Próximos Eventos
Lisboa 26 de Outubro de 2019
Sábado:
10h00 - 13h00      Workshop Pré-preparações e Refeições da Semana
 
 
15h00 - 19h00      Workshop Vamos Fazer Pão?
Inscrições/Vouchers: escola@istofaz-se.pt   218 078 640 IstoFaz-se

sexta-feira, 18 de outubro de 2019

Quiche de camarão com espargos


Há receitas que são sempre tão práticas e que se fazem nas mais diversas alturas, seja para uma festa, seja para uma refeição rápida ou para levar para o trabalho. Por vezes, servem até para darmos destino a algumas sobras.

Uma das receitas que resulta bem para as mais variadas ocasiões são as quiches. Sabem bem mornas ou frias. Nos dias em que queremos fazer uma refeição rápida, podem ser um excelente acompanhamento para, por exemplo, uma sopa. Tornam-se uma deliciosa refeição servidas com uma generosa salada mista. São óptimas para petiscar a meio da tarde. Uma fatia de quiche sabe sempre tão bem!

Quando a Parmalat me desafiou a preparar uma receita com a sua Nata com Sabores do Mar, decidi fazer uma quiche. Aproveitei umas sobras de camarão cozido que tinha, juntei-lhe uns espargos e o resultado foi uma tarte, deliciosa, que nos faz viajar pelos sabores do mar.

quinta-feira, 17 de outubro de 2019

Marmelada tradicional


Em tempo de marmelos, faz-se marmelada. Penso que de Norte a Sul, esta é a opção escolhida por muitas famílias para dar destino aos marmelos.

Adoro marmelos. Tento aproveitá-los da melhor forma nesta altura do ano, até os uso em pratos salgados. Costumo assar sempre no forno. Houve um ano que fiz marmelo cozido em calda, que fica maravilhoso. E claro, todos os anos faço marmelada. Por curiosidade, o sufixo - ada, significa que é um doce que permite o corte. E é assim que eu gosto da marmelada, com uma consistência que se possa cortar às fatias.
Aprendi a fazer marmelada usando a seguinte proporção 1 kg de marmelo limpo para 1 kg de açúcar. Por vezes, gosto de tirar um pouquinho de açúcar, até porque não faço muita quantidade e entre a que se consome cá em casa e que vamos oferecendo, a verdade é que lhe damos destino muito rapidamente.

quarta-feira, 16 de outubro de 2019

Quinoa com couve kale e lascas de bacalhau


Comemora-se, hoje, 16 de Outubro, o Dia Mundial da Alimentação. Comer bem, é cada vez mais uma preocupação, num mundo em que os produtos processados estão ao alcance de todos, são muito baratos comparativamente com a comida de verdade, a carne, o peixe, os legumes, e por isso, tornam-se, também, muito apetecíveis quando vamos às compras.

Termos consciência do que comer bem, é meio caminho andado para fazermos as escolhas mais acertadas. Ao escolhermos fazer uma alimentação equilibrada, um dos aspectos a ter em conta, é as gorduras que usamos para cozinhar. Uma das que privilegio, cá em casa, é o azeite. Uso-o para cozinhar, para temperar e até, por vezes, para fritar.

Para cada preparação, podemos escolher um azeite diferente. No mercado encontramos três categorias de azeite à venda: Azeite Virgem Extra, Azeite Virgem e Azeite.

O Azeite Virgem Extra é o sumo puro da azeitona, sem qualquer defeito sensorial ou organolético. Normalmente apresenta uma acidez entre 0 e 0,8%. Esta categoria de azeite deve ser a nossa escolha quando queremos temperar a cru.

Azeite Virgem, é um azeite que não chegou à categoria do Azeite Virgem Extra, por eventualmente apresentar alguns defeitos ligeiros ou ter uma acidez superior a 0,8%. Nesta categoria a acidez não pode ser superior a 2%. Estes azeites são bons para cozinhar.

Azeite - contém azeite refinado e Azeite Virgem, é um azeite que resulta de uma mistura de azeite lampante com Azeite Virgem. O azeite lampante apresenta uma acidez superior a 2% e uma quantidade considerável de defeitos ao nível do cheiro e sabor. Este tipo de azeite só pode ser consumido depois de refinado. Este processo limpa-o de sabores desagradáveis, melhora a cor e baixa a acidez, que será igual ou inferior a 1%. É indicado para fritar. Não o utilizem para temperar a cru.

Devemos escolher o azeite não tanto pela acidez, mas pela qualidade, ou seja, saber se ele é ou não Azeite Virgem Extra.

