Próximos Workshops
Lisboa 2 de Abril de 2017
Domingo:
10h00 - 13h00      Doces e Folares de Páscoa
Inscrições: escola@istofaz-se.pt   218 078 640 IstoFaz-se

sexta-feira, 29 de julho de 2016

Bolo de chocolate e manteiga de amendoim


Uma das coisas boas do Verão são os dias grandes, cheios de luz. Adoro esta altura do ano em que sinto que tenho tempo para fazer muitas das coisas de que gosto.

Para terem uma ideia, já fiz a minha lista de leituras para estes dias quentes em que só nos apetece ir para a praia. Já escolhi algumas séries para ver nos serões pela noite dentro em que abrimos as janelas da casa para deixar entrar um pouco do ar fresco que a noite nos traz.

E para este fim-de-semana, já preparei também, um bolinho bom para saborear com um café ou uma bebida fresca. Um bolo sabe sempre bem, seja Verão ou Inverno.

quinta-feira, 28 de julho de 2016

Compota de ameixa vermelha com vinho do Porto


Adoro a abundância de fruta que o Verão nos traz. Os mercados enchem-se de pêssegos das mais variadas qualidades, morangos, uvas, alperces, melão, meloas, melancia, ameixas brancas, ameixas vermelhas, para além das maçãs, das pêras e das bananas que encontramos todo o ano. E se os mercados nos deixam com água na boca, o melhor ainda é ter uma horta com algumas árvores de fruto. Felizmente tenho essa sorte!

Para meados de Agosto chegam os figos Pingo de Mel. Nesta altura para além de uns pêssegos temos ameixas. E as ameixoeiras são generosas e por isso temos fruta com fartura. Cá em casa, para além de as comermos ao natural, acabo sempre por lhes dar outros destinos. Um deles foi uma deliciosa compota com especiarias e vinho do Porto. Ficou tão boa!

quarta-feira, 27 de julho de 2016

Água aromatizada com maçã, cravinho e canela


Este verão tenho procurado fazer águas aromatizadas. Como o próprio nome indica são águas, sem adoçantes, com aromas a frutos, ervas aromáticas e/ou especiarias. Há águas em que as frutas são mais aromáticas e passam rapidamente o sabor para a água, mas há outras que demoram mais tempo.

As combinações para as águas aromáticas são múltiplas. Comecei por fazer de limão, lima e hortelã. Depois fiz de limão, lima e gengibre fresco. Também já fiz de laranja e toranja. Trago-vos, hoje, uma sugestão mais adocicada, uma água aromatizada com maçã, cravinho e canela. O sabor do cravinho sobressai. Tão bom!

terça-feira, 26 de julho de 2016

Panquecas de banana


O Verão faz-se sentir nesta altura do ano com dias quentes que só nos fazem desejar umas férias à beira-mar. Mas para quem como eu, passa estes dias em casa, deixo-vos uma sugestão deliciosa para um pequeno-almoço especial para saborear com a família. Panquecas de banana, quem gosta?

Estas panquecas podem ser acompanhadas com um sumo de laranja com manga e banana ou um batido de morango com iogurte grego. Experimentem!

segunda-feira, 25 de julho de 2016

Hambúrguer de frango com farinheira e maionese de ervas


Quando fui ao jantar que assinalou a 2ª edição da Rota dos Hambúrgueres promovida pela Hellmann's fiquei cheia de vontade de fazer este prato cá em casa. Como vos referi, esta iniciativa está a decorrer até dia 31 de Julho de 2016, em Lisboa e no Porto. Vejam a lista de restaurantes aderentes e aproveitem. As opções são muito variadas.

O facto de podermos ir aos restaurantes comer hambúrgueres originais, com combinações especiais, é por vezes, uma forma de inspiração para os fazermos em casa também. E foi o que me aconteceu. Ao provar o de frango, do chef José Bengaló, fiquei com vontade de também eu o experimentar fazer cá em casa. Juntei farinheira à carne de frango e o resultado foi uma refeição que nos deixou ainda com mais vontade de experimentar novas combinações. Fazer hambúrgueres em casa é tão fácil e todos adoram!

