quarta-feira, 8 de julho de 2020

Salmão com salada de manga e abacate


De volta às comidas frescas e leves. O Verão é sinónimo de alegria e por isso, faz todo o sentido fazermos comida colorida.

No dia-a-dia procuro fazer receitas práticas, descomplicadas, que façam sorrisos assim que chegam à mesa.

Um destes dias, para o almoço, decidi dar destino a uma manga que tinha madura e aproveitar uns lombos de salmão. Os lombos de salmão são daqueles ingredientes que procuro ter de forma regular, em casa, no congelador. Este é um peixe que se cozinha muito rapidamente e por isso, muito prático.

terça-feira, 7 de julho de 2020

Esparguete Caprese com curgete


O Verão é a estação em que mudamos bastante a nossa alimentação. O calor exige que assim o façamos ou, pelo menos, aqui em casa, é assim.

Que alterações fazemos nas refeições de Verão? Procuramos ter mais pratos leves e de preferência frescos. Os assados, estufados e guisados dão lugar a saladas, grelhados, a pratos rápidos feitos, tantas vezes, num tacho só. E claro, saladas.

Cá em casa, se durante o ano procuramos ter sempre uma salada como acompanhamento, nesta altura do ano, as saladas são rainhas em muitas das nossas refeições. Procuro aproveitar os legumes da estação, principalmente o tomate.

Partilho, hoje, convosco mais uma receita com sabores de Verão.

segunda-feira, 6 de julho de 2020

Menu semanal #17


Escolher os pratos para o menu da semana é sempre um delicioso desafio. Esta semana, decidi ter como pontos de referência, três ingredientes da época e que se encontram facilmente à venda nesta altura do ano. A saber, tomate, pimento e curgete.

Lembrem-se que a organização e planeamento das refeições ajuda-nos a poupar, a rentabilizar a nossa comida e permitir-nos ter mais tempo para outras actividades.

Espero que gostem destas sugestões!

Ver também menu semanal #16.

sexta-feira, 3 de julho de 2020

Ovos em ninhos de curgete


Se tivesse que eleger um legume, que para mim simboliza o Verão, escolheria o tomate e logo, logo de seguida a curgete. Se adoro e uso tomate, a verdade é que não dispenso a curgete.

A curgete é tão versátil. Podemos fazer mil e uma receitas. Rica em água, tem um sabor neutro que lhe permite ser usada nas mais diversas combinações. Podemos usar a curgete nas sopas, nos estufados, em saladas, e fica tão bem nos nossos pequenos-almoços.

De há uns anos para cá, procuro incluir legumes nos meus pequenos-almoços. E deixo-vos, hoje, uma receita deliciosa, que podem ver o passo a passo no Instagram do Cinco Quartos de Laranja, highligths Ninhos de Curgete.

Começar o dia com comida colorida dá-nos muito mais energia!

quinta-feira, 2 de julho de 2020

Beringela estufada com grão-de-bico


A ida de férias, este ano, ainda não está decidida. De há uns anos para cá, procuro ter sempre uns dias de férias na praia. O sol e o mar fazem-nos tão bem. Apesar de não saber os destinos de férias, digo-vos que já comecei a selecionar alguns livros que quero ler nesta altura do ano. E são eles:

- A Cozinheira de Castamar de Fernando J. Múnez. Adoro ler romances que envolvam comida;
- A avó que percorreu o mundo de bicicleta de Gabri Ródenas. Quando pergunto que livros andam a ler, este foi um dos que me recomendaram. Fiquei curiosa. E espero conseguir lê-lo nos dias quentes de Verão;
- Uma beleza que nos pertence de José Tolentino Mendonça. Um autor a que regresso. Adoro a escrita poética e os caminhos espirituais que nos vai apontando como lições de vida. Uma inspiração, para mim;
- Lá, onde o vento chora de Delia Ownes. Mais um livro que vocês queridos leitores me recomendaram. Este é o primeiro romance desta autora e estou desejosa de o começar a ler;
- Escrever de Stephen King. Este é um livro autobiográfico de um dos maiores escritores contadores de histórias da actualidade.

E vocês, que livros colocaram este ano na vossa lista de leituras de Verão?

E se a leitura é alimento para a alma e para o nosso bem estar, deixo-vos uma receita deliciosa e muita prática para alimentarmos o corpo e a nossa felicidade. Espero que gostem!

quarta-feira, 1 de julho de 2020

Salada de presunto e figos


Todos os anos procuro definir alguns objectivos para ir tentando alcançar ao longo do ano. Entre os meus objectivos, defini que quero ler 12 livros este ano:
  1. O Meu Nome é Alice de Lisa Genova;
  2. A Lista que Mudou a Minha Vida de Olivia Beirne;
  3. A Mística do Instante de José Tolentino Mendonça;
  4. É Isto que Eu Faço - Uma Vida de Amor e Guerra de Lynsey Addario;
  5. Viver para Contá-la de Gabriel Garcia Marquez;
  6. O Monge que Vendeu o seu Ferrari de Robin Sharma;
  7. 12 Regras para a Vida - Um Antídoto para o Caos de Jordan B. Peterson;
  8. Mau Tempo no Canal de Vitorino Nemésio;
  9. Cevdet Bei e os seus Filhos de Orhan Pamuk;
  10. O Grande Gatsby de F. Scott Fitzgerald;
  11. Gente Feliz com Lágrimas de João de Melo;
  12. Manual para Mulheres de Limpeza de Lucia Berlin.
Dos 12, já li 7 que assinalei para terem uma ideia. Parece-me que se seguir este ritmo, este é um objectivo "quase" concluído!

