sexta-feira, 10 de abril de 2020

Bacalhau cozido com todos


Como cozer bacalhau? É uma das questões que me colocam, muitas vezes. O bacalhau faz parte da mesa dos portugueses, durante todo o ano, especialmente, nas épocas festivas, como a Páscoa. E nesta Sexta-feira Santa, o bacalhau da Noruega é o ingrediente escolhido para muitas das nossas mesas. E é tão fácil cozê-lo.

Como cozer bacalhau?
  1. Levar uma panela com água ao lume;
  2. Aromatizar a água com 1/4 de cebola, um a dois dentes de alho, uns talos de ervas aromáticas - como a salsa, e uma folha de louro. Regar com um fio de azeite;
  3. Quando a água ferver, colocar as postas de bacalhau demolhadas com a pele virada para cima. Tapar a panela;
  4. Desligar o lume. Deixar repousar cerca de 15 minutos.

Ao cozer o bacalhau é importante ter a noção que este não deve ferver.


Um dos pratos tradicionais que vive da qualidade dos seus ingredientes e, que tantas vezes servimos em dias de festa, quando juntamos a família, é o famoso bacalhau com todos. Nesta receita, a cozedura do peixe faz toda a diferença.

Em tempo de quarentena, ficamos em casa, mas isso não quer dizer que não possamos seguir a tradição e, nesta Páscoa, colocarmos na mesa um prato tradicional com o bom bacalhau da Noruega.

O bacalhau da Noruega, é selvagem e nada livremente nas águas frias deste país, nomeadamente no mar de Barents. É um verdadeiro peixe nadador (estima-se que nade cerca de 1.000 km desde o mar de Barents até à desova) e, é por isso que as suas postas são musculadas e carnudas. Ao cozinhar o bacalhau da Noruega, obtemos as lascas bem definidas que nós, portugueses, tanto apreciamos!

Votos de uma Páscoa feliz e com muita saúde!

quinta-feira, 9 de abril de 2020

Folar entrançado de canela


Em tempo de Páscoa fazem-se folares, para oferecer aos afilhados, aos amigos e à família. Mesmo que este ano, os festejos sejam em recolhimento, há que manter as tradições.

A convite da Fermipan e, para que a Páscoa seja mais doce, partilho convosco, hoje, uma receita de folar para mimarem aqueles de que mais gostam nesta quadra festiva. Folar entrançado de canela. Fica tão bom!

Fermipan é um fermento feito à base de leveduras e isento de glúten. É ideal para todo o tipo de massas lêvedas. É um dos ingredientes que procuro ter sempre em casa.

Vamos preparar a Páscoa?


quarta-feira, 8 de abril de 2020

E se o frigorífico nos ajudasse a organizar as nossas compras?


A Samsung convidou-me a participar no projecto Samsung Food Skills. Uma iniciativa inovadora, que envolveu quatro convidados especiais, onde fomos revendo as rotinas familiares, as necessidades comuns em não desperdiçarmos comida e gerirmos o que temos no frigorífico, congelador e despensa.

Um projecto que tenta recuperar e promover algumas competências em torno da preparação da nossa comida, em que a cozinha e o frigorífico se tornam o coração e a alma das nossas casas. Termos um frigorífico que nos dê confiança, que seja espaçoso, que nos ajude a poupar e a gerir de forma mais eficaz as nossas compras, é uma grande mais valia. Cozinhar para a família e rentabilizarmos a nossa comida, é desde sempre uma preocupação. E todos os equipamentos que nos ajudam a ser mais eficientes no cumprimentos dessas tarefas, são uma preciosa ajuda!

E é isso, entre muitas outras coisas boas e úteis, que o Family Hub da Samsung faz.


A primeira convidada deste projecto foi Vera Fernandes, locutora das Manhãs da Comercial, uma voz querida de todos nós. A Vera esteve a cozinhar comigo durante uma manhã. Fizemos uma receita deliciosa, colorida e cheia de vida. Um cuscuz com queijo feta e legumes assados. Querem saber como se assam legumes no forno ou como se faz um cuscuz sem receita, apenas seguindo as proporções? É só acompanharem a nossa conversa.



Enquanto cozinhávamos, fomos explorando as vantagens do Family Hub. Sabem que este novo frigorífico da Samsung nos permite ver o que temos no seu interior sem abrir a porta? E caso nos tenhamos esquecido de fazer a lista de compras, antes de sair de casa, podemos ver o seu interior através do telemóvel? Sabem que nos permite gerir os frescos, os congelados e os ingredientes da despensa pela validade dos produtos? Através do frigorífico podemos sintonizar uma rádio ou ouvir música? Não é fabuloso?!

Samsung Family Hub, um frigorífico inteligente e ajustado às necessidades da vida em família.

terça-feira, 7 de abril de 2020

Frango com feijão branco em molho de tomate


Desde o final do ano passado que colaboro semanalmente com o programa da RTP, Praça da Alegria, que é gravado, em directo, nos estúdios em Vila Nova de Gaia.

Devido à fase em que estamos a viver, ontem, a participação foi feita, também, a partir da minha cozinha, com a querida Sónia Araújo, em estúdio a cozinhar a mesma receita. E foi um momento descontraído e delicioso. Viram?

A receita que confeccionámos foi frango com feijão branco em molho de tomate, uma sugestão para aproveitar algumas sobras, numa altura em que mais do nunca, devemos rentabilizar a nossa comida. Espero que gostem!

segunda-feira, 6 de abril de 2020

Menu semanal #4


Em tempo de quarentena, temos que tentar rentabilizar a nossa comida, mais do que nunca. Ao longo das últimas semanas, tenho partilhado convosco propostas de menus semanais. Pré-preparar e planear as nossas refeições é uma forma de poupar. E para vos ajudar, deixo-vos, hoje, mais um menu semanal. Espero que gostem das sugestões:

Ver também menu semanal #3.

sexta-feira, 3 de abril de 2020

Pão de espelta e trigo


Adoro pão! E quando colocamos na mesa, para a família, pão feito por nós, é tão gratificante. Pão é vida, é amor. É alimento primordial.

Em tempos de recolhimento, fazer pão revela-se uma necessidade. Podemos fazer pão de muitas maneiras. Podemos misturar farinhas e fazermos pães únicos e especiais. O pão feito por nós, é sempre especial.

Para fazermos pão precisamos de farinha, água, sal e de levedura, que pode ser fresca ou seca. Aconselho a terem sempre em casa levedura seca de padeiro, que se encontra à venda nos supermercados. Para além de a podermos usar directamente na massa, pois não precisa de ser hidratada previamente, tem uma durabilidade muito maior do que a levedura fresca.

A receita que partilho, hoje, foi desenvolvida a convite da Fermipan. Fermipan é um fermento feito à base de leveduras e isento de glúten. É ideal para todo o tipo de massas lêvedas. Quer façamos pão regularmente ou não, ter uma embalagem de Fermipan à mão ajuda!
Vamos fazer pão?

quinta-feira, 2 de abril de 2020

Como demolhar bacalhau seco da Noruega?


Demolhar bacalhau parece ser uma tarefa complicada e difícil, mas a verdade, é que é tão fácil fazê-lo em casa. Basta ter em atenção alguns pormenores e começar. Vamos demolhar bacalhau?

