Próximos workshops
Porto 22 e 23 de Novembro de 2014
Domingo:
10h30 - 13h00      Receitas para Ofertas de Natal
Inscrições limitadas 25  work@sott.pt   91 700 1802 espaço WORK IT
Lisboa 29 de Novembro de 2014
Sábado:
10h30 - 13h00      Entradas e Aperitivos para Festas
 
 
14h30 - 17h00      Doces de Natal
Inscrições limitadas 30  formacao@acpp.pt   21 362 2705 ACPP

sexta-feira, 24 de Agosto de 2012

30 receitas de sobremesas com chocolate


Queridos leitores,

para a semana vou de férias. O destino escolhido é a Ilha Terceira nos Açores. Eu adoro os Açores e vai saber bem voltar a uma ilha onde já passei momentos muito bons. Já fiz a lista de locais onde quero voltar, mas sugestões de restaurantes e sítios onde não posso deixar de ir são sempre muito bem-vindas.

Relembro que ainda podem concorrer, até dia 31 de Agosto, ao desafio Uma receita com Sabor do Ano. Podem ver as participações na página no Facebook do Cinco Quartos de Laranja e as regras de participação aqui.

Gostaria ainda de partilhar duas coisas boas que nestes últimos dias me deixaram muito feliz. Uma é deixar-vos o convite para lerem a entrevista que dei à Carmen do blogue Breakfast@Tiffany's. A outra, é que o Cinco Quartos de Laranja é o blogue da semana no sítio do Top Chef que passa na RTP.

Nos últimos dias decidi participar no Concurso de receitas Comer e do Hotel Aviz com um Risotto de açafrão com flores de courgette recheadas com requeijão. No restaurante do hotel podemos saborear os pratos do chef Carlos Martins. Se quiserem votar na minha receita, basta clicar aqui e fazer um Like (Gosto) na foto. Obrigada, desde já.

Antes de ir de férias, gostaria de vos deixar trinta ideias deliciosas de sobremesas com chocolate:
- Bolachas com pepitas de chocolate;
- Bolo chiffon de chocolate;
- Bolo de chocolate;
- Bolo de chocolate com amêndoa;
- Bolo de chocolate com mascarpone;
- Bolo de chocolate com recheio;
- Bolo de chocolate e beterraba;
- Bolo de chocolate e castanhas;
- Bolo de chocolate e courgette com avelãs;
- Bolo de chocolate e laranja;
- Bolo de café do Mississippi;
- Bolo mármore;
- Bolo nega maluca;
- Bolo rápido de chocolate;
- Bolo tentação de chocolate;
- Bolo tentação de morango;
- Brownie de chocolate e avelãs;
- Brownie de chocolate e beterraba;
- Gatêau Lawrence;
- Morangos com chocolate derretido;
- Mousse de chocolate;
- Mousse de chocolate com café e cardamomo;
- Panna cotta de chocolate;
- Pão de chocolate e especiarias;
- Pão-de-ló húmido de chocolate;
- Pêras com amêndoas picadas e canela e molho de chocolate;
- Risotto de morango;
- Salame de chocolate;
- Soufflé de chocolate;
- Tarte de húmida de chocolate.

quinta-feira, 23 de Agosto de 2012

Mercado da Ribeira e uma receita de mexilhões


Ao Mercado da Ribeira associo sempre o conhecido cacau quente da Ribeira. Para esta série de apontamentos sobre mercados fui a este mercado duas vezes. Na última tive que passar pelo café que servia um delicioso cacau quente logo pela madrugada, quando com grupos de amigos vínhamos de algum bar ou discoteca, principalmente da 24 de Julho, ou fazia alguma maratona fotográfica pela cidade, na altura já com o Ricardo. Nesses tempos costumava ir ao Bar 24, à Gare Tejo, ao Alcântara Terra. Recordo-me de um bar, na 24 de Julho, que tinha uma flor na porta e dizia Power Flower. As entradas dos bares estavam apinhadas de gente, com cervejas na mão. Parte da Avenida era um mar de gente. Eu sempre que podia guardava um copo de vidro com o logótipo do bar. Ainda hoje guardo alguns. As saídas envolviam o cacau quente na Ribeira ou então comer um cachorro quente com tudo o que tinha direito à saída do Alcântara Terra. Que tempos bons. Sem grandes preocupações, a vida corria com um sorriso largo estampado no rosto.

Hoje já não conseguiria sair até tarde e no outro dia levantar-me cedo e estar com atenção nas aulas. Deveria bocejar a cada segundo, as pálpebras pesadas cairiam a cada instante e claro, o mau humor e a falta de paciência aliam-se nestas alturas e o dia não iria correr nada bem. Há tempos para tudo e é bom que as coisas sejam vividas na altura certa, não é?

O Mercado da Ribeira foi inaugurado em 1882 e tem cerca de mil metros quadrados de área coberta. Tem dois pisos, no inferior encontramos várias floristas, vendedores de frutas, legumes, carne e peixe. No piso superior lojas de artesanato e um restaurante. Aqui têm lugar alguns eventos, como feiras de livros e os bailes da Ribeira. Uma das coisas que marca este mercado para além da área, é a luz. O tecto, tem uma cobertura que deixa entrar a luz, o que é fabuloso e dá-nos uma perspectiva diferente.


