segunda-feira, 27 de julho de 2015

Queijo feta marinado com alecrim, pimentas e malagueta


O dia acordou com uma pequena neblina e um vento irrequieto. Lisboa tem esta capacidade de mesmo ensonada, mostrar sempre uma luz e um encanto especial. Há quem diga que é o Tejo que a faz mais bonita. O ponto de encontro era por volta do meio dia no parque, junto à Alameda Keil do Amaral, em Monsanto. Assim que saímos de carro em direcção à Praça de Espanha, o céu azul e o sol a espreitar, mostraram que afinal foi o dia perfeito para juntar os amigos num piquenique. A vinda de férias a Lisboa da minha amiga Gilda foi o motivo para o reencontro com amigos de longa data. Escolhidas as sombras, estendeu-se a toalha. Tiraram-se pratos, talheres coloridos e guardanapos. Abriram-se caixas. Cortaram-se empadas, bôlas, temperaram-se as saladas.

Ver as crianças a brincar, a correr, a andar no escorrega sempre bem dispostas, a aproveitar este momento ao ar livre foi muito especial. Com o entusiasmo nenhuma dormiu a sesta. Assim que se sentaram nas cadeirinhas do carro, foi vê-las dormir como anjos.

Para partilharmos, neste momento de convívio, preparei uma salada de polvo com grão, pão fresco e queijo feta marinado para acompanhar uma garrafa de vinho branco com que abrimos este piquenique.

Os encontros com os amigos são sempre especiais. Criam-se memórias. Guardam-se momentos. Partilham-se gargalhadas. E especial é também podermos acompanhar de perto o desenvolvimento dos mais pequenos. Sabe tão quando me dizem: "Tia Isabel, a tua comida é tão boa!"

sexta-feira, 24 de julho de 2015

Pão de forma para as sandes da praia


É tempo de arrumar as mochilas, encher os sacos com os brinquedos das crianças, encontrar os fatos de banho, colocar à vista os bonés e os chapéus de palha, e partir de férias. Julho e Agosto são os meses privilegiados para gozar uns dias de descanso depois de um ano de trabalho.

E férias são sinónimo de praia. De dias longos à beira-mar, de gelados e bolas de Berlim. De dias de sol e céu azul. De mergulhos até tarde no mar. Uma das coisas que gosto de fazer quando vamos para a praia é preparar um pequeno lanche que ao mesmo tempo sirva de almoço.

É importante ter uma geleira ou saco térmico, para conservar os alimentos frios durante mais tempo. Gosto de levar fruta fresca, uvas, pêssegos ou uma fatia de melão cortada em pedaços. Para beber, damos preferência à água. No que toca à comida, é tão prático preparar umas sandes, com pão fresco. Nas sandes, resulta bem a pasta de atum, fatias de carne ou frango assado, pepino cortado em rodelas finas e alface ou rúcula, para quem gosta. Para vos ajudar a preparar as sandes da praia, deixo-vos uma receita de pão de forma que preparei para a rubrica Cuisine Companion, o robot de cozinha da Moulinex.

quinta-feira, 23 de julho de 2015

Doce de ameixa com especiarias e vinho do Porto


O Verão é sinónimo de férias. Este ano decidi traçar alguns objectivos de algumas coisas que gostaria de fazer durante este período do ano. Dos 15 objectivos, posso dizer que já consegui realizar estes:

2. Voltar ao ginásio - Qualquer altura é uma boa altura! - Já comecei. Acreditam que me soube tão bem. Fazer exercício é tão importante, principalmente para quem tem uma vida mais sedentária. Fazer exercício não é apenas uma questão de perder peso é uma forma de nos sentirmos melhor, com mais energia. No início custa. Vai haver alturas em que apetece desistir, principalmente depois de uma dia de trabalho. Mas insistam. Vai valer a pena! Eu sempre que chego do ginásio, penso, ainda bem que fui.