Quem costuma fazer hambúrgueres? Fazem mais de carne ou de peixe? E a maionese, simples ou com temperos?

sexta-feira, 22 de julho de 2016

Água aromatizada com limão, lima e hortelã


Há uns tempos atrás dei por mim, nestes dias de calor, a achar que não tinha bebido a água que deveria. Uma das estratégias que arranjei foi começar a fazer águas aromatizadas. Estas águas podem ser feitas com frutas, ervas aromáticas e especiarias.

A primeira que me lembro de ter provado foi com pepino. A seguir, experimentei com morango. E depois juntei limão e framboesas. Já estão a ver que as combinações para as águas aromatizas são imensas. Juntem frutas, ervas aromáticas que gostem e vão obter águas aromatizadas cheias de sabor. Fresquinhas sabem tão bem! Assim, beber água, não custa nada. A última que tenho feito cá por casa junta limão, lima e hortelã. Fica tão fresca. Experimentem.

quinta-feira, 21 de julho de 2016

Creme de curgete com coentros


O Verão traz a preguiça dos dias quentes. Durante as tardes luto com chás gelados e águas aromatizadas a sonolência que estes dias transportam no pico do calor. Nestas alturas lembro-me de uma das observações do autor da Enzima Prodigiosa em relação às sestas. São reparadoras e então com o calor, fazem milagres! Em casa, assim que o sol se põe abro as janelas de par em par para que entre o fresco do começo da noite. Só as fecho quando nos deitamos.

As refeições em dias de calor acabam por ser mais leves. Não quer dizer que sejam só saladas. Mas procuramos fazer refeições que nos permitam fazer frente à preguiça dos dias quentes. Para um destes dias ao jantar decidi fazer uso das curgetes que tinha trazido da horta. Pensei em fazer uma sopa, ou melhor, um creme com coentros. Mas em dias em que a refeição é assim leve, gostamos de ter sopas com textura, que nos obriguem a mastigar. O resultado foi um creme com fatias finas, crocantes de curgete a acompanhar.

quarta-feira, 20 de julho de 2016

As minhas 10 receitas preferidas de Verão


Há receitas que costumo fazer todos os Verões e que acabam por ser as minhas preferidas para esta altura do ano. Receitas que fazem parte de refeições a dois, cá em casa, com uma garrafa de vinho, ao fim-de-semana. Nem imaginam como adoramos estes momentos para nós. Rimos. Falamos das coisas da vida. Quebramos a rotina da semana em que o Ricardo sai de casa de manhã a correr contra os ponteiros do relógio, e chega já noite dentro.

Receitas que já são tradição em encontros com amigos ou que juntam a família à volta da mesa, como os grelhados de peixe que tanto gostamos. Receitas que faço para refeições rápidas a meio da semana ou para um lanche mais substancial. Receitas, como as sopas frias - que aprendi a gostar - e que sabem bem nesta altura do ano. Receitas que fazem parte da tradição das férias no Algarve, de que já tenho tantas saudades.

As minhas dez receitas preferidas de Verão são:

E quais são as vossas preferidas?

terça-feira, 19 de julho de 2016

Goraz no forno com manteiga de coentros


O Verão é uma época do ano que adoro. Gosto de andar com roupas frescas, de ir à praia, de comer gelados como se não houvesse amanhã.

