Próximos Workshops
Porto 30 de Setembro de 2017
Sábado:
10h30 - 13h30      Receitas Rápidas para o Jantar
 
 
15h30 - 19h00      Vamos Fazer Pão?
Inscrições work@sott.pt  
Lisboa 7 e 8 de Outubro de 2017
Sábado e Domingo:  
10h00 - 18h30      Curso Bases de Cozinha (15h)
Inscrições: escola@istofaz-se.pt   218 078 640

sexta-feira, 31 de julho de 2015

25 sopas, saladas e sumos para os dias quentes de Verão


Nos dias quentes de Verão apetecem comidas leves e frescas. Refeições com sopas, saladas e a acompanhar um sumo de fruta. Deixo-vos, hoje, vinte e cinco sugestões de sopas, saladas e sumos para muitas refeições rápidas com sabor a Verão:

Sopas:
- Salmorejo à Andaluzia;
- Sopa de abóbora com cação;
- Sopa de abóbora e tomate assados com manjericão;
- Sopa de mexilhão com tomate;
- Sopa fria de ervilhas e hortelã;
- Sopa fria de meloa com presunto;
- Sopa fria de tomate;
- Sopa fria de tomate e melancia.


Saladas:
- Salada de abóbora com beterraba com cuscuz;
- Salada de agrião com pêra e queijo azul;
- Salada de bacalhau com tomate;
- Salada de bulgur com abóbora assada e queijo de cabra;
- Salada de choquinhos grelhados com arroz e agrião;
- Salada de espargos com camarão;
- Salada de grão com camarão;
- Salada de massa cuscus com abóbora assada e queijo;
- Salada de meloa cantaloupe com mozzarella e presunto.


Sumos:
- Sumo de ameixa com abacaxi;
- Sumo de ameixa com laranja e hortelã;
- Sumo de ameixa e pêssego;
- Sumo de ameixas e nectarinas;
- Sumo de frutos vermelhos com sementes de chia;
- Sumo de limão com mel e gengibre;
- Sumo de maracujá, laranja e nectarina;
- Sumo de morangos e framboesas.

quinta-feira, 30 de julho de 2015

Perna de borrego assada no forno com alecrim


Férias são também sinónimo de arrumações e mudanças cá em casa. Nesta altura do ano gosto de rever o closet. Identificar algumas roupas ou sapatos de Verão que já não uso, ou que por um motivo ou outro, acho que já não me ficam tão bem. Há vestidos, calças, casacos ou camisolas que adorei numa fase e agora quando as visto, acho que já não resultam. Também vos acontece o mesmo?

Eu sou daquelas que pessoas que reconheço ter certas dificuldade em deitar coisas fora. Gosto de guardar tudo. Houve uma altura em que guardava os bilhetes sempre que ia ao cinema ou ao teatro. Colava-os na agenda de papel. Tinha uma colecção de postais de cartazes de cinema que ia recolhendo, que enchiam duas caixas. Acumulei durante anos a revista Grande Reportagem. Retirava os selos das cartas e forrava caixas que depois usava para guardar a correspondência que ia recebendo. Roupas e sapatos, agora não servem mas quem sabe daqui a uns tempos - é uma forma de pensar que me tem acompanhado. Mas, esses tempos acabam por não chegar! Curiosamente, casei-me com alguém que consegue ser ainda mais apegado às coisas do que eu. Na altura, com uma casa grande, com cinco assoalhadas, uma despensa, marquise e um quintal, havia espaço para muita, muita coisa.

Quando mudei de casa pela primeira vez tive que deixar ir o meu apego às coisas. Recortei das revistas os artigos que queria guardar. Inspirei fundo e fiz uma grande limpeza nas roupas, sapatos e mais umas quantas tralhas, que guardamos e nunca mais usamos. Guardei durante mais de dez anos os dossiers com os apontamentos das aulas da faculdade. A verdade, é que quando precisava de recolher informação ou esclarecer dúvidas, nem os abria. A ligação sentimental com os objectos é muito mais forte, preciosa, do que propriamente prática ou útil.