Neste Dia Mundial da Alimentação, deixo-vos uma receita preparada a convite da Oliveira da Serra. Para temperar, cozinhar ou fritar, o azeite escolhido faz toda a diferença!

terça-feira, 15 de outubro de 2019

Queques de bacon recheados com ovo cozido


Adoro variar os pequenos-almoços. Gosto de começar os dias com comida diferente. Vivemos numa época em que temos tantos produtos à nossa disposição, que variar o que comemos, só depende de nós.

Quando a Primor me desafiou a desenvolver uma receita com o seu bacon extra, pensei numa sugestão prática para os pequenos-almoços. Para os dias em que temos tempo ou, para os dias em que dá jeito ter algo pronto para pegar e levar. O resultado foram uns deliciosos e surpreendentes queques recheados com ovo cozido. Para além dos pequenos-almoços, estes queques são também bons para colocar nas marmitas.

segunda-feira, 14 de outubro de 2019

Creme de brócolos com canónigos


O que é comer bem? A alimentação é tão importante para o nosso bem estar físico, social e emocional, que responder a esta questão, aparentemente simples, se revela bastante complexo. Uma das obras, a que recorro regularmente, sobre este tema, é o livro Comer Bem é o Melhor Remédio de Alexandra Bento. A autora tem uma posição sobre a comida e sobre o modo como nos deveremos orientar, com a qual me identifico.

Há princípios, que de uma maneira geral, todos sabemos e que devem reger as nossas escolhas em termos alimentares. Deveríamos reduzir o consumo de açúcar. Reduzir o consumo de sal e de gorduras más. Optar por comer comida de verdade, carne, peixe, fruta, leguminosas, hortaliças, pão. Evitar as comidas processadas. Mas na prática, na correria dos dias, como é que podemos comer bem? Que escolhas devemos fazer para conseguirmos comer bem?

Um dos primeiros passos a dar, no sentido de fazermos uma alimentação equilibrada, está associado à organização e a seguir é cozinharmos em casa, fazendo, por exemplo, pré-preparações. Podem achar estranho, mas a organização está associada ao comprometimento. Se queremos comer bem, temos que nos envolver nessa tomada de decisão e, em casa, cozinhar. Ao cozinharmos somos nós que fazemos as escolhas.

Façam refeições variadas. Comer sempre o mesmo, não nos traz nem saúde nem felicidade. Variar a carne e o peixe. Aumentem a quantidade de legumes servidos às refeições. Batatas fritas e arroz, são acompanhamentos que fazem muita gente feliz, mas há outros igualmente interessantes.

Comer, um pouco de tudo, com equilíbrio e moderação, é quase sempre uma boa opção. No entanto, a sopa é uma das preparações que deve fazer parte dos menus de quem quer comer bem. Façam sopa, podem até fazer em quantidade e congelar em doses. Faço sopa todas as semanas, por vezes, até mais do que uma vez. E claro, tentamos também variar as nossas sopas.

sexta-feira, 11 de outubro de 2019

Robalos assados no forno com batatas


O Outono traz mudanças. Muda o tempo e muda, também, a nossa vontade de comer e de cozinhar. O Outono pede o aconchego de pratos quentes, que nos reconfortem o corpo e alma. E por isso, passamos, nesta altura do ano, a fazer mais pratos de tacho e de forno.

Confesso que adoro pratos de forno. São práticos e libertam-nos para outras tarefas. Deixo-vos, hoje, uma receita deliciosa e muito reconfortante, robalos assados no forno com batatas.

quinta-feira, 10 de outubro de 2019

Caril de lentilhas


Todos nos preocupamos, cada vez mais, com o que comemos. Para fazermos uma alimentação equilibrada é importante, também, procurarmos alternativas e experimentarmos sabores novos.

Comer bem, é variar o que se come. É colocar no prato proteínas de boa qualidade, hidratos e legumes. Confesso que, hoje em dia, não me seduzem pratos em que o acompanhamento sejam batatas fritas e arroz. É bom, é. Sabe bem, claro. Mas, quando queremos mudar a nossa alimentação temos que interiorizar que apesar de nos saber bem, não nos faz assim tão bem.

Sem queremos ser radicais, em vez das batatas fritas, sirvam uns legumes cozidos ou assados. Mudarmos a nossa alimentação não é algo que se faça, de um dia para o outro. É um processo. Também temos que dar tempo ao palato para se habituar e, também, precisamos de tempo para interiorizarmos novas práticas.

De há uns tempos para cá, decidi, que tenho que introduzir mais leguminosas na minha alimentação. Para além do feijão e do grão-de-bico, passei a ter também lentilhas de várias cores na despensa.