As leituras de Verão costumam ser diferentes das que faço no resto do ano. Talvez pelo calor, pela vontade de passear, talvez porque grande parte das férias se fazem junto ao mar, na praia.

Se, no Verão, escolho fazer leituras mais leves e frescas, que me permitem viajar e sonhar, o mesmo se passa com a comida. Cá por casa, em dias de calor, escolhemos colocar na mesa saladas. Comida colorida faz-nos felizes!

terça-feira, 30 de junho de 2020

Bifanas no pão com mostarda


Junho é o mês dos Santos Populares. Festeja-se o dia de Santo António a 13, em Lisboa, São João a 24, no Porto e, São Pedro, padroeiro dos pescadores, a 29.

« Se Santo António é retratado com o menino Jesus ao colo e São João com um carneiro, São Pedro distingue-se das imagens graças às chaves que segura na mão. Aquelas são as chaves das portas do céu e é São Pedro que tem o poder de decidir quem entra, como se pode ler no Evangelho segundo São Mateus: “E eu te darei as chaves do reino dos céus”, disse-lhe Jesus Cristo. A tradição popular que levou as pessoas a culparem São Pedro pelo bom ou mau tempo está relacionada com a sua função de guardião do céu. » in Observador

A tradição desta quadra festiva pede sardinha assada, bailaricos nas ruas, marchas, manjericos, quadras populares e muita animação.

No entanto, este ano, os festejos a dois, cá por casa, foram feitos com bifanas no pão. Que tal?

segunda-feira, 29 de junho de 2020

Menu semanal #16


Pensarmos nas refeições da semana para a família é sempre desafiante. Esta semana, partilho convosco, mais algumas sugestões com o intuito de vos ajudar a escolher o que irão cozinhar.

Os critérios que usei para elaborar o menu desta semana foram refeições mais leves, com sandes, sopas e algumas saladas. Escolhi também pratos com ingredientes associados ao Verão. Espero que gostem e que estas sugestões sejam uma mais valia para o vosso dia-a-dia.

Ver também menu semanal #15.

sexta-feira, 26 de junho de 2020

Amêijoas com massinha e açafrão


Costuma-se dizer que « somos sempre mais felizes no Verão ». O tempo parece esticar. Há mais luz e, por isso, podemos aproveitar para fazer actividades ao ar livre. Passear junto ao Tejo. Ir à praia ou simplesmente tomar uma bebida fresca, numa esplanada, num final de tarde.

No Verão, vivemos mais despreocupados e isso permite-nos desfrutar do que nos rodeia de outra maneira. Podemos conviver e estar com aqueles de quem gostamos, com tempo.

E se as nossas rotinas, no dia-a-dia, mudam com a chegada do Verão, o mesmo se passa na cozinha no momento de prepararmos as refeições. Não sei se vos acontece, mas no Verão procuro cozinhar mais peixe e marisco. São ingredientes versáteis e que de uma maneira geral, se preparam de forma rápida.

A Pescanova desafiou-me a preparar uma receita a pensar no Verão, para toda a família. Decidi preparar um prato com sabor a mar. Amêijoas, um ingrediente que associamos tanto ao Verão, com massinha cuscus pérola e um toque exótico, misterioso, dado pelo açafrão-da-Índia. Fica tão bom!

quinta-feira, 25 de junho de 2020

Beringela assada com salada de grão-de-bico e queijo


Em dias de calor, cá em casa, os pratos escolhidos são normalmente saladas. As saladas para além de coloridas, são muito versáteis. Podemos usar o que temos na despensa ou no frigorífico e compor um prato nutritivo e feliz.

Para quem quer fazer uma alimentação equilibrada, um dos primeiros passos, na minha opinião, é cozinhar em casa. Prepararmos a nossa comida é uma forma de fazermos escolhas em termos de ingredientes e de temperos. Outro passo para quem se preocupa em fazer uma alimentação saudável é incluir saladas nas suas refeições. As saladas são nutritivas, saciantes, permitem-nos ingerir mais água e mais legumes. Este Verão, incluam saladas nas vossas refeições.

quarta-feira, 24 de junho de 2020

15 saladas com grão-de-bico


Grão-de-bico, designado entre nós como grão. É um ingrediente muito versátil. Seco ou cozido, é das leguminosas que procuro ter sempre em casa.

Fortunato da Câmara conta-nos, no seu livro Alimentos ao Sabor da História, que o grão é considerado desde a Antiguidade, comida de camponeses e de pessoas pobres.