Quem tem uma casa pequena e não gosta de deitar nada fora, mais cedo ou mais tarde, a falta de espaço dita que temos mesmo que rever o que queremos ter ou não. Estes dias cá por casa são de pequenas arrumações. Depois do closet virão as estantes. Chegaram novos livros. Há alguns que vão ter que ser mudados! Estas arrumações passam também pela arca frigorífica. É tempo de dar destino a tudo o que lá tenho, descongelar, limpar e voltar a encher! Uma das coisas que tinha congelado e que veio para a nossa mesa nestes dias, foi uma perna de borrego que decidi assar no forno. Delícia!

quarta-feira, 29 de julho de 2015

Doce de ameixa e tomate


Há combinações de alimentos que consideramos improváveis e assim que as ouvimos a nossa reacção de desconfiança dispara como uma flecha certeira. Enrugamos a testa em jeito de interrogação com um misto de desconfiança, a nossa postura corporal altera-se e acabamos por perguntar - será que resulta?

A primeira vez que ouvi falar de bolo de curgete, tive esta reacção. O mesmo aconteceu com a mistura de chocolate e beterraba, de café expresso com óleo de coco e canela, de laranja com azeite e alho, de puré de batata com baunilha, de tomate e morangos, entre outras combinações aparentemente improváveis mas que afinal se revelaram um bom casamento. E o mesmo aconteceu quando pensei em juntar ameixas e tomate num doce. Nesta altura do ano tento aproveitar a abundância de fruta vinda do quintal dos meus pais e as compotas são uma das opções. Ao ver no frigorífico uma caixa cheia de ameixas maduras, a gritarem urgentemente que lhe desse um destino, decidi arriscar e juntá-las à outra fruta que tinha em casa, o tomate. O resultado? Curiosos? Doce de ameixa e tomate.

terça-feira, 28 de julho de 2015

Tosta de frango com queijo e abacate


Ao tempo que não comia uma tosta! As minhas preferidas são as que levam queijo. Adoro sentir o estaladiço do pão e a leveza cremosa do queijo derretido. Quando se misturam na boca até parece que os nossos pés deixam a terra e levitamos por breves segundos. Que sensação maravilhosa. As tostas são sinónimo de um prazer guloso imediato. Eu pelo menos adoro.

Ao começar a escrever este apontamento lembrei-me que uma das primeiras refeições rápidas que o Ricardo e eu preparámos antes de namorarmos, já lá vão vinte anos, foram umas tostas de pão caseiro da minha mãe com muito queijo. Tanto que abríamos o pão para ver os fios de queijo derretido terrivelmente tentador. Não sei se foram as tostas, mas depois desse dia, começámos a olhar um para o outro com mais interesse!

Um destes dias para um almoço apressado decidi fazer uma tosta, com frango assado de churrasco que tinha no frigorífico, abacate e claro, muito queijo. Não sei se pela conjugação de ingredientes ou se pelas boas memórias, o que é certo é que esta tosta soube muito bem!

segunda-feira, 27 de julho de 2015

Queijo feta marinado com alecrim, pimentas e malagueta


O dia acordou com uma pequena neblina e um vento irrequieto. Lisboa tem esta capacidade de mesmo ensonada, mostrar sempre uma luz e um encanto especial. Há quem diga que é o Tejo que a faz mais bonita. O ponto de encontro era por volta do meio dia no parque, junto à Alameda Keil do Amaral, em Monsanto. Assim que saímos de carro em direcção à Praça de Espanha, o céu azul e o sol a espreitar, mostraram que afinal foi o dia perfeito para juntar os amigos num piquenique. A vinda de férias a Lisboa da minha amiga Gilda foi o motivo para o reencontro com amigos de longa data. Escolhidas as sombras, estendeu-se a toalha. Tiraram-se pratos, talheres coloridos e guardanapos. Abriram-se caixas. Cortaram-se empadas, bôlas, temperaram-se as saladas.

Ver as crianças a brincar, a correr, a andar no escorrega sempre bem dispostas, a aproveitar este momento ao ar livre foi muito especial. Com o entusiasmo nenhuma dormiu a sesta. Assim que se sentaram nas cadeirinhas do carro, foi vê-las dormir como anjos.

