Próximos Workshops
Lisboa 6 de Maio de 2017
Sábado:
14h00 - 18h00      Vamos fazer pão?
Inscrições: escola@istofaz-se.pt   218 078 640 IstoFaz-se

terça-feira, 29 de dezembro de 2015

Rolinhos de massa filo com queijo e fiambre


O ano de 2015 aproxima-se do fim. Por cá começa-se a pensar nos balanços de final de ano. Nesta altura gosto sempre de olhar para trás e ver como foi o meu ano. Gosto de rever o que fiz e o que gostaria de ter feito. Revejo a agenda. Passo os olhos pelas publicações de 2015, uma e outra vez. Estes balanços ajudam-me a pensar nos objectivos do próximo ano. A pensar nas coisas que gostaria de fazer. Procuro sempre identificar coisas novas que gostava de experimentar, mesmo que volte a repetir outras que já fiz muitas vezes. Mas o pensar em coisas novas dá-me energia para continuar. É como que uma força, um estímulo. Quem acredita que a felicidade vem da emoção das pequenas coisas, está sempre à procura de coisas novas, não acham?

E quem quiser experimentar coisas novas para a festa da passagem do ano deixo-vos uns rolinhos de massa filo com queijo e fiambre que são uma verdadeira alegria para o palato.

segunda-feira, 28 de dezembro de 2015

Salada crocante de couve chinesa com amêndoas


A noite de Consoada foi passada com os sogros. Na mesa o tradicional bacalhau com couves portuguesas, brócolos e grelos cozidos. Não faltaram também os ovos, cabeças de nabo e batatas cozidas com a pele para acompanhar o fiel amigo. Tudo bem regado com azeite. No dia de Natal rumei até Santarém. A minha mãe preparou o almoço para a família mais chegada. O prato escolhido foi polvo à lagareiro, que tanto adoramos e que ela faz questão de preparar no Natal de há uns anos para cá. Houve uma altura em que fazia cabrito assado no forno, mas desde que os produtores de cabritos começaram a desaparecer lá na terra que escolheu começar a fazer o polvo. Nós não nos queixamos! É um prato que adoramos, mais do que o peru.

Mas se os pratos principais de Natal até foram equilibrados, os nossos pecados recaíram nos doces. O que seria da mesa de Natal sem os doces? Não era a mesma coisa! Eu fiz o bolo-rei com muitas frutas cristalizadas e frutos secos como tanto adoramos. Preparei também uma travessa com farófias no forno, que resultam sempre bem. E depois houve arroz-doce, sonhos com e sem calda, rabanadas, broas castelar, estrelinhas de manteiga, frutas secas, como os figos que adoro e muitos bombons de várias formas e tipos de chocolate. Eu não consegui resistir a tanta coisa boa!

O almoço, hoje, vai ser uma salada para compensar alguns dos excessos cometidos nestes dias à mesa. Para quem estiver a pensar fazer o mesmo, deixo-vos esta que desenvolvi para a edição de Setembro/Outubro de 2015 da revista Comer.

quinta-feira, 24 de dezembro de 2015

Feliz Natal


Votos de um Feliz e Santo Natal na companhia dos que vos são mais queridos!

terça-feira, 22 de dezembro de 2015

Peitos de frango recheados com alheira


Se escutarem bem de vez em quando, misturado com o som do vento e por entre as pequenas nuvens de nevoeiro logo pela manhã, ouve-se uma sineta a tocar seguido de um forte "Ho Ho Ho". Há quem diga que esses sons acontecem quando o trenó do Pai Natal se aproxima com as suas nove renas, Corredora, Dançarina, Empinadora, Raposa, Cometa, Cupido, Trovão, Relâmpago e Rudolfo, a tão conhecida rena de nariz vermelho. Será?

Enquanto esperamos pela noite mágica de Natal deixo-vos uns peitos de frango recheados com alheira. Acho que o Pai Natal, depois de distribuir os presentes, ia gostar de provar este delicioso manjar. O que acham?

segunda-feira, 21 de dezembro de 2015

Como fazer cubos de açúcar?


O Natal está quase a chegar e depois passa num instante. Entre os almoços e jantares típicos da época com amigos e colegas, por cá vão-se finalizando os últimos presentes.

A sugestão que hoje vos deixo é como preparar açúcar em cubos. A primeira vez que me lembro de ver cubos de açúcar era eu miúda, por isso já lá vão uns bons anos! Uns tios do meu pai a viverem em França vinham todos os anos passar o mês de Agosto, à terra, com a família. E o que é que havia sempre na mesa na altura de servirem o café? Sim, uma caixa de papel com pequenos rectângulos brancos de açúcar bem compactado. Para uma miúda pequena aqueles cubos de açúcar eram fantásticos. Apesar de já se encontrarem à venda, acho que ainda não são muito comuns entre nós. Por isso, quem quiser surpreender a família ou amigos com uns bonitos cubos de açúcar é muito fácil! Basta seguirem a receita que vos deixo.

sexta-feira, 18 de dezembro de 2015

Bombons de chocolate branco com matcha


O Natal rima com bombons e chocolate. Desde miúda que me lembro de gostar de receber bombons. Era uma pequena alegria que depois se prolongava a cada um que ia saboreando. Ainda hoje é um conforto delicioso receber uma caixa com bombons. Para quem quiser experimentar fazer em casa para colocar nos cabazes ou oferecer a alguém especial aqui fica uma receita muito prática.