Demolhar bacalhau, em casa, tem vantagens. Para além de fazermos a demolha a gosto - mais ou menos tomado do sal - verificamos, ainda, que em média, o bacalhau aumenta cerca de 30% depois da demolha! Se comprarmos 1 kg de bacalhau seco da Noruega, depois da demolha, ficamos com cerca de 1,300 kg. O bacalhau seco, bem curado, depois de demolhado rende, revelando-se uma escolha acertada em termos económicos. E podemos aproveitar todas as partes, desde o rabo ao cachaço, sem esquecer as peles e espinhas e, a água de cozedura. No bacalhau, tudo se aproveita!

Como demolhar bacalhau seco da Noruega?

Antes de demolhar
O bacalhau seco pode ser guardado à temperatura ambiente, mas o ideal é conservar no frigorífico até ao momento da demolha.

Iremos precisar de:
1 bacalhau seco da Noruega cortado em postas
1 recipiente ou caixa com tampa para a demolha
Água fria q.b.
Gelo q.b.

1. Para iniciar a demolha, passar as postas secas de bacalhau por água fria. O objectivo é retirar o excesso de sal do exterior.

2. De seguida, colocar as postas de bacalhau num recipiente, com a pele virada para cima e de preferência, sem as sobrepor, colocar água fria até encher. Caso usem água saída da torneira, adicionem cubos de gelo para que arrefeça rapidamente. Se tiverem possibilidade, coloquem uma rede ou um suporte no fundo para que as postas não fiquem em contacto com o sal que se vai depositando na base do recipiente.


3. O recipiente escolhido deverá ter o dobro do volume do bacalhau a demolhar e é importante que seja fácil de manusear, pois iremos trocar a água várias vezes. Costumo usar um recipiente de plástico, com tampa.

4. Guardar o recipiente no frigorífico. Muitas vezes, devido ao calor o bacalhau poderá adquirir um odor peculiar. Isto significa que a temperatura da água foi inadequada. Para mantermos a água da demolha sempre fria (inferior a 8ºC), guardar o recipiente no frigorífico.

5. Passadas 2 horas retirar toda a água e voltar a cobrir de água, depois disto, é aconselhável mudar a água de 8 em 8 horas.

6. O bacalhau da Noruega é classificado de acordo com o peso. Tempos de demolha por categoria:
  • - Bacalhau corrente (peso entre 0,5 e 1 kg): 36 horas;
  • - Bacalhau crescido (peso entre 1 a 2 kg ): 48 horas;
  • - Bacalhau graúdo (peso entre 2 a 3 kg): 55 horas;
  • - Bacalhau especial (superior a 3 kg): 72 horas.

É importante ter atenção aos tempos de demolha para que as postas de bacalhau não fiquem, por um lado demasiado salgadas ou, por outro, deslavadas, quase sem sabor.

As postas mais finas, com cerca de 1 cm de espessura (abas e rabo) vão demolhar em menos tempo e são estas as primeiras a retirar. Caso queiram, podem fazer a demolha por tipo de posta, em recipientes separados.

7. Para sabermos se o bacalhau está no ponto de sal desejado, há quem prove, retirando uma lasca. Ou então, podemos inserir um palito numa das postas e provar. Este último é o método que utilizo. Nada melhor do que provar para termos o bacalhau demolhado ao nosso gosto!

Depois de demolhado, o bacalhau pode ser confeccionado de imediato ou congelado.

Como aproveitar o bacalhau:
  • - Lombos e postas altas: Para assar no forno, na grelha, cozer ou confitar;
  • - Postas finas: Preparações que não necessitem de lascas grandes. Ideal para usar nas caldeiradas, guisados, gratinados como o bacalhau com natas;
  • - Abas e rabos: Ideais para receitas em que se use o bacalhau desfiado finamente. Bacalhau à Brás, saladas, açordas.

Pescado nas águas frias, num habitat puro e gelado, o bacalhau da Noruega, tem características de sabor e textura que o distinguem. Bem seco e curado, com cor palha, depois de capturado o bacalhau da Noruega é preparado de modo tradicional (até aos 47% de humidade máxima) e as postas mais altas, formam lascas bem definidas depois de cozinhadas. Na escolha do bacalhau, a origem é importante. Nas próximas compras não se esqueçam de incluir na lista o bacalhau seco da Noruega.

terça-feira, 31 de março de 2020

Sopa de beterraba com a rama


Os tempos de recolhimento exigem inspiração e formas de rentabilizarmos a nossa comida. Cá por casa, estamos em regime de teletrabalho. As idas às compras fazem-se em último recurso. Primeiro, há que usar o que temos na despensa, congelador e frigorífico. Mais do que nunca, procuro conservar os frescos de modo a que se aguentem muito mais tempo. E claro, tudo se aproveita!

Para rentabilizar umas beterrabas lindas que comprei, decidi, aproveitar uma para fazer sopa, aproveitando talos e folhas. A sopa ficou com uma cor inspiradora e soube tão bem!

segunda-feira, 30 de março de 2020

Menu semanal #3


Mais uma semana que começa. É tempo de organizar e preparar as refeições da família. Para vos ajudar, deixo-vos, hoje, mais um menu. Espero que gostem das sugestões:
Ver também menu semanal #2.

sexta-feira, 27 de março de 2020

Medalhões de pescada com grão de bico e espinafres


Vivemos tempos de recolhimento. Nestas alturas, procuramos cozinhar com o que temos em casa. Normalmente, na despensa, temos quase sempre conservas, principalmente leguminosas. No congelador, cá em casa, procuro ter sempre medalhões de pescada, porque são muito práticos, cozinham-se de mil e uma maneiras e toda a gente gosta.

Quando a Pescanova me desafiou a preparar uma receita com os seus medalhões de pescada do Cabo, pensei logo numa receita descomplicada e que possa ser feita com o que temos em casa. Espero que gostem!

quinta-feira, 26 de março de 2020

Risoto de abóbora assada com cogumelos salteados


Gosto de estabelecer objectivos. Gosto de fazer listas de coisas que quero fazer: de livros a ler, de séries de TV a ver, de receitas a confeccionar ... Os desafios trazem adrenalina à nossa vida e tornam-nos tantas vezes mais criativos.

Perante os muros que aparecem à nossa frente, temos que tentar encontrar soluções para os ultrapassarmos. Neste momento, e para o bem de todos, temos que ficar em casa. É imperativo. Mas, isso, não quer dizer que não possamos continuar a traçar objectivos e a procurar desafios pessoais. Temos que manter a força, a motivação e o foco.

Desde que estou em casa que:

  • - Divido o meu dia entre trabalho e actividades de lazer. É importante mantermos rotinas. Dividirmos o nosso tempo;

  • - Comecei a ler um novo livro da minha lista de 12 que quero ler este ano;

  • - Estou a acompanhar novas séries de TV - terminei, ontem, de ver The English Game e, antes, tinha visto Gunpowder;

  • - Procuro fazer, todos os dias, uma receita diferente, com o que tenho em casa. Uma das receitas que fiz para aproveitar cogumelos e abóbora assada foi o risoto que partilho, hoje, convosco.

E vocês? Que desafios pessoais têm aproveitado para colocar em prática?

quarta-feira, 25 de março de 2020

Sopa de galinha com massa e ervilhas


É tempo de ficarmos em casa. É tempo de cozinhar para a família e tentar rentabilizar a nossa comida. As idas às compras, passaram a ser pontuais. Por isso, é importante termos legumes que se aguentem frescos durante mais tempo, como por exemplo as cenouras, o aipo, as couves, as abóboras, batatas, cebolas, entre outros. Se tiverem também legumes congelados, perfeito. Em tempo de recolhimento, temos que tentar manter uma alimentação equilibrada, de preferência com frescos.