Da última vez que tinha ido ao mercado foi num curso de escrita que envolvia a ida às compras com o chef Ljubomir Stanisic e tinha gostado muito da secção do peixe. Desta vez decidi fazer compras e uma das coisas que trouxe foi um saco com mexilhões.


Mexilhões com vinho branco


Ingredientes:
1Kg de mexilhão fresco
1dl de azeite
0,5dl de vinho branco
5 dentes de alho
1 raminho de salsa
1 colher de sopa de tomilho fresco
1 a 2 piripiri


1. Limpar o mexilhão.

2. Picar muito bem dois dentes de alho com o piripiri, a salsa e o tomilho. Reservar.

2. Colocar o azeite num tacho com 3 dentes de alho esborrachados. Levar ao lume e deixar frigir um pouco.

3. Acrescentar o vinho branco, quando levantar fervura adicionar o mexilhão. Tapar o tacho e deixar assim mais ou menos um minuto.

4. Mexer o mexilhão. Tapar o tacho e deixar cozinhar mais um minuto.

5. Polvilhar o mexilhão com a mistura de ervas picadas e mexer. Assim que o mexilhão estiver aberto, retirar do lume e servir com fatias de pão.


Estes mexilhões podem servir como entrada quando se recebe amigos em casa. Para nós foi um almoço. Com pão fresco ensopado no molho e uma cerveja acompanhar. Soube tão bem. A seguir deu-nos uma soneira. Ainda bem que estou de férias!

quarta-feira, 22 de Agosto de 2012

Mercado 31 de Janeiro e uma receita de figos com creme de iogurte e queijo


Ainda me lembro da primeira vez que fui ao Mercado 31 de Janeiro. Foi no ano em que vim estudar para a faculdade e Lisboa era uma cidade fantástica, com imensa coisa para descobrir. Nos primeiros anos fiquei alojada numa residência perto das instalações da Polícia Judiciária e na altura do registo civil, onde se faziam e renovavam os bilhetes de identidade. Ainda me lembro da quantidade de gente que ali ia e que se juntava à porta. Lembro-me perfeitamente de ficar surpreendida por ver pessoas a vender os impressos para a renovação e mais, ajudavam a preencher. Na altura, na flor da juventude, não compreendi como era possível, alguém ganhar dinheiro assim e haver pessoas a pagar. Da última vez que renovei o Bilhete de Identidade percebi, depois de assistir a uma conversa e compreender que a iliteracia é uma realidade, mesmo em gente nova.

Na altura o Mercado 31 de Janeiro não era neste edifício cuidado e espaçoso onde está hoje. Era num espaço improvisado, tipo pré-fabricado. Só voltei a este novo edifício quando comecei a trabalhar no Liceu Camões, mesmo ali ao lado, e uma vez por outra íamos comer peixe fresquinho num restaurante, dedicado ao peixe, no piso superior do mercado. Comia-se lá muito bem e curiosamente nunca mais lá voltei.

Desde que pensei em escrever sobre mercados que voltei ao Mercado 31 de Janeiro duas vezes, em dias e horas diferentes. Nunca consegui ver o espaço cheio. Está certo que é muito grande, mas quando digo cheio, é com várias pessoas a fazerem compras, pessoas de um lado para o outro, a dar uma certa dinâmica e azáfama ao local. Talvez não tenha visto essa azáfama por estarmos em Agosto e ser um mês de férias. Deve ser isso.


O mercado está dividido em dois pisos. No piso inferior encontramos talhos e as bancadas com venda de frutas e legumes. No piso superior o peixe, com forte presença de Açucena Veloso, que costuma estar no Peixe em Lisboa, aqui também encontramos uma florista e venda de flores em vasos. Os vendedores são simpáticos, vão metendo conversa com os potenciais clientes que passam. O espaço está limpo e assim que se entra vem um cheiro a fruta madura misturado com o cheiro da terra molhada e a frescura dos legumes acabados de colher. Por ali encontramos batatas, abóboras, cenouras, nabos com e sem rama, cebolas, maçãs, bananas penduradas em ganchos, louro, alfaces, couves, grelos, brocólos, tomate, tomate cereja, entre muitas outras coisas. Aqui no mercado rendi-me à fruta. Não resisti às uvas encarnadas doces e saborosas, figos pretos e as ameixas Rainha Cláudia, que adoro e que nesse dia consegui comer uma barrigada. Conseguimos matar as saudades de comer figos e os que sobraram dessa nossa investida foram para uma sobremesa bem fresquinha.


Figos com creme de iogurte grego e queijo ricotta


Compota de figos com vinho do Porto

Ingredientes:
250g de figos pretos
1 pau de canela
0,5dl de vinho do Porto
0,5dl de água
50g de açúcar
1 colher de sopa de sumo de limão


1. Colocar os figos cortado em pedaços num tacho. De seguida acrescentar os restantes ingredientes e levar ao lume. Deixar apurar.