quinta-feira, 17 de dezembro de 2015

Guisado de frango com feijoca


De vez em quando gosto de dar a volta à minha arca frigorífica. No dia-a-dia vou congelando muitas coisas. Ter uns pais que têm uma horta ajuda a querer guardar muitos dos produtos que trago de Santarém. Ora é abóbora, tomate, curgete, chuchu ora uns talos de aipo que vejo que não vou usar, umas folhas de alho-francês, uns pés de salsa ou de outra erva aromática. Coloco em sacos, congelo e depois vou usando. Normalmente durante o ano faço várias vistorias à arca para ir gastando o que congelo. Uma das coisas que já tinha congelado há algum tempo era um saco com feijoca cozida. Adoro feijoca e acho que resulta muito bem em pratos para as refeições dos dias Outono. O destino desta que tinha guardada foi para um delicioso guisado com frango que o Ricardo e eu saboreámos num almoço de fim-de-semana. São servidos?

terça-feira, 15 de dezembro de 2015

Bolo-rei na Cuisine Companion


Na mesa de Natal há doces que não podem faltar. Na família gostamos de sonhos, das filhoses, das rabanadas e do arroz-doce polvilhado com canela. Mas se uns anos fazemos sonhos e nos outros filhoses, se nuns temos rabanadas com calda nos outros sem. Há anos em que se faz arroz doce e outros em que não. Mas o que nunca falta é bolo-rei! É um bolo que faz parte da mesa de Natal desde que me lembro dos natais em família. Este ano a pensar na mesa de Natal preparei um bolo-rei no robot de cozinha da Moulinex, para a rubrica Cuisine Companion.

segunda-feira, 14 de dezembro de 2015

Sugestões de livros para oferecer no Natal


Quem me conhece sabe o quanto adoro ler. Ando sempre a ler um ou mais livros ao mesmo tempo. Traço objectivos de leitura e vou registando os livros que leio em cada ano. Adoro romances e cada vez mais vou aumentado a minha colecção de livros de cozinha, que são uma verdadeira fonte de inspiração. Por isso acho que os livros são sempre excelentes presentes de Natal. Para quem gosta de oferecer livros, deixo-vos algumas sugestões:

Para cozinhar e saber mais sobre gastronomia:
- Dicionário Prático da Cozinha Portuguesa de Virgílio Nogueiro Gomes;
- Bem Comer & Curiosidades de José Quitério;
- Manual para se Tornar um Verdadeiro Gourmet de Fortunato da Câmara;
- A Viagem do Salmão de Henrique Sá Pessoa e José Luís Peixoto;
- Algarve Mediterrânico: Tradição, Produtos e Cozinhas de Maria Manuel Valagão, Vasco Célio e Bertílio Gomes;
- Biscoitos, Bolachas & Bolinhos de Gilberto Costa;
- O Atlas Gastronómico, Uma Viagem ao Mundo em 39 Cozinhas Internacionais de Mina Holland;
- Guia de Restaurantes Certificados do Alentejo do Turismo do Alentejo;
- 6000 Anos de Pão de Heinrich Eduard Jacob.

Pedidos ao Pai Natal:
- Do Comer e do Falar ... de Ana Marques Pereira e Maria da Graça Pericão com ilustrações de Rosário Félix;
- Celebrar com Vegetais de Yotam Ottolenghi;
- A Dieta Ideal de Francisco José Viegas;
- Chocolate - A Arte e os Segredos de Ana Sousa Silva;
- A Vinha do Anjo de Sveva Casati Modignani;
- Os Assaltos à Padaria de Haruki Murakami.

E úteis em qualquer cozinha ... ;)
- Cozinha para Dias Felizes;
- Delicioso Piquenique.

sexta-feira, 11 de dezembro de 2015

Esses de batata-doce laranja


A alegria das pequenas coisas é a essência da felicidade. Eu sou daquelas pessoas que se alegra, que procura descobrir a poesia dos pequenos momentos. Nem imaginam como se sinto feliz, nesta altura do ano, quando chego ao final do dia e acendo as luzes da árvore de Natal. Adoro ver o pinheirinho a piscar. E quando embrulho presentes para colocar em volta da árvore, é uma sensação quase infantil, de extrema alegria. Acho que esta é uma das partes bonitas do Natal. Conseguirmos tirar partido daquilo que queremos proporcionar aos outros. Anteciparmos reacções, sorrisos e alegrias é maravilhoso!

Uma das coisas que me dá entusiasmo, uma certa alegria, é ir para a cozinha fazer biscoitos ou pequenos bolinhos, principalmente nesta altura do ano. Testo. Reinvento. Crio. No final, sabe tão bem preparar uma chávena de chá, sentar-me no sofá e espreitar a vida lá fora, pela janela da sala. É uma sensação de conforto, de paz, tão grande. Somos felizes quando conseguimos tirar grandes emoções das pequenas coisas!

E para vos ajudar a serem felizes com as pequenas coisas que nos rodeiam, deixo-vos uns biscoitos em forma de esse para um chá a meio da tarde. Ficam tão bons!

quinta-feira, 10 de dezembro de 2015

Como fazer extracto de baunilha?


Uma das coisas que me fascina no Natal são os presentes. Não que goste particularmente de andar nas lojas de um lado para o outro nas compras. Quando o faço por obrigação é tão cansativo. E quando não encontro nada que se adeque a quem quero oferecer um presente, é um verdadeiro stress. Mesmo que faça uma lista com hipóteses de presentes, a verdade é que nem sempre encontro coisas que gosto para presentear as pessoas que me são queridas. Por certo, que já passaram por situações idênticas.

