Próximos Eventos
Porto 27 de Maio de 2017
Sábado:
16h00 - 17h00      Showcooking Tapas e Petiscos
Entrada gratuita Shopping Cidade do Porto

terça-feira, 23 de maio de 2017

Barquinhos de batata-doce com ovo


Há quem goste de ficar a manhã na cama. Há quem goste de acordar cedo, de aproveitar o nascer do sol nos dias de Primavera. Independentemente do modo como gostamos de começar o dia, todas as manhãs deveriam começar com o pequeno-almoço na mesa.

Cá em casa temos o hábito de tomar sempre o pequeno-almoço, sejam dias mais ou menos apressados. Durante a semana optamos por coisas mais simples e práticas como leite, café, pão, queijo, iogurte, flocos de aveia e fruta. Ao fim-de-semana, sempre que podemos, optamos por fazer um pequeno-almoço mais rico. Sentamo-nos à mesa e desfrutamos de muitas coisas boas. Há dias em que faço panquecas ou waffles. Sumos de fruta naturais. Coloco na mesa pão fresco, compotas, queijos, entre outras coisas que nos ajudam a começar o dia de forma muito feliz. Nestes dias gosto também de fazer ovos. O ovo é um ingrediente tão simples mas ao mesmo tempo tão versátil. Ovos quentes, ovos mexidos, ovos estrelados ou ovos escalfados.

A sugestão que vos deixo, hoje, fez parte de um dos nossos pequenos-almoços de domingo, leva batata-doce e ovo. Fica tão bom!

segunda-feira, 22 de maio de 2017

Workshop Receitas Frescas para o Verão em Lisboa


Os dias quentes com sabor a Verão já se começam a fazer sentir. Nesta altura do ano, sabem bem as saladas e as comidas frescas. Por isso, no próximo dia 18 de Junho de 2017, domingo, das 10h30 às 13h30, vamos ter um workshop de Receitas Frescas para o Verão. Iremos preparar saladas com quinoa, um ingrediente que adoro e uso regularmente. Iremos também cozinhar com cuscuz, um ingrediente tão prático, óptimo para saladas, para levar para os almoços no trabalho, ou para servir como acompanhamento em dias de churrasco. Na parte inicial do workshop será explicado as aplicações da quinoa e do cuscuz, assim, como as respectivas técnicas de cozedura.

Para além das saladas, iremos preparar uns petiscos deliciosos, muito práticos, mas que irão surpreender como os croquetes de alheira com sementes de sésamo, uma receita de bacalhau com o toque especial do pimentão doce fumado. E neste workshop, vamos ter também, uns miminhos doces, trifle de musse de chocolate branco com curd de limão e cheesecake em copinhos com coulis de morango. Tão bom! Gostam?

No final, juntamo-nos à volta da mesa. Brindamos e degustamos tudo o que foi confeccionado. Dia 18 de Junho, quem me faz companhia?

EUR 40 Inscrições e mais informações:
escola@istofaz-se.pt   218 078 640   IstoFaz-se
( Realização do workshop sujeito a nº mínimo de participantes )

sexta-feira, 19 de maio de 2017

Vamos fazer pão: Pão de trigo


Adoro fazer pão em casa. Acho que todas as semanas faço um pão diferente. Esta é uma das grandes vantagens de fazermos pão em casa. Quando começamos a fazer pão, apaixonamo-nos pelas massas, começamos a procurar farinhas diferentes e ganhamos uma vontade enorme de fazer pão de tudo e mais alguma coisa.

Acreditam que já pensei em fazer pão com café? E com urtigas, como ficará? Um destes dias coloco as mãos na massa e faço estas experiências! Mas, deixo-vos, hoje, novamente o desafio: Vamos fazer pão?

quinta-feira, 18 de maio de 2017

Onde comer em Paris? Os melhores bistrots


Paris. Há qualquer coisa de mágico, especial, que me faz pensar nesta cidade com romantismo no olhar. Não sei se foi dos filmes que vi ao longo da vida. O que é certo, é que desde que me lembro, que tenho o sonho de visitar Paris. Por isso, quando recebi o convite do Office du Turism et des Congrès de Paris para participar numa viagem a esta inspiradora cidade, nem olhei para o lado. Voltar a Paris é sempre tão especial. Para esta viagem foram convidados bloggers e jornalistas de várias partes do mundo.