Para partilharmos, neste momento de convívio, preparei uma salada de polvo com grão, pão fresco e queijo feta marinado para acompanhar uma garrafa de vinho branco com que abrimos este piquenique.

Os encontros com os amigos são sempre especiais. Criam-se memórias. Guardam-se momentos. Partilham-se gargalhadas. E especial é também podermos acompanhar de perto o desenvolvimento dos mais pequenos. Sabe tão quando me dizem: "Tia Isabel, a tua comida é tão boa!"

sexta-feira, 24 de julho de 2015

Pão de forma para as sandes da praia


É tempo de arrumar as mochilas, encher os sacos com os brinquedos das crianças, encontrar os fatos de banho, colocar à vista os bonés e os chapéus de palha, e partir de férias. Julho e Agosto são os meses privilegiados para gozar uns dias de descanso depois de um ano de trabalho.

E férias são sinónimo de praia. De dias longos à beira-mar, de gelados e bolas de Berlim. De dias de sol e céu azul. De mergulhos até tarde no mar. Uma das coisas que gosto de fazer quando vamos para a praia é preparar um pequeno lanche que ao mesmo tempo sirva de almoço.

É importante ter uma geleira ou saco térmico, para conservar os alimentos frios durante mais tempo. Gosto de levar fruta fresca, uvas, pêssegos ou uma fatia de melão cortada em pedaços. Para beber, damos preferência à água. No que toca à comida, é tão prático preparar umas sandes, com pão fresco. Nas sandes, resulta bem a pasta de atum, fatias de carne ou frango assado, pepino cortado em rodelas finas e alface ou rúcula, para quem gosta. Para vos ajudar a preparar as sandes da praia, deixo-vos uma receita de pão de forma que preparei para a rubrica Cuisine Companion, o robot de cozinha da Moulinex.

quinta-feira, 23 de julho de 2015

Doce de ameixa com especiarias e vinho do Porto


O Verão é sinónimo de férias. Este ano decidi traçar alguns objectivos de algumas coisas que gostaria de fazer durante este período do ano. Dos 15 objectivos, posso dizer que já consegui realizar estes:

2. Voltar ao ginásio - Qualquer altura é uma boa altura! - Já comecei. Acreditam que me soube tão bem. Fazer exercício é tão importante, principalmente para quem tem uma vida mais sedentária. Fazer exercício não é apenas uma questão de perder peso é uma forma de nos sentirmos melhor, com mais energia. No início custa. Vai haver alturas em que apetece desistir, principalmente depois de uma dia de trabalho. Mas insistam. Vai valer a pena! Eu sempre que chego do ginásio, penso, ainda bem que fui.

8. Apanhar um ramo de orégãos no campo - Na minha última ida a casa dos meus pais, numa aldeia a poucos quilómetros de Santarém, aproveitei ao final da tarde para dar um passeio e apanhar um ramo de orégãos num terreno da família. Sabe tão bem respirar o ar do campo. Sentir o aroma fresco dos eucaliptos misturado com o perfume das estevas e do alecrim. Já sequei e guardei, num frasco, os orégãos. Estes têm o cheiro tão bom e intenso!

15. Aproveitar a fruta da época para doces e compotas - De todas as épocas do ano, é no Verão que mais gosto de fazer doces e compotas, talvez pela variedade e abundância de frutas que esta época nos oferece. Nestes dias tem chegado à minha cozinha melão, meloas, laranjas, tomate, ameixas brancas e ameixas vermelhas. O destino de grande parte desta fruta tem sido compotas. Uma das que fiz foi de ameixas com especiarias e vinho do Porto. Quem provou, adorou!

quarta-feira, 22 de julho de 2015

Chicharros no forno com batatas e tomate


Há dias em que me sinto muito grata pela minha vida e pelos pais que tenho. Para além de terem uma horta que cuidam com muito cuidado, acedem a muitos dos meus pedidos. Ora é tomate cereja, ora lhes peço para terem batata-doce, ora me semeiam abóboras de várias formas e feitios. Para além destes mimos todos, o meu pai desde que se reformou começou a ter um hobbie que muito admiro. Tirou a carta de marinheiro e de vez em quando vai pescar com os amigos para o alto mar. É fabuloso, não acham?

