10h30 - 13h00      Conservas Portuguesas na Ementa
 
15h00 - 17h30      Doçaria Tradicional Portuguesa
Inscrições limitadas   work@sott.pt   91 700 1802 espaço WORK IT

quarta-feira, 31 de Outubro de 2007

Dióspiro com canela


Esta foi a sobremesa de ontem à noite.

Sobre o Dióspiro, encontrei este texto aqui, muito interessante.


P.S. Obrigada, Witchie pela sugestão do dióspiro com canela.

terça-feira, 30 de Outubro de 2007

Entrecosto no forno


Esta receita de entrecosto é das mais simples que conheço. A primeira vez que a comi, fiquei cheia de curiosidade para saber como é que era confeccionada. Queria perceber como era feito este entrecosto suculento e estaladiço. Dei o meu palpite, mas errei. A receita era ainda bem mais simples do que a minha tentativa.

O primeiro truque está na compra do entrecosto. Por cá existe o hábito de separar o entrecosto do chamado toucinho entremeado. No talho peça para numa peça de entremeada tirarem só a pele do porco (o courato) e deixarem o entrecosto com mais carne. Mandar cortar o entrecosto às tiras.

1. Num tabuleiro baixo - eu costumo usar um do próprio forno - dispor o entrecosto. Temperar com sal e piripiri a gosto. Regar com um pouco de azeite.

2. Levar ao forno e deixar assar. De vez em quando virar o entrecosto para que fique dourado de ambos os lados.


Para servir este entrecosto os acompanhamentos são variados. Podem acompanhar com salada, arroz, batatas fritas, legumes cozidos ... o que mais gostarem.

domingo, 28 de Outubro de 2007

Notas de viagem

Hoje fiquei um pouco nostálgica e ando a rever as minhas fotos das últimas férias. E como não poderia deixar de ser a comida está sempre presente.


Na foto está o pequeno-almoço servido, em primeira classe, no comboio que faz a ligação Boston-Nova Iorque, e no qual eu viajei.

Antes de ir para os EUA, tinha a ideia que lá se comia mal, que se comia muito à base de hamburguers e de fast food, pouca qualidade e muitas gorduras. Esta minha opinião era unicamente baseada no senso comum e partilhada, até por algumas pessoas que conheço. Ideia talvez veiculada por alguns filmes e alguma pouca informação.

O pouco que conheci levou-me a alterar a opinião. É certo que há a chamada fast food de má qualidade, mas também existe o contrário e em muita variedade. O problema às vezes está na escolha. "Too many options" - diziamos nós na brincadeira. Encontramos restaurantes com comida muito agradável e servida com qualidade, e também encontramos espaços tipo self service em que somos servidos com comida para ser consumida de forma rápida. Nestes espaços, o que eu estranhei foram os recipientes e os talheres. É tudo de plástico. Não me dá gozo comer com um garfo de plástico ou experimentar uma sopa fumegante com uma colher de plástico, num recipiente plastificado. É como se o sabor se perdesse e o plástico se sobrepusesse ao prato que vamos degustar. O recipiente onde é servida a comida conta, ajuda a fazer o prato. Isso marca a diferença.

Para quem está habituada a beber café numa chávena de cerâmica ou porcelana, a apreciar o sabor, o cheiro, a intensidade, é claro que estranha quando lhe colocam um copo de plástico/papel de grandes dimensões. Mas os americanos bebem o café de uma maneira diferente de nós. Adaptaram a forma de cozinhar às exigências da sua vida, tal como qualquer outra sociedade, não é verdade?

Percebi que a comida americana é muito variada. Daquilo que eu pude ver e do pouco que visitei, na zona de Nova Inglaterra, encontramos influências inglesas, irlandesas, até portuguesas, etc ... Desde a sopa Clam Chowder, às massas, os churrascos, lavagante e outros mariscos, aos diferentes tipos de frutos silvestres, tartes, as panquecas, o maple syrup, os cupcakes, etc...

I love America!

sábado, 27 de Outubro de 2007

Bolo de Dióspiro

As sextas-feiras à noite, costumam ser passadas cá em casa, às vezes, estilo home cinema. Um filme em DVD e sempre mais qualquer coisa para ir alimentando a vontade de comer, de preferência doce. É um vício péssimo comer em frente à televisão, pois não nos apercebemos do quanto já comemos. Mas enfim, eu acabei por me portar bem e só comi duas fatias do bolo de dióspiros que fiz.

Tinha cá em casa vários dióspiros madurinhos e andava a apetecer-me fazer uma sobremesa com eles. Procurei n´O Livro de Pantagruel e não encontrei nada. Entretanto fiz uma pesquisa no Google e surgiu este link com uma receita de um bolo de dióspiro, da página de João Luís Honório Matias, e uma outra que me ficou debaixo de olho para experimentar muito brevemente, se ainda tiver dióspiros. Aqui fica a receita que copiei do referido link:

Ingredientes:
1 gema
250 gr açúcar
2 colheres de sopa de manteiga (derretida e arrefecida)
± 4 dióspiros (usei dióspiros bem maduros)
1 colher de chá de canela
Raspa de meia laranja grande
Raspa de meio limão grande
1/4 colher de chá de sal
300 gr farinha
2 colheres de chá de fermento
1/2 chávena de nozes picadas (usei uma chávena de chá)
1 clara

Bater a gema e adicionar progressivamente todos os ingredientes listados até ao sal.