2. Deixar arrefecer.


Creme de iogurte grego com queijo ricotta

Ingredientes:
250g de iogurte grego natural
125g de queijo ricotta
1 colher de sobremesa de extracto de baunilha (facultativo)


1. Colocar os ingredientes numa taça e mexer muito bem.

2. Servir o creme com a compota de figos.


A compota e o creme dão para quatro boiões de iogurte. Coloquei quatro colheres de sobremesa de creme na base dos copos, de seguida coloquei duas colheres de compota, mais iogurte e finalizei com a compota de figos. Coloquei no frigorífico umas horas antes de servir e foi sucesso total. O Ricardo acha que fiz pouco!

terça-feira, 21 de Agosto de 2012

Risotto de açafrão com flores de courgette recheadas


O Concurso de Receitas Comer e do Hotel Aviz decorre até 31 de Agosto e eu decidi participar com a receita que vos apresento hoje. Tudo começou com uma ida a Santarém onde fui apanhar flores de courgette. Chegada a casa decidi recheá-las e fazer um arroz de açafrão. O prato ficou tão bom, que o Ricardo me disse: não andavas a pensar numa receita para o concurso do Hotel Aviz? Por que é que não concorres com esta? Às vezes, nem é preciso procurar muito. Estava decidido.

No concurso ganha a receita que tiver mais Likes/Gostos no Facebook por isso se gostaram desta receita eu agradeço desde já o vosso apoio clicando aqui. Basta fazer Like/Gosto na foto da minha receita.


Risotto de Açafrão

Ingredientes:
160g de arroz para risotto
1 cebola picada
1 dente de alho picado
0,5dl de azeite
1dl de vinho branco
1 pitada de açafrão em fios (aproximadamente 12 fios)
2dl de água quente
6dl de caldo de galinha quente
25g de manteiga
15g de queijo parmesão ralado
sal q.b.


1. Colocar os fios de açafrão num copo. Adicionar os 2dl de água quente e reservar.

2. Num tacho colocar o alho, a cebola e o azeite. Levar ao lume e deixar refogar, mexendo uma vez por outra, até a cebola quebrar.

3. Acrescentar o arroz e mexer. Refrescar com o vinho branco. Assim que o vinho evaporar, adicionar o chá de açafrão, com os fios. Temperar com sal.

4. Ir adicionando o caldo de galinha pouco a pouco à medida que o arroz for pedindo.

5. Assim que o arroz estiver cozido, retirar do lume e adicionar a manteiga e o queijo. Envolver bem e servir de imediato com as flores de courgette recheadas.


Flores de courgette recheadas

Ingredientes:
18 flores de courgette
125g de requeijão
7g de cebolinho fresco picado
20g de tomate seco em azeite
15g de queijo parmesão ralado
2 colheres de sopa de azeite
sal e pimenta preta de moinho q.b.


1. Pré-aquecer o forno a 180ºC.

2. Numa taça colocar o requeijão, o cebolinho, o tomate seco picado com um pouco do seu azeite e o queijo ralado. Temperar com sal e pimenta a gosto.

3. Com um garfo esmagar e envolver muito bem os ingredientes.

4. Retirar os estames das flores e rechear com a mistura de requeijão.

5. Depois das flores recheadas, juntam-se e torcem-se um pouco as pontas para ficarem fechadas.

6. Colocam-se as flores num recipiente de forno. Rega-se com o azeite e levam-se ao forno durante 8 minutos.

7. Servem-se com o arroz de açafrão.


O arroz fica delicioso e as flores de courgette recheadas ajudam a tornar este prato muito especial.

segunda-feira, 20 de Agosto de 2012

Mercado biológico do Príncipe Real e uma receita


Uma das coisas que me dá imenso prazer quando viajo é visitar mercados. Adoro os cheiros, as cores, a variedade de produtos e o modo como estão expostos. Costumo fazer compras semanalmente num mercado perto de minha casa onde compro principalmente vegetais e pão fresco.

Um dos desafios que coloquei aos leitores, durante o mês de Julho, num dos textos que escrevi para o Bla Bla Blog da IKEA foi uma visita a um dos mercados da cidade. A variedade de produtos que encontramos num mercado é muito maior do que numa grande superfície. Para além da variedade temos também acesso a comparar preços, a conhecer pessoas que muitas das vezes produzem o que têm exposto. E para mim, as compras que faço no mercado são sempre muito boas. A fruta tem cheiro e os legumes estão viçosos e convidam a que venhamos para casa cozinhá-los logo, para os aproveitar da melhor forma.


Durante esta semana, vou relatar a minha visita a alguns mercados da cidade onde comprei produtos que a seguir cozinhei. O primeiro mercado que visitei foi o mercado biológico do Príncipe Real. Fui ao mercado num sábado de manhã com o Ricardo. O dia estava bonito e deixámos o carro de modo a passearmos um pouco pela cidade antes e depois de fazermos as compras. Quando chegámos, a esplanada do café do parque estava cheia de gente, principalmente jovens e alguns turistas. A zona de mercado é pequena, não terá mais de 7 a 8 tendas com venda de produtos. Mas ali encontramos um pouco de tudo. Abóboras de diferentes variedades, ervas aromáticas frescas e secas, rúcula e rúcula selvagem ao quilo, cenouras de várias cores, ervas aromáticas em vasos, e principalmente produtos que considero diferentes e menos usuais. Um desses produtos, é a mizuna que acabei por comprar.

