Próximos Eventos
Sintra 3 e 4 de Junho de 2017
Sábado e Domingo:
10h00 - 17h30      Workshops Pãezinhos com Legumes
( alunos e enc. educação do 1º ciclo da rede pública do concelho de Sintra )
 
 
Entrada Gratuita Quinta da Ribafria
Lisboa 18 de Junho de 2017
Domingo:
10h30 - 13h30      Receitas Frescas para o Verão
Inscrições: escola@istofaz-se.pt   218 078 640 IstoFaz-se

sexta-feira, 26 de maio de 2017

Vamos fazer pão: Boleima de maçã com canela


Fazer pão passou a ser uma tarefa habitual cá em casa. Todas as semanas faço um a dois pães para comermos durante esse período. O pão cá em casa faz sempre parte da mesa do pequeno-almoço.

Mas, com massas lêvedas, não se faz apenas pão. Podemos fazer com elas muitas outras coisas. Uma dessas coisas, é uma boleima de maçã com canela. A boleima é um bolo típico da doçaria alentejana e existem muitas variações. Para a rubrica Vamos fazer pão?, fica o desafio. Este fim-de-semana, quem quer experimentar fazer esta deliciosa boleima?

quinta-feira, 25 de maio de 2017

Salada fresca de Verão com delícias do mar


Assim que os dias quentes se fazem anunciar, cá em casa, nasce logo a vontade de termos saladas às refeições. Adoro saladas. Gosto do colorido. Gosto de misturar ingredientes. São sinónimo de momentos frescos à mesa.

As saladas são pratos que se preparam de forma rápida e normalmente agradam assim que chegam à mesa. Para os dias quentes que já se fazem sentir, deixo-vos uma deliciosa salada com delícias do mar que preparei para a rubrica Pescanova.

quarta-feira, 24 de maio de 2017

Pipis


Adoro petiscos. Juntar a família ou os amigos. Colocar na mesa queijos, enchidos, tostas, fatias de pão fresco. E ir petiscando enquanto se fala, ri, conversa de tudo e mais alguma coisa.

Um dos petiscos que me traz boas memórias da casa dos meus pais, é os pipis. Ainda me lembro de nas tardes de domingo, haver petisco. Era pretexto para abrirem umas cervejas fresquinhas e convidar para a mesa quem aparecesse. Hoje, quando os visito, aos domingos, continua a haver petisco. Mas agora fazem, mais vezes, caracóis. Por vezes berbigão e, por outras, mexilhão. Mas confesso que os pipis deixaram saudades. Um destes dias, quando fui ao supermercado, encontrei uma embalagem de pipis e não hesitei. Um destes domingos passados houve petisco cá em casa! E com direito a molhar o pão no molhinho. Tão bom!

terça-feira, 23 de maio de 2017

Barquinhos de batata-doce com ovo


Há quem goste de ficar a manhã na cama. Há quem goste de acordar cedo, de aproveitar o nascer do sol nos dias de Primavera. Independentemente do modo como gostamos de começar o dia, todas as manhãs deveriam começar com o pequeno-almoço na mesa.

Cá em casa temos o hábito de tomar sempre o pequeno-almoço, sejam dias mais ou menos apressados. Durante a semana optamos por coisas mais simples e práticas como leite, café, pão, queijo, iogurte, flocos de aveia e fruta. Ao fim-de-semana, sempre que podemos, optamos por fazer um pequeno-almoço mais rico. Sentamo-nos à mesa e desfrutamos de muitas coisas boas. Há dias em que faço panquecas ou waffles. Sumos de fruta naturais. Coloco na mesa pão fresco, compotas, queijos, entre outras coisas que nos ajudam a começar o dia de forma muito feliz. Nestes dias gosto também de fazer ovos. O ovo é um ingrediente tão simples mas ao mesmo tempo tão versátil. Ovos quentes, ovos mexidos, ovos estrelados ou ovos escalfados.

A sugestão que vos deixo, hoje, fez parte de um dos nossos pequenos-almoços de domingo, leva batata-doce e ovo. Fica tão bom!

segunda-feira, 22 de maio de 2017

Workshop Receitas Frescas para o Verão em Lisboa


Os dias quentes com sabor a Verão já se começam a fazer sentir. Nesta altura do ano, sabem bem as saladas e as comidas frescas. Por isso, no próximo dia 18 de Junho de 2017, domingo, das 10h30 às 13h30, vamos ter um workshop de Receitas Frescas para o Verão. Iremos preparar saladas com quinoa, um ingrediente que adoro e uso regularmente. Iremos também cozinhar com cuscuz, um ingrediente tão prático, óptimo para saladas, para levar para os almoços no trabalho, ou para servir como acompanhamento em dias de churrasco. Na parte inicial do workshop será explicado as aplicações da quinoa e do cuscuz, assim, como as respectivas técnicas de cozedura.

Para além das saladas, iremos preparar uns petiscos deliciosos, muito práticos, mas que irão surpreender como os croquetes de alheira com sementes de sésamo, uma receita de bacalhau com o toque especial do pimentão doce fumado. E neste workshop, vamos ter também, uns miminhos doces, trifle de musse de chocolate branco com curd de limão e cheesecake em copinhos com coulis de morango. Tão bom! Gostam?

No final, juntamo-nos à volta da mesa. Brindamos e degustamos tudo o que foi confeccionado. Dia 18 de Junho, quem me faz companhia?

