Próximos Workshops
Porto 30 de Setembro de 2017
Sábado:
10h30 - 13h30      Receitas Rápidas para o Jantar
 
 
15h30 - 19h00      Vamos Fazer Pão?

sexta-feira, 30 de dezembro de 2016

15 entradas e petiscos para saborear na passagem de ano


O final do ano está a chegar. Cada fim de ano, representa para mim, o fechar de um ciclo e a chegada de um ano novo cheio de oportunidades.

A chegada de um novo ano é como o virar de uma página. É abrir um livro novo em que cada folha está ali à espera, branquinha, que se desenhem ou se escrevam coisas novas, se definam aspectos da nossa vida, se concretizem desejos e oportunidades.

A chegada de um novo é sinal de esperança. Esperança que as coisas possam mudar, esperança em que surjam novas e melhores oportunidades, esperança em que consigamos continuar em frente, com saúde e perto daqueles que nos são queridos. Por isso, há que receber o novo em ano em festa. Para quem costuma ficar em casa e viver este momento de alegria com a família e os amigos, deixo-vos, 15 deliciosas sugestões de entradas e petiscos para saborear na despedida do ano velho e receberem o novo ano com muito sabor:


Que o novo ano nos traga a todos muitos dias felizes!

quinta-feira, 29 de dezembro de 2016

Os livros que li em 2016


Os livros são janelas abertas para o mundo. São formas de viajar através da magia da imaginação. Ler um livro é mergulhar numa aventura. É conhecer novos sítios, outras perspectivas de olhar para o que nos rodeia. Ao ler um livro estamos a pensar. E há livros que nos fazem pensar muito. E ao pensar, sem querermos, estamos a mudar.

As personagens de cada um dos livros são como as pessoas que se cruzam na nossa vida, umas simpatizamos e amamos, outras, nem por isso. Há livros que nos impulsionam a amar. A fazer coisas boas. A olhar para os outros. Há livros que nos despertam a vontade de viajar e de conhecer os sítios que descrevem.

Os livros ensinam-nos. Ensinam-nos matérias sérias, como a matemática, a física, aspectos da medicina ou da astrofísica, entre outras ciências. Aprendemos quando lemos. Aprendemos a ver sentimentos, a colocarmo-nos no lugar do outro, a entender diferentes formas de amor, a ser tolerantes ou mais conscientes. Os livros têm mensagens fechadas e cabe-nos a nós, leitores, abri-los e descobri-las. E o curioso de cada livro é que cada um de nós pode encontrar mensagens diferentes. Ler pode ser mágico. Ler ajuda-nos a ser felizes.

Sempre gostei de ler. Umas vezes consigo ler mais, outras, menos. Por mais que leia, penso que poderia ter lido mais. Que tenho que organizar melhor as minhas escolhas. Um leitor nunca está satisfeito, não é verdade? Independentemente do número de leituras que faça, sinto sempre que os livros acrescentam poesia à minha vida. E isso é tão bom! Este ano decidi escolher, pelo menos, um livro para ler em cada mês do ano:

Janeiro:
- A Morte de um Apicultor de Lars Gustafsson - A história de Lars Westin que sabe que está morrer de cancro mas que se recusa a abrir a carta do hospital. Abandona a sua carreira e inicia uma nova vida como apicultor, longe dos caminhos impessoais de um hospital.

- O Que Faz Deus Quando se Sente Sozinho de Paulo Amado - Uma viagem por nove histórias bíblicas em forma de contos que tão bem retratam a natureza humana.

- Pão, Pizza e Focaccia de Rossela Venezia - Um livro delicioso sobre pão e outras massas. Explica como fazer pré-fermentos.

Fevereiro:
- Um Momento Meu de Paulo Caiado - Um livro para a geração que tem agora quarenta anos. Identifiquei-me com tantas coisas!

- Pan de Xavier Barriga - Este ano procurei saber mais sobre como fazer pão em casa. Este foi um dos livros que decidi ler. Ajudou-me bastante.

Março:
- A de Açor de Helen Macdonald - Não simpatizei muito com a personagem principal. A perda do pai leva-a a procurar um refúgio, um caminho. Começa a treinar um Açor.

Abril:
- Em Teu Ventre de José Luís Peixoto - A história da aparição de Nossa Senhora de Fátima aos três pastorinhos contada pelo lado materno. A escrita de José Luís Peixoto cativa-me. É simplesmente deliciosa e viciante.

- Os Assaltos à Padaria de Haruki Murakami - Um livro para ler numa tarde. Simples. Delicioso e divertido!

Maio:
- Jane Eyre de Charlotte Brontë - Um clássico da literatura e o melhor livro que li este ano. Arrebatador!

- Manual Para se Tornar um Verdadeiro Gourmet de Fortunato da Câmara - Um manual para quem quer saber mais sobre gastronomia e cozinha.

- A Dieta Ideal de Franscisco José Viegas - Uma viagem pela cozinha do criador do famoso inspector Ramos, apaixonado pelos sabores portugueses e com muitas referências a Trás-os-Montes, a sua região de origem.

- Combinações Improváveis de José Avillez - Um livro que resulta do programa de televisão do autor. Muitas receitas com combinações pouco usuais.

Junho:
- As Altas Montanhas de Portugal de Yann Martel - Uma viagem de Lisboa até Trás-os-Montes. Um livro que agarrei com muita expectativa mas que ficou aquém, talvez porque tenha gostado mesmo muito de A Vida de Pi.

Julho:
- A Vida no Campo de Joel Neto - O primeiro livro que li deste escritor açoriano foi há muitos anos pela mão de uma amiga, uma leitora fervorosa. Gostei muito deste livro. Não sei se por conhecer a ilha Terceira, de reconhecer algumas paisagens e algumas pessoas referidas, ou se por falar da vida calma e tranquila que se tem quando se vive no campo. Ou então, talvez tenha sido pela escrita deliciosa e poética do autor. Em 2017 conto ler O Arquipélago.