Nesta altura do ano gosto imenso de fazer saladas para muitas das nossas refeições. Sumos e bebidas frescas não faltam cá por casa. Sabem tão bem. Mas há dias, em que o calor aperta e não sei bem por quê só me lembro de fazer comidas de forno! Ora é um entrecosto assado com massa de pimentão. Ora é um peixinho que trouxe feliz e contente das pescarias do meu pai. Não tenho emenda!

segunda-feira, 18 de julho de 2016

Na Rota dos Hambúrgueres


Os hambúrgueres povoam o meu imaginário desde criança. Ainda me lembro de, em miúda, ver na televisão um anúncio a um tentador e suculento hambúrguer com um ovo estrelado por cima. Cá em casa gostamos de hambúrgueres e para além de os prepararmos para algumas refeições, vamos também, de vez em quando, comê-los a restaurantes.

Por isso, foi com alguma curiosidade que aceitei o convite da Hellmann's para ir jantar, num destes dias bonitos de Julho, ao restaurante Café com Calma, em Lisboa. O jantar reuniu um grupo de bloggers assinalando a 2ª edição da Rota dos Hambúrgueres, uma iniciativa promovida por esta marca que conta com a participação de 58 restaurantes em Lisboa e no Porto. As propostas dos restaurantes aderentes são variadas, desde o tradicional hambúrguer de carne passando por opções vegetarianas e de peixe, com uma mistura de sabores que nos deixam a salivar. Em todos eles, está disponível um menu Hellmann's, que inclui um hambúrguer exclusivo preparado com esta maionese e uma bebida, por dez euros.

O jantar foi preparado pelo chef José Bengaló, actualmente à frente da cozinha do restaurante Maresias. Fomos recebidos com umas entradinhas frescas. A primeira a chegar à mesa, foi uma salada de frutos tropicais com camarão e legumes envolvidos em maionese. Que delícia! A frescura dos ingredientes combinou de forma tentadora com a textura crocante dos cestinhos de massa onde a própria salada foi servida.

A seguir deliciámo-nos com uma tiborna de sapateira com maionese de manjericão. Muito agradável. O pão, a textura gulosa da maionese com a sapateira tornaram esta tiborna uma receita a querer experimentar cá em casa!


Mas as estrelas da noite foram os hambúrgueres gourmet Hellmann's. O primeiro que provei foi o de atum fresco com maionese de alho e funcho em pão do caco. Penso que foi a primeira vez que provei um hambúrguer de atum fresco. Conquistou-me.


A seguir provei o de frango com salsa e maionese, ao estilo salada da Caesar, servido em pão de beterraba com sementes de papoila. Achei a combinação de sabores muito interessante. E que bonito fica o pão de beterraba!


E por fim, um hambúrguer com carne de vitela alentejana, cebola frita, tomate e maionese à antiga. Suculento. Uma maravilha. O segredo dos hambúrgueres é, por um lado, a qualidade da proteína utilizada, e por outro, o molho com que são servidos. Um pão com carne ou peixe grelhado, por si só, não é um hambúrguer. O que lhe dá alma, força e personalidade é a maneira como se combinam todos estes elementos. Quando bem combinados, eu adoro. Acreditam que já comprei carne de vitela e de frango picadas para experimentar estes hambúrgueres cá em casa?!


Para sobremesa, entre muitas conversas sobre hambúrgueres, molhos e experiências à volta da comida, foi-nos servida uma generosa fatia de bolo com três chocolates. Foi uma forma doce e feliz de festejar a 2ª Rota dos Hambúrgueres. Quem quiser aproveitar, pode fazê-lo ainda, até dia 31 de Julho 2016. Consultem a lista de restaurantes aderentes.

sexta-feira, 15 de julho de 2016

Waffles de cenoura


Os pequenos-almoços demorados fazem parte dos dias de férias ou quando tenho tempo, aos fins-de-semana. Adoro começar o dia com uma refeição variada, que quebra a rotina dos pequenos-almoços da semana. Durante a semana acabo por escolher iogurte, cereais, fruta, pão, queijo e café, ingredientes que tenho sempre à mão e que se preparam num abrir e fechar de olhos. Posso ir variando um ou outro pormenor mas acaba por ser sempre, mais ou menos, o mesmo. De manhã, durante a semana, o peso dos horários não permite desfrutar desta refeição com o tempo merecido.