Salada de mizuna com manjericão, beterraba, laranja e salmão grelhado


Ingredientes para a salada:
100g de mizuna
1 beterraba cozida
1 laranja
20g de nozes picadas
20 folhas de manjericão


1. Lavar e cortar com as mãos a mizuna. Colocá-la numa taça.

2. Retirar a casca à laranja, cortar os gomos sem a pele.

3. Juntar à mizuna os gomos de laranja, a beterraba cortada, as nozes e as folhas de manjericão rasgadas com as mãos.

4. Temperar com o molho vinagreta.


Ingredientes para o molho vinagreta:
0,5dl de azeite
1 colher de sopa de vinagre de espumante
pimenta preta de moinho
1 colher de chá de mostarda em grão
sumo que resultou do corte da laranja (facultativo)
sal (facultativo)


1. Colocar os ingredientes num copo e com um garfo ou vara de arames misturar muito bem.


Ingredientes para o salmão grelhado:
2 lombos salmão com pele
coentros em pó
1/2 colher de café de sementes de funcho
sal


1. Temperar o salmão da parte sem pele, com o sal, uma pitada de coentros em pó e as sementes de funcho.

2. Aquecer a chapa. Assim que estiver quente, colocar o salmão do lado que tem a pele. Deixar grelhar e depois virar.

3. Servir o salmão com o molho vinagretta e a salada.


A salada fica tão boa. A mizuna foi uma boa descoberta!

Do mercado do Príncipe Real trouxe os melhores rabanetes que comi nos últimos tempos. Com aquele ligeiro picante que os caracteriza e tão tenros. Eu adoro rabanetes mas aflige-me a falta de qualidade deste produto, muitas das vezes. Não sei se já vos aconteceu, mas a mim, é recorrente, comprar um saco com rabanetes e estarem ocos, rendilhados. Não gosto nada. É deitar dinheiro fora. Mas estes não. Perfeitos. Trouxe também cenouras com rama, manjericão e um raminho de sálvia. Ir aos mercados vale mesmo a pena, principalmente pelos produtos frescos e saborosos.

Amanhã teremos a visita a outro mercado.

sexta-feira, 17 de Agosto de 2012

Tomate recheado com cuscuz e queijo feta


Já há algum tempo que queria fazer tomate recheado. Quando pensei nas receitas para esta semana dedicada ao tomate, decidi que uma teria que ser de tomate recheado. Foi o almoço de um destes dias e soube muito bem.

Ingredientes:
Aproximadamente 20 tomates de rama médios
125g de cuscuz
125ml de água quente
25g de manteiga
1 cebola pequena picada
1 dente de alho picado
8g de salsa picada
100g de queijo feta cortado em pequenos cubos
30g de azeitonas pretas cortadas em pedaços
4 colheres de sopa de azeite (60 ml)
sal e pimenta preta de moinho q.b.


1. Cortar a parte de cima do tomate e reservar. Retirar as sementes e o interior do tomate.

2. Picar a polpa de tomate e colocar numa saladeira. Adicionar a cebola, o alho, a salsa, o queijo feta e as azeitonas.

3. Colocar o cuscuz num tabuleiro e regar com a água. Mexer com um garfo para separar os grãos e deixar descansar sensivelmente 5 minutos.

4. Colocar a manteiga numa frigideira e levar ao lume. Assim que a manteiga estiver derretida, juntar os cuscuz e mexer de modo a que os grãos fiquem bem soltos.

5. Juntar os cuscuz à mistura anterior. Regar com duas colheres de sopa de azeite e mexer muito bem.

6. Pré-aquecer o forno a 180ºC.

7. Rechear o tomate com o preparado anterior.

8. Dispor o tomate num tabuleiro. Colocar a parte de cima que se cortou de modo a fechar o tomate. Regar com duas colheres de sopa de azeite e levar ao forno durante 40 minutos.


Servi o tomate recheado com uma salada mista de verdes. O tomate recheado fica muito saboroso. O queijo feta dá-lhe um toque muito especial. Quem quiser pode substituir o cuscuz por arroz, massa pevide ou até quinoa. A todos, votos de bom fim-de-semana.

quinta-feira, 16 de Agosto de 2012

Molho de tomate com manjericão e um prato de massa


O ano passado por esta altura andava numa viagem por Itália, com início em Roma e que terminou num passeio pelo Lago Como, perto de Milão. Uma das coisas que os italianos valorizam para além da pasta é o molho. E assim com uma variedade enorme de diferentes tipos de massa, fazem pratos cheios de sabor, com molho de tomate e queijo que nos deixam a sonhar por mais. E foi com um misto de saudosismo que decidi nesta semana dedicada ao tomate fazer um prato a lembrar as férias de Verão do ano passado.

Molho de tomate com manjericão

Ingredientes:
2Kg de tomate
1 cebola grande
2 dentes de alho
1dl de azeite
1 folha de louro
2 talos de aipo
1 cenoura
20 folhas de manjericão
sal e pimenta preta de moinho q.b.


1. Escaldar o tomate e limpá-lo de peles e sementes. Picar a polpa.

2. Num tacho, refogar em azeite a cebola cortada em meias luas e o alho esborrachado e depois picado, até a cebola quebrar, mexendo de vez em quando.

3. Acrescentar o tomate, o louro, os talos aipo de aipo cortados em quatro, a cenoura cortada em quatro e as folhas de manjericão. Temperar com sal e pimenta a gosto. Deixar cozinhar até a cenoura estar cozida.