« Ateneus relata uma imagem plena de simplicidade, ao descrever uma noite de Inverno em que estava sentado à lareira a beber vinho doce e a petiscar grão. Quando estava farto da vida urbana de Roma, o poeta Horácio ansiava por um prato de grão e massa. Era vendido por comerciantes na rua como aperitivo durante os espectáculos populares de teatro. Quando queriam caracterizar alguém como pobre, os romanos usavam a expressão «frictis ciceri emptor» ou seja "consumidor de grão frito". »

As curiosidades da história da alimentação são tão interessantes!

O grão de bico é um ingrediente central em muitas cozinhas, incluindo a portuguesa. Bacalhau com grão faz parte da nossa tradição!

O grão-de-bico é um alimento muito nutritivo e é um delicioso aliado de muitas das minhas saladas. Para os dias de Verão, deixo-vos 15 saladas, em que a estrela é o grão, esta leguminosa tão popular:

terça-feira, 23 de junho de 2020

Salada de atum com grão-de-bico e massa cuscus pérolas


Gosto tanto do Verão! Para mim, é uma estação de sol. Luz que nos permite desfrutar da praia e dos passeios ao ar livre. Permite-nos apreciar as coisas boas que temos à nossa volta com outro olhar.

No Verão, todos os dias fazem lembrar fins-de-semana, talvez porque a noite chegue mais tarde, talvez porque o calor nos faça sentir tudo de outra maneira, talvez porque os dias de sol e céu azul nos deixam mais felizes.

No Verão, tudo parece mais fácil. A escolha da roupa, dos sapatos ...

Em casa, as refeições fazem-se com comidas frescas e leves. Grelhados, sopas frias, sandes, receitas rápidas e saladas, acabam por ser as escolhas para os dias quentes.

E para aproveitarmos os dias felizes de Verão, deixo-vos uma deliciosa e fresca salada.

segunda-feira, 22 de junho de 2020

Menu semanal #15


Cozinhar para a família, todas as semanas, pode tornar-se um grande desafio. Nem sempre temos ideias para variar as refeições da semana e por isso, todas as sugestões são bem-vindas, verdade?

Esta semana, o critério que orienta a escolha das receitas para o menu da semana foi económico. Esta semana partilho convosco receitas, que de uma maneira geral, rendem e são baratas. Espero que gostem!

Ver também menu semanal #14.

sexta-feira, 19 de junho de 2020

Filetes de sardinha panados


A sardinha costuma ser a rainha das festas populares e é um dos peixes mais amados pelos portugueses. Assada na brasa e servida com batata cozida, salada de tomate e pimentos é, sem dúvida, um prato muito apreciado assim que chega o tempo quente. Mas, a sardinha é um peixe que pode ser cozinhado de muitas outras formas.

Numa ida ao supermercado encontramos sardinha fresca, em conserva ou congelada. E na secção dos congelados, costumo encontrar filetes de sardinha, que se tornam muito práticos.

Uma das receitas que adoramos, cá em casa, são sardinhas panadas, conhecidas também por costeleta de sardinha ou sardinhas de costeleta. Curioso como a mesma preparação pode ter nomes diferentes consoante a zona em que é feita.

quinta-feira, 18 de junho de 2020

Dourada assada no forno com batatas


Rir faz tão bem. O riso é poderoso. Tem uma força libertadora incrível. Rir ajuda a espantar os males do corpo e da alma. É terapêutico.

A sensação que temos depois de darmos uma gargalhada é tão boa. Citando Victor Hugo, "A gargalhada é o sol que varre o inverno do rosto humano."

Adoro ver séries de TV e procuro acompanhar algumas que me façam rir. Acompanhei durante anos, a The Big Bang Theory, que entretanto acabou. Procurei, mas ainda não encontrei nenhuma série de humor que me deixe entusiasmada para seguir com a mesma devoção desta.

Em alternativa, e porque rir faz mesmo muito bem, passei a seguir no YouTube o cómico britânico, Michael Mcintyre. Este foi um dos últimos vídeos que vi:



Rir ajuda a descontrair, deixa-nos muito mais bem dispostos. Ajuda-nos a relativizar e a encarar a vida de uma forma mais positiva. Gosto tanto desta frase:  "O dia mais desperdiçado de todos os dias é aquele em que nós não rimos!" de Nicolas Chamfort. Rir ajuda-nos a viver, a aproveitar a vida. Já se riram hoje?

Para além do humor, a comida é também uma forma de alegria. Quando a comida é boa, ficamos mais felizes, satisfeitos. Para partilharem com a família, deixo-vos uma receita deliciosa e muito prática. Vai por certo fazer muitos sorrisos à volta da mesa!

quarta-feira, 17 de junho de 2020

Sopa de abóbora com lentilhas e espinafres


Comer de forma saudável e equilibrada é tantas vezes o desafio de muitos de nós. De há uns anos a esta parte que decidi mudar a minha alimentação. Nada de radical. Continuo a comer carne e peixe. Ou melhor, como de tudo um pouco.

O que afinal alterei na minha alimentação?

Passei a incluir mais legumes nas minhas refeições, incluindo o pequeno-almoço. Para me ajudar a conseguir este objectivo, decidi fazer pré-preparações para as refeições da semana. As minhas pré-preparações são por ingredientes ou componentes e não tanto por pratos completos. Este método permite-me mais flexibilidade, sem o peso das ementas fechadas. Nas minhas pré-preparações há quase sempre legumes assados.