Agora, ao fim-de-semana é uma verdadeira festa. Sumo de laranja, torradas, fruta, iogurte, ovos mexidos ou estrelados, queijos e muitas vezes panquecas ou waffles. Adoro!

Desenvolvi esta receita, que vos trago hoje, para a edição Março/Abril 2016 da revista Comer.

quinta-feira, 14 de julho de 2016

Salada de camarão com abacate e laranja


O Verão traz a serenidade dos dias. O sol espreita com avidez e o céu pinta-se em tons de azul, ora mais forte ora mais claro. Mas sempre de azul.

Percorrer as ruas de Lisboa, no Verão, da Graça ao Castelo e de Alfama à Mouraria, só pela fresca. Ou de manhã cedo assim que a cidade começa a despertar ou ao final do dia, quando o sol se põe sobre o Tejo. A cidade esconde tantos encantos que nunca me canso de a calcorrear. Mesmo no Verão.

A hora do calor é para desfrutar ao fresco. Gosto de parar nas esplanadas. De comer gelados. De me sentar a ler à sombra de uma árvore, num jardim. Quando estou em casa perco-me pelos chás com rodelas de limão, hortelã e uma mão cheia de cubos de gelo.

No Verão, a fruta, cá por casa, vai sempre para o frigorífico. Sabe tão bem uma fatia de melão gelada, uma ameixa sumarenta bem fresca, a escorrer de doce. Uma taça com morangos bem geladinhos com duas ou três colheres de iogurte e umas nozes picadas. Tão bom!

E boas são também as saladas que faço, cada vez mais, nesta altura do ano. Adoramos saladas. E no Verão nem se fala. Umas vezes uso legumes grelhados, outras apenas frescos. Umas vezes, junto fruta, outras vezes, várias frutas. Umas vezes, queijo ou presunto. Outras, atum, frango ou camarão. A que fiz, um destes dias para o jantar, juntou muitas destas coisas boas. São servidos?

quarta-feira, 13 de julho de 2016

Carpaccio de abacaxi com hortelã


Domingo foi um grande dia para o orgulho nacional. Consagrámo-nos campeões europeus de futebol, um feito único que deixou o país a festejar. Sara Moreira e Jessica Augusto ganharam respectivamente medalha de ouro e bronze no campeonato europeu de atletismo. Nação valente! Estas conquistas são magníficas, enchem-nos a todos de um orgulho maior, de um sentimento que nos engrandece e faz vibrar de alegria. Os nossos atletas são uns heróis!

Cá em casa houve festa. Preparámo-nos para ver em directo o jogo da selecção portuguesa em Paris. Entre saltos, gritos de emoção, entusiasmos que nos fizeram saltar muitas vezes do sofá, houve também alguns petisquinhos bons. Pão, salgadinhos e um delicioso e fresco carpaccio de abacaxi que partilho, hoje, convosco.

terça-feira, 12 de julho de 2016

Cantaril no forno com tomate e curgete


Às vezes as coisas estão mesmo ao nosso lado e nós nem damos por elas. Há uns anos atrás, estive de férias na ilha de São Miguel, nos Açores. Uma semana para descobrir as paisagens encantadoras da ilha e claro, apreciar a sua boa gastronomia.

Num dos dias parámos em Vila Franca do Campo, depois de deambular pelas ruas sentámo-nos para almoçar num restaurante pequeno, com uma esplanada num primeiro andar, junto a um cais onde chegavam barcos com peixe a saltar. Durante o almoço a nossa vista perdia-se na vastidão de mar azul ou num pequeno ilhéu de onde iam e vinham barcos com turistas. A casa estava cheia e o serviço foi demorado. Mas estávamos de férias e decidimos desfrutar da vista e do momento. E ainda bem que ficámos. Foi aqui que comemos o melhor boca negra grelhado de todas as nossas viagens aos Açores! A frescura e a textura da carne eram tão boas que nunca mais esqueci este peixe.