Um dos presentes que recebi da sua última ida à pesca foi dois carapaus grandes a que chamamos chicharros. Eram enormes. Quase do tamanho da assadeira oval que usei para os assar no forno. E o sabor, tão bom! Saber que foi o meu pai que os pescou fez que soubessem ainda melhor! É por estas pequenas coisas que devemos estar gratos pela vida que temos.

terça-feira, 21 de julho de 2015

Batido de banana com morangos e manteiga de amendoim


Gosto de variar os pequenos-almoços de acordo com a estação do ano. Nos dias frios prefiro o pão fresco com queijo fatiado ou manteiga. De vez em quando queijo fresco e compota. As torradas são também uma opção. Mas assim que chega o calor, surge também a vontade de começar o dia de uma forma mais leve e fresca. Nesta altura do ano prefiro comer, pela manhã, fruta com iogurte, cereais e uma colher de frutos secos ou batidos de fruta, frescos e cheios de energia. Um dos últimos que fiz foi de banana, morangos e uma colher de manteiga de amendoim. Delícia! Também gostam de variar os pequenos-almoços?

segunda-feira, 20 de julho de 2015

Salada de bacalhau com tomate e grão


Uma das coisas que gosto nos dias quentes de Verão é a possibilidade de fazer refeições leves em que reinam as saladas ou os petiscos. Algo que acompanhe bem uma bebida fresca. Nestes dias, a nossa preferência vai para o vinho branco, para o verde, de vez em quando rosé ou para uma cerveja geladinha. Nesta altura do ano, temos sempre umas cervejas no frigorífico.

Num dos fins-de-semana que fui visitar os meus pais trouxe da horta vários tipos de tomate. A minha mãe todos os anos planta tomate. Este ano tem chucha, tomate redondo, coração de boi, tomate cereja e pêra amarelo. Quando os visito gosto de ir à horta com ela.

Para aproveitar a abundância de tomate que começa a chegar, numa das refeições de fim-de-semana preparei uma salada fresca, com alguns produtos da horta.

sexta-feira, 17 de julho de 2015

Jantar Nespresso Gourmet Weeks ou o elogio ao café


O café faz parte das minhas rotinas diárias. Gosto do cheiro do café logo pela manhã. Gosto de terminar as refeições com café. Uso o café em algumas das minhas receitas, principalmente nos doces. Agora uma refeição com café do princípio ao fim ou em pratos de carne ou peixe, parece-me um grande desafio. E foi isso que a Nespresso propôs a vários chefs. Criarem uma refeição em que o café fosse o ingrediente em destaque. Sabemos que em sobremesas os aromas do café resultam muito bem, mas e em pratos de carne e peixe?

O primeiro jantar desta Nespresso Gourmet Weeks teve lugar no restaurante Feitoria com os chefs João Rodrigues e Ricardo Costa do Yeatman. Seguiu-se o Porto. O primeiro foi no restaurante Pedro Lemos e hoje será no Ferrugem, o restaurante da conhecida dupla Renato e Dalila. Amanhã, será no restaurante Oitavos com os chefs Cyrill Deviliers, Joaquim de Sousa e Francisco Siopa.

Um dos jantares em que tive a possibilidade de estar presente foi o do dia 11 de Julho no restaurante River Lounge do hotel Myriad by SANA Hotels. Cheguei ao final da tarde, ainda a tempo de ver o pôr do sol com vista para o Tejo e a ponte Vasco da Gama. A vista privilegiada deste restaurante já por si merece uma visita.

O jantar começou com uns aperitivos, que enquanto íamos conversando com os restantes convidados, souberam muito bem. A sopa fria de melancia com um toque de gengibre ou os canudos de abacate foram dos meus preferidos. Como o final de tarde estava quente, a frescura destas entradinhas destacou-se.