8. Apanhar um ramo de orégãos no campo - Na minha última ida a casa dos meus pais, numa aldeia a poucos quilómetros de Santarém, aproveitei ao final da tarde para dar um passeio e apanhar um ramo de orégãos num terreno da família. Sabe tão bem respirar o ar do campo. Sentir o aroma fresco dos eucaliptos misturado com o perfume das estevas e do alecrim. Já sequei e guardei, num frasco, os orégãos. Estes têm o cheiro tão bom e intenso!

15. Aproveitar a fruta da época para doces e compotas - De todas as épocas do ano, é no Verão que mais gosto de fazer doces e compotas, talvez pela variedade e abundância de frutas que esta época nos oferece. Nestes dias tem chegado à minha cozinha melão, meloas, laranjas, tomate, ameixas brancas e ameixas vermelhas. O destino de grande parte desta fruta tem sido compotas. Uma das que fiz foi de ameixas com especiarias e vinho do Porto. Quem provou, adorou!

quarta-feira, 22 de julho de 2015

Chicharros no forno com batatas e tomate


Há dias em que me sinto muito grata pela minha vida e pelos pais que tenho. Para além de terem uma horta que cuidam com muito cuidado, acedem a muitos dos meus pedidos. Ora é tomate cereja, ora lhes peço para terem batata-doce, ora me semeiam abóboras de várias formas e feitios. Para além destes mimos todos, o meu pai desde que se reformou começou a ter um hobbie que muito admiro. Tirou a carta de marinheiro e de vez em quando vai pescar com os amigos para o alto mar. É fabuloso, não acham?

Um dos presentes que recebi da sua última ida à pesca foi dois carapaus grandes a que chamamos chicharros. Eram enormes. Quase do tamanho da assadeira oval que usei para os assar no forno. E o sabor, tão bom! Saber que foi o meu pai que os pescou fez que soubessem ainda melhor! É por estas pequenas coisas que devemos estar gratos pela vida que temos.

terça-feira, 21 de julho de 2015

Batido de banana com morangos e manteiga de amendoim


Gosto de variar os pequenos-almoços de acordo com a estação do ano. Nos dias frios prefiro o pão fresco com queijo fatiado ou manteiga. De vez em quando queijo fresco e compota. As torradas são também uma opção. Mas assim que chega o calor, surge também a vontade de começar o dia de uma forma mais leve e fresca. Nesta altura do ano prefiro comer, pela manhã, fruta com iogurte, cereais e uma colher de frutos secos ou batidos de fruta, frescos e cheios de energia. Um dos últimos que fiz foi de banana, morangos e uma colher de manteiga de amendoim. Delícia! Também gostam de variar os pequenos-almoços?

segunda-feira, 20 de julho de 2015

Salada de bacalhau com tomate e grão


Uma das coisas que gosto nos dias quentes de Verão é a possibilidade de fazer refeições leves em que reinam as saladas ou os petiscos. Algo que acompanhe bem uma bebida fresca. Nestes dias, a nossa preferência vai para o vinho branco, para o verde, de vez em quando rosé ou para uma cerveja geladinha. Nesta altura do ano, temos sempre umas cervejas no frigorífico.

Num dos fins-de-semana que fui visitar os meus pais trouxe da horta vários tipos de tomate. A minha mãe todos os anos planta tomate. Este ano tem chucha, tomate redondo, coração de boi, tomate cereja e pêra amarelo. Quando os visito gosto de ir à horta com ela.

Para aproveitar a abundância de tomate que começa a chegar, numa das refeições de fim-de-semana preparei uma salada fresca, com alguns produtos da horta.

sexta-feira, 17 de julho de 2015

Jantar Nespresso Gourmet Weeks ou o elogio ao café


O café faz parte das minhas rotinas diárias. Gosto do cheiro do café logo pela manhã. Gosto de terminar as refeições com café. Uso o café em algumas das minhas receitas, principalmente nos doces. Agora uma refeição com café do princípio ao fim ou em pratos de carne ou peixe, parece-me um grande desafio. E foi isso que a Nespresso propôs a vários chefs. Criarem uma refeição em que o café fosse o ingrediente em destaque. Sabemos que em sobremesas os aromas do café resultam muito bem, mas e em pratos de carne e peixe?