- Vamos Comprar um Poeta de Afonso Cruz - Gostei tanto deste livro. Um livro que nos deixa a pensar e a desejar que os nossos dias tenham muito mais poesia.

- O Livro dos Sabores Perdidos de Nicky Pellegrino - Um livro para ler no Verão. Uma história à volta de um grupo de mulheres que vai para uma escola de cozinha em Itália. Cada uma esconde uma história mas o amor está mesmo ali ao virar da esquina.

Agosto:
- A Vinha do Anjo de Sveva Casati Modignani - Um romance à volta de uma produtora de vinho, com amor e desencontros. Um livro delicioso para o Verão.

- O Livro do Pão de Ângela Silva - Um livro para quem quer começar a fazer pão em casa com recurso à massa-mãe e onde a farinha de trigo não entra.

Setembro:
- A Rapariga do Comboio de Paula Hawkins - A história em volta de um crime em que a chave do desenrolar da investigação está na rapariga do comboio. Um livro que se lê de um fôlego.

- Flores de Afonso Cruz - « Um homem sofre desmesuradamente com as notícias que lê nos jornais, com todas as tragédias humanas a que assiste. Um dia depara-se com o facto de não se lembrar do seu primeiro beijo, dos jogos de bola nas ruas da aldeia ou de ver uma mulher nua. Outro homem, seu vizinho, passa bem com as desgraças do mundo, mas perde a cabeça quando vê um chapéu pousado no lugar errado. Contudo, talvez por se lembrar bem da magia do primeiro beijo - e constatar o quanto a sua vida se afastou dela - decide ajudar o vizinho a recuperar todas as memórias perdidas. Uma história inquietante sobre a memória e o que resta de nós quando a perdemos. » Um autor a que quero voltar em 2017.

- Morreste-me de José Luís Peixoto - Um livro/poema em homenagem ao pai do autor. Intenso!

Outubro:
- Os Anagramas de Varsóvia de Richard Zimler - Uma viagem ao gueto de Varsóvia através da investigação de um crime. Uma história arrepiante e comovente. Os livros de Richard Zimler trazem sempre uma mensagem, para mim. É importante não esquecer os horrores do holocausto para que não volte a acontecer.

- Semear Sabor, Colher Memórias de Fátima Moura e Justa Nobre - Um livro para sabermos mais sobre alguns pratos tradicionais portugueses. Nada como divulgar as receitas para semear sabor e criar memórias. A primeira parte do livro leva-nos de forma deliciosa pelo maravilhoso mundo do bacalhau.

Novembro:
- Noites Brancas de Fiódor Dostoiévski - « Numa noite luminosa, numa ponte sobre o rio Neva, um jovem sonhador depara-se com uma mulher em lágrimas. Petersburgo está mergulhada em mais uma das suas noites brancas, um fenómeno que faz as noites parecerem tão claras quanto os dias e que confere à cidade a atmosfera onírica ideal para o encontro entre essas duas almas perdidas. » Um livro delicioso que nos faz pensar sobre a solidão e o amor.

Dezembro:
- Deixei-te ir de Clare Mackintosh - Uma mãe vive a dor da perda de um filho. Jenna tenta recomeçar a sua vida num chalé, numa zona isolada, junto ao mar na costa de Gales. A investigação à morte de Jacob, depois de um período sem avançar, é finalmente retomada. Um romance que nos prende à leitura e que nos alerta para a questão da violência doméstica e como é esta é vivida em profundo silêncio. Tem um final surpreendente. Recomendo.

E como foram as vossas leituras em 2016? Qual o vosso livro preferido?

quarta-feira, 28 de dezembro de 2016

Camarão frito picante com alho


A festa de final do ano está a chegar. Por cá, entre os balanços de 2016, começa-se a preparar a chegada do novo ano. Se costumo passar o Natal com a família, a passagem de ano é sempre feita com amigos à volta da mesa.

E um dos pratos que faz parte das entradas, ou do final da noite, é camarão frito com um toque ligeiramente picante. Prepara-se num instante e toda a gente adora! Preparei esta receita para a rubrica da Pescanova. Sabe bem despedirmo-nos do ano velho e receber o novo ano com amigos e boa comida. Já escolheram as entradas para a vossa passagem de ano?

segunda-feira, 26 de dezembro de 2016

Bolachas de manteiga com arandos secos


O Natal da minha infância há muito que se perdeu no tempo. Não havia hipermercados em cada cidade ou vila. A loja do avô Augusto ou da prima Gina só vendiam o essencial. O Natal era uma forma de juntar a família toda à volta da mesa e era quase sempre em casa dos avós. Os presentes entre os adultos eram muitas coisas que cada um produzia, como azeite, mel, nozes, vinho ... ou então umas meias quentinhas que davam sempre jeito.

Para os mais pequenos lá havia uma vez por outra um presente embrulhado com laçarote e que nos fazia brilhar os olhos de felicidade. Os avós ou os tios davam-nos uma moeda ou uma nota para colocar no mealheiro, e essa simplicidade era mágica. Desses Natais tenho saudades da confusão e da azáfama que se vivia na cozinha nestes dias. Tenho tantas saudades dos risos, das gargalhadas, da alegria de termos a família toda junta à volta da mesa, do convívio entre os primos grandes e os pequenos. Mas a inexorável máquina do tempo acaba por nos levar aqueles que nos ajudaram a criar memórias à volta do Natal ou os desígnios da vida traçam outros caminhos que nos separam.