Uma das outras coisas que passei a fazer de forma regular foi sopa. Se queremos fazer uma alimentação saudável e equilibrada, um dos primeiros passos é incluir este "super alimento" que é a sopa nas nossas refeições.

Comer sopa é uma forma de incluirmos mais legumes na nossa dieta, é uma forma de ingerirmos mais água. A sopa é uma excelente maneira de iniciarmos uma refeição. E depois, temos a vantagem de pudermos fazer sopa de tanta coisa. Podemos ir variando as nossas sopas de acordo com os ingredientes da estação, podemos incluir leguminosas, entre tantas outras coisas.

Pela vossa saúde, não se esqueçam, comam sopa!

terça-feira, 16 de junho de 2020

Espetadas de frango com salsa, orégãos e limão


Junho brindou-nos com três feriados aqui em Lisboa. Entre um almoço com os sogros e um passeio à beira-mar que tanto adoramos, os restantes dias foram passados em casa.

Procurei avançar mais umas páginas no livro do jornalista Ricardo Dias Felner, O Homem que Comia Tudo. Este é um livro para quem gosta de comida e se interesse por gastronomia. Por exemplo, o texto em que o autor nos leva a conhecer as mecas do frango assado em Portugal e onde identifica, também, o primeiro restaurante que começou a fazer frango de churrasco, é muito interessante.

Cá em casa, somos fãs de séries. Para estes dias de feriado escolhemos a série de animação Love, Death & Robots. Episódios com pequenas histórias, umas mais interessantes do que outras,  mas as animações estão fabulosas. Gostei.

Quando gostamos de uma música, por vezes, deliciamo-nos a ouvir diferentes versões. Nestes dias ouvimos, de forma continua, I'm Calling You, música original do filme Café Bagdad, cantada por diferentes artistas. Fazer este tipo de exercício é tão giro e a música é sempre tão boa companhia.

Na cozinha, nestes dias, procurei dar destaque às saladas e aos grelhados, já a pensar na chegada do Verão.

segunda-feira, 15 de junho de 2020

Menu semanal #14


Começamos a contar os dias para a chegada do Verão. Para mim, é uma das minhas épocas do ano preferidas. Gosto de tudo o que associo ao Verão. Os dias longos, cheios de sol. O calor, as roupas leves. As idas à praia, as comidas frescas, os grelhados ...

Esta semana decidi partilhar um menu semanal a pensar nos dias quentes. Os critérios para a escolha das receitas foram os grelhados, as saladas, sopas frias e sobremesas frescas. Espero que gostem e que se inspirem! Boa semana!

Ver também menu semanal #13.

sexta-feira, 12 de junho de 2020

Salada grega


A salada grega, é daquelas saladas que, de uma maneira geral, toda a gente conhece. É feita com tomate, pepino, pimento, azeitonas, cebola roxa e queijo feta. Nos temperos, destacam-se o azeite e os orégãos. Na versão tradicional, por exemplo, o queijo feta é sempre servido em cima dos restantes ingredientes.

Para mim, é uma salada que associo ao Verão, ao tempo quente e às idas à praia. É uma salada fresca, crocante e muito colorida. Comida colorida é comida feliz, cheia de vida!

Pela sua simplicidade, a qualidade dos ingredientes faz toda a diferença nesta salada. Podemos servi-la, por um lado, como acompanhamento de carne ou de peixe grelhado ou, pode ser colocada na mesa como prato principal, para os dias em queremos fazer uma refeição mais leve. A receita da salada grega que partilho, hoje, convosco, é uma adaptação da receita tradicional.

terça-feira, 9 de junho de 2020

Sopa de quinoa com tomate e legumes


O que é que cozinho, mais vezes, cá em casa?

Esta é uma pergunta que me fazem muitas vezes e que me leva a reflectir sobre o tipo de alimentação que temos, cá em casa.

« Diz-me o que comes e dir-te-ei quem és! »

Procuro fazer uma alimentação variada, alternando pratos de peixe e de carne. Opto, muitas vezes, por fazer, durante a semana, uma ou outra refeição vegetariana. Há semanas, em que faço um pão, há outras em que amasso e cozo dois a três pães. O que cozinho está directamente relacionado com as dinâmicas da minha casa.

Mas o que sem dúvida faço mais vezes, cá em casa, são sopas. Seja Verão ou Inverno, procuro ter sempre sopa feita.

Partilho, hoje, convosco mais uma deliciosa sopa. Comer sopa só nos faz bem!

segunda-feira, 8 de junho de 2020

Menu semanal #13


Variarmos o que cozinhamos, todas as semanas, é uma forma de cuidar daqueles de quem gostamos. Para vos inspirar, deixo-vos mais um menu semanal, com ideias práticas de receitas que podem ser facilmente reproduzidas, em casa. Nos menus semanais, procuro dar sugestões de pratos de carne e de peixe, sopas e algumas opções vegetarianas. Espero que gostem!