4. Retirar a cenoura, o louro e o aipo. Triturar a mistura com um passe-vite.

5. Levar o molho novamente ao lume brando e deixar apurar durante 20 minutos.

6. Colocar num frasco esterilizado com capacidade de 750ml e guardar no frigorífico.


Depois de ter o molho feito faz-se um prato de pasta em menos de 10 minutos. Para isso basta cozer a massa, usei 250g de spaghettoni fresco que cozeu em 8 minutos em água a ferver temperada com sal. Depois aqueci várias colheradas de molho de tomate a que juntei uma mão cheia de folhas frescas de manjericão. Coloquei o molho por cima da massa, envolvi. Por fim, polvilhei com queijo Grana Padano ralado e foi comer até não haver nada. Tão bom! Num bom prato de massa, o molho faz toda a diferença.


Cá em casa, o molho de tomate consome-se em três ou quatro pratos de massa. Por isso, acabo por não o guardar em pequenos recipientes com mais ou menos uma dose para dois e congelar.

quarta-feira, 15 de Agosto de 2012

Sopa fria de tomate


Sopa para mim até há algum tempo atrás, era a sopa quente, a fumegar, o conforto necessário ao chegar a casa num dia de frio. Mas à medida que vamos conhecendo mundo, as nossas referências alteram-se assim como o conceito de sopa. Sopa fria? Como? - Não quero. É gaspacho? Nem pensar!

Até uma determinada fase da minha vida tive alguma relutância em relação às sopas frias e nem sei bem porquê. Cá em casa o Ricardo começou a pedir que fizesse. E para festejar um dos seus aniversários, acedi. E não é que adorei!? Fiz e voltei a repetir. Mas o meu verdadeiro baptismo em relação às sopas frias foi o ano passado, nas viagens pela Andaluzia. Em dias de calor, sabe muito bem uma sopa fria. A sopa que hoje vos apresento é uma "prima" do gaspacho da Andaluzia. Fresquinha, com um ligeiro toque picante é mesmo deliciosa.


Ingredientes:
500g de tomate
1 dente de alho pequeno
35g de cebola
50g de pimento vermelho assado
1 colher de sopa de vinagre de vinho tinto
5g de salsa
0,5dl de azeite
4 a 5 gotas de molho Tabasco
30g de miolo de pão seco
3dl de água fria
sal q.b.


1. Limpar o tomate de peles e sementes.

2. Colocar todos os ingredientes num liquidificador e triturar.

3. Colocar a sopa no frigorífico pelo menos duas horas antes de servir.

4. Servir a sopa bem fria em copos decorados com uma folha de salsa.


Agosto surpreendeu-nos, ontem, com chuva. Ao cair da noite parecia um típico dia de Outono. Céu cinzento e a chuva a cair do céu. Hoje o sol e o calor voltaram. Afinal estamos em Agosto. O mês de Verão, da praia e dos típicos 40º graus à sombra, em alguns anos no Ribatejo. Viva o Verão, dos dias quentes. E para estes dias de Verão nada melhor do que uma sopa de tomate, fresco, acabadinho de chegar da horta. Bom feriado!

terça-feira, 14 de Agosto de 2012

Tiborna de tomate


Sempre associei a palavra tiborna a pão embebido em azeite ou então ao conhecido prato de bacalhau. Mas na vida há sempre um mas. E ele, em relação à tiborna surgiu quando há uns anos almocei no restaurante Estrela da Bica onde serviram como entrada tiborna. Tiborna? - perguntei na altura. Sim, ao que me responderam, pão torrado com tomate picado, orégãos e azeite, algo bem português. E que belo mas. Gostei tanto que nunca mais me esqueci. E na altura em que o tomate nos chega cheio de sabor, nada melhor do que fazer uma tiborna.


Ingredientes:
3 tomates grandes
0,5dl de azeite
1 colher de sopa de orégãos secos
flor de sal
fatias de pão regional
2 dentes de alho


1. Cortar o tomate ao meio e retirar as sementes.

2. Cortar o tomate em pequenos cubos e colocar numa taça.

3. Regar com o azeite e polvilhar com os orégãos. Mexer e reservar.

4. Torrar as fatias de pão.

5. Esfregar as fatias de pão com os dentes de alho cortados ao meio.

6. Servir o tomate cortado em cima do pão. Polvilhar com um pitada de flor de sal e se necessário regar com um fio de azeite.



É de comer e chorar por mais. Uma entrada ou lanche tão simples mas que se come como se não houvesse amanhã. O pão depois de torrado e depois de colocarmos o alho também pode ser regado com o azeite. Eu como coloquei suficiente no tomate, só reguei a tiborna no final com um fio.

segunda-feira, 13 de Agosto de 2012

35 receitas com tomate


Esta é a altura em que o tomate nos chega em abundância. Para comemorar, deixo-vos 35 receitas para usarem este fruto que faz as delícias de qualquer cozinha:

