10h30 - 13h00      Conservas Portuguesas na Ementa
 
15h00 - 17h30      Doçaria Tradicional Portuguesa
Inscrições limitadas   work@sott.pt   91 700 1802 espaço WORK IT

terça-feira, 31 de Janeiro de 2012

Migas de tomate com peitos de frango recheados com morcela e maçã


Há pratos que gosto de fazer com tempo. A paciência com que se fazem determinam o seu bom resultado. Rechear peitos de frango e fazer migas, são dos tais pratos que precisam de ser feitos com disposição. Ter tempo para conjugar os ingredientes e depois sentarmo-nos à mesa e saboreá-los com todo o peso da nossa alma.


Peitos de frango recheados com morcela e maçã

Ingredientes:
2 peitos de frango
100g de morcela de sangue ou chouriço de sangue
1 maçã limpa de pele e sementes
sal e pimenta
sumo de 1 limão
azeite
cebolinho picado


1. Pré-aquecer o forno a 200ºC.

2. Cozer a morcela. Retirar-lhe a pele.

3. Triturar a morcela com a maçã.

4. Abrir os peitos de frango ao meio. Temperar com sal e pimenta.

5. Rechear os peitos com a mistura de morcela com maçã. Com a ajuda de 3 a 4 palitos fechar os peitos.

6. Colocar os peitos de frango num recipiente de forno. Regar com o sumo de limão e um fio de azeite. Levar ao forno durante 20 a 25 minutos, dependendo do tamanho dos peitos de frango.

7. Servir os peitos de frango com migas de tomate. Polvilhar com cebolinho picado e regar com um fio de azeite.


Migas de tomate

Ingredientes:
150g de pão seco demolhado em água quente
10 colheres de sopa de água quente
1 cebola picada
3 dentes de alho picados
3 colheres de sopa de azeite
1 tomate grande maduro limpo de peles e sementes (usei congelado)
sal e pimenta


1. Refogar no azeite a cebola e o alho. Assim que a cebola quebrar juntar o tomate picado. Deixar refogar mais um pouco.

2. Adicionar o pão demolhado e escorrido. Juntar a água quente, temperar com sal e pimenta a gosto, e deixar apurar até à consitência desejada, mexendo regularmente.


A quantidade de água quente a colocar depende se o pão está bem demolhado ou não. É importante escorrer o pão para podermos controlar a água a colocar.

Este prato resultou numa aromática combinação de sabores. A mistura de morcela com maçã resulta na perfeição como recheio dos peitos de frango. As migas de tomate são o exemplo de que a simplicidade é uma grande aliada de tudo o que é saboroso e bom.

segunda-feira, 30 de Janeiro de 2012

As receitas que os leitores mais gostaram em 2011 e um agradecimento


Quando recebemos algo especial, que nos faz sorrir e sentir que afinal vale a pena, o que temos que fazer é sentir gratidão e agradecer.

A publicação de hoje é um pequeno gesto de gratidão. Uma forma de agradecer a todos os leitores que ajudam a fazer este blogue, com uma visita e/ou com comentários. Uma forma de reconhecimento por terem eleito o Cinco Quartos de Laranja como melhor blogue de 2011 na área de Culinária/Gastronomia numa iniciativa promovida pelo blogue Aventar.

Ver o nosso trabalho reconhecido dá-nos força para continuar e tentar fazer ainda melhor.

Para todos vocês, aqui fica um gesto de agradecimento, as vinte receitas que os leitores mais gostaram, no ano que passou:

- Bolo de Café do Mississipi;
- A tentação em forma de bolo de chocolate;
- Bolo de Medronhos;
- Bolo de courgette com farinha de alfarroba e amêndoas;
- Bolachinhas de gengibre;
- Muxama de atum com azeite de ervas;
- Polvo à Lagareiro;
- Gelado de romã com mel e iogurte;
- Sumo de morangos e framboesas;
- Bolo de Tangerina e coco;
- Courgette recheada com farinheira e tomate;
- Pá de porco assada no forno com alecrim e laranja;
- Bolo de banana com canela e nozes;
- Salada de amoras silvestres com queijo de cabra fresco;
- Pataniscas de camarão;
- Risotto de morango;
- Creme de abóbora, funcho e cominhos;
- Bolo de chocolate;
- Pastéis de nata;
- Salada com queijinhos frescos Saloio.

Muito obrigada. Um grande bem-haja para todos!

sexta-feira, 27 de Janeiro de 2012

Carne de porco assada no forno com mostarda e limão


Volta não volta, os assados no forno fazem parte da minha cozinha. Adoro carnes, peixes e frutas assadas. Há qualquer coisa de muito reconfortante nos pratos de forno, especialmente nos dias frios, que me transportam para um elevado grau de satisfação. O cheiro delicioso que invade a cozinha, sempre que fazemos assados, deixa-nos em alerta, em antecipação, a desejar que chegue a hora de provar.

Associo os assados à cozinha da minha mãe, a pratos cheios de sabor ou melhor, a uma mistura de sabores apurada, deliciosa, que desperta em nós vários sentidos e nos dão um reforço de energia acrescido.


Ingredientes:
1,850Kg de carne de porco da perna para assar
100g de banha de porco
2 colheres de chá de mostarda Dijon
1 colher de sopa de tomilho fresco
8 folhas de sálvia picadas
sal e pimenta
sumo de 1 limão


1. Pré-aquecer o forno a 180ºC.

2. Numa taça misturar a banha, a mostarda, as ervas, o sal e a pimenta.

3. Secar a carne com papel absorvente. Barrar a carne com o preparado anterior.

4. Colocar a carne num tabuleiro de forno. Regar com o sumo de limão.

5. Levar a assar durante duas horas.


Para controlar mais eficazmente o tempo de forno da carne, aconselho o uso de um termómetro.

Usei folhas de sálvia fresca na carne. Tenho uma relação estranha com esta erva, do género amor ou ódio. A primeira vez que usei sálvia fresca foi num lombo de porco. O lombo era recheado com folhas de sálvia e alperces secos marinados em vinho branco. Na altura achei o sabor da sálvia demasiado forte, enjoativo que, depois de pronto acabei por comer muito pouco.