Um dos hábitos que adquiri em família foi o dos presentes feitos em casa. O primeiro cabaz que vi oferecerem em família era composto com muitos produtos úteis para quem o recebia. A grandiosidade do cabaz fez-me pensar que há presentes tão bons, especiais e que às vezes basta usar a imaginação. Assim, pensar nos presentes para a família e amigos, torna-se muito mais interessante e divertido. Este ano já comecei a pensar nos cabazes ou kits para oferecer. A ideia é escolher temas para cada um e incluir produtos que façam sentido de acordo com o tema. Para terem uma ideia, cabaz para Refeições em 15 Minutos. Penso num conjunto de receitas e faço ou coloco no cabaz produtos que se adequem aos pratos rápidos que seleccionei. Nesse cabaz, que muitas vezes ganha a forma de um saco, cesto, ou frasco gigante, contém os produtos necessários para fazer as receitas nesses 15 minutos. Imaginem um cabaz com o tema Chá das Cinco. Preparo biscoitos, bolinhos e bolachas, faço uma selecção de diferentes chás que distribuo por frascos bonitos, coloco um frasco com mel e um pau de canela a aromatizar, faço cubos de açúcar, por exemplo. Se quiserem enriquecer o vosso cabaz, coloquem também duas chávenas, um bule e um passador para o chá. Fica um presente tão especial! Algo que é personalizado e que vai de certeza proporcionar bons momentos a quem o recebe.

Esta semana estive no programa Faz Sentido da SIC Mulher a falar de presentes feitos em casa para oferecer. Levei ao programa ideias muito práticas, que se fazem num instante, sem ser necessário estar horas de volta da cozinha. Uma das sugestões que levei foi extracto de baunilha. É algo que se prepara num abrir e fechar de olhos e que resulta num presente muito simpático. Eu uso muito o extracto de baunilha em bolos, bolachas e até em bebidas. Depois de feito, nunca mais se acaba. Só basta ir enchendo o frasco com o álcool usado, à medida que o vamos gastando.

quarta-feira, 9 de dezembro de 2015

Carne de vaca no tacho com feijão manteiga


Entre a azáfama feliz de andar de um lado para o outro a fazer coisas que gosto, na segunda-feira à tarde estive em gravações para o programa Faz Sentido, da SIC Mulher, apresentado por Ana Rita Clara, com quem já tinha feito o lançamento do livro Refeições em 15 Minutos de Jamie Oliver. O programa passa, hoje, às 17h30. Irei apresentar várias sugestões deliciosas e muito práticas para presentes de Natal, feitos em casa. Não percam!

Ontem, feriado, o Ricardo e eu, decidimos tirar o dia. Ficar em casa, sem agenda, é sinónimo de me poder dedicar a algumas pequenas coisas que tanto adoro. Ler. Ver um filme a dois, sentados no sofá da sala, mas antes preparar um almoço com tempo. Ontem, decidi confeccionar um prato que tinha intenções de fazer há já algum tempo. Em breves palavras é um guisado de carne com aromáticas e que depois vai ao forno com feijão cozido a cozinhar lentamente para apurar todos os sabores. A receita é inspirada no cassoulet francês, que nesta altura do ano, em que o frio se faz sentir, sabe muito bem.

sexta-feira, 4 de dezembro de 2015

Rabanadas de Natal


Dezembro já cheira a Natal. Na mesa, o bacalhau da consoada regado com bom azeite e o peru recheado assado no forno são parte da nossa tradição. Mas para mim não há Natal sem os doces típicos desta quadra festiva. O Natal não seria o mesmo sem os sonhos, os fritos de abóbora que todos os anos se fazem seguindo uma receita de família, o arroz-doce polvilhado com canela, o bolo-rei e um prato de rabanadas ou fatias douradas. Este ano a Canderel desafiou-me a recriar um doce tradicional de Natal. A minha escolha foram as rabanadas. Adoro, até para comer ao pequeno-almoço com um café. Sabem mesmo bem!

quinta-feira, 3 de dezembro de 2015

Salsichas frescas enroladas em couve lombarda


Há pratos que nos lembram a família à volta da mesa. As conversas cruzadas, as gargalhadas de felicidade assim que a travessa, vinda a fumegar da cozinha, é colocada no centro da mesa. Há pratos que nos acompanham desde a infância e que ainda hoje gostamos de saborear. Pratos que pelas boas memórias que nos trazem, pela sensação de conforto que nos fornecem acabam por saber sempre bem. Um desses pratos é salsichas frescas enroladas com couve-lombarda. Um clássico de muitas cozinhas portuguesas que continua a fazer muitas alegrias!

quarta-feira, 2 de dezembro de 2015

Sopa de abóbora assada com castanhas e queijo


Em Dezembro o Inverno chega com a força que o caracteriza, com rajadas de vento forte, dias em que o frio nos gela o corpo e a alma, e a inevitável chuva. Dezembro é tempo de ficar à lareira. De ouvir a chuva cair. De ir buscar ao guarda-roupa os sobretudos, os gorros e os cachecóis. Na cozinha, gosto de preparar pratos de forno, mais demorados em dias de folga. Para o dia-a-dia, nestes dias frios, em que o céu se transforma em cinza, gosto do conforto de um prato de sopa, que pode até servir de refeição. Na última que fiz juntei os sabores quentes das castanhas e a doçura da abóbora. Ficou tão boa!

segunda-feira, 30 de novembro de 2015

Adeus Novembro, até para o ano!