Quando a massa estiver homogénea, misturar a farinha e o fermento.

Por fim, introduzir as nozes. Juntar esta massa à clara batida em castelo bem firme e envolver com uma colher de pau.

Levar a cozer em forno médio, em forma untada e polvilhada com farinha, aproximadamente 1 hora.

Depois de cozido polvilhei com um pouco de açúcar em pó.

Receita aprovada. É pena a época dos dióspiros ser tão curta!

terça-feira, 23 de Outubro de 2007

Folhados de espinafres, cogumelos e pinhões

No frigorífico tinha uma embalagem de massa folhada fresca em fim de validade, para a usar pensei em fazer uma sobremesa. Gosto de tartes de massa folhada com maçã e canela. Mas as exigências de um jantar fora de horas mudaram o rumo de uso desta massa.


Salteei, em azeite, uma cebola cortada em meias luas. De seguida juntei espinafres (usei congelados) e cogumelos laminados (uma lata das pequenas, bem escorridos). Temperei com sal e pimenta. Deixei cozinhar um pouco. Por fim, juntei pinhões ligeiramente torrados e retirei do lume.

Estendi a massa folhada e cortei-a em círculos. Recheei os círculos com o preparado anterior. Fechei os círculos de modo a fazer meias luas. Pincelei-os com gema de ovo e levei ao forno. Retirei assim que vi que já estavam bem loirinhos.

Nham ...nham ... uma delícia!

Estes folhadinhos foram acompanhados por uma cerveja belga de framboesa, bem fresquinha.

segunda-feira, 22 de Outubro de 2007

A cozinha e a arte

Vessels, Basket and Fruit
Paul Cezanne

terça-feira, 16 de Outubro de 2007

Lombo de porco recheado com azeitonas verdes

No domingo deixei a descongelar lombo de porco para fazer para o jantar. Mas, a preguicite do final da tarde, bem merecida, depois de uma manhã, na Gulbenkian, a visitar a exposição Os Gregos, adiou a tarefa de cozinhar tal pedaço de carne. Ontem, não pude adiar a tarefa e meti mãos à obra.

Fazer este lombo recheado com azeitonas era uma ideia que queria experimentar já há algum tempo e, na última ida às compras, adquiri as azeitonas, optei pelas verdes já descaroçadas e cortadas, e o raminho de tomilho.

Ingredientes:
4 dentes de alho
150 g de azeitonas verdes já descaroçadas e cortadas
Lombo de porco (aprox. 1 kg)
4 cebolas
3 colheres de sopa de azeite
2 folhas de louro
1 raminho de tomilho
vinho branco seco
Sal e pimenta

1. Descascar 2 dentes de alhos e picá-los. Juntar o alho picado às azeitonas.

2. Rechear o lombo com o preparado de azeitonas. Temperar com sal e pimenta a gosto.

3. Enrolar o lombo e atar com um fio.

4. Levar ao lume o azeite. Quando estiver bem quente, colocar a carne e deixar alourar de todos os lados.

5. Juntar as cebolas cortadas, os restantes alhos, o louro e o ramo de tomilho.

6. Temperar com sal e pimenta. Regar com um pouco de vinho.

7. Tapar o recipiente e deixar cozinhar sensivelmente durante 1 hora. Vigiar o assado e sempre que necessário refresque com vinho branco.

Acompanhei este lombo com arroz branco e feijão verde cozido. E a receita correspondeu às expectativas!

P.S. Receita do livro Apascentai o meu Rebanho.

Imprescindíveis ...



... nesta cozinha.

domingo, 14 de Outubro de 2007

Maduros, muito madurinhos é que são bons!

O dióspiro, conhecido pelos antigos gregos como a "fruta dos deuses" é das poucas frutas que, geralmente, só são boas bem madurinhas. É uma fruta delicada e que precisa de ficar bem madura, pois só quando estão bem maduros, quase a abrirem fendas é que, poderemos apreciar o sabor doce, deliciosamente doce desta fruta digna dos Deuses.

Adoro dióspiros!

Mais livros ...

Nesta foto estão os livros que comprei durante as minhas férias de verão. Tenho o hábito, sempre que viajo, de trazer comigo alguns livros de gastronomia ou algumas revistas dedicadas ao tema.

Desta lista, o autor Alton Brown foi-me recomendado. Tive a oportunidade de ver dois dos seus programas de televisão e fiquei fã. Cá por Portugal nunca tinha ouvido falar deste autor nem dos seus programas.

domingo, 7 de Outubro de 2007

Bifes com molho de laranja

Trouxe, ontem, de Santarém uns bifinhos de vitela com um aspecto muito apetitoso. Hoje não perdi tempo e confeccionei alguns para o almoço.
Coloquei um pouco de margarina numa frigideira juntamente com dentes de alhos esmagados. Deixei aquecer muito bem e de seguida alourei os 2 bifes de ambos os lados. Temperei com sal e pimenta.