Numa tentativa de me reconciliar com a sálvia, comprei seca em pó e gostei. Para além disso, quando tinha quintal plantei sálvia roxa e usava regularmente nos cozinhados, e gostava. Agora voltei a usar sálvia de folha verde, que se encontra facilmente nos supermercados, e o cheiro voltou-me a dar sinal que a devo usar com moderação. E foi o que fiz neste assado e resultou muito bem.

Pouco a pouco vou restabelecendo uma ligação de gosto com esta erva aromática. O gosto também se educa, não é?

quinta-feira, 26 de Janeiro de 2012

Tagliatelline de chocolate com molho de amêndoa e mascarpone


As viagens para mim são uma paixão. Adoro conhecer novos locais, pessoas, mercados e novos produtos. Quando viajo procuro trazer sempre dos locais por onde passo alguma coisa que depois me faça reviver os momentos que ali passei, para além dos milhares de fotografias que tiro sempre. E como somos dois de máquina em punho, imaginam a quantidade de fotografias que trazemos sempre de cada uma das nossas viagens.

Quando estive em Perúgia, nas últimas férias de verão, não resisti a comprar numa loja uma massa de chocolate. Perúgia tem uma forte ligação ao chocolate e encontramos várias lojas com deliciosos bombons e vários outros produtos em que este ingrediente é a estrela. Foi ali que nasceu os conhecidos Baci.

Ontem, quando cheguei a casa resolvi fazer para jantar a massa de chocolate. Ao ler as instruções de confecção reparei que tinha também uma sugestão de receita. Ao lê-la agradou-me a ideia do molho apresentado, feito com amêndoa ralada e queijo mascarpone. Fiz algumas alterações e o resultado final, foi o que vos apresento hoje.


Ingredientes:
250g de tagliatelline de cacau/chocolate
100g de amêndoa ralada
100g de queijo mascarpone
50g de manteiga + 1 colher de sopa
10 colheres de sopa de leite
250g de cogumelos Paris
sal e pimenta preta de moinho
queijo parmesão ralado para polvilhar
cebolinho picado


1. Saltear os cogumelos numa colher de manteiga e reservar.

2. Cozer a massa em água, seguindo as instruções da embalagem.

3. Misturar a amêndoa ralada com cinco colheres de sopa de leite.

4. Colocar a manteiga numa frigideira e levar ao lume. Quando derreter, adicionar a pasta de amêndoa. Mexer bem.

5. De seguida adicionar o mascarpone. Mexer e retirar do lume. Juntar o leite restante e temperar com sal e pimenta a gosto.

6. Depois da massa cozida, escorrer. Servir com os cogumelos salteados e o molho de amêndoa e mascarpone. Polvilhar com queijo parmesão e cebolinho picado.


O molho fica intenso, encorpado. A amêndoa é aqui o ingrediente que faz a diferença, dando textura ao prato. Quem quiser poderá acrescentar um pouco mais leite no final, de modo a que o molho fique mais líquido.

E foi assim, com uma massa a saber a Perúgia que ontem viajei, pelas asas da memória, até Itália.

Bom dia a todos.

quarta-feira, 25 de Janeiro de 2012

Filetes de cavala e cuscuz com tomate cereja e laranja


Nos últimos tempos só se tem ouvido falar de crise. A crise chegou e instalou-se nas nossas vidas. Se fosse uma senhora, as notícias caracterizariam-na, como pouco simpática, avarenta e que torna a vida dos outros cada vez mais complicada, deixando-nos a todos, quase à beira de um ataque de nervos perante tanto corte e tanto aumento.

Eu tinha prometido a mim mesma não falar de crise. O facto de estarmos sempre a ouvir falar do mesmo, bloqueia-nos, começamos a viver em função daquilo que ouvimos. E na minha opinião, essa senhora que nos puxa pelos cordões à bolsa, não merece tanta da nossa atenção diária. Como já ouvi alguém dizer, existe vida para além da crise e esta pode ser um ponto de partida para muitas coisas.

Há uns tempos atrás, uma amiga minha dizia que a crise a levou a reflectir e que deu por si a perceber que não precisa assim de tanta coisa material e que o mais importante são as pessoas e os bons momentos que passamos com elas. E eu concordo plenamente. Esta pode ser uma altura para as pessoas se voltarem umas para as outras, aproximarem-se, estreitarem laços. Tudo se torna mais fácil com o apoio e ajuda de quem nos rodeia. Não somos ilhas, e para fazermos face ao quer que seja é muito melhor estarmos acompanhados e podermo-nos ajudar uns aos outros. Estabelecer uma rede de contactos é fundamental.

Por outro lado, a crise pode funcionar para nos impulsionar a sermos cada vez mais exigentes. E até alterarmos alguns dos nossos hábitos, por exemplo, preferirmos cada vez mais os produtos da estação, visitar mercados e feiras, e comprar aos produtores directamente. Ou até descobrir novos produtos a que não davamos grande importância.

Eu, por exemplo, ando encantada com as cavalas, um peixe pouco valorizado e ralativamente barato. Durante uns bons anos não liguei nenhuma a este peixe. Cavalas ou sardas, só cozidas com batatas e isso, não me seduzia nada. Por isso, foi um peixe a que torcia rapidamente o nariz. Mas agora que as comecei a confeccionar em filetes, tenho-me tornado uma verdadeira fã. A carne deste peixe é muito saborosa. Disseram-me que fritas e alimadas também dão num belíssimo petisco. O que eu andei a perder!


Ingredientes:
2 a 4 filetes de cavala
sumo de 1 limão
1/2 colher de chá de harissa
1/2 colher de chá de cominhos em pó
sal
1 colher de sopa de manteiga bem cheia


1. Numa taça misturar o sumo de limão com os cominhos, a harissa e o sal. Mexer.

2. Regar os filetes com o preparado anterior e deixar a marinar durante 30 minutos.

3. Colocar a manteiga numa frigideira. Levar ao lume, quando a manteiga estiver derretida colocar os filetes com o lado da pele para baixo, e o molho da marinada. Deixar alourar de um lado e do outro.