Novembro chega ao fim. Amanhã damos as boas-vindas ao último mês do ano. E assim, pelo sabor dos dias chegamos ao fim de mais um ciclo que se renova com a chegada do novo ano. Está quase.

Novembro foi um mês feliz. Passeei pelo campo em dias de céu azul, bonito, quase sem nuvens. Apanhei dióspiros, daqueles que se comem bem maduros. Com uma pitada de canela são uma maravilha, tão doces! Não admira que sejam conhecidos como a fruta dos Deuses.


Em Novembro fui várias vezes ao mercado que se realiza perto da minha casa. Gosto da azáfama dos mercados. Da confusão de vozes provocada pelos pregões dos vendedores de roupa. Gosto de sentir o cheiro bom das roulottes que vendem bifanas e sandes. De passar pelas barracas dos queijos, dos enchidos, do pão fresco. Perco-me nas bancas das frutas e legumes, cheias de cores bonitas e convidativas. Compro ramos de ervas aromáticas para os cozinhados da semana.

Novembro foi o mês das castanhas assadas. Adoro castanhas! Em Santarém juntei a família à volta da lareira para comermos castanhas assadas, em jeito de festa. Em Lisboa, não resisto às que são vendidas na rua. Com a casca estaladiça e assadas a preceito sabem tão bem nestes dias de Outono em que o frio se fez sentir como o rugido de um animal ferido.


Em Novembro estive no restaurante Vila Joya para um jantar muito especial de tributo ao chef Dieter Koschina pelos vinte anos de estrelas Michelin. Conseguem imaginar o meu entusiasmo sempre que visito a cozinha deste restaurante que está entre os cem melhores do mundo no conceituado ranking da The World's 50 Best Restaurants. É um entusiasmo que as palavras não conseguem explicar. Este mês também fui ver como se faz azeite. Da apanha no olival ao lagar. O azeite é um ingrediente que não pode faltar cá em casa. Uso azeite todos os dias nos meus cozinhados, por isso sabe tão bem perceber como se fabrica este produto tão especial.


Foi neste mês de Novembro que recebi o Samsung Galaxy S6 edge+. Nem imaginam como me tenho divertido a tirar fotos. Para terem uma ideia, todas as fotos deste apontamento foram tiradas com o meu novo telemóvel. Para quem gosta de tirar fotos a comida como eu, penso que compreende o meu entusiasmo.

Em Novembro juntei-me à lista de embaixadores da IVO Cutelarias, que inclui vários chefs e outras personalidades de reconhecido mérito na área da gastronomia a nível nacional. Neste mês, consegui ainda realizar oito workshops, entre Lisboa e o Porto. O último foi no espaço Samsung Chef's Experience no Mercado da Ribeira em que todos cozinhámos com quinoa.

Novembro é o pronúncio da chegada do Natal. Adoro esta época do ano. Ruas e montras enfeitadas ajudam a criar a magia desta quadra festiva. Pensar nos presentes de Natal para os que nos são mais queridos é algo que me deixa muito entusiasmada, principalmente quando são feitos em casa. Por cá, já se testou pão-de-ló tipo de Margaride para oferecer entre outras coisas bem docinhas.


Adeus Novembro, até para o ano! Que Dezembro, seja muito bem-vindo.

sexta-feira, 27 de novembro de 2015

Broas de mel


O Natal está quase a chegar. Por cá já se contam os dias para reunir a família à volta da mesa, de fazer a lista de sobremesas a preparar, tanto para festa que faço em Lisboa, como com a da minha restante família em Santarém. Esta é uma das épocas mais bonitas do ano. Por um lado, adoro ver as ruas enfeitadas, cheias de luzes a piscar, por outro é tempo de olharmos com cuidado redobrado para os que nos são queridos. Ir às compras, pensar nos presentes para a família, para os amigos é algo que nos exige tempo.

Confesso que vivo estes dias antes da chegada do Natal com muito entusiasmo. Acho que o espírito do Natal é esta azáfama feliz de pensar nos que nos são queridos, escolher e decidir os presentes para oferecer, personalizar as etiquetas que acompanham os presentes. E para quem gosta de preparar presentes em casa para surpreender a família ou amigos, deixo-vos uma deliciosa receita de broas de mel que preparei no robot de cozinha da Moulinex, para a rubrica Cuisine Companion.

quarta-feira, 25 de novembro de 2015

Foi assim o Vamos fazer risoto? no Mercado da Ribeira


No passado dia 24 de Outubro, teve lugar no espaço Samsung Chef's Experience no Mercado da Ribeira, em Lisboa um encontro à volta da mesa em jeito de workshop. O tema escolhido foi risoto.

O espaço encheu-se com leitores do Cinco Quartos de Laranja. Ao entrarem foram surpreendidos com uns croquetes de alheira servidos com maionese de marmelada em jeito de boas-vindas. Adoro esta combinação de sabores.


De seguida passámos à preparação do prato principal, risoto de curgete com bacalhau confitado. Enquanto o bacalhau coberto com azeite, aromatizado com um ramo de tomilho fresco, pimentas em grão e dentes de alho com a camisa cozinhavam a 80ºC no forno, os participantes descascaram e picaram chalotas. Depois desta tarefa realizada, todos ao mesmo tempo, foram seguindo os passos para fazer um risoto maravilhoso. Refogado de cebola, alho e azeite. Assim que a chalota cedeu aos encantos do calor e se tornou macia, juntaram o arroz arbório de uma só vez. Com a ajuda de uma colher-de-pau mexeram de modo a que o arroz sentisse também o poder do fogo. E quando já estava bem quente e totalmente envolvido com o refogado, foi refrescado com um copo de vinho branco. Ao evaporar, juntaram a curgete ralada com a casca e uma generosa concha de caldo. O caldo foi preparado previamente. Uma base de legumes a que se juntou depois um caldo de bacalhau, feito com as peles e as espinhas dos lombos deste peixe usados para confitar. Um dos truques para um bom risoto é o caldo. Terminaram o risoto com duas generosas colheres de manteiga e queijo parmesão ralado. O arroz foi servido com lascas de bacalhau confitado e coentros frescos picados.

