segunda-feira, 8 de fevereiro de 2016

Queques de cenoura e curgete


É tempo de Carnaval ou Entrudo. Gosto de ver a festa e a folia que as pessoas transmitem ao mascararem-se, os desfiles de Carnaval em várias cidades portuguesas são uma festa bonita, mas quando em dias de chuva e frio mostram as moças a desfilar com fatinhos reduzidos, ao estilo do que se faz no Brasil, com pele de galinha e a tremer de frio, eu até me arrepio e penso que esse não é o nosso Carnaval. Em termos cristãos, o Carnaval significa o adeus à carne, a abolição do seu consumo, pois entra-se na Quaresma. Quarenta dias de preparação para a Páscoa que começa na quarta-feira de cinzas.

No chamado Domingo Gordo é tradição na família termos cozido à portuguesa, mas como fui a Santarém no sábado, festejámos este momento à mesa antecipadamente. Para saborearmos à tarde, depois de um passeio no campo, levei uns queques de cenoura e curgete, muito perfumados e com um delicioso aroma a canela. Com um chá em frente à lareira, souberam tão bem!

sexta-feira, 5 de fevereiro de 2016

Os 10 bolos preferidos pelos leitores em 2015


Gosto de fazer um bolo para ir saboreando ao fim-de-semana. Curiosamente, durante a semana penso em preparar as refeições do dia-a-dia e não tenho tendência para fazer bolos ou doces. Gosto de fazer os meus batidos, sumos mas os docinhos acabam por ficar para o fim-de-semana. E para quem gosta de confeccionar um bolo para saborear com a família com tempo, hoje deixo-vos os dez bolos publicados em 2015 mais vistos pelos leitores.

Os 10 bolos preferidos dos leitores em 2015 são:



Destes, qual ou quais são os vossos preferidos?

quarta-feira, 3 de fevereiro de 2016

Arroz malandrinho com ervilhas e camarão


( Fotografia de Nuno Correia )

Há ingredientes que gosto de ter sempre em casa. Ingredientes que me ajudem a preparar um prato de forma prática, rápida e cheio de sabor. Um desses ingredientes é a ervilha. Um saco de ervilhas no congelador prontas a usar dá imenso jeito.

E foi neste âmbito que aceitei o convite da Iglo para preparar algumas receitas em que as ervilhas ajudam a fazer a diferença num prato. A primeira que partilho convosco é um arroz malandrinho de ervilhas feito com tomate e camarão. Fica tão bom!

As ervilhas ajudam a dar frescura ao arroz. Acrescentam um sabor doce a lembrar um dia feliz de Primavera. Por isso, para que mantenham o seu sabor original não precisam de ser muito cozinhadas. Neste prato, são colocadas quase no fim de o arroz estar cozido.

terça-feira, 2 de fevereiro de 2016

Bolo de chuchu com especiarias e nozes


Não me lembro da primeira vez que comi chuchu. Sei que as primeiras vezes que o usei cá em casa foi para a sopa de modo a substituir ou a diminuir o uso da batata. Este ano, depois de vários pedidos, os meus pais lá acederam e plantaram chuchus no quintal. Nem imaginam, assim que a planta começa a dar fruto é uma verdadeira fartura. Trouxe, numa das vezes que os visitei, uma caixa com chuchus e cá em casa foi uma festa. Durante uns tempos havia sempre chuchu na sopa, recheei-os, e assados no forno com ervas, são uma verdadeira delícia. Entre as várias receitas que fiz com chuchu destaco a que vos trago hoje. Um bolo. Quem provou adorou e quando dizia que tinha chuchu nem acreditavam!

sexta-feira, 29 de janeiro de 2016

As 10 sobremesas preferidas dos leitores em 2015


Uma das primeiras questões que faço a mim mesma às sextas-feiras é: - o que é que vou cozinhar no fim-de-semana? É a altura da semana em que tenho mais tempo para estar a dar asas à imaginação sem interrupções. Por isso, tenho que aproveitar! Uma das coisas que gosto de fazer para acompanhar as refeições de sábado ou de domingo é sobremesas. A escolha recai normalmente em bolos, mas há dias em que faço outras deliciosas sugestões. E para quem gosta de preparar coisas doces para as sobremesas de fim-de-semana, deixo-vos hoje as 10 receitas mais vistas no ano que passou.

As 10 sobremesas preferidas dos leitores em 2015 são:


Destas, qual ou quais são as vossas preferidas?

quinta-feira, 28 de janeiro de 2016

Batido de amoras com beterraba e hortelã


Voltei, ontem ao programa A Praça da RTP1 emitido a partir do Porto. Apresentei uma frittata de curgete com queijo cottage. A frittata é um prato de origem italiana em que na base se faz um refogado de cebola a que se junta o que tivermos à mão. Fiambre, queijo, camarão, legumes, ervas aromáticas e por fim os ovos bem batidos. Leva-se ao forno para cozer. É uma óptima ideia para aproveitar sobras.

Cheguei a casa ao final da tarde. Preparei um batido com o que tinha. Costumamos ter, cá em casa, framboesas, mirtilos, amoras e morangos congelados. No frigorífico beterraba cozida, leite e iogurte. Num instante fiz uma bebida para saborear sentada no sofá da sala enquanto via o Tejo a correr em direcção ao mar e a Ana Moura na rádio canta o seu Dia de Folga.


quarta-feira, 27 de janeiro de 2016

Bolo de banana com cardamomo e nozes


Há bolos que merecem ser "personagens" de um conto. Se alguém escrevesse a história deste bolo de banana com cardamomo e nozes, que vos trago hoje, teria de ser ao estilo de um romance de nos fazer bater o coração e corar de emoção. Assim de repente, lembro-me do Amante de Lady Chatterley, Anna Karénina ou Madame Bovary.

A história deste bolo teria dois amantes que marcam secretamente encontros através de recadinhos escondidos em livros que trocam na biblioteca da casa de uma tia. O encontro é numa cabana velha de madeira no meio do campo, a que se chega através de uma estrada de terra batida, ladeada de uma pequena cerca de madeira com sinais da passagem do tempo. Em volta pequenas árvores e campos cobertos de verde. Uma tempestade terrível aproxima-se. A chuva começa a cair copiosamente. O céu escurece como se Deus se tivesse zangado com os homens.

A jovem amante, Catherine, que conseguiu sair de casa com a desculpa de visitar uma prima, chega com o cabelo em desalinho. Os pés molhados pedem urgentemente para sair dos sapatos enquanto o vestido de tecido fino, mantém-se seco graças à capa grossa que trouxe numa das suas últimas viagens a Londres. A face afogueada, está fria. Assim que alcança a entrada da pequena cabana sacode algumas das gotas de água presas aos seus caracóis louros que prende na nuca com um gancho de marfim. Tira a capa. Compõe o vestido bonito.

Ao entrar na cabana vê o jovem amante a colocar lenha na lareira. No fogão, a chaleira de água para o chá dá sinais de ferver. No centro da mesa, um prato dourado com um bolo. No ar um aroma quente, misterioso, a especiarias e nozes, a fazer lembrar histórias de amor ...