4. Servir os filetes com cuscuz. Regar com um pouco do molho dos filetes.


Cuscuz com tomate cereja e laranja

Ingredientes:
250g de cuscuz
2,5dl de água quente
2 colheres de sopa manteiga
1 cebola roxa picada
8 tomate cereja cortado ao meio
supremos de 2 laranjas
pimenta preta de moinho
folhas de rúcula

1. Colocar os cuscuz numa taça. Regar com a água quente de modo a tapar os cuscuz.

2. Numa frigideira colocar a manteiga. Levar ao lume. Assim que a manteiga estiver derretida, adicionar os cuscuz. Envolver na manteiga com a ajuda de um garfo de modo a separar os grãos.

3. Colocar os cuscuz numa taça. Adicionar a cebola picada, o tomate cereja, os supremos de laranja cortados, a pimenta e folhas de rúcula. Mexer.

4. Servir os cuscuz com os filetes de cavala e um pouco do seu molho ou então, com um fio azeite.


Os filetes ficam com um delicioso sabor a cominhos e a limão, e no final de boca toque ligeiramente picante da harissa.

O importante, também, é pensar de forma positiva e sorrir. Em Lisboa, na Av. da Índia, existe uma exposição de fotografias com pessoas a sorrir, inserido no Projecto Inside Out, e com um ar tão bem disposto que nos contagia. Ao vermos as imagens, acabamos por inevitavelmente sorrir também e pensar, que apesar dos cortes e das dificuldades, nunca, de maneira nenhuma podemos perder o pensamento positivo, olhar em frente e sorrir.

A todos, votos de um dia com muitos sorrisos.

terça-feira, 24 de Janeiro de 2012

Pudim de ovos com tangerina


A abundância de um legume ou fruta é por vezes o factor determinante na escolha das receitas a confeccionar, cá por casa. E a receita de hoje, não foi excepção.

Nos últimos tempos a tangerina ou melhor, as clementinas, têm invadido a minha cozinha, com se quisessem fugir das árvores e sacrificaram-se voluntariamente aos desígnios do gosto humano. Às vezes queixo-me porque acho que são muitas, demasiadas, e nem sei se lhe consigo dar a volta. Mas esta abundância é tão boa, que quando me começo a queixar, desisto logo. Perante a fartura, o melhor é encontrar soluções para usarmos o que temos e valorizar os bons produtos, especialmente aqueles que conhecemos a sua proveniência.

Já usei as tangerinas em bolos, em gelatina e agora num delicioso pudim de ovos.


Ingredientes:
12 ovos
0,5L de leite gordo
10g de farinha Maizena
300g de açúcar
2dl de sumo de tangerina
raspa de 2 a 3 tangerinas

Para caramelizar a forma:
150g de açúcar
sumo de 1 tangerina


1. Pré-aquecer o forno a 180ºC.

2. Num recipiente misturar todos os ingredientes e bater com a batedeira dois a três minutos.

3. Para caramelizar a forma, colocar o açúcar e o sumo de tangerina na forma. Levar ao lume e deixar ferver até formar caramelo. Retirar do lume e com cuidado, fazer correr o caramelo pelas paredes da forma.

4. Deitar o preparado anterior na forma caramelizada.

5. Colocar a forma num tabuleiro com água e levar ao forno a cozer durante 1 hora.

6. Depois de cozido, retirar do forno e desenformar apenas quando estiver frio.


O pudim fica delicioso, intenso. Sem ser demasiado doce, tem por isso a preciosa ajuda do caramelo. Levei este pudim para o almoço com os meus pais no sábado e todos adoraram.

Espero que gostem.

segunda-feira, 23 de Janeiro de 2012

Risotto de courgette com ovo escalfado e azeite de trufa


O arroz é um dos ingredientes que nunca falta na minha cozinha. Escolho normalmente o carolino, um arroz muito versátil, o basmati e o arbório, este último apenas para fazer risotto. Já usei com mais frequência o agulha e o vaporizado curiosamente, este último já não compro vai para anos.

Adoro arroz. Um prato de arroz assemelha-se a uma grande dose de conforto, cheio de sabor. Nem são precisos muitos ingredientes para tornar um arroz delicioso. Veja-se o caso da receita de hoje.


Ingredientes:
350g de arroz para risotto
2 chalotas picadas
1dl de azeite
1dl de vinho branco
2 courgettes pequenas raladas (300g)
9dl de caldo de legumes
1 colher de sopa de manteiga sem sal
1 a 2 ovos escalfados por pessoa
pimenta para polvilhar
cebolinho ou manjericão picado
azeite trufado para servir


1. Num tacho colocar as chalotas e o azeite. Levar ao lume e deixar refogar um pouco.

2. Adicionar o arroz e deixar fritar um pouco, mexendo.

3. Refrescar o arroz com o vinho branco.

4. Juntar a courgette ralada. Adicionar o caldo de legumes pouco a pouco, à medida que o arroz vai pedindo. Deixar cozinhar em lume brando.

5. Assim que o arroz estiver cozido, adicionar a manteiga, mexer e servir.

6. Servir o risotto com os ovos escalfados, polvilhados com pimenta preta acabada de moer, cebolinho picado e um fio de azeite trufado.


O azeite trufado poderá ser substituído por um outro azeite a gosto.

Adoro começar uma nova semana assim, com um prato que resultou muito bem, que adorámos e que no fundo, nos deu alegria e sorrisos de boca cheia. O modo como se começa a semana, influencia o seu decorrer. É bom começar bem.

A todos, votos de uma semana de bons cozinhados.

sexta-feira, 20 de Janeiro de 2012

Bolo de courgette com cenoura e laranja


Nos últimos tempos a sexta-feira tem-se tornado num dia especial. Como é véspera de fim-de-semana, depois do jantar, a noite prolonga-se num programa calmo em frente a um filme previamente escolhido para ver.