A sobremesa foi uma panna cotta de leite de coco servida com molho de morango, que recebeu vários elogios por todos os que provaram. Adoro a cremosidade das natas cozidas com o leite de coco e a frescura do molho de morango, com uma doce acidez, que nos desperta os sentidos e nos provoca uma vontade irresistível de comer colherada atrás de colherada.


Cozinhar em grupo é sempre uma experiência muito especial. Notou-se, no rosto de cada um dos participantes, o entusiasmo, a vontade de aprender e de fazer bem todos os passos. Confesso que gosto de ver as pessoas sorrir enquanto cozinham. Gosto de ver o olhar de alegria quando conseguem fazer algo pela primeira vez. Sinto-me de coração cheio quando vejo os participantes fazerem de forma irrepreensível ou melhor cozinharem algo que nunca tinham pensado fazer. Por isso, houve tempo para brindarmos às coisas boas e às experiências que nos fazem felizes.


Estes momentos no espaço Samsung Chef's Experience são especiais e únicos. Relembro que no sábado, dia 28 de Novembro às 18h30, voltamos a este espaço no Mercado da Ribeira para mais uma experiência à volta da mesa. Desta vez o desafio consiste em irmos cozinhar com quinoa. Conto com a vossa inscrição!

terça-feira, 24 de novembro de 2015

Sopa de galinha com couve chinesa


O final do mês de Novembro trouxe os dias frios. Manhãs e tardes solarengas, bonitas, mas no ar sente-se um frio gélido e forte que nos deixa com vontade de procurar o conforto de uma lareira a crepitar, das roupas quentes de lã, do aconchego dos sapatos fechados, dos lenços e cachecóis. Na cozinha, gosto de ligar o forno. Assam-se batatas-doces para comer de forma gulosa, numa salada ou como acompanhamento. Faz-se pão fresco para a semana. Nos dias frios os pratos de forno têm outro encanto.

Mas o que me sabe mesmo bem quando o frio aperta é um prato de sopa, quente, cheio de legumes. Aquece-nos o corpo e a alma de uma forma deliciosamente reconfortante. A sopa que hoje vos deixo é uma receita que desenvolvi para a edição de Setembro/Outubro de 2015 da revista Comer.

segunda-feira, 23 de novembro de 2015

Vamos cozinhar com quinoa no dia 28 de Novembro?


Vamos Cozinhar com Quinoa? vai ter nova data! Devido ao elevado número de inscrições que recebemos para o evento da próxima quarta-feira, vamos repetir esta experiência culinária. A Samsung volta a oferecer convites duplos aos leitores do Cinco Quartos de Laranja. A data escolhida foi a do próximo sábado, dia 28 de Novembro de 2015, às 18h30 no espaço Samsung Chef's Experience, no Mercado da Ribeira. Para quem quer muito ir, tem aqui uma nova oportunidade. Participem!

Nesta experiência em jeito de workshop será servida uma entrada do meu livro Delicioso Piquenique, iremos todos preparar uma salada de quinoa vermelha com batata-doce a acompanhar umas espetadas de frango temperadas com uma mistura de especiarias e uma sobremesa surpresa, a lembrar o espírito de Natal. Será servido vinho e água para acompanhar a refeição. Será uma experiência única e muito especial!

O convite está feito. Quem quiser viver esta experiência à volta da mesa, basta:
- Levar consigo um exemplar do meu livro Delicioso Piquenique;
- Inscrever-se através do preenchimento do formulário a seguir apresentado, até às 24h do dia 25 de Novembro de 2015.

Serão sorteadas 8 inscrições válidas. Os contemplados serão contactados no dia 26 de Novembro. Cada convite é válido para duas pessoas.



sexta-feira, 20 de novembro de 2015

Rolinhos de massa filo com doce de abóbora e requeijão


Gosto das sextas-feiras! Gosto de começar a pensar no que irei fazer no fim-de-semana, gosto de poder começar logo a fazer planos. Há alturas, para mim, em que o fim-de-semana é de trabalho, mas há qualquer coisa nas sextas-feiras que nos deixam com outro entusiasmo, uma certa alegria. Mesmo que depois não seja nada como pensámos. A verdade é que temos a ilusão que esses dias são só para nós, que temos todo o tempo de mundo para nos dedicarmos às coisas que nos ajudem a fugir da rotina dos dias "normais" de trabalho. Esta sensação é tão boa! É por isso que gosto das sextas-feiras.

E uma das coisas que começo a pensar nas sextas-feiras é o doce que irei preparar num dos dias de fim-de-semana. Um doce que nos permita partilhar, que nesta altura do ano combine bem com uma chávena café quente, que tanto adoro. O último que preparei foi uns rolinhos de massa filo recheados com doce de abóbora e requeijão, uma combinação tradicional que nos faz sonhar como nos contos de fadas.

quinta-feira, 19 de novembro de 2015

Vamos cozinhar com quinoa?


