as casinhas, mas que para mim é sinónimo de beleza, sossego, bem estar e muitas alegrias.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá,
      eu adorei estar na Ilha do Farol. Uma experiência muito especial. É mesmo um verdadeiro paraíso.
      Obrigada.
      Um beijinho.

      Eliminar