Ver um filme, exige alguma coisa para acompanhar. Nos últimos tempos tem sido um bolo, houve alturas em que era gelado, outras chocolate e outras ainda, uma tacinha generosa com pistácios (um vício!).

Para quem, como eu, nos últimos tempos procura fazer uma sobremesa doce para iniciar o fim-de-semana, hoje deixo-vos esta sugestão, bolo de courgette com cenoura e laranja, da revista BBC GoodFood de Setembro de 2011. Como todos os bolos de courgette que tenho feito, este é mais um que ficou muito bom. É caso para dizer: - E viva a courgette nos bolos! Experimentem.


Ingredientes:
250g de manteiga sem sal
200g de açúcar
3 ovos grandes
250g de farinha
1 colher de chá de bicabornato de sódio
raspa de duas laranjas
1 colher de chá de mistura de especiarias (canela, gengibre, noz moscada)
100g de cenoura ralada
100g de courgette ralada com a casca

Para a cobertura:
140g de açúcar em pó
3 colheres de sopa de sumo de laranja
zestes (raspa em forma de tirinhas) de 1 laranja


1. Pré-aquecer o forno a 180ºC.

2. Untar uma forma de 24 cm com margarina.

3. Bater a manteiga, os ovos, o açúcar, a farinha, o bicarbornato, a raspa de laranja e a mistura de especiarias. De seguida, juntar a courgette e a cenoura.

4. Colocar a mistura na forma e levar ao forno durante 30 a 35 minutos. Antes de retirar do forno, verificar com um palito a cozedura.

5. Para a cobertura misturar muito bem com uma vara de arames o açúcar em pó e o sumo de laranja. Regar o bolo com esta mistura. Polvilhar com as zestes de laranja.


Nesta receita, para a cobertura diminui a quantidade de açúcar e depois arrependi-me. O bolo absorveu tudo e ficava mais bonito com a cobertura por cima.

Este bolo ficou muito bom. Macio e cheio de sabor.

Quem provou, quis repetir!

quinta-feira, 19 de Janeiro de 2012

Pernas de frango assadas com ervas e limão


O frango é uma das carnes que consumo regularmente. Nas minhas escolhas dou sempre prioridade ao frango do campo, e quando é caseiro, feliz, daqueles que tiveram a oportunidade de comer pedrinhas e erva, melhor ainda.

Para mim, existe uma enorme diferença em termos de sabor e em termos de textura, entre a carne de um frango que possa esticar as pernas de um que passou a pouca existência sentado ou sem espaço para dar uma corridinha. São duas carnes diferentes. A primeira mais consistente e mais saborosa. As receitas podem ser muito boas, mas os produtos que usamos fazem em muito a diferença.


Ingredientes:
2 pernas de frango do campo
2 dentes de alho
1 colher de chá de pimenta preta em grão
sal grosso
1 colher de sopa de folhas de alecrim
1 colher de sopa de tomilho
1 raminho de salsa
2 colheres de sopa de sementes de mostarda
2 colheres de sopa de manteiga
1 colher de chá de pimentão doce
sumo de 1 limão
1 limão cortado em rodelas finas


1. Num almofariz, trabalhar a pimenta com o sal e os alhos até formar uma pasta.

2. Acrescentar as ervas picadas e a manteiga. Misturar muito bem. Por fim, adicionar as sementes de mostarda.

3. Barrar as perna de frango com esta pasta, colocando uma boa parte por baixo da pele.

4. Colocar a carne num tabuleiro de forno. Polvilhar com pimentão doce e regar com o sumo de limão.

5. Dispor rodelas de limão por cima das pernas e levar ao forno pré-aquecido a 180ºC durante 50 minutos.


As ervas que usei são uma sugestão. Podem-nas substituir por outras a gosto. O tempo de forno, depende do tamanho das pernas do frango. Estas que cozinhei eram grandes.

A carne ficou deliciosa, com um delicado travo a limão. Acompanhei com legumes cozidos e uma salada de tomate.

quarta-feira, 18 de Janeiro de 2012

Creme de abóbora com alho-francês e gengibre


Chego a casa, durante a semana, alguns dias tarde. A solução para uma refeição reconfortante é muitas vezes uma sopa, bem quentinha, às vezes até quente demais, quando sai da panela e vai logo para a mesa. As sopas são pratos em que o que têm de simplicidade é ultrapassado pela complexidade de aromas e pelo conforto que nos dão. Há dias em que depois de uma boa taça de sopa, já não é preciso mais nada.

Para um jantar apressado ou não, uma sopa é sempre uma boa opção.


Ingredientes:
1Kg de abóbora cortada em pequenos cubos
2 dentes de alho cortados
1 cebola picada
10g de gengibre fresco ralado
350g de alho-francês sem rama cortado às rodelas
1dl de azeite
50g de manteiga sem sal
1,2L de água ou caldo de legumes quente
paprika para polvilhar
croutons


1. Colocar a manteiga e o azeite num panela. Juntar os legumes e o gengibre. Levar ao lume e deixar refogar, mexendo, uns minutos.

2. Adicionar a água. Temperar com sal e deixar acabar de cozer.

3. Depois do legumes cozidos, triturar com a ajuda da varinha mágica.

4. Servir o creme polvilhado com uma pitada de paprika e croutons.


A sopa fica cremosa, com um ligeiro toque do gengibre a dar-lhe personalidade. Resultou muito bem.

terça-feira, 17 de Janeiro de 2012

A experiência de fazer iogurte e a vontade de mudança


MUDE

Mude, mas comece devagar,
porque a direção é mais importante que a
velocidade.

Sente-se em outra cadeira, no outro lado da mesa.
Mais tarde, mude de mesa.

Quando sair, procure andar pelo outro lado da rua.
Depois, mude de caminho, ande por outras ruas,
calmamente, observando com
atenção os lugares por onde você passa.

Tome outros ônibus.

Mude por uns tempos o estilo das roupas.
Dê os seus sapatos velhos.
Procure andar descalço alguns dias.
Tire uma tarde inteira para passear livremente na praia,
ou no parque, e ouvir o canto dos passarinhos.