Na próxima quarta-feira, dia 25 de Novembro, às 18h30, no espaço Samsung Chef's Experience no Mercado da Ribeira em Lisboa, vamos cozinhar com quinoa. A Samsung vai oferecer convites duplos a leitores do Cinco Quartos de Laranja para esta experiência única.

Vai ser um momento de cozinha muito especial, em jeito de workshop. Iremos todos preparar uma salada de quinoa vermelha com batata-doce e espetadas de frango com ras-el-hanout. Irei explicar os diferentes tipos de quinoa e como a devemos confeccionar. Vai ser uma experiência de partilha cheia de sabor e boa disposição. Irão também ser servidos uma entrada do livro Delicioso Piquenique e uma sobremesa surpresa. Durante a refeição será servido água e vinho.

O convite está feito. Quem quiser viver esta experiência à volta da mesa, basta:
- Levar consigo um exemplar do meu livro Delicioso Piquenique;
- Inscrever-se através do preenchimento do formulário a seguir apresentado, até às 24h do dia 22 de Novembro de 2015.

Serão sorteadas 10 inscrições válidas. Os contemplados serão contactados no dia 23 de Novembro. Cada convite é válido para duas pessoas.



terça-feira, 17 de novembro de 2015

Carapaus fritos com açorda de berbigão


De há uns tempos atrás que procuro introduzir, cada vez mais, legumes na alimentação cá de casa. Nos últimos anos aumentámos o consumo de beterraba, batata-doce, chuchus, curgete, beringelas, abóbora, couve-flor, brócolos, pimentos e rúcula. Não sei se me estou a esquecer de algum legume que use com frequência mas, estes são os que regularmente não faltam cá em casa.

Nestes dias de Outono, em família, adoro quando se prepara um cozido à portuguesa com as carnes, os enchidos e as couves em abundância, se faz uma sopa da pedra, uma caldeirada ou um prato de bacalhau à Brás, onde não podem faltar umas azeitonas pretas e umas folhas de salsa picada.

A cozinha portuguesa é matriz dos meus cozinhados. Gosto sempre de voltar aos sabores da comida tradicional portuguesa, especialmente em refeições com tempo. No fim-de-semana que passou, numa das idas às compras, encontrei uns carapaus pequenos que me fizeram sonhar com uma açorda. O resultado foi este. Ficou uma delícia!

segunda-feira, 16 de novembro de 2015

Os workshops de Outubro no Porto foram assim


A cozinha é o coração da casa, frase tantas vezes dita e que faz todo o sentido para quem gosta de cozinhar. É na cozinha que se juntam os ingredientes, que se arrumam as compras, que se planeiam as refeições, que se misturam tachos, panelas e outros apetrechos. É na cozinha que se preparam as sopas, os estufados, os assados, a massa para o pão, se estende a piza e se fritam os sonhos. É da cozinha que saem todas as refeições do dia e é lá que a família volta sempre. Há sempre um regresso à cozinha. Cozinhar é alegria, é partilha, é cuidar dos outros. É isso que tento passar a quem participa nos meus workshops.

No passado dia 31 de Outubro, voltei ao Porto para dois workshops. De manhã preparámos Aperitivos para Festas e à tarde preparámos Bolos, Biscoitos e Bolachas a pensar na mesa das festas que se avizinham. Nos meus workshops toda a gente cozinha. As receitas são divididas pelos participantes e todos mexem, testam, fazem. Experimenta-se, sem medo de errar. E quando há enganos, esses ficam para contar a história.


De manhã preparámos asinhas de frango no forno, bolinhos de chouriço, bolinhos de atum, rolinhos de massa filo com queijo, cestinhos de pão com bacon e ovo, torcidos crocantes de massa folhada, tartelettes de salmão com pimento vermelho e alho-francês, entre muitas outras coisas que provocaram sorrisos no rosto de todos os que fizeram deste workshop uma casa com uma cozinha muito grande, cheia de alegria e boa disposição.


À tarde partimos ovos para as taças, juntámos farinhas e amêndoa, picámos chocolate. Batemos claras em castelo, moldámos bolachas e biscoitos. Untámos formas e fizémos muitas coisas doces para partilhar numa mesa feliz.


No próximo dia 21 de Novembro de 2015, regresso ao Porto, para mais dois workshops. De manhã iremos preparar um delicioso menu de Natal, com entradas, prato de carne, de peixe e umas tentadoras sobremesas. À tarde, um workshop muito especial, dedicado a todos os que gostam de fazer presentes em casa para oferecer. Iremos preparar várias receitas práticas que resultam muito bem como presentes de Natal e que podem ser feitos juntando a família à volta da cozinha. No dia 22, domingo, de manhã, volto a realizar o workshop Receitas para Festas de Natal. Aceitam o desafio?

Quem me faz companhia no Porto?

Inscrições e mais informações:
work@sott.pt   91 700 1802   WORK espaço criativo

sexta-feira, 13 de novembro de 2015

Bolo de curgete com coco e iogurte


Há muito que gosto de incluir legumes nos bolos. Houve uma altura em poderia parecer estranho mas hoje já se encontram várias receitas de bolos, bolachas em que se usam legumes, desde a curgete, beterraba, cherovia, cenoura, entre outros. Gosto do sabor e da humidade que dão às receitas.

A primeira vez que usei curgete num bolo foi há uns bons anos. Fiz bolo de curgete com nozes e, este, continua a ser um dos meus bolos preferidos. Desde esse dia, que de vez em quando, faço bolos em que incluo a curgete.