Entretanto, dissolvi uma colher de chá de farinha Maizena em 1 dl de água. Adicionei sumo de 1 laranja e meia e uma colher de sopa de Ketchup. Dissolvi muito bem.

Retirei os bifes da frigideira e reservei.

Deitei a mistura do sumo de laranja na frigideira e deixei ferver, mexendo sempre até o molho engrossar.

Coei o molho e coloquei-o por cima dos bifes.

Acompanhei com batatas salteadas e temperadas com ervas aromáticas.

Simplesmente uma delícia!

A cozinha e a arte

Natureza Morta com Tarte de Peru
Pieter Claesz
Rijksmuseum, Amesterdão

sexta-feira, 5 de Outubro de 2007

Folhadinhos de maçã com nozes e canela

Hoje é feriado em Portugal. Comemora-se a Implantação da República e faz 864 anos que Portugal foi reconhecido como território independente, através do Tratado de Zamora.

Este dia cá por casa serviu para descansar e preguiçar um pouco. Ao almoço aproveitei umas sobras do jantar de quinta-feira, que acompanhei com um vinho da região de Palmela - Dona Ermelinda de 2005, e resolvi fazer um pequeno miminho doce para comermos depois. Fiz estes folhadinhos de maçã com nozes picadinhas e canela.


Cortei uma embalagem de massa folhada em pequenos círculos. Para uma tigela descasquei e cortei em fatias finas uma maçã reineta pequena. Piquei duas metades de noz e polvilhei com canela e açúcar a gosto.

Recheei com o preparado da maçã os círculos de massa folhada. Dobrei os círculos ao meio e fechei-os. Levei ao forno até os folhadinhos ficarem loirinhos.

A maçã com a canela e as nozes combina muito bem. Devo dizer-vos que os folhadinhos desapareceram muito rapidamente. Foi impossível comer um só!

Blogue Cinco Estrelas

A Moonlight nomeou com carinho e simpatia o Cinco Quartos de Laranja como um blogue 5 estrelas. Agradeço à Moonlight a lembrança e este miminho virtual. Um beijinho para si, querida conterrânea.

Dedico esta homenagem a todos os meus visitantes e a todos os outros food blogs que visito e adoro! São todos 5 estrelas!

quarta-feira, 3 de Outubro de 2007

Arroz de espinafres e cogumelos no microondas

Hoje para o jantar resolvi fazer lombos de salmão em papelote com cenoura e tomate. Rápido e delicioso. Para acompanhar tinha pensado em fazer um arroz branco.

Comecei por preparar os lombinhos e tive que ir ao congelador descobrir um chouriço que sabia que ali estava, quando me apercebi que ainda tinha um saco com espinafres congelados. Na minha cabeça surgiu logo a ideia de fazer um arroz com espinafres e mais qualquer coisa.

Em vez do arroz branco de acompanhamento surgiu um arroz como prato principal, pois foi confeccionado mais rápido que os lombinhos e, eu, estava cheia de curiosidade para provar.


Na panela rápida para microondas coloquei espinafres congelados (a gosto), uma embalagem de cogumelos cortados, 2 medidas de arroz e 3 de água (usei como medida o copo que vem com a panela). Temperei com um pouco de sal e um fio de azeite. Fechei a panela e levei 10 minutos ao microondas na potência máxima. Depois dos 10 minutos retirei a panela, abri a tampa e mexi o arroz. Adicionei um pacote de natas (200 ml) e voltei a mexer. Fechei a panela e levei novamente ao microondas por 2 minutos e meio.

A panela rápida para microondas é muito útil para quem cozinha no microondas e encontra-se à venda nos supermercados. Eu até há bem pouco tempo não conhecia.

P.S. Um beijinho muito especial aos meus amigos Nuno e Sofia que me ofereceram esta panela.

Rojões de Porco

No domingo cozinhei este prato que adaptei dos rojões minhotos. Coloquei carne de porco e fígado de porco (em menor quantidade que a carne) aos cubinhos num recipiente. Temperei com sal, pimenta, folhas de louro, alhos esmagados e reguei com vinho branco. Deixei a marinar umas 5 a 6 horas. Depois levei duas colher de sopa bem cheias ded banha de porco numa frigideira funda ao lume com mais 3 dentes de alhos esmagados. Deixei frigir um pouco os alhos e adicionei a carne mas não juntei o molho (líquido). A meio da cozedura da carne adicionei colorau (pimentão doce) e mexi. Deixei cozinhar mais um pouco. Depois da carne estar cozinhada envolvi-a, num recipiente, com batatas cozidas e salpiquei com salsa picada.

Adoro este prato. Come-se até mais não. Estes rojões foram acompanhados de um vinho tinto alentejano - Mouchão de 2002.

terça-feira, 2 de Outubro de 2007

A cozinha e a arte

Natureza Morta com um Cesto de Fruta