Veja o mundo de outras perspectivas.

Abra e feche as gavetas e portas com a mão esquerda.
Durma no outro lado da cama...
Depois, procure dormir em outras camas
Assista a outros programas de tv,
compre outros jornais... leia outros livros.

Viva outros romances.

Não faça do hábito um estilo de vida.
Ame a novidade.
Durma mais tarde.
Durma mais cedo.

Aprenda uma palavra nova por dia numa outra língua.

Corrija a postura.

Coma um pouco menos, escolha comidas diferentes,
novos temperos, novas cores, novas delícias.

Tente o novo todo dia.
O novo lado, o novo método, o novo sabor,
o novo jeito, o novo prazer, o novo amor.

A nova vida.

Tente.

Busque novos amigos.
Tente novos amores.
Faça novas relações.

Almoce em outros locais,
vá a outros restaurantes,
tome outro tipo de bebida,
compre pão em outra padaria.

Almoce mais cedo,
jante mais tarde ou vice-versa.

Escolha outro mercado... outra marca de sabonete,
outro creme dental...
Tome banho em novos horários.

Use canetas de outras cores.
Vá passear em outros lugares.

Ame muito,
cada vez mais,
de modos diferentes.

Troque de bolsa, de carteira, de malas,
troque de carro, compre novos
óculos, escreva outras poesias.

Jogue os velhos relógios,
quebre delicadamente
esses horrorosos despertadores.

Abra conta em outro banco.

Vá a outros cinemas, outros cabeleireiros,
outros teatros, visite novos museus.

Mude.

Lembre-se de que a Vida é uma só.
E pense seriamente em arrumar um outro emprego,
uma nova ocupação,
um trabalho mais light, mais prazeroso,
mais digno, mais humano.

Se você não encontrar razões para ser livre, invente-as.

Seja criativo.

E aproveite para fazer uma viagem despretensiosa,
longa, se possível sem destino.

Experimente coisas novas.
Troque novamente.
Mude, de novo.
Experimente outra vez.

Você certamente conhecerá coisas melhores
e coisas piores do que as já
conhecidas, mas não é isso o que importa.

O mais importante é a mudança,
o movimento, o dinamismo, a energia.

Só o que está morto não muda !

Repito por pura alegria de viver: a salvação é pelo risco,
sem o qual a vida não vale a pena !!!


Edson Marques

Mudança é sem dúvida uma palavra para o ano de 2012. Mudar é tão importante. Nada de radicalismos, mas gostaria de efetuar mudanças em pequenas coisas da vida. Voltar a ir ao teatro, ler mais poesia, assitir a uma ópera, a um espectáculo de bailado, marcar encontros com os amigos, sorrir mais, passear por Lisboa, olhar menos vezes para o relógio, olhar mais vezes para o céu, contemplar o Tejo, passear no campo, ir aos museus. Comprar uma peça de roupa com uma cor diferente. Sentar-me mais vezes numa esplanada a comer gelado.

"Tente o novo todo o dia". Quebrar a rotina. É isso que procuro fazer sempre na minha cozinha e este ano de 2012, ainda mais. Uma das primeiras experiências do ano foi fazer iogurte. Para mim foi uma experiência ótima. Desde que comecei a fazer iogurtes, nunca mais parei. Comecei por fazer uma receita de iogurte cremoso, depois fiz um mais sólido, mas o resultado foi sempre o mesmo. Adorámos e entre uma colherada, duas, colheradas ... eis que o iogurte foi desaparecendo.


Ingredientes:
800ml de leite gordo
1 iogurte natural
2 colheres de sopa de leite em pó
1 colher de sopa de mel
1 pacote de açúcar baunilhado


1. Bater muito bem todos os ingredientes.

2. Colocar o preparado na iogurteira e seguir as indicações do fabricante.


Este iogurte ficou cremoso mas sólido, como os que se compram no supermercado.

Para que o iogurte ficasse cremoso, mas mais líquido, aumentei a quantidade de leite para 1L e acrescentei mais uma colher de leite em pó. A minha máquina de fazer iogurtes é a mesma dos gelados, por isso faço o iogurte num recipiente com capacidade para pouco mais de 1L. Como o recipiente permitiu, depois de sair da iogurteira, voltei a batê-lo e coloquei em copos de iogurte que coloquei no frigorífico. O iogurte depois de feito deve ser consumido no prazo de uma semana. Cá nem lhe demos tempo de chegar ao fim da validade!

Desde que comecei a fazer iogurte, os meus pequenos-almoços mudaram também. Agora os dias começam com cereais e fruta.

Mudar. Experimentar coisas novas. Agora, quero experimentar a fazer iogurte com iogurte grego e banana ... e coco, e com muitas outras coisas, novas.

E vocês? Alguma palavra para 2012? Vontade de mudar alguma coisa?

segunda-feira, 16 de Janeiro de 2012

Bife de vaca grelhado com puré de abóbora, espargos e redução de vinho do Porto


Janeiro já vai a meio e o que tenho eu feito? Como tenho procurado aproveitar o meu tempo livre?

Em Janeiro houve tempo para dois filmes:
- Real Steel (Puro Aço). Conta-nos a história do reencontro de um pai com o seu filho depois da morte da mãe, num futuro em que a tecnologia criou robots pugilistas;

- Moneyball (Jogada de Risco). A história baseada em factos reais de um treinador que consegue levar a sua equipa a um resultado inesperado.

Houve tempo para visitar a família e ir tomar café, numa manhã de sábado, com uma amiga, falarmos de livros e das coisas boas da vida.