O último que fiz usei curgete e coco, numa receita que desenvolvi para a edição de Julho/Agosto de 2015 da revista Comer.

quarta-feira, 11 de novembro de 2015

A verdadeira piza napolitana no Forno d'Oro


A primeira vez que fui ao restaurante Come Prima em Lisboa foi há uns anos num jantar de imprensa. A simpatia do chef Tanka Spakota, também conhecido como Giovanni, e da sua mulher Rita conquistaram-me de imediato. Gostei do modo como fui recebida e da comida, principalmente das pizas, com uma massa muito saborosa, leve, e com ingredientes vindos de várias zonas de Itália. Gostei tanto que sempre que vinham amigos que gostam de comida italiana a Lisboa, o Come Prima era um restaurante de visita obrigatória. Por isso, foi com muito agrado que soube que este ano abriram uma nova casa, o restaurante Forno d'Oro, na rua da Artilharia 1.

No final do passado mês de Setembro, fui ao Forno d'Oro para um jantar muito especial. O restaurante recebeu o certificado que atesta que a piza servida segue os procedimentos da verdadeira pizza de Nápoles. Este galardão equivale em analogia com o cinema à atribuição de um Óscar. A piza napolitana, ou melhor, a Vera Pizza Napoletana, é uma piza em que a massa deve ter ar, faz bolhas, e as bordas devem ser redondas.

Começámos o jantar com a piza frita servida com fatias finas de presunto, entre conversas e um copo de espumante fresco. Enquanto conversava com os restantes convidados, era inevitável, espreitar o que se passava no forno revestido a ouro, construído no local, e que dá nome à casa. Estender a massa da piza é uma arte e ver as pizas a entrar para o forno, a cozerem, cria um ambiente muito especial.


Sentados à mesa pudemos apreciar algumas das pizas acabadas de sair do forno, como a Pizza Margherita ou a Diavola, com o queijo a derreter, uma maravilha. Durante o jantar provámos seis das muitas pizas que o restaurante tem no menu. Para além de seguir a tradição napolitana da massa da piza, usam ingredientes autênticos como o tomate San Marzano ou a mozzarella fiori di latte. No Forno d'Oro, o chef Tanka também procura adaptar as pizas aos sabores portugueses e encontramos no menu tentadoras propostas como sabores lusitanos como a Pizza Transumância, com queijo de ovelha e presunto de porco preto, ou a Pastorinha, com morcela de Monchique e requeijão, entre outras propostas. A acompanhar as pizas foram servidas cervejas artesanais, vindas de Itália. Na carta há também marcas artesanais portuguesas.


É caso para dizer que o segredo das pizas do Forno d'Oro está na massa, e no respeito pela autenticidade dos ingredientes utilizados. Faz toda a diferença! Para quem gosta dos verdadeiros sabores italianos, o restaurante Forno d'Oro merece uma visita.

terça-feira, 10 de novembro de 2015

Cestinhos de pão com ovo e bacon


O Natal é das épocas mais bonitas do ano para mim. Gosto de ver as ruas enfeitadas, as montras decoradas, as luzes a piscar nos pinheiros nas janelas das casas. Novembro é o mês em que se prepara o Natal. Pensam-se nos presentes. Fazem-se as compras, embrulham-se com laços e papéis coloridos que ajudam a dar magia a esta época festiva. O Natal é o tempo de juntar a família. Podemos não ter tempo durante o ano para nos encontramos mas no Natal coloca-se a mesa e os lugares têm nome, rosto e não há desculpas.

No próximo dia 21 de Novembro de 2015 vou estar no Porto com dois workshops dedicados ao Natal, de manhã vamos cozinhar um menu para juntar a família à mesa com entradas, pratos de bacalhau e peru, e à tarde iremos preparar receitas para oferecer, algumas para confeccionar com os mais pequenos.

Mas enquanto o Natal não chega, deixo-vos uma sugestão para prepararem para um pequeno almoço demorado, daqueles em que se tem tempo para ficar a conversar, ou para uma refeição rápida. Digo-vos que quem prova, adora!

segunda-feira, 9 de novembro de 2015

Workshop Receitas para Presentes de Natal no Porto


O Natal está a chegar e a azáfama à volta dos presentes para oferecer já começou. Desde que comecei o Cinco Quartos de Laranja que ano após ano fui fazendo cada vez mais presentes para oferecer à família e aos amigos mais chegados. Comecei com compotas, marmelada, broas e a pouco e pouco, fui aumentando as ideias à volta dos presentes de Natal caseiros. No próximo dia 21 de Novembro, da parte da tarde, vou realizar um workshop dedicado a presentes de Natal feitos em casa para oferecerem a quem mais gostam.

Iremos preparar receitas muito práticas, desde os azeites e sal aromatizados, manteiga, bolachas, biscoitos, ideias de misturas prontas a usar para oferecer em frascos, entre muitas outras ideias deliciosas que de certo vão agradar aos miúdos e aos graúdos. Algumas das receitas podem ser preparadas em casa com a ajuda das crianças, o que adiciona uma magia especial a cada um dos presentes!

Este workshop é para todos os que gostam de fazer presentes personalizados e especiais. Quem quer vir fazer parte da magia do Natal?

Inscrições e mais informações:
work@sott.pt   91 700 1802   WORK espaço criativo

Workshop Receitas para Festas de Natal no Porto


No próximo dia 21 de Novembro regresso ao Porto para dois workshops no WORK espaço criativo. De manhã iremos preparar Receitas para Festas de Natal. A ideia será preparar um menu de Natal com entradas, prato de peixe, prato de carne e sobremesas alusivas à época. As entradas serão frias e quentes, algumas em jeito de finger food.