- Arroz de coelho com tomate;
- Arroz de goraz com tomate;
- Besugo no forno com coentros e tomate cereja;
- Borrego guisado com tomate, harissa e grão;
- Bruschetta de tomate cereja assado com vinagre balsâmico;
- Caldeirada de peixe;
- Carapaus no forno;
- Cogumelos Portobello recheados com queijo Feta e legumes;
- Courgette recheada com farinheira e tomate;
- Doce de tomate;
- Esparguete com gengibre, tomate e camarão;
- Frittata de frango com tomate e pimento;
- Lulas guisadas com tomate e funcho;
- Migas de tomate com peitos de frango recheados com morcela e maçã;
- Minestrone com tortellini;
- Ovos escalfados em molho de tomate e beldroegas;
- Peixe assado no forno com batatas, tomate e salsa;
- Pota com molho de tomate e chouriço;
- Risotto de tomate cereja e gengibre com filetes em manteiga;
- Robalo no forno com tomate cereja e funcho;
- Salada de lentilhas com salmão e tomate assado;
- Salada de mozzarella com tomate e morangos;
- Salada de queijo fresco;
- Sopa de abóbora com tomate;
- Sopa de beldroegas com feijão cozido e tomate;
- Sopa de feijão cannellini com tomate;
- Sopa de lentilhas e tomate;
- Sopa de tomate assado;
- Sopa de tomate com cherovia, cenoura e lentilhas vermelhas;
- Sopa fria de tomate e melancia;
- Tarte de courgettes em flor com tomate e requeijão;
- Tarte de tomate cereja com azeitonas e queijo mozzarella;
- Tomate à Provençal com ovo;
- Tortellini com tomate assado;
- Tortelloni com bacon, espinafres e tomate cereja.


Eu adoro tomate. Em saladas, em sopas e nos guisados. Nos últimos anos descobri o tomate assado e tenho-o usado com frequência. Para além disso, utilizo regularmente o tomate seco em azeite. Mas não há nada como o verão em que o tomate nos chega fresquinho, apetitoso e em irresistíveis tons de vermelho. Com estas receitas inauguro este ano a semana tomática. Um semana dedicada ao tomate. Boas receitas!

sexta-feira, 10 de Agosto de 2012

O meu pequeno-almoço no programa Você na TV


Hoje no programa da TVI, Você na TV apresentado por Manuel Luís Goucha e Cristina Ferreira, passou uma reportagem intitulada O Pequeno-almoço do Meu Tempo, em que eu, a Ana Jorge e três outras simpáticas senhoras, de Mação, explicamos em que consiste habitualmente o nosso pequeno-almoço. É muito curioso ver as diferenças dos hábitos entre pessoas de várias gerações.

quinta-feira, 9 de Agosto de 2012

Um desafio e a oferta de cinco cabazes Sabor do Ano


O Cinco Quartos de Laranja em parceria com a Sabor do Ano promovem um desafio intitulado Uma receita com Sabor do Ano em que serão oferecidos cinco cabazes recheados com produtos certificados Sabor do Ano 2012.

O desafio está aberto a todos os leitores, com morada válida em Portugal continental e ilhas, e para participar deverão:

i) Fazer uma receita em que um dos ingredientes seja um produto certificado como Sabor do Ano 2012;

ii) Tirar uma fotografia à receita confeccionada;

iii) Publicar a participação na página do Cinco Quartos de Laranja no Facebook:
- [obrigatório] Anexando a fotografia respectiva;
- [obrigatório] Indicando o nome da receita e as instruções de confecção;
- [obrigatório] Identificando o(s) produto(s) Sabor do Ano 2012 utilizado(s);
- [opcional]     Quem tiver um blogue, pode indicar adicionalmente o link para a respectiva publicação posterior a 8 Agosto 2012 e com referência a este desafio.

iv) Cada leitor pode participar apenas uma vez;

v) O desafio decorre até às 24h do dia 31 de Agosto de 2012.

vi) No dia 3 de Setembro de 2012 serão divulgadas as participações sorteadas. Posteriormente, estas serão contactadas pela Sabor do Ano para a oferta e envio dos cabazes.


Na próxima ida às compras estejam atentos aos produtos com este selo, vai ser muito fácil participar e quem sabe receber um dos cinco cabazes que temos para oferecer.

Para vos inspirar, deixo-vos uma salada deliciosa que fiz ontem para o meu jantar. O produto Sabor do Ano que escolhi foi o vinagre de vinho tinto da Gallo.


Salada de legumes grelhados com queijo feta


Ingredientes:
1 beringela
1 courgette
3 tomates chucha
1 colher de sopa de salsa picada
2 colheres de sopa de pinhão torrado
2 colheres de sopa de vinagre de vinho tinto Gallo
5 colheres de sopa de azeite
sal e pimenta preta de moinho q.b.


1. Cortar os vegetais às rodelas e grelhá-los.

2. Colocar os legumes grelhados num prato. Polvilhar com o queijo feta esboroado, os pinhões e a salsa.

3. Numa taça misturar com um garfo ou uma vara de arames, o azeite, o vinagre, o sal e a pimenta.

4. Regar a salada com o molho e servir de imediato.


Esta salada fica deliciosa. O tomate para grelhar não deve estar demasiado maduro. Já escolheram o Sabor do Ano que vão usar? Fico a aguardar a vossa participação.

Boas receitas!

quarta-feira, 8 de Agosto de 2012

Dois anos com Assinatura


No passado mês de Junho, estive no Assinatura a convite do chef Henrique Mouro para um jantar comemorativo dos dois anos do restaurante. A noite estava agradável e no ar sentia-se o cheiro a santos populares.