Agora, o Natal é mais rico e farto, e acho que isso não tem mal nenhum. Ainda bem que temos acesso a mais coisas, que o nosso mundo se abriu, que podemos dar e receber mais. Agora, é tudo mais bonito. As lojas, as ruas enfeitadas. Mas se por um lado acho que é bom, por outro também me cansa a correria que se vive nesta altura do ano, as filas quase intermináveis nas caixas das lojas ou nos supermercados, o stress e a ansiedade que esta época pode criar é tão grande que não se enquadra no espírito e na magia com que devemos viver o Natal.

O Natal é a felicidade de podemos estar juntos em família. O Natal são momentos que nos deixam saudade. E em vez de presentes, muitas vezes o que ofereço, aos amigos, aos colegas de trabalho e à família são pequenas lembranças, ou como diz a minha mãe quando oferece alguma coisa a uma visita: - "isto é apenas uma lembrancinha!". As lembranças são miminhos, pequenos nadas, uma simpatia para aqueles de quem gostamos. Uma lembrança pode-nos fazer sorrir ou até aconchegar a alma. As lembranças são coisas boas que nos deixam memórias. Do Natal não se guarda na memória os presentes que se recebe.

Por exemplo, guardo o sabor dos fritos de abóbora da minha sogra ou das filhoses estaladiças da minha mãe, guardo o sabor cremoso do arroz-doce da tia Dulce ou dos figos secos que a minha mãe prepara durante o Verão para colocar agora na mesa. Guardo cá dentro o crepitar da lareira, o brinde à vida que fazemos a meio da refeição. Guardo o sorriso de alegria das lembranças que vamos criando juntos. Este ano, pelo Natal, voltei a oferecer uns miminhos feitos em casa. E entre eles, havia biscoitos de azeite, caixas com bombons, geleia de melancia com laranja, marmelada, bolo de chocolate no frasco, uns sacos com bolachas de manteiga coloridas e, entre elas, coloquei também umas com arandos secos. Quem provou diz que gostou.

sábado, 24 de dezembro de 2016

Feliz Natal


Votos de um Feliz e Santo Natal na companhia dos que vos são mais queridos!

sexta-feira, 23 de dezembro de 2016

Vamos fazer pão: Trança doce de Natal com frutos secos


O Natal chegou ... já se sente no ar o cheiro doce das especiarias - canela e gengibre - misturado com a frescura da raspa de limão. Nas cozinhas de Norte a Sul do país fritam-se sonhos e rabanadas, faz-se arroz-doce, aletria ... Assam-se perus recheados, coze-se o polvo, arranjam-se as couves para preparar com o bacalhau demolhado. As mães, as tias e as avós escolhem as toalhas guardadas para esta ocasião. Optam sempre pela mais bonita ou não fosse o momento de receber a família à mesa o motivo de toda esta azáfama. O serviço especial de pratos também já está pronto a usar.

Estar com a família à mesa, rir, falar, conviver é esta a verdadeira magia do Natal. Estarmos com aqueles que fazem a diferença na nossa vida é que é realmente importante. Por isso, nesta altura do ano gostamos de mimar, acarinhar, compensar aqueles que nos rodeiam. É nesta altura do ano que festejamos a alegria da vida. E nesta altura que agradecemos as coisas boas que nos acontecem, a nós e aos que nos rodeiam. É nesta altura que conseguimos ter tempo, entre toda a azáfama de um ano de trabalho, de dar graças pelas conquistas, pela saúde, pela bênção de termos uma mesa farta, um tecto que nos protege, uma família e amigos que nos dão a mão. O Natal é tempo de agradecer e de partilhar.

E para a mesa de Natal, deixo-vos, hoje, uma trança doce de frutos secos. Depois de publicar a trança de Natal recebi muitos pedidos para partilhar convosco uma receita sem frutas cristalizadas. Aqui fica.

A todos vós, queridos leitores e amigos, votos de um Feliz e Santo Natal!

quinta-feira, 22 de dezembro de 2016

Camembert no forno com alho e tomilho


O Natal está a chegar. É para mim uma das épocas mais bonitas do ano, cheia de luz, cores, alegria e muito amor. É assim todos os anos. E se as crianças adoram o Natal, penso que os adultos não lhes ficam atrás.

Mas nem sempre a azáfama associada ao Natal nos permite viver e gozar desta época com o descanso e tranquilidade adequadas. Preocupamo-nos com os presentes para a família, com a limpeza e decoração da casa, com as compras de última da hora, com os cozinhados a servir na véspera e no dia de Natal, com a toalha, as velas, os pratos e os copos a colocar na mesa. São tantas as coisas que muitas vezes sentimos que nos falta tempo e paciência, acabando por nos desfocar do que é verdadeiramente importante.

O Natal não é um pinheirinho de luzes a piscar cheio de presentes modernos, com os gadgets da moda. O Natal não é passar o tempo a cozinhar uma mesa farta de doces ou de pratos principais sem tempo para desfrutar da magia desta época. O Natal é tempo para a família. É recebermos de braços abertos aqueles de quem gostamos, aqueles que fazem a diferença na nossa vida. Haverá melhor presente de Natal do que reunir toda a família à volta da mesa?! Os risos, as gargalhadas, as conversas cruzadas, os momentos vividos uns com os outros é o que torna o Natal verdadeiramente mágico e especial.