Ver também menu semanal #12.

sexta-feira, 5 de junho de 2020

Cheesecake rápido de morango


Os morangos podem ser consumidos de múltiplas maneiras. Macerados com açúcar e hortelã e depois servidos com umas colheradas generosas de natas batidas, mergulhados em chocolate negro, ou então, saboreados ao natural. De qualquer das formas, são sempre irresistíveis. Têm múltiplas aplicações na cozinha, desde saladas doces a salgadas, compotas, geleias, gelatinas, bolos, sumos, iogurtes, entre muitas outras.

O morangueiro é uma planta da família das rosáceas, onde se incluem as rosas, as peras, as maçãs e as cerejas. Começou a ser cultivado pelos romanos em 200 a.C. e era valorizado pelas suas propriedades terapêuticas. No séc. XIV, os franceses, transplantaram a variedade selvagem, Fragaria Vesca, para os seus jardins. A utilização desta planta revelou-se mais ornamental pelas suas bonitas flores do que como alimento, apesar de uma parte da produção ser para consumo. Em 1368, o rei Carlos V ordenou ao seu jardineiro Jean Dudoy que plantasse nos jardins reais do Louvre 1.200 morangueiros. A partir do início do séc. XVI as referências à produção do morango são mais comuns e os botânicos identificam diferentes espécies.

Os morangos que encontramos actualmente à venda (Fragaria x ananassa Duch) são descendentes de um cruzamento casual entre duas espécies americanas levadas para a região francesa de Brest. Uma das espécies foi a Fragaria Virginia, nativa da América do Norte, muito aromática mas com frutos pequenos. Foi trazida para a Europa em 1624. A outra espécie foi a Fragaria Chiloensis nativa do Chile, com frutos do tamanho de uma noz e chegou a França, em 1714, por Amédée-Francois Frézier, um espião ao serviço de Luís XIV. O respectivo cruzamento possibilitou a produção e difusão do morango. A par do aprimoramento do cultivo foram surgindo também inúmeras espécies.

Botanicamente o morango não é uma fruta mas um pseudofruto ou “falso fruto”. Nos morangos, os verdadeiros frutos são os aquênios, os pontinhos a que chamamos sementes e que cobrem a pele do morango. O fruto doce, carnudo e suculento que tanto apreciamos é na realidade o receptáculo dos frutos.

Esta semana no Instagram do Cinco Quartos de Laranja tenho vindo a partilhar receitas descomplicadas que se fazem num abrir e fechar de olhos, com morangos. Viram? Desde papas de aveia até águas aromatizadas e tostas, entre outras sugestões.

Os dias quentes pedem sobremesas frescas e práticas. Na passada segunda-feira no programa Praça da Alegria da RTP1 preparei um cheesecake rápido de morango. Cá em casa, pediram tanto que voltei a fazer a receita.

Caso precisem, podem alterar as quantidades da receita ao vosso gosto. Por exemplo, caso prefiram uma base maior, acrescentem mais bolacha. Caso queiram fazer um recheio que renda mais, basta aumentarem a quantidade de queijo e de iogurte seguindo a mesma proporção. E o mesmo se pode fazer com os morangos. Para um resultado mais doce, aumentem a quantidade de açúcar.

Esta é uma sobremesa rápida para fazer e degustar, logo de seguida. No entanto, a base pode ser feita de véspera ou, umas horas antes de preparar os morangos para servir.

Sabe tão bem terminar as refeições, nesta altura do ano, com uma sobremesa fresca! Espero que gostem.

quinta-feira, 4 de junho de 2020

Borrego guisado com batatas


Cozinhar todos os dias para a família exige criatividade e disponibilidade. Se por um lado, cozinhar é cuidar daqueles de quem gostamos, a verdade, é que as exigências do dia-a-dia, deixam-nos, tantas vezes, com pouco tempo para cozinhar.

Cá em casa, tento fazer algumas pré-preparações que me ajudam a preparar no momento as refeições. Passei a partilhar, todas as semanas, um menu semanal que espero que vos ajude e inspire.

Aos fins-de-semana, é quando procuro preparar refeições, por vezes, mais substanciais, confecionadas ou no forno ou no tacho. Um destes dias, para um dos nossos almoços, fiz uma receita tradicional que tanto gostamos, borrego guisado com batatas. Tão bom!

quarta-feira, 3 de junho de 2020

Sopa de galinha com noodles de curgete


As sopas não são só para dias frios. As sopas, para mim, são para todos os dias! Um prato de sopa é muito reconfortante, é uma excelente maneira de iniciarmos uma refeição. As sopas ajudam-nos a ingerir mais água e acrescentam mais legumes à nossa alimentação.

Comer sopa só nos faz bem!

Quando falamos em sopa de galinha, a primeira que nos ocorre é a tradicional canja. Mas com a galinha e o seu caldo, podemos fazer tantas outras sopas. Partilho, hoje, uma dessas sopas feitas com galinha e que fica tão boa!

Não se esqueçam, na nossa alimentação é importante variarmos o que comemos, incluindo a sopa!

terça-feira, 2 de junho de 2020

Frango com amendoim e leite de coco


Uma das muitas coisas boas da globalização, é que nos permite ter acesso a produtos usados nas cozinhas de outras culturas. Permite-nos também viajar pelos sabores de outras geografias sem sairmos da nossa casa e, isso é, mesmo, muito especial.