Para além de termos alguns frescos de conservação mais fácil, é importante também rentabilizarmos a nossa comida. A semana passada partilhei convosco como podem cozer e desfiar um frango, para depois usarem em diferentes receitas. Expliquei-vos também que o caldo de cozedura deve ser aproveitado. Podem usar logo, guardar no frigorífico por dois ou três dias ou então congelar.

Partilho, hoje, convosco, a receita de uma sopa onde usei o caldo de cozedura do frango e uma parte da carne cozida desfiada. As sopas são uma excelente forma de começarmos as refeições. Em tempo de recolhimento, façam sopas, pela vossa saúde.

terça-feira, 24 de março de 2020

Como fazer ovos cozidos?


Cozer ovos parece ser uma tarefa bastante simples. Toda a gente sabe cozer ovos! A verdade é que confrontados com a prática, por vezes, percebemos que afinal cozer ovos também tem a sua técnica.

Ora ficam cozidos demais! Ora, a gema não fica com a consistência que pretendíamos. Ora não os conseguimos descascar!

Os ovos cozidos são um alimento tão versátil. Podemos usá-los nos pequenos-almoços ou lanches. São óptimos em saladas, sandes ou até em sopas.

Partilho, hoje convosco, três maneiras de cozer ovos. Existem no mercado, máquinas para cozinhar ovos na perfeição, mas para quem não tem, tal como eu, penso que estas dicas vos vão ajudar a fazer os ovos cozidos, perfeitos, para a família.

segunda-feira, 23 de março de 2020

Menu semanal #2


Cozinhar para a família é uma forma de cuidar. Planear e definir o que vamos cozinhar, ajuda-nos a poupar e a rentabilizar a nossa comida. Desde a semana passada, que ouvindo os vossos pedidos, decidi começar a partilhar convosco um menu semanal.

Espero que estas sugestões vos ajudem ou inspirem:
Ver também menu semanal #1.

quinta-feira, 19 de março de 2020

Vamos fazer pão: Pão de trigo sem amassar no tacho


Fazer pão em casa pode ser tão gratificante. O pão é vida, é alimento básico, que nos reconforta.

Quando perguntei como poderia ajudar as famílias que estão em casa, um dos pedidos foi, como fazer pão. Nos últimos dias tenho tentado responder ao vosso pedido. Tenho partilhado, através do Instagram e Facebook, várias receitas de pão que podem fazer em casa.

Neste momento, os métodos que aconselho, são aqueles em que usamos pré-fermentos (poolish e biga), muito fáceis de trabalhar e com pouco risco de não correr bem e, pães com fermentação lenta, de método directo. Mais do que fermento de padeiro fresco, aconselho-vos a ter levedura seca de padeiro, em casa.

Vamos fazer pão? Para quem está em casa e quer fazer pão, deixo-vos, hoje, mais uma receita. Fácil e muito prática para quem quer começar a fazer pão.

quarta-feira, 18 de março de 2020

Petiscos de Açúcar e de Mel, o livro


O meu novo livro Petiscos de Açúcar e de Mel, já chegou às livrarias! Este livro é feito em co-autoria com o conhecido gastrónomo Virgílio Nogueiro Gomes, com quem publiquei, também, Petiscos do Rio e do Mar e Petiscos e Miudezas à Portuguesa, todos editados através da editora Marcador. Este novo livro encerra, assim, uma trilogia.

O tema deste novo livro, são coisas doces com açúcar e mel. O livro está dividido em dois capítulos, um com receitas de açúcar e outro com receitas de mel.

As receitas muitas delas são tradicionais como, por exemplo, arroz doce, areias de cascais, bolinhos de banha, almendrados, broas de mel, bolos de arroz ou a farinha torrada, típica de Sesimbra. E depois, tem, também, outras receitas que procuram usar produtos tradicionais portugueses como, por exemplo, a amêndoa, a laranja, a batata-doce, a farinha de alfarroba ou de castanha, o mel do Parque de Montesinho DOP e o azeite. Para além das receitas, os capítulos são complementados com textos e curiosidades sobre cada tema.

Vivemos tempos de recolhimento. Espero que este livro vos traga momentos doces para partilharem com a família. Muitas das receitas podem ser feitas com a ajuda dos mais pequenos.

terça-feira, 17 de março de 2020

Como pré-preparar o frango para as refeições da semana


As pré-preparações para a semana são uma forma de organizarmos as refeições da família. Uma das coisas que podemos fazer previamente, é cozer e rentabilizar um frango.

A carne de frango cozida torna-se versátil e pode ser usada em vários pratos, desde sopas, saladas, sandes, omeletes, arrozes, massas, entre outras preparações.

Cozer um frango é algo prático e relativamente fácil. Precisam de carne de frango, água e alguns temperos. Podem cozer o frango inteiro ou em partes, como as coxas ou os peitos.

Podem aromatizar a água de cozedura da carne ao vosso gosto. Podem, para além dos tradicionais aromáticos - cebola, alho-francês, cenoura e aipo - adicionar uma pitada de paprica ou de açafrão-da-Índia, gengibre, tomilho, folha de louro, etc.

Para saberem se o frango já está cozido, podem usar um termómetro, inserindo-o na parte mais grossa da coxa. Deverá estar no ponto quando atingir os 74 ou 75ºC.

O frango desfiado aguenta-se cerca de 2 a 3 dias no frigorífico. Para desfiar podem fazê-lo à mão ou usando um robot. Depois de desfiado, dividir em porções e guardar em caixas herméticas. Se tiverem uma máquina que feche a vácuo, perfeito.

O congelador é sempre uma boa opção. Normalmente deixo uma porção, no frigorífico, para usar numa ou duas refeições e congelo as restantes.

Aproveitem o caldo de cozedura do frango. Podem usar em sopas, pratos de arroz, guisados, assados, entre outras preparações. Caso não tenham um destino imediato para o caldo, congelem-no.

segunda-feira, 16 de março de 2020

Menu semanal #1


Vivemos tempos de recolhimento. Vamos acreditar que é só uma fase e que seguindo as recomendações das entidades competentes iremos vencer esta luta. A semana passada, perguntei através do Facebook e Instagram, como é que vos poderia ajudar. Como poderia ajudar tantas das famílias que nas próximas semanas vão estar em casa, com as crianças ou a trabalhar. Entre os vários pedidos, um deles foi organização da ementa semanal e sugestões de receitas a preparar. Nesse sentido, partilho convosco uma sugestão de menu semanal:


Para quem vai começar a pré-preparar e organizar as refeições da semana aconselho a leitura e consulta dos seguintes apontamentos:
- Meal Prep, como começar?;
- Frigorífico, o grande aliado das meal prep.

sexta-feira, 13 de março de 2020

Pernas de coelho no tacho com legumes


A carne de coelho é considerada uma carne branca devido ao seu baixo teor de gordura, mas de uma maneira geral, esquecemo-nos, tantas vezes, de a incluir na nossa dieta. Cá em casa, os pratos com carne de coelho são, sempre, muito apreciados, sendo que esta é uma carne muito versátil. Por vezes, cozo a carne de coelho, desfio, para depois ir usando, em saladas, sopas e outras preparações.