No passado fim-de-semana fui almoçar com os meus pais. A minha mãe surpreendeu-nos com peixe grelhado e disse-nos: « Este é um peixe que o pai costuma apanhar. Espero que gostem dele grelhado. » Bem, assim que provo um pedaço da carne firme e suculenta do peixe digo para o Ricardo, « Este peixe faz-me lembrar o boca negra! ». « Pois é! », diz-me logo ele. Um peixe vermelho com uma mancha negra perto da boca. Aos anos que o meu pai pesca este peixe. E que maravilha. Que reencontro delicioso!

No regresso a Lisboa, os meus pais oferecem-me um boca negra conhecido por cá, como cantaril. Não quis esperar. No dia seguinte foi logo o nosso almoço. Nem imaginam o orgulho do meu pai quando soube que adorámos o peixe!

segunda-feira, 11 de julho de 2016

Adeus Junho e bem-vindo o Verão!


Gosto do silêncio. Gosto de voltar à minha terra e sentir apenas o vento a passar pelas folhas das árvores, de ouvir um bando de pardais de volta dos figos maduros de uma das figueiras do quintal, gosto de andar pela horta, de apanhar limões, de espreitar as galinhas que correm felizes ao ar livre de um lado para o outro. Sabe bem voltar a um local que sentimos como nosso. Um local em que podemos limpar a alma das agitações da vida. Eu tenho a sorte de poder voltar, sempre que posso, à casa onde nasci. E este é um grande privilégio!

E foi assim o mês de Junho, cheio de momentos bons. Almoços com a família. Passeios pela horta. Felizmente, foi um mês com uma agenda de trabalho preenchida.

Estive no European Street Food Festival 2016 no Estoril para dois showcookings. Nem imaginam a alegria que senti por ter na assistência, nos dois dias, várias leitoras e leitores do Cinco Quartos de Laranja. Estive também na Feira do Livro de Lisboa, onde apresentei duas receitas dos meus livros, Cozinha para Dias Felizes e Delicioso Piquenique. O carinho que recebi foi do tamanho do mundo. Obrigada a todos os que fizeram questão de estar presente. Nem imaginam como me encheram de alegria!

Tive a honra de participar na segunda tertúlia organizada pela biblioteca de gastronomia da ACPP - Associação Cozinheiros Profissionais de Portugal, com o tema Cerejas, Sardinhas, e Santos Populares ao lado dos chefs António Bóia e André Magalhães. Foi um final de tarde muito agradável.

Em Junho, às quartas-feiras, continuei a minha colaboração com o programa da RTP1, A Praça. Preparei no dia 1, com a ajuda especial de duas crianças, os Esses de batata-doce laranja, na semana seguinte apresentei umas deliciosas asinhas de frango assadas no forno, a que se seguiram duas propostas bem docinhas, uma tentadora tarte húmida de chocolate e uma panna cotta de leite de coco com maracujá a pensar nos dias de Verão. É tão fresca. Antes de embarcar no comboio, mantenho a tradição de registar o momento com uma foto da estação.


Em Junho li As Altas Montanhas de Portugal de Yann Martel. Estava muito curiosa com este livro. Deste autor tinha lido A Vida de Pi, que adorei e recomendo vivamente. Confesso que a primeira parte do livro não me agarrou, mas depois foi uma verdadeira surpresa. Uma história que nos faz reflectir sobre a vida e com um final inesperado. Para Julho, escolhi A Vida no Campo de Joel Neto. Sou uma apaixonada pelos Açores e este é um livro que fala do regresso às origens, da vida numa ilha, a Terceira. Foi a minha amiga Céu que me deu a conhecer este escritor há uns bons anos. Ainda vou nas primeiras páginas mas estou a adorar a intensidade da escrita, a poesia das palavras.