Em finais de Abril, rumei então até à cidade das Luzes. No alinhamento da viagem constava a visita a alguns espaços emblemáticos e teríamos também a possibilidade de descobrir um pouco da gastronomia que caracteriza esta cidade. Quando penso em Paris, penso logo em queijos, baguettes, croissants, macarons ... um piquenique à beira do Sena, um pequeno-almoço com vista para a Torre Eiffel, um jantar demorado num restaurante bonito da cidade. Acho que um dos encantos da cidade, mesmo antes de lá estarmos, é que nos leva a sonhar, desperta em nós um sentido romântico para a vida. E isso é tão bom!

A minha primeira refeição, nos três dias em estive em Paris, foi no bistrot Bagnard do chef Yoni Saada. Os bistrots são um símbolo da cidade de Paris, fazem parte do estilo de vida e do quotidiano dos parisienses. São restaurantes com boa comida e, normalmente, a preços mais acessíveis. Eu cheguei ao restaurante mais cedo do que o grupo em que fazia a viagem. E enquanto esperava, apercebi-me que entravam e saíam muitos franceses. Alguns compravam comida para levar. Outros sentavam-se e faziam o seu almoço, enquanto conversavam alegremente, pareciam clientes habituais do espaço. O bistrot Bagnard aposta numa comida com veia mediterrânica mas com inspirações do médio oriente, espaço ideal para uma refeição rápida e saborosa. Procuram usar produtos biológicos, têm um especial cuidado com os azeites usados, e o pão servido é artesanal. Uma das receitas famosas da casa é a salada Nicoise. A simpatia de quem nos recebe e atende é contagiosa.


Nesta visita, tive a possibilidade também de jantar no bistrot La Régalade. Um ambiente muito acolhedor. Tive a sorte de a mesa escolhida ter vista para a cozinha. Aqui, começámos a refeição com uma terrine de fígado de porco e ganso, e a acompanhar cornichons e pão fresco. A terrine era óptima. Seguiu-se uma sopa de espargos e um naco de porco com legumes, tudo irrepreensível. A sopa cheia de sabor e a carne tenra, suculenta, com a parte exterior ligeiramente crocante. A sobremesa foi arroz doce com caramelo salgado. Se visitarem Paris, não deixem de experimentar esta sobremesa. O caramelo salgado transforma-a de forma deliciosa. A acompanhar o café vieram umas mini madalenas, bolo que também nos preenche o imaginário, principalmente depois de lermos as memórias de Marcel Proust.


O último jantar, desta viagem a Paris, teve lugar no bistrot L'ami Jean. Um espaço muito acolhedor, descontraído. Da sala podemos acompanhar todo o trabalho feito na cozinha do emblemático chef Stéphane Jégo. Depois de provarmos a terrina de porco com pão fresco - delicioso - feito por Jean-Luc Poujauran, que fornece muitos dos bistrots parienses, seguiu-se um menu de degustação que incluíu sopa de espargos, cavala, molejas com ervilhas e bacon, vieiras com morangos silvestres, entre outras coisas boas feitas sempre com produtos da estação e de produtores escolhidos pela casa. Gostei da irreverência do chef Stéphane, da comida e da simpatia do serviço de mesa.


Fiquei com vontade de voltar a cada um dos restaurantes que visitei. Todos com ambientes e personalidades diferentes. Todos especiais à sua maneira. Em cada um deles senti um respeito pelos produtos e uma grande vontade de inovar. Paris é a cidade dos bistrots. Este ano, a Câmara Municipal de Paris decidiu homenagear a "bistrononomie" ou seja os bistrots e a gastronomia que faz destes restaurantes espaços tão acolhedores, que combinam os produtos típicos do país e os enaltecem.

A cerimónia de entrega dos prémios aos melhores 100 bistrots de Paris teve lugar no edifício da Câmara Municipal, numa sala linda, com tectos trabalhados e candeeiros inspiradores. Depois da cerimónia, seguiu-se um buffet, onde podemos provar algumas das especialidades dos bistrots premiados.


A entrega dos prémios foi feita com a presença de Anna Hidalgo e do conhecido chef Alain Ducasse.


Se estão a pensar planear uma visita a Paris podem consultar a lista dos 100 melhores bistrots. Como se come tão bem nesta cidade!

À bientôt, Paris!

quarta-feira, 17 de maio de 2017

Frango do campo assado na cocotte com legumes


Cá em casa adoramos frango. Gostamos de perninhas assadas no forno com um toque de picante. Para dias de petiscos, na mesa, não costumam faltar umas asinhas. Há dias, em que fazemos os peitos.

Gostamos de frango guisado com massa. De saladas de frango. De bifes de frango com molho de natas. Em qualquer um dos meus livros, há receitas com frango. É uma carne tão versátil que nos conquista facilmente.