Trago-vos, hoje, mais uma sugestão para servirem como entrada na vossa mesa de Natal e que se prepara num abrir e fechar de olhos. É sucesso garantido, toda a gente adora! Esta receita enquadra-se na campanha O Natal é para Todos do Lidl que me desafiou a apresentar ideias práticas que ajudem os leitores do Cinco Quartos de Laranja a preparar o Natal com alegria. Para além desta receita de Camembert no forno, preparei também tâmaras com bacon e queijo no forno e uma refrescante salada de vieiras com presunto e laranja. São três receitas diferentes, mas muito práticas para servirem este ano nesta quadra festiva. Já decidiram qual destas entradas vão preparar para a vossa mesa de Natal?

quarta-feira, 21 de dezembro de 2016

25 sugestões para presentes de Natal feitos na cozinha


A poucos dias do Natal começam-se a ultimar os presentes. Revêem-se as listas e faz-se o balanço do que se têm e do que falta comprar ou fazer. Para quem gosta de oferecer presentes feitos em casa, deixo-vos, hoje, 25 sugestões:

terça-feira, 20 de dezembro de 2016

Vamos preparar o Natal: 15 livros para oferecer a quem gosta de cozinhar


- A Vida e as Receitas Inéditas do Abade de Priscos de Fortunato da Câmara e Mário Vilhena da Cunha - Este é um livro muito interessante que nos ajuda a perceber quem foi o Abade de Priscos autor do famoso pudim, que inclui toucinho na sua confecção. Uma ideia genial!

- Cinco Séculos à Mesa de Guida Cândido. A cozinha do presente é uma herança do passado. As técnicas evoluíram, mas é possível fazermos receitas de há quinhentos anos atrás nas nossas cozinhas. É esta a proposta deste livro que nos leva a viajar por cinquenta apetecíveis receitas de cinco grandes obras de cozinha dos séculos XV a XX. Para além das receitas, o livro tem textos introdutórios e uma breve história da alimentação.

- Coentros & Garam Masala, Uma cozinha indiana-gujarati em Portugal de Rita Ávila Cachado e Bina Achoca - Uma viagem maravilhosa pelos sabores da cozinha indiana. Um livro para quem gosta de sabores exóticos.

- Dicionário Prático da Cozinha Portuguesa de Virgílio Nogueiro Gomes - Indispensável em qualquer biblioteca. Um livro de consulta para quem gosta de cozinhar e se interessa por saber mais sobre gastronomia. Este é um livro intemporal.

- História Gastronómica de Lisboa - Tradição, sociabilidade e pratos típicos de Manuel Paquete - Os hábitos e costumes e o que se comia em tempos idos, são questões que me despertam curiosidade. Este é um livro que nos ajuda a saber um pouco mais sobre a história da alimentação em Lisboa.

- My Name is Best, José Besteiro! 50 anos, 50 receitas de Nuno Dias - Um livro que traça a vida e trabalho do chef Joe Best. Irreverente, criativo e dedicado, uma figura ímpar no panorama gastronómico nacional.

- Na Cozinha de Miguel Castro e Silva de Miguel Castro e Silva e Augusto Freitas de Sousa. Gosto do modo como o chef Miguel Castro e Silva trata os produtos portugueses. Já tive o prazer de provar alguns dos seus pratos e rendi-me à elegância, à simplicidade aparente no modo como conjuga os sabores. Um livro delicioso tal como a sua comida.

- O Vinho na Ponta da Língua de Maria João Almeida - Um livro indispensável para quem quer saber mais sobre vinho. Numa linguagem acessível e descomplicada, a autora fala-nos sobre como escolher vinhos, sobre os defeitos e virtudes dos vinhos, as temperaturas, como se prova um vinho entre muitas outras coisas interessantes para quem se interessa por saber mais sobre o maravilhoso mundo dos vinhos.

- Os 100 Melhores Azeites de Portugal de Edgardo Pacheco - O azeite é um produto que uso diariamente na minha cozinha. E foi com bom grado que vi chegar este livro ao mercado. Já fazia falta um livro que nos ajude a compreender este produto nobre que é o azeite.

- Semear Sabor, Colher Memórias de Fátima Moura e Justa Nobre - Este é um livro que nos leva a viajar por vários pratos tradicionais portugueses. Encontramos receitas de bacalhau, de polvo, de pastéis, de bifes, de cataplanas entre muitas outras sugestões. O livro tem textos introdutórios que nos ajudam a compreender algumas tradições gastronómicas portuguesas.

- The Best I(n) Can: receitas de conservas portuguesas - Um livro dedicado ao mundo das conservas de peixe, resultante do trabalho realizado no restaurante Can the Can, em Lisboa.

- À Moda do Porto, Gastronomia com história ao alcance de todos de Hélio Loureiro - Um livro sobre os pratos e a maravilhosa gastronomia do Porto, de um grande senhor da cozinha portuguesa.

E como não podia deixar de ser, tenho que recomendar também a prata da casa. Três livros úteis em qualquer cozinha:

- Cozinha para Dias Felizes - Um livro de receitas com muitas histórias à volta da comida, com o aconchego das memórias de infância e da cozinha da minha mãe.

- Delicioso Piquenique - Um livro para quem quer receitas práticas para levar para uma festa, um lanche a meio da tarde num parque da cidade, para um piquenique, para uma ida à praia ou até para quem procura ideias de pratos para levar para o trabalho. Um livro delicioso.

- O Livro de Petiscos da Isabel - Um livro que respira felicidade, com páginas e receitas muito coloridas. As receitas foram pensadas e escolhidas para quem quer preparar uma refeição saborosa sem passar muito tempo na cozinha. Os petiscos, como lhe chamei, podem ser tradicionais, como as pataniscas de polvo ou a salada de ovas, mas muitos são irreverentes e sempre com um toque especial que os torna ainda mais deliciosos. Há muitas sugestões de sangrias, de diferentes tipos de pão e um capítulo dedicado a sobremesas. O Livro de Petiscos da Isabel é uma ajuda imprescindível a quem gosta de cozinhar. ;)

Os livros fazem parte da minha vida, dos meus dias. Os livros de cozinha são uma ajuda preciosa, uma fonte de inspiração. Este Natal ofereçam livros a quem gosta de cozinhar!

segunda-feira, 19 de dezembro de 2016

Bolachas em espiral a duas cores


O Natal rima com azáfama na cozinha, com os cheiros doces da canela, do açúcar e do limão. O Natal rima também com fazer biscoitos e bolachas, seja para oferecer ou para partilhar com a família.