A minha cozinha encheu-se de perfumes e ervas aromáticas. Decidi fazer uma limpeza a todas as especiarias abertas há já muito tempo. O bom das especiarias são os aromas que libertam no prato. Abertas vão perdendo o seu encanto. Limpei também alguns vasos e mudei as minhas ervas aromáticas da cozinha de modo a que apanhem mais luz. Adoro usar ervas frescas nos meus pratos e tê-las à mão dá tanto jeito. Viram como as costumo guardar no frigorífico? Aguentam-se semanas sempre frescas. Experimentem!

Aproveitei o bom tempo e fui este ano pela primeira vez à praia. Adoro andar à beira-mar ao pôr-do-sol e de caminhar na areia mesmo junto à água.


Que Julho nos traga dias de sol, passeios à beira-mar, momentos felizes à volta da mesa e muitas alegrias doces para recordar!

sexta-feira, 8 de julho de 2016

Bacalhau fresco no forno com crocante de broa e ervas

( Fotografia de Ricardo Santos )

É sexta-feira. Às sextas à noite a vida é mais calma cá por casa. No sábado, quando não tenho compromissos profissionais gosto de ficar até mais tarde na cama, por isso, tento que o jantar de sexta seja um pouco mais especial. Há dias em que se abre uma garrafa de vinho e depois de jantar, vemos um filme no sofá da sala. Um programa caseirinho mas que sabe tão bem!

O ingrediente Iglo escolhido para este jantar foi tranche de bacalhau fresco. Adoro bacalhau de mil e uma maneiras à boa maneira portuguesa. mas confesso que o bacalhau fresco me desperta a curiosidade. Decidi prepará-lo com uma crosta de broa para podermos apreciar todo o sabor do bacalhau.

( Fotografias de Ricardo Santos )

O projecto 5 Dias, 5 Jantares começou com uma entrevista, onde falei um pouco de mim, do que me inspira, do que gosto de cozinhar, de como é o meu dia-a-dia enquanto blogger. Ao falar do Cinco Quartos de Laranja acabo sempre por falar da escritora Joanne Harris e do seu romance que tanto me inspirou.

Nestes momentos em que tenho uma câmara e uma equipa de várias pessoas por trás, apesar de alguma inquietação, a verdade é que acabo sempre por me divertir.


( Fotografia de Ricardo Santos )

O desafio 5 Dias, 5 Jantares proposto pela Iglo, chega, hoje, para mim, também ao fim. A primeira participante deste projecto foi a Vanda Miranda, a que se seguiu-se a Sónia Morais Santos do Cocó na Fralda. Foi uma semana muito saborosa, com refeições que agradaram muito cá por casa. Usei também alguns novos ingredientes que surpreenderam, por serem práticos e por ajudarem a colocar uma refeição na mesa para a família num abrir e fechar de olhos.

Para terem uma ideia de como foi esta semana, deixo-vos este vídeo:



quinta-feira, 7 de julho de 2016

Grelhados de frango com salada de abacate e vinagrete de mostarda

( Fotografia de Ricardo Santos )

Hoje, é o quarto dia do desafio 5 Dias, 5 Jantares. Até agora, já preparei um delicioso risoto com ervilhas, ovo escalfado e crocante de presunto. No jantar de terça-feira, servi salada de cuscuz com crocantes de frango com parmesão e ervas e ontem, tivemos hambúrgueres com cebola caramelizada, maionese de pimentão doce fumado com batata-doce assada no forno em palitos.

Nas minhas semanas há dias mais agitados do que outros. Há dias em que ando a correr de um lado para o outro, que envolvem reuniões, entrega de trabalhos, formação, entre outras actividades. Quando faço o planeamento das refeições também procuro ter isso em conta.