O prato de peixe será lombos de bacalhau confitados com especiarias e alecrim no forno, acompanhados por um delicioso puré de grão. Na carne, iremos preparar peru enrolado com recheio de alheira, espinafres e maçã, um prato diferente para quem gosta de seguir a tradição de servir esta ave à mesa de Natal. Nas sobremesas, para além das farófias no forno, das rabanadas com calda de vinho do Porto iremos ter também umas saborosas peras cozidas em vinho tinto e especiarias.

O menu está escolhido. A mesa está à vossa espera. Quem quer vir saborear este menu de Natal?

Inscrições e mais informações:
work@sott.pt   91 700 1802   WORK espaço criativo

sexta-feira, 6 de novembro de 2015

Bolo de chocolate vienense


Há receitas que nascem de situações inesperadas e que se transformam em grandes referências. Uma dessas receitas é o conhecido bolo austríaco Sachertorte. Fortunato da Câmara, no seu livro Os mistérios do Abade de Priscos, conta-nos a origem deste conhecido bolo. Diz-nos ele: « O príncipe [Klemens Wenzel von Metternich] queria surpreender os convidados com alguma coisa nova, num banquete que ia dar no seu palácio de Viena. Subitamente o chefe de cozinha adoeceu e foi necessário arranjar um substituto para a delicada missão. (...) O inesperado foi que a tarefa de agradar aos exigentes pedidos do príncipe recaiu sobre os ombros de Franz Sacher, que tinha apenas 16 anos e só trabalhava no palácio há cerca de dois anos como aprendiz de pastelaria. Com a personalidade austera que o caracteriza, Metternich deixou um aviso ao rapaz: "Espero que não me faça passar nenhuma vergonha esta noite". O jovem franzino não tinha alternativa senão acatar a ordem do soberano. Provavelmente passou a tarde na cozinha a testar receitas e combinações de ingredientes para estar à altura do desafio e sobretudo para não defraudar as elevadas expectativas que Metternich colocava em volta das sobremesas. O facto é que Sacher era ainda um adolescente e já enfrentava o maior desafio da sua curta carreira de pasteleiro. O trabalho valeu-lhe um golpe de sorte ou de génio ...

No fim do banquete enviou para a mesa um bolo esponjoso de chocolate com compota de alperce, revestido por uma fina cobertura de chocolate. Era uma pequena ousadia, talvez feita inocentemente, pois naquela época as sobremesas mais cerimoniosas eram compostas por vários andares, para darem nas vistas. Neste caso o bolo tinha uma aparência simples, mas o sabor era refinado e acrescentava um toque quiçá inovador. A combinação entre o chocolate e a compota de alperce revelou uma combinação sublime que resultou num casamento perfeito, consumado no céu-da-boca pelos exigentes comensais. A iguaria recebeu de imediato a aprovação do príncipe Metternich, que assegurou logo que a descoberta do jovem Sacher seria exclusiva da sua mesa, nomeando-o pasteleiro vitalício do palácio.
»

Foi graças ao jovem Sacher que hoje vos deixo uma versão do delicioso bolo que encantou os exigentes convidados numa noite em Viena, para saborearem durante o fim-de-semana.

quinta-feira, 5 de novembro de 2015

Asas de frango assadas no forno com tomilho


Novembro é o mês das castanhas. Assadas com sal grosso e comidas à volta da lareira têm outro encanto. Adoro! Em Novembro, colhem-se os últimos marmelos. Apanham-se as romãs e os dióspiros. Escolhem-se as abóboras para as festas que se avizinham. Novembro traz-nos sabores quentes e doces. Os aromas da canela e erva doce com o toque fresco da raspa de limão para as broas do Dia de Todos os Santos. Cozinham-se frutas em açúcar para guardar os sabores da época em pequenos frascos que se abrem ao longo do ano. Os dias frios e chuvosos de Novembro pedem petiscos de forno. Petiscos quentes com um toque de picante para ajudar a aquecer. Um destes dias preparei umas deliciosas asas de frango para um petisco a dois. Ficaram uma delícia!

quarta-feira, 4 de novembro de 2015

Salada de curgete com queijo de cabra


A pouco e pouco organizo as minhas leituras para este mês de Novembro. Pronto a ser descoberto, chegou cá a casa esta semana o novo livro do gastrónomo Virgílio Nogueiro Gomes que nos presenteia com o Dicionário Prático da Cozinha Portuguesa, um livro de referência para quem quer saber um pouco mais sobre o mundo da gastronomia. Este é daqueles livros para irmos descobrindo e que nos ajuda a solucionar muitas dúvidas em relação a termos e técnicas. Sabem o que são trigueiros? E tabafeias? Este dicionário é uma delícia.

Algarve Mediterrânico - Tradição, produtos e cozinhas de Maria Manuel Valagão, Vasco Célio e do chefe Bertílio Gomes, é também uma obra muito interessante e que decidi ler durante este mês. Fala-nos da história, das tradições e do património alimentar do Algarve.

Os livros fazem parte da minha vida. Gosto de andar sempre a ler. Felizmente, hoje em dia, há cada vez mais obras de autores portugueses na área da gastronomia, com fundamentação teórica, que nos ajudam a viajar e a descobrir mais sobre o nosso património alimentar e as diferentes influências.

Enquanto me dedico a algumas leituras, deixo-vos uma salada deliciosa que preparei para a revista Comer na edição de de Julho/Agosto de 2015.