Para um dos meus últimos workshops dedicado a presentes de Natal decidi fazer umas bolachas em espiral a duas cores. O efeito visual é tão bonito que é difícil não repararmos nestas bolachas assim que chegam à mesa. Como cá em casa gostámos tanto, decidi que vão ser também incluídas nos cabazes de Natal. Também gostam de fazer bolachas nesta altura do ano?

sexta-feira, 16 de dezembro de 2016

Vamos fazer pão: Trança de Natal


Faltam já tão poucos dias para o Natal. Ou melhor, faltam apenas nove dias para a chegada deste dia tão esperado. Este fim-de-semana vou a Santarém buscar a abóbora para os fritos de Natal, escolho sempre a maior de todas ou a que tenha alguma particularidade curiosa. Tornou-se uma pequena tradição. Para a semana, faço os últimos presentes comestíveis para os cabazes. E embrulho os presentes que ainda faltam. Este fim-de-semana, no sábado de manhã vou estar com um showcooking no Mercado Municipal em Abrantes, às 10h30, dedicado a presentes de Natal comestíveis e no domingo, será em Lisboa, no Mercado de Natal de Alvalade.

O meu contributo para as festas de Natal tanto do lado da família do Ricardo como da minha, é sempre na parte dos doces. De há uns anos para cá comecei a fazer o bolo-rei e este ano decidi fazer também uma trança com os sabores de Natal. A trança é feita com uma massa lêveda doce enriquecida com frutos secos e frutas cristalizadas. O Natal é uma época tão especial para fazermos pão!

Depois da trança cozida, deixei arrefecer, enrolei com película aderente e congelei. No dia 24 de Dezembro de manhã, descongelo-a e coloco-a num prato bonito. Se for necessário, volto a polvilhar com açúcar em pó. Há coisas que podem ser preparadas com antecedência de modo a podermos ter um Natal mais descansado e desfrutar, com alegria, dos momentos passados em família.

quinta-feira, 15 de dezembro de 2016

Aletria doce com sabor a baunilha


A aletria é um doce típico português servido no Natal. Na zona das Beiras é confeccionado para ser servido cortado à fatia e na região do Minho apresenta-se com uma consistência mais cremosa. Confesso que gosto dela mais consistente.

E quando a Parmalat me desafiou a fazer uma receita a pensar no Natal com a nata para bater com sabor a baunilha, decidi confeccionar uma aletria doce. Cá em casa é sobremesa que todos gostamos.

quarta-feira, 14 de dezembro de 2016

Salada de vieiras com presunto e laranja


O Natal está a chegar. Já se ouvem ao longe as campainhas a tocar. As árvores e as ruas há muito que estão enfeitadas. Nas cozinhas, começa-se a sentir os cheiros doces da canela e do limão. Esta é uma época de muitos significados. É uma forma de celebrar o Bem. Também é uma forma de nos lembrarmos de quem mais precisa. De dar graças pela doçura de viver. De ter fé. De partilharmos com os outros.

O Natal é tempo de coisas boas. E nesse sentido, este ano, o Lidl lançou a campanha Promoção do Bem. De 5 a 31 de Dezembro de 2016, as lojas Lidl terão um artigo por semana em promoção, em que 50% do valor da sua venda irá reverter em benefício de uma instituição de solidariedade social. Com esta iniciativa procura-se sensibilizar o consumidor para a importância das escolhas responsáveis e assim ajudar o próximo. Nesta iniciativa solidária, cada cliente é convidado a ajudar com as suas preferências. Não contribui directamente com dinheiro mas ao optar pelo produto em promoção, também está a ajudar quem precisa. Promover o Bem é uma atitude nobre. Cada um de nós pode fazer a diferença.

O Natal é tempo de olharmos uns pelos outros, de ajudarmos. É também tempo de mimarmos a nossa família, de preferência, à volta da mesa. Não são os presentes que contam. O modo como passamos esta época festiva uns com os outros é que faz toda a diferença. É assim que se criam laços e memórias. É assim que se criam tradições. E para vos ajudar a preparar as entradas para a mesa de Natal, sem preocupações e de forma rápida, trago-vos, hoje, uma salada de vieiras com presunto e laranja que preparei em resposta ao desafio integrado na campanha O Natal é para Todos do Lidl.

Esta é uma entrada que se prepara num abrir e fechar de olhos. Deliciosa. Quem quer experimentar?

terça-feira, 13 de dezembro de 2016

Vamos preparar o Natal: 15 livros para oferecer a quem gosta de fazer pão


Fazer pão é uma arte. Cresci com a minha mãe a fazer o pão, semana a semana, para a família. Amassava, no Inverno a massa ficava a levedar durante toda a noite num alguidar de barro tapado com cobertores, tendia e levava ao forno. Assim que saía do forno era uma verdadeira alegria! Quem é que resiste a pão quente acabado de fazer? Com manteiga, que maravilha! Ainda hoje a minha mãe faz pão.

Não sei se influenciada por ela, comecei também a fazer pão cá em casa. E assim que se começa não se quer parar. Apesar de parecer muito simples, no fundo é só juntar farinha, água, sal e fermento, o que é certo é que para fazermos bom pão existem alguns "segredos", que envolvem temperatura, tempo e a gestão da quantidade de água a usar. Para nos ajudar a melhorar, nada melhor do que consultar alguns livros para percebermos um pouco mais da arte de fazer pão. Por isso, para vos ajudar a preparar o Natal deixo-vos uma lista de 15 livros para oferecerem a quem gosta de fazer pão em casa:

- 6000 Anos de Pão de Heinrich Eduard Jacob - Um tratado teórico sobre a arte de fazer pão. É um livro fundamental para quem quer perceber a história do pão e de como este produto desempenhou um papel importante, na civilização ocidental, ao longo dos tempos desde que os egípcios o inventaram.