Na semana passada, comemorou-se o Dia de África. Curiosamente, ainda não visitei nenhum país deste continente, mas conheço alguns dos ingredientes que ajudam a definir a cozinha africana. Num continente tão vasto e diferente, com tantas influências e cruzamentos, penso que é difícil definir o que é a cozinha africana. Concordam?

Para celebrar este dia, no programa A Praça da Alegria da RTP1, resolvi fazer um prato em que juntei alguns dos ingredientes usados em alguns países de África, como o óleo de palma, o amendoim, as especiarias, o cuscuz, o picante, o gengibre e o leite de coco. O resultado foi um prato tão saboroso e especial. Espero que gostem!

segunda-feira, 1 de junho de 2020

Menu semanal #12


De regresso ao trabalho, em casa, ou quase a partir de férias, em qualquer das situações, preparar as refeições da semana, para a família, continua a ser uma preocupação ou necessidade. Almoços, comida para levar para o trabalho, lanches e jantares, exigem organização e disponibilidade.

Para vos ajudar, deixo-vos mais umas deliciosas e práticas sugestões:

Ver também menu semanal #11.

sexta-feira, 29 de maio de 2020

Camarão com noodles de curgete e esparguete


A curgete é um dos legumes que adoro. É muito versátil. Pode ser consumida crua ou cozinhada. Podemos usá-la em mil e uma receitas. Gosto de a usar grelhada, de a misturar na sopa ou, até, ralar para juntar a uns ovos mexidos. Cá em casa, há tantas vezes, curgete cortada em forma de esparguete, pronta a usar.

Quando a Pescanova me desafiou a preparar uma receita com o miolo de camarão gigante, pensei logo numa receita que faço, muitas vezes, cá em casa e nos meus workshops. É uma receita muito prática, de um tacho só e, que se prepara, num abrir e fechar de olhos. Espero que gostem!

quinta-feira, 28 de maio de 2020

Pernas de pato no tacho com legumes


Cozinhar em casa tornou-se uma realidade para muitas famílias, nos últimos tempos. Talvez por isso, tenha recebido mais mensagens a perguntarem-me indicações sobre quais os utensílios básicos que podemos ter nas nossas cozinhas. Esse foi até o tema do último directo que fiz no Instagram do Cinco Quartos de Laranja e que podem ver na IGTV.

Para começarmos a comer melhor, em casa, é importante termos a capacidade de cortar a comida, cozinhá-la e servi-la. Para que esta tarefa seja mais fácil e, agradável, é importante termos alguns equipamentos e utensílios que nos facilitem a vida.

As facas são das coisas que considero básicas a ter, numa cozinha. De preferência, um conjunto de facas que incluam uma faca de descascar e uma faca de chefe ou uma santoku. A faca do pão é essencial e, se puderem, tenham também uma faca pequena de serrilha que permita cortar tomate. Se temos um bom conjunto de facas é importante termos um amolador.

Ainda relacionado com o cortar, tenham na gaveta da cozinha uma ou duas tábuas de corte. Gosto de usar tábuas de plástico, porque não absorvem os odores facilmente e podem ser lavadas na máquina da loiça. O peso da tábua é importante para que quando estivermos a trabalhar não escorregue e salte na bancada. Antes de começar a cortar ou picar, costumo colocar, sempre, por baixo da tábua, uma folha de papel absorvente ligeiramente humedecido.

Gosto de ter, também, uma vara de arames, copos e colheres medidoras, um tapete de silicone, taças e tigelas para misturar ingredientes ou fazer marinadas - de preferência de vidro ou cerâmica, para não absorverem sabores - e diferentes tipos de escorredores. Adoro ter um espremedor de alho e um ralador.

Pinças, espátulas, esmagador de batata, concha, escumadeira, um termómetro, tabuleiro e travessas de forno, dão sempre imenso jeito. Um centrifugador de legumes, para secar as folhas depois de lavadas, que tanto uso nas saladas, é muito útil. Colheres de pau e luvas de forno, cá em casa, nunca são demais.

Na minha cozinha, é fundamental ter uma chaleira eléctrica, um processador e um liquidificador. Apesar de ter um robot de cozinha onde faço todas as semanas, sopa, a verdade é que não dispenso ter uma varinha mágica.

Na cozinha, é também importante termos, pelo menos, duas frigideiras. Uma antiaderente e uma de inox, com um fundo espesso, que nos permita, por exemplo, fazer um bife. É importante termos um conjunto de, pelo menos, um tacho e uma panela. Confesso que tenho um conjunto, com tachos e panelas de diferentes tamanhos. Caso possam fazer este investimento, terão mais possibilidade de escolha. Se cozinhamos em casa, vamos precisar de caixas para guardar a comida no frigorífico ou congelador.

Cá em casa, tenho também tachos de ferro fundido. Estes tachos conduzem o calor de forma muito eficaz e são bastante versáteis. Uso-os para cozer pão. São óptimos para fazermos risotto, assim como, estufados. Adoro fazer assados de forno nos tachos de ferro fundido. Ficam tão bons! Mesmo para quem vai começar a cozinhar, este pode ser um bom investimento para a vossa cozinha.

quarta-feira, 27 de maio de 2020

Como fazer noodles ou esparguete de curgete?