O primeiro jantar desta Nespresso Gourmet Weeks teve lugar no restaurante Feitoria com os chefs João Rodrigues e Ricardo Costa do Yeatman. Seguiu-se o Porto. O primeiro foi no restaurante Pedro Lemos e hoje será no Ferrugem, o restaurante da conhecida dupla Renato e Dalila. Amanhã, será no restaurante Oitavos com os chefs Cyrill Deviliers, Joaquim de Sousa e Francisco Siopa.

Um dos jantares em que tive a possibilidade de estar presente foi o do dia 11 de Julho no restaurante River Lounge do hotel Myriad by SANA Hotels. Cheguei ao final da tarde, ainda a tempo de ver o pôr do sol com vista para o Tejo e a ponte Vasco da Gama. A vista privilegiada deste restaurante já por si merece uma visita.

O jantar começou com uns aperitivos, que enquanto íamos conversando com os restantes convidados, souberam muito bem. A sopa fria de melancia com um toque de gengibre ou os canudos de abacate foram dos meus preferidos. Como o final de tarde estava quente, a frescura destas entradinhas destacou-se.

Sentados à mesa, entre uma selecção de pães - foi aqui que comi o melhor pão de caril, tão perfumado e com uma cor linda - para mergulhar no azeite com vinagre balsâmico, chegou o amuse-bouche preparado pelo chef Frederic Breitenbucher, duo de foie gras e coxa de pato com chutney de figos com especiarias, geleia de espresso leggero ao vinho do Porto. Um prato complexo, com uma excelente harmonização de sabores.


A entrada esteve a cargo do chef Patrick Lefeuvre, do restaurante Flor de Lis, que nos serviu um ravioli de lavagante com aipo, infusão de marisco e lungo leggero. Para mim foi um prato que me fez viajar pelo mar, pelo fundo do mar, com algas, muitas texturas e cores, com vida. A base com uma complexidade de verdes e algas, que íamos pescando a cada garfada. Por fim, o marisco e uma rede crocante a dar textura a toda esta aventura de sabores. Um prato muito bom, onde o café brilhou sem se sobrepor. A acompanhar as entradas um vinho verde Soalheiro de 2014.


O prato de peixe foi uma preparação do chef Frederic, um pregado salteado com fondant de espargos verdes, couve-flor caramelizada com espresso origin Brazil e fava tonka, batata vitelotte e braisage de limão. Este prato fez-me gostar ainda mais do trabalhado deste chef. Achei curioso o uso da fava tonka num prato de peixe. A fazer brilhar os sabores do pregado, um vinho M.O.B de 2012, da região do Dão.


Vitela com puré de cenoura branca, cogumelos selvagens em aroma de foie e ristretto origin India foi o prato de carne preparado pelo chef Luís Mourão. Neste prato houve uma surpresa maravilhosa. Um bombom de chocolate, intenso, que ao derreter na boca provocava uma verdadeira explosão de sabores. Que coisa boa! Para acompanhar o prato de carne foi-nos servido um vinho do Douro, VT de 2008.


A sobremesa foi preparada pelo chef anfitrião da noite, que nos surpreendeu com geleia de café e caramelo com crumble de chocolate e gelado de ristretto. Ainda hoje penso no sabor fresco e delicioso do gelado. Uma maravilha. Quinta do Alqueva de 2005, foi o vinho escolhido para acompanhar a sobremesa.


E para terminar a refeição, café, como não podia deixar de ser! Estes jantares são uma provocação aos nossos sentidos. Os pratos, elegantes, são visualmente muito apelativos. E depois os sabores são uma viagem por ingredientes que arrumamos em gavetas e que os chefs nos levam a perceber que afinal resultam em outros contextos. O café, foi um deles!