- A Arte do Pão de Steve Painter e Emmanuel Hadjiandreou - Comprei este livro assim que o vi traduzido para português. Para além das fotos apelativas e das demonstrações passo-a-passo, este é um livro muito interessante para quem se inicia na arte de fazer pão. Já fiz vezes sem conta o de beterraba ralada.

- Bread Baker's Apprentice de Peter Reinhart - É um livro indispensável para quem faz pão em casa. Ou melhor, de leitura obrigatória. Peter Reinhart é um dos mais prestigiados divulgadores de arte de fazer pão artesanal.

- Bread Illustrated de America's Test Kitchen - Gosto de livros ilustrados, principalmente para perceber como se enrola o pão. Este é um livro com receitas passo-a-passo que ajudam a quem quer melhorar na arte de fazer bom pão.

- Flour Water Salt Yeast de Ken Forkish - Um livro que aborda os fundamentos da arte de fazer pão e piza de modo artesanal.

- How to Bake de Paul Hollywood - Um livro que para além de pão e pão doce tem também receitas de pastelaria. Comprei este livro logo a descobrir a série de Paul Hollywood sobre pão na BBC. Fiquei fã do autor.

- O Livro do Pão de Ângela Silva - Um livro para quem faz pão em casa usando diferentes tipos de farinha como espelta, kamut, cevada, alfarroba entre outras, mas sempre sem trigo.

- Pan de Xavier Barriga - Para além de nos mostrar como fazer pão, o autor fala-nos das farinhas, dos utensílios, de como devemos proceder em caso de congelação, identifica alguns problemas com que nos podemos deparar ao fazer pão e apresenta algumas soluções. Tem também receitas de pão doce.

- Peter Reinhart's Artisan Breads Every Day de Perter Reinhart - É um livro que quando comecei a fazer pão em casa quis ter. É uma referência.

- Pão Vinho de Paulo Moreiras. Este livro tem duas partes, uma dedicado ao pão e como o título indica, a outra é sobre o vinho, dois ingredientes que se juntam muitas vezes à mesa. O livro apresenta-nos uma breve história do pão, curiosidades, expressões populares e termina com uma volta a Portugal através do pão. É um livro interessante para perceber um pouco mais do papel do pão no contexto português.

- Pão, Pizza e Focaccia de Rossella Venezia - Um livro que comprei logo assim que o vi à venda. Gostei das receitas e do modo como estão ilustradas através de fotos. Para além de receitas com o método directo, apresenta e explica alguns pré-fermentos como a biga, o poolish e a massa azeda.

- Slow Dough Real Bread de Chris Young - Este livro foi a minha mais recente aquisição. Tenho interesse cada vez mais em fazer pão com fermentações longas. O livro tem uma parte interessante de contextualização que nos ajuda a perceber termos e técnicas usadas na arte de fazer pão em casa.

- Step by Step Breads - Este é livro a que recorro muitas vezes. Tem uma variedade de receitas ilustradas passo-a-passo que vão desde pães clássicos, a pães rápidos que não precisam de levedar até massas doces. Um livro delicioso para quem começa a fazer pão.

- Tartine Bread de Elizabeth Prueitt e Chad Robertson - Este é o livro da conhecida padaria Tartine em São Francisco nos Estados Unidos da América. Para além de nos mostrarem como fazem o seu maravilhoso pão, apresentam também receitas em que o pão é um dos ingredientes.

- The Larousse Book Of Bread de Éric Kayser - Assim que soube que Éric Kayser tinha aberto cá em Lisboa, há uns anos, uma pastelaria/padaria fiz questão de ir logo lá para experimentar o seu pão. Neste livro o autor apresenta uma interessante variedade de receitas para fazermos em casa. Tem também imagens a ilustrar os processos de amassar, enrolar e cortar o pão.


E para quem já tiver e quiser começar a fazer pão, relembro que O Livro de Petiscos da Isabel tem também receitas de pão. Já experimentaram o pão de batata-doce com nozes? Tão bom!

Para além destas, têm outras sugestões de livros sobre como fazer pão?

segunda-feira, 12 de dezembro de 2016

Novembro foi assim ...


Novembro começou no Luso com uns dias de férias. Soube bem fazer uma pequena paragem para dois dias de descanso, com direito a uma caminhada na Mata do Buçaco e a almoços demorados. Aos anos que não ia ao Buçaco.

Em Novembro passei pelos mercados. Não resisti a comprar azeitonas, castanhas, nozes e outras coisas boas para usar nos cozinhados cá de casa. Ir ao mercado é sempre uma aventura deliciosa. Gosto de toda a azáfama. De ver as bancas. De falar com as pessoas que vendem, de descobrir novos produtos. Um dos mercados que visitei foi em Tentúgal e fiquei encantada ao ver um vendedor ambulante de carne. No fundo, um talho.


Passei por Santarém. Baptizei, com a ajuda de muitos amigos, uma nova cadelinha encontrada pelos meus pais. Patanisca, foi o nome escolhido. Estamos já todos apaixonados por ela. Mesmo que neste momento ande na fase de roer tudo e mais alguma coisa. Tão fofinha! Sempre que estou em Santarém gosto de andar pela horta. De ver o que está semeado e que está pronto a colher. Ali sinto como que uma paz primordial. Inspiro fundo. Sinto o silêncio. Recebo de braços abertos o carinho de quem me viu nascer. Regresso a Lisboa cheia de energia.


Novembro foi tempo de workshops, entre Lisboa, onde realizei dois de receitas práticas com Parmalat e Porto, com workshops dedicados ao Natal. Estive também em Matosinhos com um workshop na inauguração da nova loja DeBorla.