Noodles de curgete, zoodles ou esparguete de curgete?
São estas as designações, com que muitas das vezes, nos deparamos quando se fala da curgete cortada como se fosse esparguete.

Como fazer noodles ou esparguete de curgete? Que utensílios podemos usar?
Para fazermos os noodles ou esparguete de curgete, partilhei recentemente no Instagram do Cinco Quartos de Laranja um vídeo com os diferentes utensílios que podemos usar.

Podemos fazer o esparguete de curgete de diferentes maneiras. O esparguete de curgete é muito usado em receitas vegetarianas e isentas de glúten. É, também, utilizado por quem procura variar e incluir mais legumes na sua alimentação.

O esparguete de curgete é muito versátil. Podemos cortar a curgete desta forma e usá-la em substituição do esparguete, ou juntá-la a um prato de massa e assim incluirmos mais um legume no nosso prato. Podemos usá-la em sopas, saladas, salteada, entre muitas outras utilizações.

Para cortarmos a curgete em tiras finas a fazer lembrar o esparguete podemos usar um espiralizador. Este utensílio exige, por vezes, um pouco de esforço da nossa parte, mas o resultado final é bom.

Podemos recorrer a um cortador de juliana, é pequeno e por isso não ocupa muito espaço na gaveta da cozinha, e a uma mandolina. Os noodles de curgete feitos com estes cortadores ficam mais finos. Cortar a curgete com a mandolina é mesmo muito rápido. Mas cuidado com os dedos!

A forma mais prática de fazermos noodles é usarmos um cortador eléctrico. Há no mercado várias opções. Há até adaptadores de corte que se colocam nas batedeiras. Há varinhas mágicas que trazem utensílios que permitem cortar em juliana. É importante percebermos se o cortador deixa os noodles de curgete com muita água.

Numa ida às compras, vão ver que encontram os diferentes utensílios de que falo.

Nas minhas pré-preparações costumo fazer noodles de curgete para depois usar nas refeições da semana. Coloco-os numa caixa com papel absorvente e aguentam-se cerca de dois a três dias.

Fazer esparguete ou noodles de curgete é tão fácil!

terça-feira, 26 de maio de 2020

Arroz frito com couve-flor e frango


O tempo quente traz a vontade de comidas frescas e coloridas. No dia-a-dia, cozinhar em casa para a família, é uma necessidade e se pudermos fazer esta tarefa de forma prática e, sem sujar muita loiça, isso é excelente.

Para a rubrica Oliveira da Serra resolvi fazer mais uma receita de um tacho só. O resultado foi um prato cheio de cor e sabor, que pode ser feito para dar destino a sobras ou para utilizar alguns legumes que tenhamos no frigorífico. Uma receita prática, colorida e feliz!

segunda-feira, 25 de maio de 2020

Menu semanana #11


O que cozinhar esta semana?

Para vos ajudar a responder a esta questão, seleccionei um conjunto de sugestões, que espero que vos sirvam de inspiração.

Ver também menu semanal #10.

sábado, 23 de maio de 2020

Uma ajuda na preparação de comida colorida


Fazer sopa é um hábito que valorizo e tento promover. A sopa é uma excelente forma de começar uma refeição, é uma maneira de incluirmos mais legumes na nossa alimentação. A sopa é um alimento para toda a família. Quando chegamos a casa tarde, ter uma sopa feita, pode ser uma excelente forma de conseguirmos fazer uma alimentação equilibrada.

A conversa que tive com Ana Garcia Martins, conhecida como A Pipoca Mais Doce, no âmbito do projecto Samsung Food Skills, começou pelo modo como gerimos a alimentação da família e como devemos incutir valores à mesa. Falámos da importância da sopa.

A sopa é uma preparação que nos permite ser sustentáveis na cozinha. Podemos fazer sopas com o que há no frigorífico numa tentativa de aproveitamento. A sopa que preparámos durante a nossa conversa foi uma sopa de lentilhas vermelhas com leite de coco. Uma sopa perfumada que nos faz viajar.


Tive a oportunidade de mostrar à Ana, algumas das características do Family Hub, como a possibilidade de ver o interior do frigorífico sem abrir a porta, para além de podermos ter uma agenda partilhada e até deixar recados para a família!



O Samsung Family Hub, é mais do que um frigorífico, é um excelente aliado na gestão da nosso dia-a-dia.

Ver também:
- Quando o frigorífico nos ajuda a não desperdiçar;
- Planear as refeições com a ajuda do frigorífico;
- E se o frigorífico nos ajudasse a organizar as nossas compras?

quinta-feira, 21 de maio de 2020

Tostas com queijo cottage e curgete


Um dos sinais nos mercados de frutas e legumes da chegada dos dias quentes é a abundância de curgetes. Verdes, brancas, laranjas, amarelas, riscadas a verde e branco, redondas ou alongadas, chegam em grande força, para nossa satisfação, entre Maio e Julho, apesar de as encontrarmos já durante todo o ano, à venda. A curgete é da família das abóboras, parente próximo do pepino e do melão. Apesar das diferentes variedades, todas as curgetes se caracterizam por um sabor delicado, e todo o legume é comestível, desde a casca, polpa e sementes.