Quando se entra no restaurante, no tecto, uma mesa posta estrategicamente colocada não deixa ninguém indiferente. Foi o que me aconteceu uma vez mais. Quando cheguei, o restaurante estava cheio e alguns dos outros convidados já marcavam presença. Neste dia, o convite era para bloggers, ou profissionais da área com blogue, algumas das caras já minhas conhecidas.

Sentados à mesa, iluminados por um exuberante lustre, fomos recebidos com um copo de vinho espumante Vértice, mistura de pães e queijo de cabra com ervas aromáticas. Pão e queijo são coisas que eu adoro e não resisti. Comecei pelo pão de azeitona, a seguir a broa e por fim, o pão de centeio.

Para entrada o chef Henrique Mouro preparou flor de courgette recheada com caviar de beringela e bacalhau desfiado. A courgette foi servida com um creme de tomate assado e enfeitado com beldroegas. A acidez do tomate contrastou com a suavidade do recheio de bacalhau. Gostei imenso desta entrada.

O prato seguinte foi com cogumelos. O chef preparou para o menu deste segundo aniversário do Assinatura um prato em que nos apresentou uma canja de pato e ovos mexidos, ambas as preparações com cogumelos cantarelos. O prato foi decorado com redução de vinho com pimenta rosa e rebentos de flor a fazerem-me lembrar os brincos de princesa.


Um dos pratos da noite que adorei foi uma salada com legumes da horta, com batata ratte, batata vitelotte, tomate cherry, cenoura, courgette mini com flor, funcho, feijão verde, alho francês, espargos, rabanete, rebentos de ervilha e tomilho. Esta salada era uma mistura de legumes crus, assados e cozidos, o que lhe deu uma textura crocante muito ao meu gosto. Acompanhámos a salada com um copo de vinho tinto Terra d'Alter 2010.

Outro dos pratos que adorei, apesar de não ter sido consensual entre os outros convidados, foi o da sardinha assada servida com xerém de amêijoas, tomate confitado, decorado com flores e rebentos de coentros. Eu adoro sardinhas e assim servidas com o xerém estavam deliciosas.

O prato de carne servido foi plumas de porco preto com feijoada de caracóis. A carne estava tenra e muito saborosa, foi acompanhada por uma feijoada de caracóis que fez furor. Para beber, foi-nos servido um vinho Quinta das Murças 2008.


Para sobremesa deliciámo-nos com uma sobremesa com alperce, leite-creme e gelado. Servido com alperce desidratado, caramelo e hortelã. Tão bom. As texturas e o ligeiro ácido do alperce tornaram esta sobremesa memorável. Antes de nos despedirmos, ainda houve tempo para cantar os parabéns ao Assinatura e ao seu chef.


Gostei muito de jantar no Assinatura. A comida estava muito boa. A conversa prolongou-se a noite dentro de forma animada e bem disposta. O chef Henrique Mouro procura utilizar e valorizar produtos que caracterizam a nossa cozinha, dando-lhe um twist moderno e com carácter internacional. O jantar desta noite foi prova disso.

No jantar, dia 28 de Junho, combinei com o nosso anfitrião da noite uma entrevista que realizei posteriormente por eMail, que a seguir vos apresento.

1. O que caracteriza a Assinatura do chef Henrique Mouro?

É um espaço de conforto onde se pretende valorizar a cozinha, tradição, receituário português aos olhos e perspectiva do chef e equipa.


2. O que é que procurou transmitir com a ementa escolhida para festejar o 2º aniversário do restaurante?

Tentou-se dar um tom de familiaridade e de encontro com sabores que nos são queridos assim como um toque de festa que se impunha.


3. Dos pratos que confeccionou para este aniversário, qual o seu preferido? Porquê?

A sardinha, porque é o meu peixe preferido.


4. Que balanço faz destes dois anos?

18000 refeições servidas, pessoas de 42 nacionalidades, 22 jantares temáticos, 40 menus de almoço, milhares de pratos concebidos e novos bons amigos/clientes.


5. Quando se entra no Assinatura uma das coisas que reparamos imediatamente é na mesa colocada no tecto. Elemento de decoração? Ou algo mais?

Algo mais. Trata-se de um compromisso com a linha de trabalho. A mesa está posta com tudo o que deve ter mas está ao contrário, o que no fim se resume a uma questão de perspectiva ... a nossa.


6. Para além da sazonalidade dos produtos que outras preocupações tem ao elaborar uma carta?

A sustentabilidade, o rigor no trabalho e os aspectos técnicos que nos permitam não desvirtuar a qualidade da matéria prima.


7. Na sua opinião, quem visita o Assinatura não pode deixar de provar ...?

... tudo o que lhe dermos a experimentar porque seguramente será sempre o melhor que temos em casa.


Ao chef Henrique Mouro um muito obrigada e muitos parabéns por estes dois anos de Assinatura, um restaurante a que quero voltar.


Este jantar visto pelos outros convidados da noite:
- A assinatura de Henrique Mouro;
- Aniversário do assinatura - o meu jantar;
- Aniversário do assinatura - o blog ou a vida;
- ASSINATURA firme;
- Assino por baixo;
- Legumes da Horta, um prato conceptual no 2.º aniversário do ASSINATURA;
- 2 Anos de Assinatura (I);
- 2 Anos de Assinatura (II).

segunda-feira, 6 de Agosto de 2012

Arroz de bacalhau com chouriço e a Sabor do Ano


Eu adoro sushi. Para além de gostar de saborear também gosto de fazer. A primeira vez que fiz sushi foi num curso da Vaqueiro, a seguir assisti a uma aula no Peixe em Lisboa pela mão da Ana Lins e mais recentemente estive no restaurante Bonsai do Hotel Fontana, a convite do Sabor do Ano num workshop.