Sentados à mesa, entre uma selecção de pães - foi aqui que comi o melhor pão de caril, tão perfumado e com uma cor linda - para mergulhar no azeite com vinagre balsâmico, chegou o amuse-bouche preparado pelo chef Frederic Breitenbucher, duo de foie gras e coxa de pato com chutney de figos com especiarias, geleia de espresso leggero ao vinho do Porto. Um prato complexo, com uma excelente harmonização de sabores.


A entrada esteve a cargo do chef Patrick Lefeuvre, do restaurante Flor de Lis, que nos serviu um ravioli de lavagante com aipo, infusão de marisco e lungo leggero. Para mim foi um prato que me fez viajar pelo mar, pelo fundo do mar, com algas, muitas texturas e cores, com vida. A base com uma complexidade de verdes e algas, que íamos pescando a cada garfada. Por fim, o marisco e uma rede crocante a dar textura a toda esta aventura de sabores. Um prato muito bom, onde o café brilhou sem se sobrepor. A acompanhar as entradas um vinho verde Soalheiro de 2014.


O prato de peixe foi uma preparação do chef Frederic, um pregado salteado com fondant de espargos verdes, couve-flor caramelizada com espresso origin Brazil e fava tonka, batata vitelotte e braisage de limão. Este prato fez-me gostar ainda mais do trabalhado deste chef. Achei curioso o uso da fava tonka num prato de peixe. A fazer brilhar os sabores do pregado, um vinho M.O.B de 2012, da região do Dão.


Vitela com puré de cenoura branca, cogumelos selvagens em aroma de foie e ristretto origin India foi o prato de carne preparado pelo chef Luís Mourão. Neste prato houve uma surpresa maravilhosa. Um bombom de chocolate, intenso, que ao derreter na boca provocava uma verdadeira explosão de sabores. Que coisa boa! Para acompanhar o prato de carne foi-nos servido um vinho do Douro, VT de 2008.


A sobremesa foi preparada pelo chef anfitrião da noite, que nos surpreendeu com geleia de café e caramelo com crumble de chocolate e gelado de ristretto. Ainda hoje penso no sabor fresco e delicioso do gelado. Uma maravilha. Quinta do Alqueva de 2005, foi o vinho escolhido para acompanhar a sobremesa.


E para terminar a refeição, café, como não podia deixar de ser! Estes jantares são uma provocação aos nossos sentidos. Os pratos, elegantes, são visualmente muito apelativos. E depois os sabores são uma viagem por ingredientes que arrumamos em gavetas e que os chefs nos levam a perceber que afinal resultam em outros contextos. O café, foi um deles!

quinta-feira, 16 de julho de 2015

Bolo de chocolate com vinho tinto


Comer uma fatia de bolo é sempre um prazer. Há bolos que me fazem sonhar com dias bonitos de céu azul. Que me inspiram e levam a viajar. Que me aconchegam num dia de chuva. Que me fazem sorrir. Gosto de bolos que escondem simplicidade. Começando pelos clássicos de quando era miúda, lembro-me do sabor delicioso do bolo de laranja. Que bom que era quando regado ainda quente com um pouco de sumo. Na boca sentiam-se explosões de sabor a cada dentada. O bolo mármore, a que ainda hoje não resisto, o bolo de iogurte que agrada a pequenos e graúdos e o bolo de ananás invertido, que fiz muitas vezes para o lanche, em família, aos domingos quando vivia com os meus pais. Já crescida descobri o bolo de curgete com nozes ou com chocolate, aventurei-me pelo sabor da beterraba ou do agrião. Mas um dos sabores que me lembro de gostar desde sempre é o do chocolate. Que delícia é um bolo de chocolate! Quando tenho que escolher, confesso que a grande maioria das vezes, a minha inclinação vai para o bolo de chocolate. É tão reconfortante. Sabe a abraços doces vindos de quem gostamos!