EUR 40 Inscrições e mais informações:
escola@istofaz-se.pt   218 078 640   IstoFaz-se
( Realização do workshop sujeito a nº mínimo de participantes )

sexta-feira, 19 de maio de 2017

Vamos fazer pão: Pão de trigo


Adoro fazer pão em casa. Acho que todas as semanas faço um pão diferente. Esta é uma das grandes vantagens de fazermos pão em casa. Quando começamos a fazer pão, apaixonamo-nos pelas massas, começamos a procurar farinhas diferentes e ganhamos uma vontade enorme de fazer pão de tudo e mais alguma coisa.

Acreditam que já pensei em fazer pão com café? E com urtigas, como ficará? Um destes dias coloco as mãos na massa e faço estas experiências! Mas, deixo-vos, hoje, novamente o desafio: Vamos fazer pão?

quinta-feira, 18 de maio de 2017

Onde comer em Paris? Os melhores bistrots


Paris. Há qualquer coisa de mágico, especial, que me faz pensar nesta cidade com romantismo no olhar. Não sei se foi dos filmes que vi ao longo da vida. O que é certo, é que desde que me lembro, que tenho o sonho de visitar Paris. Por isso, quando recebi o convite do Office du Turism et des Congrès de Paris para participar numa viagem a esta inspiradora cidade, nem olhei para o lado. Voltar a Paris é sempre tão especial. Para esta viagem foram convidados bloggers e jornalistas de várias partes do mundo.

Em finais de Abril, rumei então até à cidade das Luzes. No alinhamento da viagem constava a visita a alguns espaços emblemáticos e teríamos também a possibilidade de descobrir um pouco da gastronomia que caracteriza esta cidade. Quando penso em Paris, penso logo em queijos, baguettes, croissants, macarons ... um piquenique à beira do Sena, um pequeno-almoço com vista para a Torre Eiffel, um jantar demorado num restaurante bonito da cidade. Acho que um dos encantos da cidade, mesmo antes de lá estarmos, é que nos leva a sonhar, desperta em nós um sentido romântico para a vida. E isso é tão bom!

A minha primeira refeição, nos três dias em estive em Paris, foi no bistrot Bagnard do chef Yoni Saada. Os bistrots são um símbolo da cidade de Paris, fazem parte do estilo de vida e do quotidiano dos parisienses. São restaurantes com boa comida e, normalmente, a preços mais acessíveis. Eu cheguei ao restaurante mais cedo do que o grupo em que fazia a viagem. E enquanto esperava, apercebi-me que entravam e saíam muitos franceses. Alguns compravam comida para levar. Outros sentavam-se e faziam o seu almoço, enquanto conversavam alegremente, pareciam clientes habituais do espaço. O bistrot Bagnard aposta numa comida com veia mediterrânica mas com inspirações do médio oriente, espaço ideal para uma refeição rápida e saborosa. Procuram usar produtos biológicos, têm um especial cuidado com os azeites usados, e o pão servido é artesanal. Uma das receitas famosas da casa é a salada Nicoise. A simpatia de quem nos recebe e atende é contagiosa.


Nesta visita, tive a possibilidade também de jantar no bistrot La Régalade. Um ambiente muito acolhedor. Tive a sorte de a mesa escolhida ter vista para a cozinha. Aqui, começámos a refeição com uma terrine de fígado de porco e ganso, e a acompanhar cornichons e pão fresco. A terrine era óptima. Seguiu-se uma sopa de espargos e um naco de porco com legumes, tudo irrepreensível. A sopa cheia de sabor e a carne tenra, suculenta, com a parte exterior ligeiramente crocante. A sobremesa foi arroz doce com caramelo salgado. Se visitarem Paris, não deixem de experimentar esta sobremesa. O caramelo salgado transforma-a de forma deliciosa. A acompanhar o café vieram umas mini madalenas, bolo que também nos preenche o imaginário, principalmente depois de lermos as memórias de Marcel Proust.


O último jantar, desta viagem a Paris, teve lugar no bistrot L'ami Jean. Um espaço muito acolhedor, descontraído. Da sala podemos acompanhar todo o trabalho feito na cozinha do emblemático chef Stéphane Jégo. Depois de provarmos a terrina de porco com pão fresco - delicioso - feito por Jean-Luc Poujauran, que fornece muitos dos bistrots parienses, seguiu-se um menu de degustação que incluíu sopa de espargos, cavala, molejas com ervilhas e bacon, vieiras com morangos silvestres, entre outras coisas boas feitas sempre com produtos da estação e de produtores escolhidos pela casa. Gostei da irreverência do chef Stéphane, da comida e da simpatia do serviço de mesa.


Fiquei com vontade de voltar a cada um dos restaurantes que visitei. Todos com ambientes e personalidades diferentes. Todos especiais à sua maneira. Em cada um deles senti um respeito pelos produtos e uma grande vontade de inovar. Paris é a cidade dos bistrots. Este ano, a Câmara Municipal de Paris decidiu homenagear a "bistrononomie" ou seja os bistrots e a gastronomia que faz destes restaurantes espaços tão acolhedores, que combinam os produtos típicos do país e os enaltecem.

A cerimónia de entrega dos prémios aos melhores 100 bistrots de Paris teve lugar no edifício da Câmara Municipal, numa sala linda, com tectos trabalhados e candeeiros inspiradores. Depois da cerimónia, seguiu-se um buffet, onde pudemos provar algumas das especialidades dos bistrots premiados.


A entrega dos prémios foi feita com a presença de Anna Hidalgo e do conhecido chef Alain Ducasse.


Se estão a pensar planear uma visita a Paris podem consultar a lista dos 100 melhores bistrots. Como se come tão bem nesta cidade!

À bientôt, Paris!