Em termos de leituras, o livro escolhido foi uma sugestão de uma querida leitora do Cinco Quartos de Laranja, Noites Brancas de Fiódor Dostoiévski.


Em Novembro, juntei-me à mesa com amigos de longa data. Jantei no Il Mercato, no Penha Longa Resort e numa noite muito feliz, de comemoração, sentei-me à mesa em boa companhia no Café Portugal, no Rossio em Lisboa. Estar com os amigos à volta da mesa é uma das coisas boas da vida. Fazem-se laços. Criam-se memórias boas. Aceitei o convite da Oliveira da Serra para estar presente no Jantar do Ano pela mão dos chefs Justa Nobre, Kiko Martins, Vítor Sobral e Luís Barradas, numa noite memorável no Convento do Beato.


Novembro terminou com um momento delicioso. O lançamento do meu novo livro, O Livro de Petiscos da Isabel. Quem já tem?

Dezembro já chegou. Que seja um mês de alegria, de paz e de re-encontros com a família. Que abracem aqueles de quem mais gostam.

sexta-feira, 9 de dezembro de 2016

Tâmaras com bacon e queijo no forno


Estamos a cada dia que passa mais perto do Natal. Nas nossas casas monta-se a árvore de Natal, enfeita-se a lareira, pendura-se na porta de entrada uma coroa alusiva a esta época festiva. Fazem-se listas de presentes. Corre-se e anda-se muitas vezes de um lado para o outro. Aceitam-se convites para almoços e jantares de Natal e parece que o tempo nunca chega.

Todos nós temos vidas agitadas. Pensar nos presentes. Ir às compras. Ficar à espera em filas para pagar. Muitas das vezes nem encontramos aquilo que se idealizou e rapidamente esta época de alegria, de partilha e confraternização se transforma em momentos de ansiedade. Entra-se numa verdadeira agitação e acabamos por não apreciar a magia desta quadra festiva. O Natal deve ser vivido sem angústias ou stress. É esta uma das mensagens da campanha O Natal é para Todos do Lidl que me desafiou a apresentar ideias práticas que ajudem os leitores do Cinco Quartos de Laranja a preparar o Natal com alegria.

A magia do Natal está nas pessoas com quem partilhamos esta época. O mais importante desta quadra festiva é podermos estar com aqueles de quem mais gostamos, é reunir a família. É poder rir, falar, agradecer e criar memórias com aqueles que realmente importam. É matarmos saudades dos tios que durante o ano vemos tão pouco. Falarmos com os primos que vivem longe. Abraçar os nossos pais ou avós.



Um dos segredos para terem um Natal dedicado ao que realmente importa é planear. Escolham os presentes com antecedência ou façam-nos em família. Não deixem as compras para a última da hora. Para a ceia ou para o almoço de Natal não precisam de passar horas na cozinha. Dividam tarefas. Peçam ajuda. Envolvam a família. Se passarmos o dia a cozinhar, a pensar no que está feito e no que falta fazer, não vamos conseguir no final desfrutar desta festa bonita. Para isso, um dos segredos é simplificar. Podemos preparar refeições cheias de sabor e que todos vão gostar sem estar muito tempo de volta da cozinha.

Passem pelo Lidl que tenham mais perto de casa. De certo que vão encontrar uma enorme variedade de produtos que vos irão ajudar a preparar o Natal. Encontrarão diferentes tipos de queijos, patés, enchidos, mariscos congelados ou já pré-preparados, uma grande oferta de salgadinhos prontos a confeccionar, massas italianas, misturas para risoto, conservas de peixe, compotas, chocolates ou trufas para servir com o café e muitas deliciosas sugestões para as sobremesas. Produtos variados para um Natal ao gosto de cada um.

A tradição do Natal passa, geralmente, pelo bacalhau e pelo peru. Muitas das vezes não se sabe é o que fazer para petiscar antes da refeição sem perder muito tempo. Para as entradas da mesa de Natal, sugiro que prepararem uma tábua de queijos com tostas, frutos secos, uma taça com compota e uvas frescas. Podem optar por uma tábua de enchidos. Coloquem na mesa uns patés. Uma salada de folhas verdes temperada com azeite e vinagre balsâmico. Da cozinha podem trazer, para as entradas, umas tâmaras Medjool com bacon e queijo. Morninhas, que maravilha! São sempre um verdadeiro sucesso. Toda a gente gosta. Assim, sem esforço e num abrir e fechar de olhos têm uma mesa composta, cheia de coisas boas e ainda sobra tempo para o que realmente importa. Poderem desfrutar dos momentos mágicos que são as reuniões de família no Natal. O Natal é para todos, vamos simplificar e vivê-lo com alegria!

quarta-feira, 7 de dezembro de 2016

Lasanha de bacalhau


Quando a Parmalat me desafiou a preparar um prato com o seu molho béchamel, uma das receitas que pensei de imediato foi numa lasanha. Adoro este prato de origem italiana. Pode-se fazer com mil e um ingredientes e normalmente sempre que chega à mesa é uma verdadeira festa. Toda a gente adora, principalmente quando se tem crianças ou jovens adolescentes.