E como cozinhar é uma forma de aventura que envolve o despertar dos sentidos, trago-vos, uma proposta para viajarem no mundo dos sabores, um bolo de chocolate mas com um ingrediente - o vinho tinto - que o transforma, que o enaltece e o torna diferente. Curiosos?

quarta-feira, 15 de julho de 2015

Patê de salmão fumado com cebolinho e alcaparras


Quando se fazem festas em casa e se juntam os amigos ou a família não podem faltar os aperitivos, para ir entretendo a boca e a alma. Uma mesa com tostas, diferentes tipos de queijo, gressinos, frutos secos - nozes, amêndoas, cajus, amendoins com mel e sal, favas fritas ou figos recheados, alperces e ameixas pretas. Enquanto se bebe uma bebida fresca e se espera pelos restantes convidados para passar à mesa vai-se petiscando, colocando a conversa em dia. Uma das coisas que também não costuma faltar numa mesa de aperitivos é o patê. Gosto imenso de patê. Os meus preferidos são o de sardinha e o de salmão. Para barrar em tostas, sabem tão bem.

Deixo-vos, hoje, uma receita de patê de salmão fumado com cebolinho e alcaparras que fica delicioso.

terça-feira, 14 de julho de 2015

Achigã assado no forno com tomate


O achigã é um peixe de águas doces, com uma carne suculenta, a lembrar o sabor entre um robalo e a truta. «Originário do Sul do Canadá e norte dos Estados Unidos da América, o achigã foi introduzido em Portugal em 1898, na Lagoa das Sete Cidades, nos Açores. Cerca de 50 anos depois começou a aparecer nas baías hidrográficas continentais, onde se espalhou rapidamente, sobretudo a sul do rio Tejo. Os primeiros espécimes terão chegado ao nosso país vindos do Lago Michigan, nos EUA, sendo o nome em Português uma corruptela desta palavra.» in jornal Expresso, Teresa Resende.

É um peixe versátil, que pode ser assado no forno, grelhado no carvão, colocado numa caldeirada, feito em filetes. Um destes dias o meu pai ofereceu-me dois achigãs vindos de uma pequena lagoa que tem na zona de Santarém. Decidi assá-los no forno para um almoço a dois no fim-de-semana.

segunda-feira, 13 de julho de 2015

Hummus de batata-doce roxa assada


Os fins-de-semana têm a vantagem de podermos gerir o tempo à nossa maneira. Gosto dos fins-de-semana em que posso estar à mesa, sem pressas, rodeada de amigos e muitos petiscos bons. Um dos petiscos que preparei no sábado para acompanhar uma garrafa de vinho branco cá em casa, foi este hummus de batata-doce roxa assada. Ando encantada com esta variedade de batata-doce. Adoro a cor. É menos doce que a "nossa" batata-doce. Gosto de a usar em saladas, e recheadas também resultam muito bem. Mas hoje deixo-vos a receita do hummus.

sexta-feira, 10 de julho de 2015

Chips de batata-doce laranja e roxa com pimenta-preta


Adoro petiscar. Fazer receitas práticas e rápidas para acompanhar uma bebida antes da refeição ou então, para saborear durante o visionamento de um filme ao fim-de-semana, no sofá. Que saudades das matinés dos domingos à tarde na televisão, lembram-se?

Para quem, como eu, gosta de petiscar ao fim-de-semana, deixo-vos, hoje, uma sugestão rápida, crocante e muito viciante. Assim que se começa, é tão difícil  parar de comer estes chips! Experimentem.

quinta-feira, 9 de julho de 2015

Torcidos crocantes de massa folhada com queijo e paprica


Os dias de Julho trazem o sorriso doce do Verão. Trazem o sabor a mar, o cheiro a peixe grelhado na brasa, a pimentos assados e a tardes de calor intenso. Nos dias quentes de Julho sonha-se com as férias. Com as caminhadas junto à praia. Com os sorrisos a dois ou as gargalhadas em família. Pensa-se nos dias sem horas, sem pressas para acordar. Os dias de Julho trazem a vontade de ver o mar. Esperar até ao pôr-do-sol de mão dada. Trazem a vontade de comer gelados sem parar. Nos dias quentes de Julho apetece fazer comidas leves e frescas. Comer à sombra das árvores. Apetece pestiscar.