No âmbito da campanha europeia de incentivo ao consumo de carne de coelho, volto a partilhar convosco uma receita com esta deliciosa proteína. Pernas de coelho no tacho com legumes. Fica tão bom! Pode ser um prato para partilharem com a família numa das refeições do fim-de-semana que se avizinha.

quinta-feira, 12 de março de 2020

10 receitas de carne para fazer e congelar


Preparar comida e congelar, pode ser tantas as vezes a solução para que entre o trabalho, cuidar da família, da organização da casa, consigamos ter as refeições prontas sem grandes preocupações.

Cozinhar para congelar deve ser feito de maneira a que consigamos preparar comida para mais do que uma refeição. Podem escolher um dia, nesse dia reservar duas a três horas e ir para a cozinha. É importante, termos escolhido, previamente, as receitas a preparar, termos os ingredientes seleccionados e os utensílios que necessitamos de usar, disponíveis.

Cozinhar é muito mais fácil quando temos um ambiente organizado e limpo. Podem até colocar uma música. Ajuda a descontrair. Cozinhar para a família é uma forma de cuidar, é um acto de amor.

Um dos ingredientes que resulta bem para fazer e congelar é a carne. Para congelar aconselha-se que façam pratos de forno, ou estufados e guisados. Fritos e grelhados, não são uma boa escolha para fazer em quantidade e congelar. Essas preparações, são boas, na minha opinião, confeccionadas e consumidas na altura. Por isso, as sugestões que vos deixo, encaixam-se em comida de tacho e de forno.

Para congelar, a comida preparada deve ser arrefecida rapidamente. Como nas nossas cozinhas não temos abatedores de temperatura, cá em casa, costumo improvisar. Para arrefecer rapidamente, coloco a panela ou tacho, sem tampa, num alguidar com água e gelo.

Depois de arrefecido, distribuir por caixas, com a respectiva etiqueta e data. Quando queremos consumir, tirar do congelador e deixar a descongelar no frigorífico. Há quem descongele no micro-ondas.

Preparar comida em grandes doses e congelar é uma excelente forma de nos poupar tempo na cozinha, deixando-nos disponíveis para outras actividades ou, para estarmos mais tempo com aqueles de quem gostamos.

10 receitas de carne para fazer e congelar:

quarta-feira, 11 de março de 2020

Waffles de espelta com iogurte


Gosto de tomar o pequeno-almoço, em casa. Gosto de acordar e ter tempo para desfrutar, com calma, a primeira refeição do dia.

Começar o dia sem correrias, traz-nos equilíbrio. Permite-nos inspirar e expirar. Saborear o momento. Olhar pela janela e ver o estado do tempo. Permite-nos pensar no nosso dia, alinhar ideias, definir objectivos ou estratégias.

Confesso que prefiro acordar mais cedo e ter tempo para começar o dia com calma.

Tomar o pequeno-almoço, em casa, é um hábito que adquiri há muitos anos. Hoje em dia, mesmo que saia de casa muito cedo, como sempre, nem que seja, algo rápido, como um iogurte líquido e uma fatia de pão com queijo.

Os pequenos-almoços são, para mim, uma maneira feliz de começar o dia e por isso, procuro ir variando o que se come na primeira refeição do dia. Faço papas de aveia, tostas com legumes, batidos, panquecas ou waffles. Para quem, como eu, gosta de variar os pequenos-almoços, deixo-vos, hoje, uma receita de waffles.

terça-feira, 10 de março de 2020

Grão-de-bico estufado com legumes


Há livros que nos conquistam, assim, que os começamos a ler. Dos últimos livros que li e que adorei, destaco O Monge que Vendeu o seu Ferrari de Robin Sharma. Obrigada a todos os que me recomendaram este livro! Não sei se é da fase da vida em que estou, mas o que é certo é que me identifiquei com tanta coisa que o autor nos apresenta.

A obra pretende levar-nos a "(...) aprender a viver uma vida mais gratificante, preenchida e esclarecida" através de um conjunto de etapas. Uma dessas etapas é olharmos para a vida de forma positiva, não deixar entrar pensamentos negativos na nossa mente.

« Não te podes dar ao luxo de ter um pensamento negativo, absolutamente nenhum. As pessoas mais alegres, dinâmicas e satisfeitas deste mundo não são diferentes de ti ou de mim, em termos da sua estrutura. Todos somos feitos de carne e de osso. Provimos todos da mesma fonte universal. Mas aquelas que não se contentam com subsistir, as que ateiam as chamas do seu potencial humano e saboreiam verdadeiramente a mágica dança da vida, fazem coisas diferentes daquelas cujas vidas são banais. Acima de tudo, adoptam um paradigma positivo acerca do seu mundo e de tudo o que existe. »

Sinto-me tão grata por me terem feito encontrar este livro. Esta é uma mensagem em que acredito, mesmo ainda antes de ter lido esta obra. No nosso dia-a-dia devemos concentrar-nos nas coisas boas, devemos pensar em melhorar aquilo que nos traz desconforto ou aquilo de que não gostamos, em vez de adoptarmos uma postura de "não sou capaz", "os outros têm sorte e eu não".

O modo como gerimos os nossos pensamentos influencia a gestão da nossa vida e o modo como nos relacionamos com os outros. Não conseguimos, obviamente, controlar as atitudes dos outros e as suas respostas, mas conseguimos controlar a nossa atitude perante esses acontecimentos. O modo como reagimos faz toda a diferença. Confesso que admiro as pessoas que perante determinados acontecimentos reagem com sentido de humor. Desde que me conheço que perante os obstáculos, tento pensar de forma positiva, optimista, mesmo que tenha o coração aos pulos.

« Independentemente do que possa acontecer na tua vida, só tu tens a capacidade de escolher como vais reagir. Assim que criares o hábito de procurar sempre o lado positivo em todas as circunstâncias, a tua vida alcançará as suas dimensões supremas. Esta é uma das maiores de todas as leis naturais. »

Vamos começar a olhar para a vida pelo lado positivo?

A vida é uma dádiva. Ela permite-nos sonhar, aprender, crescer, namorar, sorrir, chorar, viver ...

« Não existem erros na vida, apenas lições. Não existem experiências negativas, apenas oportunidades para crescer, aprender e avançar ao longo da estrada do auto-domínio. Da luta advém a força. Até a dor pode ser um professor magnífico. »

Passamos tanto tempo a julgar os acontecimentos como positivos ou negativos, quando o mais importante é vivê-los, celebrá-los e aprender com eles. E quando nos sentirmos desiludidos com os resultados que a vida nos traz, vamos acreditar que quando se fecha uma porta, abre-se outra.

E para saborear as coisas boas que podemos conseguir aproveitando a vida de forma positiva, deixo-vos, hoje, um estufado de grão-de-bico, que pode ser servido como prato principal ou como um delicioso acompanhamento.

segunda-feira, 9 de março de 2020

Sopa de lentilhas com couve-flor


Mais uma semana que se inicia. As segundas-feiras são portas para novos desafios, novas possibilidades. Gosto de encarar o começo de cada semana com a esperança de que coisas boas irão acontecer.

Houve uma altura da minha vida, em que achava que as segundas-feiras eram dias difíceis. Acordava e começava a queixar-me de tudo e mais alguma coisa. O sentimento era de "lá vamos nós outra vez". Até que me cansei.