Consegui terminar três livros:
- A Árvore das Palavras de Teolinda Gersão, que adorei ler. Uma escrita poética, musical que me conquistou plenamente;

- A Ilustre Casa de Ramires de Eça de Queiroz. Eça é um dos grandes escritores portugueses e ando a tentar ler mais algumas das suas obras. Neste romance, Eça de Queirós apresenta-nos Gonçalo Ramires, um fidalgo, e as suas ambições políticas. A convite de um amigo, Gonçalo escreve uma novela, que poderá ser uma forma de ser reconhecido e uma ajuda para a sua carreira política;

- 100 food experiences to have before you die de Stephen Downes, um dos livros que estava na minha lista de desejos de 2011, mas que só agora consegui terminar. O autor apresenta-nos 100 experiências de comida que na sua opinião são imperdíveis. Gostei de ler o livro, fiquei a salivar com alguns dos pratos e fiquei cheia de vontade de fazer alguns. No entanto, surpreendeu-me não haver uma única referência à gastronomia portuguesa. Uma das experiências que devemos ter antes de morrer é comer sardinhas, de escabeche ou fritas segundo o autor, e nenhuma referência às nossas maravilhosas sardinhas assadas. O bacalhau também é referido, mas o autor remete as experiências para Espanha ou Itália.

100 food experiences to have before you die terminei-o ontem à tarde, enquanto ouvia a chuva a cair, depois de um delicioso almoço: Bife de vaca grelhado com puré de abóbora e redução de vinho do Porto.


Bife grelhado

Ingredientes:
2 bifes
flor de sal


1. Grelhar os bifes.

2. Depois de grelhados, polvilhar com flor de sal.


Servir os bifes com puré de abóbora com caril, espargos e uma redução de vinho do Porto. Os espargos foram, depois de arranjados, cozidos durante 4 minutos em água a ferver, temperada com sal.


Puré de abóbora com caril

Ingredientes:
500g de abóbora assada ou abóbora cozida (escorrida)
20g de manteiga
1 colher de chá de caril
5 colheres de leite quente
pimenta preta de moinho
sal


1. Colocar todos os ingredientes num robot de cozinha e reduzir a puré.


Redução de vinho do Porto

Ingredientes:
1 haste de alecrim
1 haste de tomilho
1/2 colher de chá de sementes de coentros
1,5dl de vinho do Porto


1. Colocar o tomilho e o alecrim numa frigideira anti-aderente. Levar ao lume, assim que a frigideira estiver quente, deitar o vinho do Porto. Deixar reduzir durante 5 minutos.


As estrelas deste prato são o puré de abóbora com um ligeiro picante do caril e a redução de vinho do Porto, que combinam na perfeição com o bife de vaca grelhado. Os espargos ficam estaladiços e crocantes, ajudam a dar textura e colorido ao prato.

Este é um prato cheio de sabor para um excelente início de semana.

Na vossa opinião, se tentássemos construir uma lista com as 100 experiências gastronómicas da cozinha portuguesa a ter antes de morrer, quais seriam?

sexta-feira, 13 de Janeiro de 2012

Gelatina de tangerina e espumante e o prazer de fazer algo pela primeira vez


- Quando é que eu fiz algo novo pela primeira vez? É uma pergunta que faço muitas vezes a mim mesma e à qual procuro dar resposta.

Fazer algo pela primeira vez está associado ao prazer bom da descoberta, o prazer de ser surpreendido, de arriscar, cria até uma certa adrenalina, ajuda a abrir mais uma pequena gaveta do conhecimento. Entusiasma-nos.

A novidade ajuda a quebrar a rotina, a sair do habitual. E a cozinha é o local ideal para colocar em prática novas ideias, arriscar novos sabores, fazer alguma coisa que ainda não tenhamos feito. Dá prazer fazer e depois esperar para ver o resultado. E se resultado for partilhado com a família ou amigos, vão ver que o entusiasmo se propaga como fogo numa floresta seca. Enquanto o que fizemos não está pronto, ou enquanto não provamos, a ansiedade e a curiosidade dão as mãos e não nos deixam em paz. Fazer algo pela primeira vez é uma sensação muito boa. É arriscar o imprevisível. É fazer equilibrismo num trapézio sem rede, como Philippe Petit.

Eu procuro fazer coisas novas regularmente. Fazer listas de objetivos a cumprir num ano, ajudam-me a lembrar que quero fazer coisas novas muitas vezes. E, algumas delas pela primeira vez, como é o caso da gelatina. A receita de hoje foi inspirada nesta da revista EveryDay.


Ingredientes:
7dl de sumo de tangerina ou clementina
2 saquetas de gelatina neutra em pó (usei da marca Royal)
4dl de vinho espumante doce
1 colher de sopa de mel
1 pacote de açúcar baunilhado


1. Colocar 5dl de sumo de tangerina num tacho, juntamente com o mel e o açúcar baunilhado. Levar ao lume e deixar ferver 1 a 2 minutos.

2. Dissolver a gelatina no restante sumo de tangerina.

3. Juntar a mistura quente com a gelatina dissolvida. Mexer bem.

4. Por fim, adicionar o vinho espumante. Mexer e colocar numa forma.

5. Levar ao frigorífico quatro horas antes de servir, ou de preferência fazer de um dia para o outro.

Para que o sumo ficasse homogéneo, passei-o por um passador.

Fazer coisas novas dá-nos um grande entusiasmo. Desperta-nos sensações muito boas.

Esta gelatina ficou deliciosa, com um ligeiro travo de boca ao espumante. Não ficou muito doce. Quem preferir pode aumentar a quantidade de mel ou substituir o mel por açúcar.

E vocês, já pensaram quando foi a última vez que fizeram algo pela primeira vez?

quinta-feira, 12 de Janeiro de 2012

Peitos de frango recheados com farinheira, nabiças e nozes


O domingo é o dia em que sinto que tenho tempo para descansar da rotina do dia-a-dia, e das visitas à família. A cidade pára da sua azáfama diária e como diz António Gedeão, "aos domingos as árvores crescem na cidade e os pássaros, julgando-se no campo, desfazem-se a cantar empoleirados nelas".

Aos domingos gosto de acordar com tempo, ler a meu belo prazer, olhar o mundo pela janela da sala, ver a calma das pessoas a andar, ouvir música e ir para a cozinha descansada. Sem pressas. Com tempo para cozinhar. Com tempo para apreciar o que faço, ter ideias, experimentar novas combinações, novos sabores.