Nestes dias de Julho, para petiscar, deixo-vos, hoje, uma receita muito prática e rápida de confeccionar, torcidos crocantes de massa folhada com queijo e paprica. Parece-vos bem?

quarta-feira, 8 de julho de 2015

Sumo de meloa com laranja e morangos


Nos últimos dias a minha cozinha tem estado a meio gás. Os dias de sol, quentes, acabam por inibir a vontade de cozinhar pratos de forno ou guisados demorados. Nestes últimos dias temos dado preferência às saladas, às sopas, aos petiscos e aos sumos de fruta, que frescos ajudam a tornar os dias quentes muito mais leves. O último sumo que preparei para um lanche a dois cá em casa foi este de meloa com laranja, morangos e umas folhas frescas de hortelã. Muito bom!

terça-feira, 7 de julho de 2015

Biscoitos de noz


Maria acordou cedo. Gostava de ter tempo de manhã para as suas rotinas pessoais antes de ir para o emprego. Sair de casa. Esperar cinco a seis minutos pelo Metro. Descer no Cais de Sodré, subir as escadas rolantes, atravessar a rua junto ao quiosque e esperar pelo autocarro que a deixava a dez minutos a pé do centro de escritórios onde trabalhava. Antes de sair de casa já parecia cansada só do trajecto que tinha que percorrer, principalmente nos dias quentes de Verão em que já só sonhava com as férias. Por isso, este tempo de manhã, para si, era precioso.

Tomou um duche rápido. Passou creme hidratante pelo corpo. Olhou para o guarda-roupa e escolheu um vestido vermelho, justo, que combinava na perfeição com as sandálias novas que tinha comprado nos saldos, no dia anterior, e que lhe acentuava a cintura. Este vestido vermelho era um dos seus preferidos. Abriu o fecho nas costas do vestido. Passou uma perna e depois a outra. Puxou e dançou um pouco para que passasse nas ancas. De seguida enfiou os braços com alguma dificuldade. Agora só faltava fechar o fecho novamente. Encolheu a barriga. Deixou de respirar. E com jeitinho o fecho deslizou. Mais apertado do que a última vez que o usou, na despedida de solteira de uma amiga, apenas duas semanas antes. Enquanto colocava no saco uma mão cheia de biscoitos de noz para o lanche, pensou: - É desta que deixo de lavar o vestido!

segunda-feira, 6 de julho de 2015

Panquecas de batata-doce e leite de coco


No passado sábado rumei até à Sertã. Fui participar na Maratona de Leitura organizada pela Biblioteca Municipal Padre Manuel Antunes. Achei esta iniciativa tão interessante. Durante vinte e quatro horas leu-se ininterruptamente. Para a minha participação escolhi ler os cinco contos do meu livro Cozinha para Dias Felizes.

Nesta visita à Sertã, foi um privilégio ouvir o escritor Mário Zambujal, autor de um livro que gosto muito, Crónica dos Bons Malandros e que recomendo vivamente. Muito divertido. Depois da leitura, seguiu-se o meu showcooking que teve lugar ao ar livre, num quiosque de leitura. Este convívio e contacto com o público é sempre tão especial para mim!


A receita que escolhi preparar na Sertã foi a salada de quinoa vermelha e batata-doce, que resulta muito bem nestas ocasiões. Ao preparar os ingredientes cozi mais batata do que a necessária. No domingo de manhã ao abrir o frigorífico para escolher o pequeno-almoço apercebo-me que tenho a batata-doce já cozida e que usada numas panquecas deveria resultar muito bem. Se bem o pensei, mais rapidamente o fiz.

sexta-feira, 3 de julho de 2015

25 receitas para experimentar neste Verão


O Verão é tempo de festas pela noite dentro. É tempo de aproveitar o sol, de bronzeados, de chinelos e óculos escuros. É tempo de namoros e de mergulhos no mar.

O Verão é tempo de conversas e risos nas tardes de sol, de almoços e sardinhadas ao ar livre, servidas com salada e pão. É tempo de gelados, bebidas frescas com sabor a limão.