No passado domingo, depois de uma ida às compras ao mercado, decidi assar um frango do campo inteiro com legumes frescos. Soube-nos tão bem!

terça-feira, 16 de maio de 2017

Abril, águas mil


Procuro a cada dia que passa ser feliz. Uma das estratégias que encontrei para tentar atingir o meu objectivo, é fazer coisas. Todos os dias tento fazer algo que seja especial, que me faça sorrir e que me ajude a pensar que assim a vida tem muito mais piada. Uma dessas coisas é muitas vezes olhar para o céu! A simplicidade de um céu azul bordado de nuvens, é tantas vezes inspirador! Os balanços que faço todos os meses são o reflexo disso, ajudam-me a perceber o que vivi. Na vida, o importante é aproveitarmos da melhor forma possível cada dia que nos é oferecido.

Abril começou com um workshop privado para crianças. Uma festa de aniversário em que os mais pequenos prepararam pãezinhos de leite e decoraram os saquinhos de papel para levarem para casa, o que confeccionaram. Foi uma tarde com muita alegria. Com a massa, as crianças fizeram nascer letras, bolinhas, números, tranças, corações, flores e até panquecas!

O livro escolhido para Abril foi A Amiga Genial de Elena Ferrante. A história acompanha duas amigas, da infância até à adolescência, num bairro popular nos arredores de Nápoles. A história começa quando ambas se conhecem na escola primária. Através do crescimento das duas amigas, a autora vai mostrando como o bairro onde estas vivem, também se vai alterando. Uma escrita envolvente.

Em Abril decorreu a final do conhecido concurso O Melhor Pastel de Nata de Lisboa, que teve lugar no festival Peixe em Lisboa, que este ano se realizou no renovado Pavilhão Carlos Lopes. Eu tive o prazer de ser convidada como um dos elementos do júri. A pastelaria vencedora deste ano foi O Pãozinho das Marias na Ericeira. Já lá foram? Os pastéis de nata são mesmo uma maravilha.

Há jantares bons. E depois há jantares muito especiais que juntam alguns dos melhores chefs do nosso país num evento memorável, único. E foi isso que aconteceu no jantar de apresentação da terceira edição da iniciativa Nespresso Gourmet Weeks, que teve lugar no Forte de São Julião da Barra. Esta iniciativa decorre em alguns restaurantes com estrela Michelin de Portugal continental, sendo que, pela primeira vez, este ano, se realizou também na Madeira. Os chefs convidados para preparem pratos num menu exclusivo, em que o café passa a ser um ingrediente a destacar, foram Ricardo Costa, Rui Paula, Vítor Matos, Pedro Lemos, João Rodrigues, Henrique Leis, Luís Pestana e Henrique Sá Pessoa. Juntar café a uma sobremesa é relativamente fácil. Agora preparar entradas, pratos de peixe e carne com um toque de café, é realmente um grande desafio.


Em Abril fui conhecer a loja Mar d'Estórias, em Lagos. Um loja linda, com diferentes espaços, e em que há uma séria aposta nos produtos portugueses. Ali encontramos azeites, sal, conservas, brinquedos antigos, livros, loiças, chás, diferentes tipos de mel, vinhos, compotas, entre muitas outras coisas com sabor a Portugal. A loja está dividida em vários espaços. Entre eles, um café/bistrot, uma sala para refeições a pensar em grupos e um terraço/bar com esplanada, que depois de nos sentarmos, não nos apetece sair de tão bem que ali se está.

No terraço, tive a oportunidade de provar uma inovação da casa, que de certo conquista clientes, pois é tão bom. Uma caipirinha feita com aguardente de medronho e mais uns quantos segredos. Não vos sei dar a receita. Mas vale a pena passarem por lá para provar. Nesta visita tive o prazer de ser convidada para o almoço que esteve a cargo da chef Megan Melling, uma jovem talentosa que nos preparou uma refeição memorável, com os produtos da região. Esse é um dos lemas da casa, destacar o que é nosso e enaltecer os bons produtos da terra. Quando estiverem em Lagos passem pelo Mar d'Estórias. Acho que vão gostar!


Se há coisa que nunca me canso, ou aborreço, é de aprender. Mesmo que ache que sei fazer alguma coisa bem, gosto de ver, de ouvir quem faz também. Ao ver os outros fazerem, há sempre um acréscimo de conhecimento. Há um pormenor. Há sempre mais qualquer coisa que me deixa com o sentimento que aprendi. E foi com este espírito que participei no workshop de receitas para impressionar promovido pelos vinhos Cabeça de Toiro, que se realizou na Academia Vaqueiro. Entre as diferentes coisas que aprendi, confesso que me ficou na memória uma fantástica tarte de maçã. Ver se um destes dias a partilho aqui convosco. E dos vinhos? É sempre muito gratificante ouvir falar quem faz um vinho. Perceber as notas, as castas, o tipo de vinho que se deve escolher para harmonizar com um prato. Tudo isto é um mundo que me fascina cada vez mais.