Comecei a não gostar do modo como reagia. Achei que tinha uma postura negativa, que não me trazia benefícios. Antes pelo contrário. Pensamentos negativos conduzem a atitudes menos boas, que produzem um sentimento de desgaste pessoal grande. Até nas relações com os outros.

Como seres que possuem livre arbítrio, que devem reflectir sobre aquilo que não gostam na sua vida, decidi parar e mudar de atitude. O modo como encaramos as coisas só depende de nós.

Espero que olhem para as segundas-feiras como um caminho para novas oportunidades ou, de recomeços. Caso tenham dificuldades em encarar as segundas-feiras de forma positiva, comecem a fazer um pequeno exercício. Por cada pensamento negativo sobre algo, tentem encontram dois ou três positivos. Pensem como é que as situações com que se confrontam vos podem trazer mais conhecimento ou possibilidades de crescer, de desenvolver novas competências, ou até de perceber que podem fazer as coisas de forma diferente. Encham a vossa cabeça de pensamentos positivos.

E para começar esta semana de forma deliciosa e feliz, deixo-vos uma sopa reconfortante e nutritiva.

sexta-feira, 6 de março de 2020

Como evitar o desperdício alimentar? A lista de compras


Como evitar o desperdício alimentar?
Ao evitarmos o desperdício estamos a poupar e a rentabilizar o nosso dinheiro. Por vezes, basta um pouco de organização e disciplina para o conseguirmos fazer.

Dicas para reaproveitar e poupar:

1. Planear as refeições da semana
Planear o que iremos preparar, ajuda-nos a rentabilizar as nossas compras.
O planeamento das refeições é um método que nos ajuda a preparar as refeições da semana, evitando estar sempre a pensar sobre o que iremos cozinhar. Planear o que iremos preparar, ajuda-nos a rentabilizar as nossas compras.

2. Cozinhar de acordo com as necessidades
Ao cozinharmos para a semana devemos ter em conta o nosso planeamento e ajustar as quantidades às nossas necessidades. Quantas refeições na semana iremos fazer em casa? Para quantos membros da família? - estas são algumas das questões que devemos colocar. Sabendo as nossas necessidades, depois é mais fácil sabermos o que precisamos de preparar.

3. Organizar a despensa
A organização da despensa é fundamental para conseguirmos não desperdiçar. Uma despensa organizada ajuda-nos a identificar os ingredientes que temos, os que estão quase a acabar e os em fim-de-validade.

4. A lista de compras
Por vezes, ao vermos certos produtos nas prateleiras dos supermercados entusiasmamo-nos e trazemo-los para casa, sem termos uma ideia definida sobre como os usar. Fazer uma lista de compras é essencial.

A lista de compras é a orientação, o sentido a seguir. Pode haver um ou outro desvio, mas lembrem-se o que o que escreveram, é aquilo que realmente precisam.

Escrever uma lista do que precisamos é uma forma de poupar, minimiza o impulso de comprar no momento, e ajuda-nos a não desperdiçar.

Para efectuar a lista de compras é importante sabermos o que iremos cozinhar ou como iremos realizar as refeições da semana, por isso ajuda fazermos, previamente, o planeamento das refeições.

Para vos facilitar a elaboração da lista de compras coloquem um quadro - existem uns magnéticos -, por exemplo, na porta do frigorífico, e vão anotando os produtos que fazem falta ou que estão a terminar.

Caso prefiram podem criar a vossa lista de compras no telemóvel usando por exemplo o Google Keep ou o OneNote. Hoje em dia, existem aplicações criadas de raiz a pensar nas listas de compras, que permitem partilhar a lista com a família e assim todos podem ir acrescentando os produtos de que precisam.

Como andamos sempre com o telemóvel, as aplicações podem ser também uma boa ajuda. Caso queiram optar por ter uma aplicação, encontram por exemplo, a Bring, Out Of Milk, Listonic, entre outras. Há cadeias de supermercados que disponibilizam aplicações que permitem aos seus clientes elaborar a lista de compras.

Ter acesso à lista de compras através do telemóvel pode ser a solução para quem se esquece da lista das compras, muitas vezes, em casa. A ida às compras sem a lista, segundo a minha experiência, é sinal de que algo não vai correr bem.

Sejam realistas nas vossas compras. Se tiverem como objectivo incluir mais legumes nas refeições, vejam o que realmente conseguem usar. Não é necessário comprarmos mais do que aquilo que iremos conseguir consumir numa ou duas semanas. Os frescos, por exemplo, tento comprar semanalmente. Caso queiram introduzir novos vegetais, façam-no de forma gradual.

As compras on line podem ser também uma boa alternativa. São até uma excelente forma de nos cingirmos a comprar exactamente aquilo de que precisamos, sem levarmos mais isto ou aquilo por que sim.

4.1 Como organizar a lista de compras?

Uma forma de organizar a lista de compras é identificando categorias. Por exemplo:
  • Vegetais;
  • Frutas;
  • Padaria;
  • Charcutaria;
  • Bebidas;
  • Produtos de higiene e limpeza;
  • Congelados;
  • Laticínios e ovos;
  • Carne e peixe;
  • Cereais e sementes;
  • Enlatados;
  • Especiarias;
  • Condimentos;
  • Outros.

No dia-a-dia, depois é só ir colocando os itens a comprar nas devidas categorias.

Nas minhas idas às compras, sigo quase sempre a mesma dinâmica. Começo nas frutas e vegetais, aproveito e espreito a florista. Depois sigo para a secção de padaria/pastelaria, passo pela zona de charcutaria, secção de bebidas, produtos de limpeza, utilidades, congelados, leite e iogurtes, carne e peixe fresco, e por fim a mercearia. No fundo é seguir, mais ou menos a organização das secções do supermercado, para não andarmos para a frente e para trás. Opto por fazer a mercearia no fim, porque, nos supermercados onde vou, fica perto das caixas de pagamento.

À medida que vou fazendo as compras, com a lista, faço também o controlo do que já comprei. Se a lista estiver em papel, é só ir riscando o que já temos no carrinho de compras.

Cada família deve escolher o método que melhor se adequa às suas dinâmicas. Em papel ou no telemóvel. Partilhada entre todos os membros ou não. Organizada por categorias ou simplesmente uma lista com o nome dos produtos a comprar.

Lembrem-se que a lista ajuda-nos a ser mais eficientes, a não esquecer itens e, no fundo, a não perdermos tanto tempo nas compras.

Uma lista de compras organizada ajuda-nos a não desperdiçar. Permite-nos comprar de acordo com as nossas necessidades. E ao não desperdiçar, estamos a poupar!

quinta-feira, 5 de março de 2020

Papas de aveia com batata-doce no forno


Um dos ingredientes que passou a constar, de forma regular, nas minhas receitas, desde que decidi mudar a minha alimentação e incluir mais vegetais, é a batata-doce. Desde que me lembro, que adoro batata-doce.

Uso-a em muitas receitas, sejam doces ou salgadas. Incluo-a tantas vezes nos meus pequenos-almoços. Quem vai acompanhando o Instagram do Cinco Quartos de Laranja já deve ter visto muitos dos meus pequenos-almoços, em que a estrela é a deliciosa batata-doce, de polpa laranja.

Nesta altura do ano, escolho para iniciar o dia, papas de aveia. Faço, muitas das vezes, as de tacho mas para guardar e comer no dia seguinte ou, até para levar para os lanches, prefiro as de forno.