O Verão é tempo de melancia, melão e figos frescos, doces, a pingar. É tempo de viajar sem pressas, de abrir as janelas do carro e sentir o cabelo a voar.

O Verão é tempo de experiências com sabor a mar. É tempo de cozinhar. Por isso, deixo-vos hoje, vinte e cinco receitas para experimentarem agora que é Verão:
- Almôndegas de salmão com molho de iogurte;
- Asinhas de frango no forno picantes;
- Azeitonas temperadas com citrinos e louro;
- Batatas assadas com paprica e tomilho;
- Carpaccio de polvo;
- Cataplana de amêijoas;
- Foccacia de tomate e alecrim;
- Frango com mostarda e laranja;
- Hummus de pimento vermelho assado;
- Laços com molho de tomate, atum e azeitonas;
- Mexilhões no tacho;
- Minestrone com tortellini;
- Pastéis de arroz com queijo;
- Patê de cavala em azeite com ervas;
- Pão fresco com queijo e pimentos assados;
- Salada de cenoura com cominhos;
- Salada de legumes grelhados com queijo feta;
- Salada de melancia com queijo de cabra curado;
- Salada de polvo com grão;
- Sandes aberta de queijo com tomate cereja e agrião;
- Sandes de guacamole com ovo escalfado;
- Sopa de mexilhão com tomate;
- Tacos com abacate e atum;
- Tarte de tomate e tomate com queijo Camembert;
- Tigelinhas de bacalhau.

quinta-feira, 2 de julho de 2015

Panna cotta de leite evaporado com coulis de morango


A primeira vez que me lembro de comer panna cotta curiosamente não foi em terras lusas, nem em Itália, onde esta sobremesa é típica. Há uns anos o Ricardo e eu fomos até Toronto, no Canadá, de férias. Num dos dias que decidimos ficar pela cidade e andar a pé, o tempo trocou-nos as voltas e brindou-nos com uma manhã de chuva e céu cinzento, daqueles dias em que mesmo com guarda-chuva ficávamos irremediavelmente encharcados. Entre voltar ao hotel e descansar um pouco, chegou a hora do almoço e o Ricardo tinha pensada uma surpresa. Reservou mesa no restaurante 360 na CN Tower. Ao ver na carta a panna cotta não hesitei em escolhê-la. A partir daí, de vez em quando temos panna cotta como sobremesa cá por casa.

A versão que hoje vos trago não é com nata cozida, mas sim com leite evaporado, que é uma excelente alternativa às natas. Espero que gostem.

quarta-feira, 1 de julho de 2015

Doce de melão com maçã e laranja


A chegada do Verão traz a vontade de fazer coisas novas. Os dias bonitos de sol e céu azul são inspiradores. Este ano decidi fazer uma pequena lista de coisas que gostaria de fazer no Verão. Sabem como eu adoro fazer listas e traçar objectivos para ir tentando realizar! Nestes dias de Verão gostava de:

1. Organizar um piquenique com a família e/ou amigos;
2. Voltar ao ginásio - qualquer altura é uma boa altura!;
3. Cozinhar durante uma semana receitas com tomate;
4. Voltar a fazer gelados de pauzinho;
5. Escrever uma história, por semana, à volta da comida em Julho e Agosto;
6. Abraçar mais vezes as pessoas de quem gosto;
7. Apanhar amoras silvestres;
8. Apanhar um ramo de orégãos no campo;
9. Ir à praia e ver o pôr do sol;
10. Comer gelados numa esplanada;
11. Fazer pão com a minha mãe;
12. Escrever postais à família e aos amigos;
13. Preparar pequenos-almoços tardios, a dois, ao fim-de-semana;
14. Cozinhar com as sobrinhas;
15. Aproveitar a fruta da época para doces e compotas.

Os objectivos realizam-se a pouco e pouco. Já tenho o equipamento para o ginásio e para aproveitar a fruta da época, deixo-vos uma receita de doce de melão com maçã e laranja que preparei num destes dias de Verão. Com pão fresco ao pequeno-almoço sabe tão bem!