A palavra portuguesa, curgete, vem do francês courgette que significa pequena abóbora. É conhecida no Brasil como abobrinha e foi Cristóvão Colombo que trouxe as sementes do Novo Mundo para Espanha. A curgete tem múltiplas utilizações na cozinha. Entre tantas outras coisas, pode substituir a batata nas sopas.

Tenras, cortadas em fatias finas, fazem deliciosas saladas. Grelhadas e servidas com lascas de queijo e um fio de azeite, são de comer e chorar por mais. Recheadas com legumes e queijo fazem-nos sonhar com dias bonitos. Podem ser usadas em bolos, em suflés, pães e transformadas em compota. Servem de acompanhamento a carne e a peixe. Combinam bem com pratos de massa ou arroz. É ingrediente obrigatório no conhecido prato francês ratatouille, cuja preparação, no filme com o mesmo nome, conquistou o exigente crítico de gastronomia, Anton Ego.

As flores de curgete, tanto as femininas como as masculinas, são também comestíveis, apesar de nos mercados nacionais ainda ser difícil encontrá-las. Tornam-se uma verdadeira iguaria quando fritas previamente passadas por polme, recheadas ou usadas em tartes. Experimentem juntá-las a uns ovos mexidos para servir com torradas ao pequeno-almoço. Delícia! As curgetes são um excelente alimento para colocar no prato este Verão!

E para vos inspirar, deixo-vos uma receita muito prática, que pode ser servida como entrada, lanche ou para uma refeição rápida num dia de sol.

quarta-feira, 20 de maio de 2020

Bifes de atum com ervas e limão


Os livros, são uma companhia tão preciosa. Para além de serem companheiros, permitem-nos viajar, reflectir, aprender. Gosto tanto de livros!

Em Abril, chegou às livrarias o meu último livro, feito em parceria com o gastrónomo, Virgílio Nogueiro Gomes, Petiscos de Açúcar e de Mel. Já têm? São mais de quarenta receitas doces.

Em termos de leituras, comecei a ler Mau Tempo no Canal de Vitorino Nemésio. É a segunda vez que começo a ler esta obra. A primeira, foi há uns anos atrás, quando comecei a visitar os Açores. Este ano, decidi que tinha que o ler.

Uma das obras que chegaram, cá a casa, recentemente, foi o último livro do jornalista Ricardo Dias Felner, O Homem que Comia Tudo. Lê-se tão bem e permite-nos viajar por diferentes geografias e cozinhas.

Tal como os livros, há pratos que nos fazem viajar. As viagens de sabores tornam-se tão especiais. Quando faço um prato de cuscuz, penso no Norte de África, quando faço caril vou até à Índia, quando cozinho atum, viajo até ao Algarve e lembro-me tanto dos Açores.

segunda-feira, 18 de maio de 2020

Menu semanal #10


Mais uma semana que começa. Partilho, hoje, convosco, um conjunto de sugestões para vos ajudar a organizar o menu da semana. Não são sugestões para seguir à letra, no entanto, espero que vos inspirem, que vos ajudem a tirar ideias e, que sejam uma mais valia no momento de pensarem as refeições da semana, para a família.

O menu é pensado para ir alternando pratos de peixe e de carne, com uma ou outra, opção vegetariana. Tem também sugestões de sopas e, por vezes, algumas sobremesas.

Ver também menu semanal #9.

sexta-feira, 15 de maio de 2020

Frango assado no forno com mostarda e maionese


Todos os anos nesta altura gosto de fazer uma limpeza e destralhar um pouco. Já comecei. Este ano decidi dar uma grande volta às revistas. Para mim, escolher e seleccionar as revistas que quero manter, as que quero levar para a casa em Santarém e as que terão que ir para reciclagem, é sempre tão difícil. Quando me mudei para a casa onde hoje vivo, tive que deixar para trás toda a coleccção de revistas Grande Reportagem. Lembram-se? Adorava. Comprei desde o primeiro número. Mas a verdade é que temos que fazer escolhas e o espaço é cada vez uma questão que temos que saber gerir da melhor forma, principalmente quando temos uma casa pequena.

Quando penso em destralhar, faço-o por partes, ou seja, escolho uma área e tento dedicar-me a ela até ter conseguido os meus objectivos. Para terem uma ideia, costumo destralhar algumas das zonas da casa como o closet, o escritório, onde ainda existe uma área proibida, intocável, que é a área das gavetas dos CDs de música. A dos filmes em DVD, já desapareceu, mas ainda mantemos o leitor! Curioso, não é?

Aos poucos e poucos vamos arranjando espaço que mais cedo ou mais tarde acabamos por preencher com novas coisas. É um ciclo. Mas sabe bem fazer o processo de destralhar, limpar, rever o que temos e o que não usamos. Renovamos espaços e emocionalmente isso traz-nos uma sensação boa.

Para os dias em que ando mais ocupada, uma das coisas que gosto de fazer em termos de comida, são pratos de forno. São práticos e libertam-nos. Enquanto estão no forno, podemos ir fazendo outras coisas. Um dos últimos assados que fiz cá em casa, foi um delicioso frango.