O domingo é o dia em que gosto de me sentar à mesa com tempo. Fazer uma refeição demorada. Ter tempo para apreciar. Desligar a televisão. Conversar e rir.

O domingo é o dia em que gosto de ter tempo.

No passado domingo, para o almoço fiz estes peitos de frango recheados. Comprei um frango do campo e retirei-lhe os peitos. As pernas ficaram para outra refeição e com a carcaça fiz um caldo que usei no arroz de açafrão. Fazer isto, a pensar que tenho todo o tempo do mundo, só mesmo ao domingo.


Ingredientes:
2 peitos de frango
1 farinheira (125g)
150g de nabiças
15g de nozes picadas grosseiramente
2 colheres de sopa de pão ralado
1 colher de sopa de ervas picadas frescas (alecrim e tomilho)
1 colher de chá de manteiga
sal e pimenta


1. Cozer as nabiças em água.

2. Depois de cozidas escorrer muito bem e picar grosseiramente.

3. Pré-aquecer o forno a 200ºC.

4. Colocar a farinheira sem pele numa frigideira anti aderente. Levar ao lume e esmagar com a ajuda de um garfo. Adicionar as nabiças picadas e envolver muito bem. Juntar as nozes picadas.

5. Abrir os peitos de frango ao meio. Temperar com sal e pimenta.

6. Rechear os peitos de frango com a pasta de farinheira. Fechá-los com três ou quatro palitos. Colocar os peitos de frango num tabuleiro de forno.

7. Misturar as ervas picadas com o pão ralado. Polvilhar os peitos de frango com esta mistura.

8. Colocar umas nozes de manteiga por cima dos peitos de frango e levar ao forno durante 20 a 25 minutos.


Servi os peitos de frango recheados com arroz de açafrão.


Arroz de Açafrão

Ingredientes
1 chávena de arroz carolino
3 chávenas de caldo de galinha
1 colher de chá de açafrão das Índias (2g)
sal


1. Cozer o arroz carolino no caldo de galinha, com o açafrão das índias e uma pitada de sal, em lume brando durante aproximadamente 20 minutos.


Os peitos de frango recheados com farinheira combinaram muito bem com o arroz de açafrão. Foi uma refeição deliciosa para um domingo com tempo.

quarta-feira, 11 de Janeiro de 2012

Risotto de tomate cereja e gengibre com filetes em manteiga


O meu pai acede quase sempre aos meus pedidos que envolvam a horta. O ano passado, pedi-lhe para semear tomate cereja e em Agosto apanhei sacos e sacos deste delicioso e suculento tomate. No quintal, já tem romãzeiras, um diospireiro e uma físalis.

Uma das coisas que gosta de fazer nos seus tempos livres e quando o mar o permite é ir à pesca com um grupo de amigos. Das pescarias sai sempre peixe que deixa deliciada a família mais próxima. Um dos peixes que apanha com alguma frequência é o sargo. Eu gabo-lhe a paciência e a coragem. Passar um dia a pescar em alto mar deve ser, por um lado uma sensação fantástica, mas por outro lado, deixa-me um certo formigueiro no estômago. Penso logo nas coisas práticas da situação, como sentir o abalo do mar e a paciência que a pesca envolve. Curiosamente, este seu gosto pela pesca despertou em mim a vontade, de um destes dias arranjar uma cana e ir experimentar, mas em terra firme.

Em homenagem ao meu pai, hoje no dia do seu aniversário, resolvi publicar esta receita, que tem muito dele. Um risotto com tomate-cereja e gengibre servido com filetes de sargo passados em manteiga, apanhados num dos seus dias de pesca.


Ingredientes para o risotto:
280g de arroz para risotto
1 cebola picada
3 dentes de alho picados
1 tomate maduro limpo de peles e sementes picado
1 folha de louro
10g de gengibre ralado
1dl de azeite
1dl de vinho branco
9dl de caldo de peixe
180g de tomate cereja cortado ao meio
1 colher de sopa de manteiga
sal


1. Num tacho refogar, no azeite, a cebola e o alho. Adicionar o tomate, o gengibre e a folha de louro.

2. Acrescentar o arroz e deixar fritar uns minutos, mexendo regularmente para não pegar ao fundo.

3. Refrescar o arroz com o vinho branco.

4. Acrescentar aos poucos e poucos o caldo de peixe. Temperar com sal a gosto e deixar cozinhar.

5. Dois a três minutos antes de o arroz estar pronto, adicionar o tomate cereja.

6. Quando o arroz estiver cozido, adicionar uma colher de sopa de manteiga e servir.


Ingredientes para os filetes:
2 sargos ou outro peixe a gosto
2 colheres de sopa de manteiga
coentros picados
sal e pimenta


1. Retirar os filetes dos sargos, deixando ficar a pele.

2. Temperar os filetes com sal e pimenta de moinho.

3. Colocar a manteiga numa frigideira anti-aderente e levar ao lume. Assim que a manteiga derreter, colocar os filetes com a pele virada para baixo. Deixar cozinhar 1 a 2 minuto de cada lado.

4. Antes de retirar da frigideira, salpicar os filetes com coentros picados.

5. Servir os filetes com arroz de tomate cereja e gengibre.


Com as cabeças e as espinhas do peixe fiz um caldo que usei no arroz. O arroz fica delicioso, nota-se o sabor do gengibre e o tomate cereja, como não está totalmente cozido, fica rijinho, crocante, contribuindo para dar textura ao arroz.

Um prato cheio de sabor para um dia especial.

Bom dia a todos.

terça-feira, 10 de Janeiro de 2012

Panna cotta, um desejo concretizado em forma de sobremesa


Fazer panna cotta era um dos meus desejos de 2011. Mas fui deixando passar o tempo, dei prioridade a outros desejos e experiências, e fazer esta deliciosa sobremesa italiana foi ficando para trás. Talvez por isso, logo na primeira semana do ano tenha procurado realizar esta vontade. A receita encontrei-a no livro A Scuola di Cucina.