Para terem uma ideia, há muitas quintas-feiras em que chego a casa depois das nove da noite. Nestes dias, preciso de preparar o jantar num abrir e fechar de olhos. Para além disso, procuro também que seja algo que nos satisfaça sem ficarmos muito cheios. É importante termos tempo para fazer a digestão antes de nos deitarmos. Hoje foi um desses dias ocupados, consegui chegar mais cedo a casa, mas mesmo assim, para o jantar optei por uma refeição mais leve, grelhados de frango e uma saborosa salada, cheia de cor.

( Fotografias de Ricardo Santos )

quarta-feira, 6 de julho de 2016

Hambúrgueres com cebola caramelizada e maionese de pimentão doce fumado

( Fotografia de Ricardo Santos )

Cozinhar é uma forma de exercermos a criatividade. Mas fazê-lo todos os dias pode revelar-se uma tarefa menos estimulante. Por isso, há que arranjar estratégias e formas de nos motivarmos a preparar refeições deliciosas para a família sem perder muito tempo. Eu adoro cozinhar para os outros.

Um dos meus truques, para além de planear as refeições da semana, é ter já feitas algumas pré-preparações. Costumo cozer legumes previamente. Por exemplo, brocólos, feijão verde, couve-flor. Depois para as refeições da semana uso-os em saladas, frittatas, como acompanhamento, salteando-os em azeite e alho, por exemplo. O facto de já estarem cozidos, prontos a usar, ajuda imenso.

Podem picar alho para um frasco. Adicionar azeite e depois irem usando nos refogados da semana.

As bases da sopa podem ser feitas com antecedência. Cozem os legumes, trituram, dividem em porções e congelam. Depois na altura de finalizar é só acrescentar legumes e num abrir e fechar de olhos podem ter várias sopas durante a semana.

Ajuda ter também alguns ingredientes congelados prontos a grelhar ou colocar no forno, como panados ou hambúrgueres. Poupa-se imenso tempo e assim, cozinhar não custa nada. Penso que a família vai adorar se implementarem algumas das dicas que tenho vindo a partilhar no desafio 5 Dias, 5 Jantares. O que vos parece? Já agora, hoje, o jantar vai ser ... hambúrgueres!

( Fotografias de Ricardo Santos )

terça-feira, 5 de julho de 2016

Salada de cuscuz com crocante de frango

( Fotografia de Ricardo Santos )

Quando se cozinha todos os dias em casa para a família, um dos truques para o sucesso é planear. Para que as refeições sejam preparadas sem stresse, como mais uma tarefa em prol do bem estar da família, devem procurar:

- Planear as refeições a preparar durante a semana, desde os pequenos-almoços, almoços, lanches e jantares que vão ter que realizar. Considerem também se irão ter visitas;

- Para o planeamento aconselho a fazerem um calendário, com os dias da semana e a respectiva refeição;

- Ajuda muito fazer um breve inventário do que se têm disponível no congelador, frigorífico e despensa. Consumir de preferência os produtos quase em fim de validade e os produtos congelados há mais tempo;

- Para a gestão dos congelados, façam uma lista com o produto e a respectiva data em que o congelaram. É mais fácil e mais eficiente do que depois andarem à procura de algo que já nem se lembram bem;

- Gosto de ter legumes congelados, como por exemplo, ervilhas, cenouras e espinafres. Por vezes, preparo também legumes para as bases das sopas e congelo. Depois é só colocar numa panela ao lume com os restantes ingredientes. Gosto de congelar talos de aipo, talos de salsa ou de coentros e folhas verdes do alho-francês para preparar rapidamente um caldo de legumes. Como tenho a sorte de os meus pais terem uma horta, em alturas de abundância, acabo por congelar abóbora, curgete e tomate. Costumo ter também carne e peixe congelados;

- Ir anotando os produtos em falta ou que estão quase a serem consumidos é uma ajuda para depois organizarem a lista de compras;

- Depois de decidirem os menus da semana, de verem o que têm e o que está em falta, a lista de compras faz-se num instante!