O mote do workshop era sushi à portuguesa com o intuito de promover vários produtos, certificados como Sabor do Ano. O curso foi dirigido pela chef Paula Garção e executado por um sushiman nepalês, muito simpático e que nos deixava com os olhos quase em bico com a facilidade com que trabalhava os rolinhos. Do plano do curso contava a elaboração de um menu com hossomakis de bacalhau fresco, urumakis de bacalhau fresco, neguiri de bacalhau fresco e ainda fizemos um California roll e uma experiência com chouriço, que se revelou bem saborosa. O nosso sushiman foi de uma extrema simpatia e sempre disponível para nos ajudar na tarefa difícil de enrolar o rolo. Como podem imaginar, os primeiros não ficaram perfeitos. Mas à medida que fomos fazendo, o progresso foi notório. Depois de confeccionarmos o menu, tivemos oportunidade de degustar o que fizemos. O bacalhau, produto menos usual no sushi, ficou muito bem. Para sobremesa foi-nos servido rabanada de tempura com doce de ameixa que estava uma delícia.


Fotos do evento da autoria da organização

Esta experiência para além de ter sido muito agradável, de juntar um conjunto de bloggers muito bem dispostos e divertidos, foi para mim a possibilidade de conhecer a empresa que está por detrás da organização da Lisboa Restaurant Week. Em conversa com uma das responsáveis percebi que qualquer marca se pode candidatar para que os seus produtos sejam certificados através de provas cegas realizadas por consumidores finais. Outra coisa que me chamou a atenção é que muitos dos produtos com o selo Sabor do Ano, a grande maioria são de marcas nacionais. No final do workshop foi-nos oferecido um cabaz com vários produtos certificados, alguns dos quais usei neste delicioso arroz.

Arroz de bacalhau com chouriço


Ingredientes:
250g de bacalhau desfiado demolhado
300g de arroz carolino
400g de tomate pelado
1 cebola picada
1 folha de louro
3 dentes de alho
1dl de azeite
1dl de vinho branco
1,15L de água quente
150g de chouriço corrente
1 colher de café de piripíri em pó
20g de salsa picada
sal e pimenta preta de moinho q.b.


1. Refogar a cebola, no azeite, com o alho e a folha de louro. Acrescentar o tomate e deixar cozinhar três a quatro minutos.

2. Acrescentar o vinho e deixar cozinhar até o vinho ter evaporado.

3. Acrescentar o arroz e ir juntando aos poucos a água quente. Temperar com sal, pimenta e o piripíri.

4. A meio da cozedura acrescentar o bacalhau desfiado.

5. Uns minutos antes de retirar o arroz do lume, acrescentar o chouriço cortado em rodelas finas.

6. Assim que o arroz estiver cozido retirar do lume e servir polvilhado com salsa picada.


O bacalhau seco desfiado, que usei depois de demolhar, o arroz, o chouriço, o vinho branco e o piripíri em pó, usados neste arroz, são produtos Sabor do Ano. O bacalhau foi uma verdadeira surpresa. Raramente compro bacalhau seco desfiado porque a qualidade deixa muito a desejar, mas deste gostei. Penso que nunca tinha visto a marca Constantinos. Estas iniciativas são muito boas, especialmente para nos darem a conhecer produtos que de outra maneira nos passariam despercebidos.

Este workshop visto pelos restantes bloggers convidados:
- Beautiful Food ♥ Aula de Sushi À Portuguesa;
- o sushi é o meu sabor do ano;
- Sushi (&) me;
- Workshop de Sushi;
- Workshop de Sushi com o Sabor do Ano;
- Workshop de Sushi - Sabor Do Ano.

sexta-feira, 3 de Agosto de 2012

Bolachas com pepitas de chocolate


Com o fim-de-semana à porta sabe bem uma coisa doce e especial. Por isso, hoje deixo-vos a receita de umas bolachas deliciosas que fiz para o número de Julho 2012 da revista Saber Viver.

Ingredientes:
100g de manteiga sem sal à temperatura ambiente
80g de açúcar amarelo
1 ovo
100g de farinha com fermento
5g de cacau em pó
50g de pepitas de chocolate


1. Pré-aquecer o forno a 180ºC.

2. Bater a manteiga com o açúcar.

3. Adicionar o ovo e mexer.

4. Juntar a farinha e o cacau. Mexer.

5. Envolver metade das pepitas de chocolate na massa.

6. Forrar um tabuleiro com papel vegetal.

7. Distribuir a massa em pequenas colheradas pelo tabuleiro, deixando espaço suficiente entre cada uma delas para não se pegarem. Colocar as restantes pepitas em cima da massa de cada uma das bolachas.

8. Levar ao forno a cozer durante 10 a 12 minutos.


E importante deixar espaço entre as bolachas, pois no forno, correm umas para as outras como se quisessem abraçar. ;)

A todos, votos de bom fim-de-semana!