A consistência das papas de aveia de forno faz lembrar a dos bolos. Cá em casa adoramos!

quarta-feira, 4 de março de 2020

Besugos assados no forno com alho e limão


Mudar de Vida

O que nos leva a querer mudar de vida? A definir outras prioridades, a fazer novas escolhas?

É, na minha opinião, uma vontade interior que se começa a sobrepor a tudo o resto. Olhamos para a nossa vida e questionamo-nos sobre aquilo que queremos continuar a fazer, passamos a reflectir sobre como estamos a aproveitar o nosso tempo, e se aquilo que estamos fazer é realmente gratificante. Este anseio de mudar, é mais forte do que a vontade de nos mantermos na conformidade de tudo o que temos. A possibilidade de fazermos coisas novas, de encontrarmos outros desafios, de apostarmos naquilo que gostamos, são alguns dos factores que impulsionam a urgência da mudança.

Mudar implica transformação, coragem, inspiração e muita determinação. Podemos querer mudar de trabalho. Podemos querer mudar o modo como estamos a conduzir a nossa vida. Podemos querer mudar o nosso estilo de vida - ir ao ginásio, cuidarmos mais de nós, mudar as nossas amizades - o modo como nos alimentamos, como nos relacionamos com os outros. Podemos escolher uma infinidade de possibilidades. Podemos escolher e decidir as mudanças que queremos na nossa vida.

A vontade de mudar não aparece, de um dia para o outro. É como uma semente. Instala-se e, aos poucos, vai germinando. E esse impulso de querer fazer diferente começa a instalar-se no nosso dia-a-dia, até ao momento em que temos que ter a coragem de decidir.

Alexandra Vinagre no seu livro Até Onde Quer Chegar?, nas páginas 23 e 24, conta-nos o seguinte:

« O jovem repórter acabava de chegar, apressado e entusiasmado. Integrara a equipa de um dos mais famosos jornais científicos há poucos meses e estava prestes a entrevistar Albert Einstein. O artigo intitulava-se “Grandes questões para Grandes Cientistas” sendo colocada uma única questão a cada entrevistado.

Chegou com os últimos raios de sol e encontrou Einstein sentado na cadeira de baloiço, tranquilamente, a fumar o seu cachimbo e a apreciar o por-do-sol.

“Tenho apenas uma questão para si Dr. Einstein,” disse, nervoso, enquanto retirava o bloco de notas e se preparava para registar a resposta. “Qual a pergunta mais importante que um cientista pode fazer a si próprio?”.

Imaginem o velhinho Einstein de cabelo grisalho e desalinhado na varanda de casa, a baloiçar na cadeira e com os olhos a brilhar. “Essa é uma grande questão, meu caro, e merece uma resposta séria” disse. Nesse momento recostou-se na cadeira e continuou a fumar.

Os minutos que se seguiram pareceram intermináveis, e o jovem antecipava uma resposta que pudesse entrar para os anais da matemática ou da física quântica.

A resposta, contudo, surpreendeu-o. “A pergunta mais importante que QUALQUER pessoa deve colocar é se o Universo é um lugar amigável?”

“O que quer dizer? Como pode ESSA ser a pergunta mais importante?”.

Einstein respondeu, solenemente. “A resposta que encontramos para esta pergunta determina o que fazemos com a Vida. Se o universo for um lugar amigável, iremos gastar o nosso tempo a construir pontes. Caso contrário, usaremos o tempo a construir muros. A escolha é nossa!”
»

O modo como olhamos para tudo aquilo que nos rodeia é mesmo determinante, permite-nos construir pontes ou erguer muros. Podemos escolher a atitude que temos face à mudança e construir coisas novas, apostar em novos desafios.

Para mim, para além de ter mudado de vida, sinto que a mudança é algo que procuro de forma constante. Faço listas de coisas, sejam de livros e/ou de objectivos que tento alcançar. Não faço isto como algo que me traz ansiedade mas como uma forma de me fazer sentir que tento aproveitar a vida e o meu tempo. Tudo isto me ajuda a criar laços, permite-me olhar para a vida com um sentido de realização pessoal muito grande. Mudar é uma constante. Por vezes, parece que aquilo que tentamos mudar é tão pouco, mas quando olhamos para trás, percebemos que afinal agora não saberíamos viver de outra maneira. Ou seja, que não mudámos apenas pequenas coisas na nossa vida, mas que a nossa vida também mudou. No processo de mudança há sempre transformação.

Comer de forma mais equilibrada foi também um dos passos que tomei no sentido de mudar a minha alimentação. Comida de verdade, com muitos legumes, sopas, pratos de carne e peixe fazem parte das refeições, cá em casa. Espero que estes besugos assados no forno vos inspirem a incluir mais peixe nas vossas refeições.

terça-feira, 3 de março de 2020

Legumes à Brás


Comer comida colorida é, cada vez mais, uma preocupação, cá em casa. De há uns anos para cá, que decidi aumentar a quantidade de legumes que comemos, às refeições. Não deixei de comer carne ou peixe. Confesso que adoro um bife de vaca grelhado ou umas costeletas de borrego a saírem da grelha. Em termos de alimentação, não procuro seguir nenhuma dieta nem nenhuma moda em especial.

As minhas escolhas resultam do que vou lendo, principalmente, de livros de investigadores na área da alimentação. Resultam, também, da minha vontade de comer de forma mais equilibrada. O objectivo de mudar a minha alimentação foi para me sentir melhor comigo e com o meu corpo. A nossa autoestima é importante. Para comermos bem não precisamos de restrições ou imposições, que no meu caso, só me trazem ansiedade.

Em termos de rotinas alimentares, as nossas refeições fazem-se com sopa, pratos de carne e peixe, saladas, e claro, com muitos legumes à mistura.

Um destes dias, para uma das nossas refeições, com o intuito de dar destino a alguns legumes que tinha no frigorífico, fiz um prato que adorámos, legumes à Brás.

segunda-feira, 2 de março de 2020

Top 10 Fevereiro 2020


Março chegou com chuva e céu cinzento. Março é o mês em que que nos despedimos do Inverno e a Natureza estende um tapete de flores para receber a Primavera. Este é um mês de mudança. De renovação. De renascimento.

Mas antes de começar a partilhar convosco novas receitas, mais textos sobre mudança de vida, felicidade ou sobre alimentação, gostaria de olhar, mais uma vez, para trás. Sabem que adoro fazer listas disto e daquilo. Listas não só das tarefas que tenho que realizar no dia-a-dia, mas de coisas que quero fazer, de livros que gostaria de ler ou de comprar, restaurantes a visitar, entre muitas coisas. Na semana passada, fiz-vos um pequeno balanço dos objectivos que defini para 2020 e que já consegui concretizar. Vou partilhar, hoje, convosco os dez apontamentos mais vistos no mês que passou.

Os apontamentos mais vistos, em Fevereiro de 2020, não seguem um padrão. Temos receitas de peixe, de sobremesas, de pratos que se preparam num abrir e fechar de olhos e, por outro lado, temos textos, sobre como evitar o desperdício alimentar e a foto-reportagem de um dos meus workshops patrocinados, em Lisboa.