Cozinhar para a família é um acto de amor. É uma forma de cuidarmos daqueles que nos são queridos. Por isso todos os momentos à mesa são importantes. Há dias em que conseguimos preparar refeições mais demoradas e outros, pratos mais rápidos, no entanto, queremos sempre que sejam saborosos.

No âmbito do desafio 5 Dias, 5 Jantares, trago-vos, hoje, uma refeição que combina bem com estes dias de Verão, uma salada de cuscuz com crocante de frango. As terças-feiras são dias ocupados e por isso decidi preparar algo muito prático para o nosso jantar.

( Fotografias de Ricardo Santos )

segunda-feira, 4 de julho de 2016

Risoto de ervilhas com ovo escalfado e presunto crocante

( Fotografia de Ricardo Santos )

Quando se tem uma vida atarefada, fazer o jantar 7 dias por semana, durante 365 dias por ano, não se revela uma tarefa fácil para muitas famílias. Quantas vezes chegamos ao final do dia e pensamos: O que é que eu vou fazer para o jantar?

Cozinhar para a família exige organização, listas de compras, gerir orçamentos e o que se tem na despensa e no frigorífico. Envolve também a arte de conciliar as vontades e os gostos de cada membro da família. Para além destes aspectos práticos, é também partilhar. É dar aos outros coisas boas, um momento de satisfação e prazer à mesa. É fazer sorrisos. Depois de um dia de trabalho, sabe bem sentarmo-nos à mesa e alimentar a família numa refeição o mais equilibrada possível.

E foi este o desafio que a Iglo me lançou. Mostrar como é que eu me organizo para durante uma semana preparar cinco jantares cheios de sabor e que sejam, se possível, uma forma de vos inspirar a preparar as vossas refeições. Cada jantar teria que ter um produto Iglo diferente.

Em termos de gestão dos jantares cá em casa, há coisas que gosto de ter sempre no congelador. Para além de pão, uma dessas coisas são as ervilhas, pois para mim, são uma ajuda preciosa. Posso usá-las em saladas, frittatas, numa sopa ou num delicioso arroz. No frigorífico, não costumam faltar ovos, queijos, manteiga, presunto fatiado e muitos legumes frescos prontos a usar.

Gosto de comprar os legumes no mercado. A frescura é fantástica e são muitas vezes mais baratos do que nas grandes superfícies. Ir ao mercado é sempre uma visita inspiradora. Gosto de ver as bancas arrumadas, de sentir o cheiro da fruta madura, de sentir a frescura da terra nas couves, alfaces, cenouras, tomate e curgetes. Nos mercados há uma magia encantadora que nos liga às pessoas. Troco sempre duas ou três palavras com os vendedores. Às vezes até trocamos receitas. Na visita de hoje de manhã trouxe logo a sugestão de fazer uma sopa de beldroegas com queijo fresco.

( Fotografias por Timelapse )

Para me inspirar, gosto de ter um ramo de flores na cozinha. Passo várias horas a cozinhar e as flores dão-me uma força fantástica. Hoje, depois da ida ao mercado, passei pela florista e trouxe gerberas.

E depois de vos revelar algumas dicas de organização das refeições semanais, o jantar de hoje, o primeiro do desafio 5 Dias, 5 Jantares, é um risoto de ervilhas com ovo escalfado e presunto crocante. Parece-vos inspirador?

( Fotografias de Ricardo Santos )

sexta-feira, 1 de julho de 2016

Bolo de baunilha e chocolate


Para comemorar o aniversário do meu marido Ricardo, num jantar a dois cá em casa, decidi preparar um bolo. A ideia inicial era fazer um bolo mármore de que gostamos muito e que nos faz lembrar as festas da nossa infância.

Ao preparar o bolo em vez de dispor as massas de modo a obter o marmoreado típico desta sobremesa decidi fazer algo diferente. Usar a mesma massa e fazer uma espécie de bolo zebra, em que a massa é disposta alternadamente. Com marmoreado ou com riscas o que é certo é que o bolo agradou e muito cá por casa!