Em Abril estive na cerimónia de entrega dos prémios Boa Cama Boa Mesa que se realizou numa das bonitas salas do Palácio da Ajuda. Este é um guia que uso imenso, principalmente para escolher restaurantes, quando estou em zonas do nosso país de que não tenho muitas referências.

Abril levou-me até Paris numa viagem muito especial, que brevemente vos falarei aqui. Assisti à entrega dos prémios para os melhores bistros de Paris, numa cerimónia em que Alain Ducasse era um dos anfitriões. Andei pela cidade. Descobri lojas de queijos que me deixaram a sonhar. Provei as famosas baguetes, comi chocolates e não resisti aos macarons.


No final do mês, segui rumo ao Douro para uns deliciosos dias de férias. Soube bem acordar, abrir a janela e ver uma imensidão de verde. Aproveitei para visitar alguns restaurantes e descobrir um pouco mais da cozinha duriense. Acabei por ir visitar a loja/atelier Companhia das Marias, em Vila Real, uma marca de roupa feminina portuguesa que muito admiro.

Num dos dias que estive em Lamego subi e desci a escadaria do Santuário de Nossa Senhora dos Remédios. Depois de tamanha façanha, nada melhor do que recuperar energias saboreando um Barquinho de Santa Luzia. Tão bons!


Em Abril festejei a Páscoa em família. Visitei a horta dos meus pais. Recolhi os ovos acabados de pôr pelas galinhas. Apanhámos alfaces e uma mão cheia de grelos. Os últimos da época. Vi os pessegueiros carregados de pequenos frutos, com as trancas a vergarem. Este ano esperamos uma boa colheita! Comi as primeiras nêsperas. Sabem, cada vez mais, sinto tudo isto como um privilégio. É tão bom poder usufruir destas pequenas coisas que a terra nos oferece.

Abril foi um mês de experiências. De novos desafios. De viagens. Que Maio nos traga paz. Que nos traga a alegria da novidade e das coisas boas. Que nos traga a força para continuarmos a sermos felizes.

segunda-feira, 15 de maio de 2017

Pudim de sementes de chia com morangos


O fim-de-semana que passou foram dias de fortes emoções. O Papa Francisco esteve em Fátima para as comemorações dos cem anos das aparições. Os três pastorinhos foram canonizados. Para a fé cristã este foi um momento espiritual muito importante. Foram momentos de paz, de amor e de esperança. O Papa Francisco tem o dom de iluminar os nossos corações.

O Benfica consagrou-se, no sábado, tetra campeão. É delicioso ver a alegria dos adeptos. Havia festejos por toda a cidade, carros a apitar, bandeiras e cachecóis no ar. A verdadeira festa fez-se no Maquês de Pombal.

Para mim, um dos momentos altos do fim-de-semana, foi ver a vitória de Salvador Sobral na Eurovisão. Salvador reconciliou os portugueses com o Festival da Canção. Quando era miúda, lembro-me de toda a gente se reunir em frente à televisão para vermos o festival. Era um momento nacional, de orgulho, que nos colava à frente do televisor, em família.

Confesso, que nos últimos anos, deixei de acompanhar o festival. Mas este ano foi diferente. O poema Amar pelos Dois de Luísa Sobral cantado pelo irmão enche-nos o coração. Traz-nos uma mensagem doce, bonita a que não ficamos indiferentes. Cá em casa apaixonámos pela música. Ouvimo-la e continuamos a ouvi-la quase todos os dias. Se tudo correr bem, para o ano, não vou perder o Festival da Canção!

Se no sábado andei de um lado para o outro, com direito a jantar com amigas de longa data. No domingo, ficámos em casa. Depois do pequeno-almoço fui ao mercado que se realiza aqui muito perto da minha casa. Gosto de ir ao mercado comprar frutas, legumes, frutos secos e ervas aromáticas. Uma ida ao mercado e percebe-se tão bem o ciclo da natureza. As frutas e os legumes da época enchem as bancadas. E se pensam que nos mercados só se encontram produtos tradicionais, estão enganados. Cada vez mais, os vendedores procuram acompanhar as tendências e dar resposta aos consumidores. Do mercado trouxe também sementes de chia. Vendidas avulso. Usei-as logo para a sobremesa do almoço.