Top 10 Fevereiro 2020
  1. Medalhões de pescada com crosta de aveia e molho de iogurte;
  2. Bolo de laranja para festejar os 14 anos do Cinco Quartos de Laranja;
  3. Sopa de couve-flor assada com açafrão;
  4. Salada de feijão verde com batata, queijo feta e ovo;
  5. Como evitar o desperdício alimentar? Organizar a despensa;
  6. Como evitar o desperdício alimentar? Cozinhar de acordo com as necessidades;
  7. O workshop de Moamba e Sabores Africanos com Guinea's, em Lisboa, foi assim;
  8. Sopa de abóbora e nabiças;
  9. As 10 sobremesas preferidas pelos leitores em 2019;
  10. Rolinhos de beringela no forno com queijo e molho de tomate.

Desta lista, de 1 a 10, qual é o vosso apontamento preferido?

sexta-feira, 28 de fevereiro de 2020

Filetes forno com ervas aromáticas e cuscuz de legumes salteados


A interrupção lectiva do Carnaval, leva a que muitas famílias aproveitem e passem uns dias fora, de férias. O regresso às rotinas exige, sempre, organização e quando nos questionamos sobre o que fazer para o jantar, a resposta que damos, normalmente, a nós próprios, é algo que seja rápido, saboroso e que a família goste. Para estes momentos, é bom termos alguns congelados, prontos a colocar no forno.

Quando a Pescanova me desafiou a preparar uma receita com os seus filetes de forno, pensei logo nestes momentos em que chegamos a casa e queremos colocar o jantar na mesa, sem grandes preocupações.

quinta-feira, 27 de fevereiro de 2020

Creme de couve-flor com alho-francês


Ou Isto ou Aquilo

« Ou se tem chuva e não se tem sol,
ou se tem sol e não se tem chuva!

Ou se calça a luva e não se põe o anel,
ou se põe o anel e não se calça a luva!

Quem sobe nos ares não fica no chão ,
Quem fica no chão não sobe nos ares.

É uma grande pena que não se possa
estar ao mesmo tempo em dois lugares!

Ou guardo dinheiro e não compro o doce,
ou compro o doce e não guardo o dinheiro.

Ou isto ou aquilo: ou isto ou aquilo...
e vivo escolhendo o dia inteiro!

Não sei se brinco, não sei se estudo,
se saio correndo ou fico tranquilo.

Mas não consegui entender ainda
qual é melhor: se é isto ou aquilo.
»

Cecília Meireles


Mudar de vida é uma escolha. Todos os dias fazemos escolhas, sejam elas simples ou complexas. Desde que acordamos até ao deitar, a nossa vida é feita de escolhas. Tomamos café ou leite no pequeno-almoço, saímos para o trabalho com os ténis novos ou levamos os sapatos de sempre. Ao almoço optamos pela salada ou pelo prato tradicional de que já temos saudades, convidamos os amigos para jantar na sexta-feira ou vamos sair ... Na espuma dos dias, não temos outra opção, senão exercer o nosso livre arbítrio e escolher entre isto ou aquilo, como refere o poema de Cecília Meireles.

Escolher é optar. E isso implica sempre uma de várias possibilidades. E este é que é o grande desafio. Ao escolhermos uma coisa, largamos a possibilidade de termos outras. Associado à escolha está o medo do arrependimento. O tormento da dúvida, sobre se fizemos bem ou mal. Nos momentos de escolha, há sempre um "e se ...".

Talvez não haja escolha sem sacrifício. A escolha exige um processo de transformação, pessoal, interior, que passa por diferentes fases. Escolher ajuda a dar sentido à vida, traz dinâmica, promove o nosso potencial criativo. É importante não ter medo de escolher.

Como podemos fazer escolhas que nos tornem felizes? A resposta está em nós. Nos nossos valores, nos princípios que orientam a nossa vida, nas nossas escolhas e necessidades. Mudar de vida implica querer, comprometer-se, escolher um caminho.

Escolher mudar é sempre uma opção nossa, até nas coisas mais simples. Cá em casa, as mudanças fazem-se, também, à volta da mesa, na escolha do modo como decidimos comer. Uma dessas mudanças, é que passei a ter sempre sopa feita para as refeições da semana.

quarta-feira, 26 de fevereiro de 2020

Granola de chocolate


Fevereiro está, quase, a chegar ao fim. Confesso, que a chegada de Março, é sempre revestida de mudança. É, neste mês, que passamos do Inverno para a Primavera, uma das épocas, para mim, mais bonitas do ano. A mudança do tempo, também, provoca mudanças em nós.

Mas antes de olhar em frente, de vez em quando, gosto de fazer balanços, de rever o que fiz de acordo com alguns dos meus objectivos. Decidir fazer coisas, traçar pequenas metas pessoais, é uma forma de darmos colorido à nossa vida. São um modo de estar na vida, de encontrarmos um caminho de forma a aproveitarmos, da melhor maneira, o nosso tempo. Ou, pelo menos, pensarmos que o fazemos.

Este ano decidi fazer uma lista de 12 livros que quero ler. Neste momento, estou quase a acabar o O Grande Gatsby de F. Scott Fitzgerald. Entretanto já li: O Meu Nome é Alice de Lisa Genova - um livro que não nos deixa indiferentes sobre uma doença assustadora; A Lista que Mudou a Minha Vida de Olivia Beirne - gostei tanto que decidi fazer também a minha lista; A Mística do Instante de José Tolentino Mendonça - um autor que me inspira e a que volto muitas vezes; É Isto que Eu Faço - Uma Vida de Amor e Guerra de Lynsey Addario - para mim este livro é uma lição de vida; Viver para Contá-la de Gabriel Garcia Marquez, um livro para quem quer saber um pouco mais sobre a vida deste grande autor. Gosto tanto de ler. Os livros ajudam-me a viajar, a aprender, a sonhar. Sempre que acabo um livro, acrescento mais títulos à lista de livros que quero ler.

Em termos de pequenas coisas que gostaria de fazer durante este ano, já consegui ir aprender a fazer os diferentes tipos de massa folhada e queijo fresco. Beber dois litros de água por dia, confesso que estou a tentar. Há dias, em que me disciplino e corre bem, há outros, que quando dou por mim, lá tenho que beber mais água. Um destes dias quero partilhar convosco algumas ideias sobre a importância da hidratação. Mas o importante é não perder o foco e irmos tentando.

Das coisas que continuo a valorizar, no meu dia-a-dia, são os pequenos-almoços, de preferência coloridos e felizes. E para quem gosta de ir variando a primeira refeição do dia como eu, deixo-vos a receita de granola que fiz nas pré-preparações desta semana. Com chocolate, fica tão boa!

segunda-feira, 24 de fevereiro de 2020

Lentilhas estufadas com cogumelos


Será que podemos escolher o modo como queremos viver?

Mudei de vida aos 41 anos, porque achei que queria um caminho diferente, tinha uma necessidade urgente de mudar a minha maneira de viver. Curiosamente, cruzo-me com muitas pessoas que também sentem vontade de mudar mas não sabem que caminho seguir. Mudar de vida é um processo, que exige resiliência e, muitas vezes, o apoio da família.

Mesmo que estejamos sempre com ar bem disposto, a verdade é que todos passamos, na nossa vida, por dificuldades, desafios, provações. O que nos distingue, é a nossa atitude, é o modo como decidimos encarar as coisas menos boas que nos acontecem. Perante as dificuldades, temos sempre duas opções: queixarmo-nos, por isto, por aquilo, por tudo. Ou aceitarmos ser resilientes e tentamos dar a volta ao que nos acontece. Quando leccionava, perguntava muitas vezes aos meus alunos: - "para que servem os muros?" E a resposta que esperava ouvir era: "- Servem para nós os superarmos."

