Próximos Workshops
Lisboa 14 de Maio de 2016
Sábado:
10h30 - 13h00      Brunch
 
 
14h30 - 17h00      Petiscos e Doces de Verão
Inscrições formacao@acpp.pt   21 362 2705 ACPP

quinta-feira, 5 de maio de 2016

Salada de cenouras assadas com queijo mozzarella fresco


Há legumes que fazem parte do meu dia-a-dia na cozinha. Um deles é a cenoura. Uso-a na sopa, em bolos, em saladas, em purés, em pão, em sumos e em sobremesas variadas. De há uns tempos para cá descobri num dos supermercados que tenho ao pé de casa as cenouras coloridas, vendidas embaladas. Sempre que as encontro, trago uma embalagem. O seu destino preferencial é o forno. As primeiras que comprei foram assadas e um destes dias voltei a colocá-las no forno para mais uma salada cheia de sabor.

quarta-feira, 4 de maio de 2016

Tartelettes de camarão com alho-francês e caril


Maio traz-nos os dias de sol bonitos que convidam a aproveitar o bom tempo fora de casa. Gosto destes dias assim cheios de luz. Dão-me energia e convidam a refeições mais leves.

Uma das coisas que gosto de preparar é tartes, sejam grandes ou pequenas. São óptimas servidas mornas ou mesmo frias, com uma salada, para um lanche ou refeição, resultam sempre bem. E foi isso que decidi confeccionar quando a Parmalat me desafiou a criar uma receita com as suas natas com caril. A nata com caril chegou ao mercado recentemente e traz o sabor característico da conhecida mistura de especiarias indiana. Cá em casa ficámos fãs.

terça-feira, 3 de maio de 2016

Como fazer caramelo líquido?


Uma das primeiras receitas que me lembro de fazer em miúda era um pudim instantâneo. Misturava-se o conteúdo da embalagem num pouco de leite e açúcar e depois juntava-se este preparado a leite quente, que já estava num tacho ao lume. Deixava-se ferver um pouco para engrossar e depois colocava-se numa forma de pudim, em que as tampas do fundo tinham motivos diferentes, untadas com caramelo líquido e iam para o frigorífico. A minha mãe e eu adorávamos estes pudins, mas tinham que ter caramelo. E ainda hoje é assim, quando faço pudins ou Molotov, o caramelo é imprescindível.

Mas o caramelo líquido tem também outras aplicações, pode ser usado na massa de bolos, recheios ou até em bebidas. Para mim, o sabor do caramelo é sempre delicioso.

Habituei-me durante muitos anos a ter uma embalagem de caramelo sempre pronta a usar. Mas um destes dias quando ia fazer um pudim apercebi-me que não tinha caramelo suficiente. E entre ir comprar e fazer em casa, optei pela segunda hipótese. Acho que a partir de agora, nunca mais se vai acabar o caramelo na despensa. Faz-se num instante, dura muito tempo e fica muito bom.

segunda-feira, 2 de maio de 2016

Workshop Petiscos e Doces de Verão em Lisboa


Os workshops estão de regresso a Lisboa no mês de Maio. No sábado, dia 14 de Maio de 2016, vamos ter um workshop intitulado Petiscos e Doces de Verão, na ACPP - Associação de Cozinheiros Profissionais de Portugal.

Das 14h30 às 17h00, vamos preparar um misto de receitas doces e salgadas para pestiscar nos dias de sol, com sabor a Verão. Iremos confeccionar pataniscas de bacalhau, croquetes de alheira, perninhas de frango no forno, hummus e pão de tortilhas com sementes para acompanhar, ovos verdes e umas coisinhas doces como mousse de framboesa, panna cotta de morango, bolinhos secos entre outras coisas boas. Aceitam o convite? Vamos petiscar?

De manhã, das 10h30 às 13h00, teremos também o workshop de Brunch. Quem se inscrever nos dois workshops terá 10% de desconto.

Conto convosco?

Inscrições e mais informações:

formacao@acpp.pt   21 362 2705   ACPP

( Realização do workshop sujeito a nº mínimo de participantes )

Workshop Brunch em Lisboa


O workshop de Brunch está de volta. Vai ser no próximo dia 14 de Maio de 2016, em Lisboa, na ACPP - Associação de Cozinheiros Profissionais de Portugal, em Lisboa.