Ingredientes:
2dl de leite
2dl de natas (usei frescas)
3 colheres de sopa de açúcar
200g de chocolate
1 café expresso com açúcar (5 colheres de sopa)
2 folhas de gelatina


1. Colocar as folhas de gelatina numa taça com água.

2. Colocar o leite, as natas e o açúcar num tacho. Levar ao lume e deixar ferver.

3. Adicionar a gelatina demolhada e escorrida. Mexer. Adicionar o café.

4. Fora do lume, adicionar o chocolate partido. Mexer com uma vara de arames até estar bem dissolvido.

5. Distribuir o preparado por taças e levar ao frigorífico pelo menos 3 horas antes de servir.


A satisfação de mais um desejo concretizado é muito boa.

A panna cotta fica cremosa, com um sabor forte do chocolate e um leve aroma do café.

segunda-feira, 9 de Janeiro de 2012

Coisas doces para saborear até ao dia de Reis, as participações


As participações no desafio Coisas doces para saborear até ao dia de Reis organizado em parceria com a RAR Açúcar são:

1
Receita:Pudim de abóbora de D. Leontina
Autor(a):Marisa Arosa González
2
Receita:Papos de Anjo
Autor(a):Maria
Blogue:Oficina das Papitas
3
Receita:Estrelinhas de Natal com Doce de Framboesa
Autor(a):Fátima Fonseca
Blogue:O Bolinho de Sábado
4
Receita:Estrelas de Natal
Autor(a):Cláudia Almeida
Blogue:Retratos da minha existência
5
Receita:Bolo de Natal
Autor(a):Maria José Machado
Blogue:7 gramas de ternura
6
Receita:Bolachinhas de Natal
Autor(a):Mariana Teixeira
Blogue:Receitas para a Felicidade
7
Receita:Bolachas de Natal
Autor(a):Susana Almeida
Blogue:Salpicos Brancos
8
Receita:Bolachinhas de Especiarias Natalícias
Autor(a):Ginja
Blogue:Ananás e Hortelã
9
Receita:Bolo de Família
Autor(a):Maria
Blogue:Oficina das Papitas
10
Receita:Bolachas de noz e gengibre
Autor(a):Sandra Guiomar
Blogue:Chocolate e Caju
11
Receita:Bolachinhas de Baunilha
Autor(a):Denise Almeida
Blogue:Da Conzinha da Picarota
12
Receita:Pudim de castanhas
Autor(a):Ilídia
Blogue:Acre e Doce
13
Receita:Estrelinhas de Luz
Autor(a):Elsa Soares
14
Receita:Árvore de Limão e Baunilha
Autor(a):Gisela Silva
Blogue:Pão e Beldroegas
15
Receita:Arroz Doce
Autor(a):Patrícia Alexandra
Blogue:pipian Handmade
16
Receita:Bolo de Figo
Autor(a):Patricia Almeida Cheio
Blogue:foodwithmeaning
17
Receita:Brownies
Autor(a):frango do campo
Blogue:Frango do Campo
18
Receita:Biscoitos «Cantucci»
Autor(a):Susana Soares
Blogue:Belina da Ilha
19
Receita:Maple Pecan Muffins
Autor(a):Pintea Ramona Alina
Blogue:Piri Piri e Canela
20
Receita:Maçãs reinetas recheadas
Autor(a):Cristina Fonseca
Blogue:Salpicos Doces
21
Receita:Bolachas com Intermeio de Doce de Tomate
Autor(a):Luísa Alexandra
Blogue:Luísa Alexandra
22
Receita:Brownies de Chocolate
Autor(a):Viciante
Blogue:As Ementas lá de Casa
23
Receita:Compota de cenoura, laranja e gengibre
Autor(a):Paula Marques
Blogue:Sabor a Casa
24
Receita:Rabandas de vinho branco em calda de frutos secos
Autor(a):Carla Carmo
Blogue:De Cozinha em Cozinha passando pela Minha
25
Receita:Bolinhos de bolota
Autor(a):Ana Cristina Lebre
Blogue:Olhapim
26
Receita:Bolo inglês de frutas secas
Autor(a):Ondina Maria
Blogue:Coentros & Rabanetes
27
Receita:Pirâmides de sobras de bolo rei
Autor(a):Isabel Salvador
Blogue:Receitas da Belinha Gulosa
28
Receita:Bolinhos de abóbora com amêndoa e laranja cristalizada
Autor(a):Romy Almeida
Blogue:Receitas da Romy
29
Receita:Tronco de Natal
Autor(a):Suzana
Blogue:Gourmets Amadores
30
Receita:Bolo "Filho de Rei"
Autor(a):Helena Rosa Gonçalves
Blogue:Tentações Sobre a Mesa
31
Receita:Bolachas de Coco e Maracujá
Autor(a):Manuela Batista
Blogue:Cravo e Canela
32
Receita:Bolo com calda de romã e noz
Autor(a):Catarina Fernandes
Blogue:Ideias e Tempos na Vida!
33
Receita:Bolo Rainha
Autor(a):Mané
Blogue:O Bolo da Tia Rosa
34
Receita:Biscoitos de azeite com compota
Autor(a):Manuela Maia
Blogue:Não, não é um blogue
35
Receita:Bolo Inglês com Frutos Secos e Sementes de Papoila
Autor(a):Sofia Rodrigues

Muito obrigada pelas vossas participações. Muito obrigada por numa altura de festas, com a tradicional azáfama, terem pensado neste desafio.

De entre as participações foram sorteadas com uma caixa para bolachas da RAR Açúcar as seguintes entradas:


         #1: Marisa Arosa González;
         #3: Fátima Fonseca;
         #5: Maria José Machado;
       #21: Luísa Alexandra;
       #26: Ondina Maria;
       #31: Manuela Batista;
       #35: Sofia Rodrigues.

Muitos parabéns.

Agradecia que me enviassem por eMail (para mailto:nospam_please@hotmail.com) a vossa morada para que a RAR Açúcar proceda ao envio do referido presente.

Nota: As imagens utilizadas são da autoria dos(as) respectivos(as) autores(as) acima mencionados(as).