Quando optamos por nos vitimizar, por reclamar de tudo, acabamos por dar vida aos nossos problemas. Uma pedra no sapato, pode transformar-se num pedregulho no nosso caminho. Gastamos energia de forma desnecessária, preocupamo-nos demais, fazemos filmes ou longas metragens na nossa cabeça, perdemos tempo. Não conseguimos distinguir o essencial do acessório. Por vezes, basta parar, inspirar, pensar de forma clara e seguir em frente. Perdermos tempo com coisas inúteis, que não nos levam a lado nenhum não é benéfico.

O importante, é que na nossa vida consigamos escolher, sempre, o que achamos que seja o melhor para nós. As escolhas não são fáceis. Entre um parar e andar, entre um sim e um não, optar sempre por aquilo que nos traga paz, tranquilidade de espírito, bem estar. Estarmos bem connosco e com os outros é um bem tão precioso.

Se podemos escolher o modo como queremos viver? - Claro que sim! Somos o resultado de escolhas.

Todos os dias fazemos escolhas. Sejam sobre o modo como queremos viver, seja sobre o que iremos vestir ou comer. Em termos de alimentação, procuro incluir, cada vez mais, legumes nas minhas refeições. Tento até fazer, pelo menos, uma refeição sem carne e sem peixe, cá em casa, durante a semana. Um dos últimos pratos que fiz foi lentilhas estufadas com cogumelos. Fica tão bom! As escolhas que fazemos em termos de alimentação também reflectem o modo como decidimos viver.

Boa semana e bom Carnaval!

sexta-feira, 21 de fevereiro de 2020

Rolinhos de beringela no forno com queijo e molho de tomate


O molho de tomate é um daqueles ingredientes que não deveria faltar nas nossas cozinhas. Para além de tornar tudo mais saboroso, ajuda-nos a preparar pratos para a família, de forma rápida.

O molho de tomate é o ponto de partida para muitos pratos. Podemos usá-lo nas pizzas, em massas, em pratos de carne ou de peixe.

Costumo fazer molho de tomate no Verão, quando tenho tomate da horta, em abundância. Mas, durante o resto do ano, acabo sempre por comprar já pronto. Por um lado, torna-se muito prático, e por outro, a verdade, é que para fazermos molho de tomate bom, é fundamental termos tomate maduro, saboroso, o que não acontece durante o resto do ano. Por isso, comprar já pronto tornou-se, para mim, a melhor solução.

Quando a Guloso me desafiou a preparar uma receita com um dos seus molhos de tomate, escolhi o molho Q.B. Original, um molho perfeito para massas e que resulta bem para usarmos em recheios, ou como base para muitos dos nossos pratos. Basta aquecer e está pronto a usar. Adoro molho de tomate! Uso-o bastante em muitas das receitas que faço, cá em casa, como a que partilho, hoje, convosco.

quinta-feira, 20 de fevereiro de 2020

Como conservar ervas aromáticas, em azeite, no congelador?


As ervas aromáticas tornam tudo mais saboroso, seja uma sopa, uma massa, um prato de forno, uns ovos mexidos ou até uma salada. O ideal seria termos uma horta e irmos usando à medida que precisamos. Mas, para quem vive num apartamento, nem sempre é possível, apesar de, cá em casa, ter uma pequena horta.

Como podemos ter o sabor das ervas frescas, no dia-a-dia, nos nossos pratos? Como podemos dar destino a algumas ervas que comprámos e sabemos que não vamos utilizar em tempo útil?

Uma das soluções, poderá passar por conservar as ervas aromáticas em azeite, no congelador. Mas como o podemos fazer?

1. Preparar as ervas
O primeiro passo, é lavar as nossas ervas aromáticas, independentemente de onde quer que tenham vindo. Depois de bem lavadas, secar com papel absorvente.


2. Como conservar as ervas aromáticas em azeite
Para este processo iremos precisar de cuvetes de gelo. Escolham, de preferência, formas de gelo com tampa.
  1. Picar as ervas aromáticas, depois de lavadas e secas. Caso queiram, dependendo da escolha das ervas, poderão deixar pedaços inteiros, como as folhas ou pequenos raminhos;
  2. Preencher cerca de 2/3 de cada forma de cubo de gelo com as ervas;
  3. Regar com azeite até encher cada um dos cubos da cuvete. Em vez do azeite, podem optar por água, manteiga sem sal derretida ou óleo de coco;
  4. Tapar. Levar ao congelador.

Depois de congelado, poderemos manter os cubos nas cuvetes. Ou, caso prefiram, podem retirar os cubos de ervas congelados em azeite para um saco de plástico, com fecho hermético ou, para uma caixa. Depois é ir usando.

Consumir as ervas aromáticas congeladas em azeite no prazo de 3 meses.


3. Como escolher as ervas aromáticas
Há ervas aromáticas que resultam melhor congeladas do que outras. Por exemplo, a hortelã e o manjericão, famosas pelo seu aroma e sabor, usadas normalmente frescas, podem ser congeladas, mas por serem ervas que exigem frescura, não são as mais indicadas.

Cebolinho, salsa, coentros, apesar de serem muitas vezes usadas frescas, podem ser conservadas assim, em azeite.

O tomilho, o alecrim e a sálvia, que usamos tantas vezes em assados, estufados ou em pratos de arroz, também podem ser congeladas usando este método. Como têm folhas rijas, resultam muito bem.

A escolha do azeite é também importante. Optem por azeite virgem extra. Este é um azeite de qualidade superior, possui sabor e cheiro intensos a azeitona sã, a sua acidez é igual ou inferior a 0,8% e não apresenta defeitos organolépticos.


4. Vantagens
Com este método podemos ter sempre ervas aromáticas prontas a usar nos nossos cozinhados. Podemos fazer as nossas misturas de ervas ou optar por cubos com apenas uma variedade. A escolha é nossa.

Torna-se muito prático. Podemos usar os cubos de ervas aromáticas em azeite em mil e uma receitas.

Ao preservamos as nossas ervas aromáticas estamos, também, a evitar o desperdício de alimentos nas nossas cozinhas.

quarta-feira, 19 de fevereiro de 2020

Os 10 pequenos-almoços preferidos pelos leitores em 2019


Os pequenos-almoços são uma das minhas refeições preferidas. Gosto de ir variando o que como, na primeira refeição do dia. Sempre que posso, tento fazer pequenos-almoços coloridos e felizes. Por vezes, uso legumes.

Relembro que sábado, 29 de Fevereiro de 2020, das 10h30 às 13h30, irá ter lugar o workshop Pequenos-almoços Práticos e Saudáveis no Isto Faz-se, em Lisboa. Inscrições através do eMail: escola@istofaz-se.pt


Os 10 pequenos-almoços preferidos pelos leitores em 2019, foram:

  1. Waffles de espelta e batata-doce;
  2. Papas de aveia no forno com banana e morangos;
  3. Granola de coco e azeite;
  4. Waffles de batata-doce com fios de bacon;
  5. Panquecas de trigo sarraceno com beterraba;
  6. Cestinhos de fiambre com ovo no forno;
  7. Panquecas de espelta e abóbora;
  8. Panquecas de aveia com abóbora assada;
  9. Papas de aveia com banana e manteiga de amendoim;
  10. Pudim de chia.

Destes, qual o vosso preferido?

Ver também os 10 pequenos-almoços preferidos pelos leitores em: 2018.