Das 10h30 às 13h00, iremos confeccionar várias receitas muito práticas que irão fazer desta refeição - que junta o pequeno-almoço e o almoço - um momento especial. Vamos preparar panquecas, waffles de cenoura, pão recheado com salmão fumado no forno, bolo salgado de bacalhau e azeitonas, flã de curgete com tomate seco e queijo, salada com peito de frango assado, sumos e mais umas coisinhas doces, como bolo de amêndoa com recheio de compota de morango, queques e pudim de arroz doce. Quem quer vir ao Brunch?

À tarde, das 14h30 às 17h00, teremos o workshop Petiscos e Doces de Verão. Quem se inscrever nos dois workshops terá 10% de desconto.

Conto convosco?

Inscrições e mais informações:
formacao@acpp.pt   21 362 2705   ACPP
( Realização do workshop sujeito a nº mínimo de participantes )

sexta-feira, 29 de abril de 2016

Bolo de peras bêbadas com chocolate


No próximo domingo, dia 1 de Maio, comemora-se o Dia da Mãe. Quando vim para a universidade fiquei alojada num lar para raparigas onde conheci uma Isabel que tinha perdido recentemente a mãe. Numa das muitas conversas disse-me uma pequena frase, que eu até já tinha ouvido várias vezes, mas que ao ser proferida por ela me deixou a pensar: "Não há amor como o de mãe".

Habituamo-nos às nossas mães. Ao seu amor incondicional. Habituamo-nos a tê-las por perto, sabemos que se precisarmos, se nos doer o corpo ou a alma elas estão prontas a receber-nos, a ouvir-nos, a dizerem-nos o que precisamos de ouvir para seguir em frente. Cuidam de nós, sempre! E isso é tão bom, tão especial! São um abraço num dia de chuva, são conforto, o ombro amigo sempre que choramos, são companheiras nos bons momentos e nos outros todos. Alegram-se com as nossas alegrias e conquistas. Sentem-se orgulhosas com os nossos progressos. É tão bom ter uma mãe!

As mães merecem todos os carinhos do mundo. Merecem beijos, ramos de flores, palavras de afecto, respeito, abraços. Merecem um bolo de chocolate para saborear à mesa entre gargalhadas e muitos sorrisos.

Para comemorar o Dia da Mãe deixo-vos uma sugestão deliciosa, que desenvolvi para a edição Janeiro/Fevereiro de 2016 da revista Comer.

quinta-feira, 28 de abril de 2016

Sargo grelhado com batatas salteadas em alho e salsa


A minha família é ponto de partida para muitas coisas. Foi com ela que recebi princípios e valores que fazem de mim a pessoa que sou. É a ela que gosto de voltar depois de dias atribulados. É com ela que encontro uma certa paz e tranquilidade. A minha família, é também influência ou ponto de partida para algumas das comidas que faço.

Quando vivia numa casa com quintal, num prédio antigo, em plena cidade de Lisboa, uma das coisas que fazia assim que os dias bonitos, de sol, chegavam, era colocar a mesa e respectivas cadeiras ao ar livre, à sombra de um dos limoeiros. Juntava muitas vezes a família para almoços demorados em que a estrela era o peixe grelhado. Depois de mudar de casa, o encanto pelo peixe grelhado, feito em casa, desvaneceu-se. Ao longo destes anos, os grelhados de peixe resumiram-se ao salmão, a umas lulas e penso que pouco mais.

Num destes dias o Ricardo e eu fomos comer a casa dos meus sogros e o jantar foi peixe grelhado. Umas suculentas postas de peixe espada preto chegaram-nos ao prato a pedirem um fio de azeite e que as degustássemos sem mais demoras. Soube tão bem este peixe grelhado.

No passado fim-de-semana fui visitar os meus pais. Almoço com a minha mãe. Visita à horta. Ao final do dia, chega então o meu pai, vindo das suas pescarias com os amigos. Que sorte a minha! Trouxe uns sargos fresquinhos para o almoço do dia seguinte. E sabem como é que decidi preparar este peixe com sabor a mar? Grelhado.