A lasanha é um prato ideal para partilhar com a família. É muito prático de se fazer e rende. A pensar nos dias de festa que se avizinham, deixo-vos, hoje, a receita de uma deliciosa lasanha de bacalhau com espinafres e alho-francês. Fica tão boa! Quem quer experimentar?

terça-feira, 6 de dezembro de 2016

Vamos preparar o Natal: Perna de peru recheada com alheira e broa


Vamos preparar o Natal? Por cá já se pensa em juntar a família à volta da mesa. Já se definem ementas, dado que passo um dia com uma parte da família e o outro rumo até Santarém para me juntar à outra parte da família. O Natal é para estarmos uns com os outros e vivermos esta quadra festiva com alegria. Para quem anda a pensar nos menus de Natal hoje deixo-vos mais uma sugestão. Perna de peru recheada com alheira, broa, espinafres e amêndoa. Uma combinação deliciosa que enaltece a carne de peru. Espero que gostem. E vocês, o que andam a preparar para o Natal?

segunda-feira, 5 de dezembro de 2016

Os meus workshops de Natal são assim


No passado dia 26 de Novembro de 2016 realizei dois workshops no WORK espaço criativo, no Porto, dedicados ao Natal. De manhã preparámos receitas para a mesa de Natal a pensar nas refeições desta época festiva com a família. Confeccionámos várias entradas desde camarão frito com um ligeiro toque picante, queijo panado com compota de frutos vermelhos - servido morno é uma verdadeira delícia! - e sapateira recheada que agradou a todos os participantes - esta é sempre uma entrada de sucesso. Os pratos principais foram bacalhau confitado no tacho e a acompanhar um surpreendente puré de batata-doce e alho-francês. Preparámos também polvo com broa de milho e couve galega salteada e por fim, tranches de salmão gratinadas no forno com salsa. Para sobremesa deliciamo-nos com sonhos de cenoura, bolo-rei fingido e uma fantástica coroa de Natal com frutas cristalizadas, que surpreende sempre assim que chega à mesa. Foi uma manhã fantástica, cheia de coisas boas e vivida com muito boa disposição.

Depois do Porto chega agora a vez de Lisboa. No sábado, dia 10 de Dezembro de 2016, de manhã, das 10h30 às 13h30, vamos ter na ACPP - Associação de Cozinheiros Profissionais de Portugal um workshop a pensar nos menus da Mesa de Natal. Iremos preparar receitas muito práticas que vos irão ajudar a preparar as refeições desta época festiva com um toque especial. Teremos pratos de bacalhau, peru, sugestões de entradas e doces que irão fazer as delícias da família este Natal.


O workshop da tarde foi dedicado a presentes de Natal feitos em casa. Presentes feitos na cozinha a pensar nos cabazes de Natal para oferecer à família e aos amigos. Para além de mostrar exemplos de presentes que se fazem num abrir e fechar de olhos, de falar das etiquetas que acompanham os presentes, de mostrar vários tipos de recipientes a usar, preparámos cerca de doze receitas que podem fazer parte dos cabazes de Natal este ano. Preparámos bolachas, biscoitos, trufas de figo, tiras de laranja confitada com chocolate, curd de laranja, bolachas salgadas com tomate seco entre muitas outras ideias. Foi uma tarde deliciosa com sabor a Natal.

No próximo sábado, dia 10 de Dezembro, das 14h30 às 17h30, vamos ter em Lisboa, na ACPP, um workshop dedicado a presentes de Natal feitos na cozinha para oferecerem a quem mais gostarem.


Os meus workshops são sempre momentos de partilha, de trocas de ideias e sugestões. Toda a gente cozinha e no final degustamos tudo o que foi confeccionado. Para mim, são sempre ocasiões muito especiais que me deixam feliz. Cozinhar, em grupo, é uma verdadeira festa. Sente-se no ar uma energia muito positiva que nos deixa a todos bem dispostos e com vontade de reproduzir em casa as receitas.


No próximo dia 10 de Dezembro, teremos estes dois workshops em Lisboa ( Receitas para a Mesa de Natal e Presentes de Natal ). Quem me faz companhia?

Inscrições e mais informações:
Email: formacao@acpp.pt   Tel. 21 362 2705   ACPP

( Realização dos workshops sujeito a nº mínimo de participantes )

sexta-feira, 2 de dezembro de 2016

O lançamento d'O Livro de Petiscos da Isabel foi assim


Na passada terça-feira decorreu em Lisboa, na Fnac do Chiado, o lançamento do meu novo livro, O Livro de Petiscos da Isabel. A apresentação esteve a cargo do gastrónomo Virgílio Nogueiro Gomes e do editor, João Gonçalves.

Antes passar a palavra ao apresentador do livro, o editor, fez-nos uma surpresa. Um gesto que nos deixou muito orgulhosos e sensibilizados. Ofereceu-nos os nossos três livros emoldurados. Tanto o Vírgilio como eu temos três livros publicados através da Marcador Editora e este momento serviu para assinalar a ocasião. Foi um presente, com sabor a Natal, delicioso! Ficámos os dois muito orgulhosos com este gesto.


Voltando à apresentação, o Virgílio falou do modo como foi organizado o livro, do aspecto prático das receitas e da alegria que tento colocar no meu trabalho: « Há um detalhe que muito me agrada. No final de cada receita, uma pequena prosa, emotiva muitas vezes, da relação da autora com cada receita. Por aqui se descobre o seu entusiamo na confeção, o seu amor, secreto, dado a cada preparação. E assim se descobre também porque é que autora tem uma alegria contagiante. » Ao Virgílio Nogueiro Gomes, mais uma vez, muito obrigada por ter aceitado fazer parte deste livro.

Quando chegou a minha vez, falei da forma como me sinto grata pela Marcador Editora continuar a apostar no meu trabalho. Agradeci a todos os leitores do Cinco Quartos de Laranja e a todas as pessoas que fazem questão de irem aos meus workshops. Referi que sabe bem comemorar os dez anos de blogue com mais um livro. O Livro de Petiscos da Isabel é um livro de receitas práticas, muito fáceis de confeccionar para todas as ocasiões em que se juntam os amigos e a família à volta da mesa. Temos receitas de muitos e variados petiscos, sejam de carne, peixe ou marisco. Há receitas de pão e muitas sangrias. O último capítulo é dedicado aos doces. Sabe sempre bem terminar uma refeição com um miminho doce.

Agradeço a todos os que fizeram questão de estar presente no lançamento d'O Livro de Petiscos da Isabel. Nem imaginam como o vosso apoio e carinho é importante para mim.