Próximos Eventos
Lisboa 24 de Novembro 2018
Sábado:
10h30 - 13h30      Workshop O Natal com Coelho
Inscrições gratuitas até 24h de 20 Novembro: cincoquartosdelaranja.com

sexta-feira, 16 de novembro de 2018

Queques de abóbora com pepitas de chocolate


As sextas-feiras são sempre dias que nos enchem de esperança. As sextas-feiras anunciam a chegada do fim-de-semana que, por norma, são dois dias que nos ajudam a quebrar a rotina. A abrandar. Trazem com eles a sensação de termos mais tempo para as nossas coisas, para dar atenção à família, para irmos às compras, para tomar café enquanto se lê o jornal.

Uma das coisas que gosto de fazer ao fim-de-semana é ir para a cozinha e preparar uma coisa doce. Uns biscoitos, um tabuleiro com bolachas, um bolo ... Há uns tempos, para partilhar com a família, numa tarde de Domingo com direito a lareira acessa, fiz uns deliciosos queques de abóbora a que juntei duas mãos cheias de pepitas de chocolate. Ficaram divinamente gulosos!

quinta-feira, 15 de novembro de 2018

Salada de bacalhau com broa de milho


Olhei, hoje, para o calendário e reparei que faltam apenas 40 dias até ao Natal, pouco mais de um mês. Por todo o lado já se começa a sentir a azáfama associada a esta época, para mim, uma das mais bonitas do ano. Há luzes e enfeites, por onde se quer que ande. As lojas encheram-se de motivos de decoração, pinheiros, bolas, pais-natais de todos os tamanhos e feitios.

Uma das coisas boas do Natal, é podermos decorar a casa, montar o pinheiro, e estar com a família. Costumo fazê-lo no primeiro dia de Dezembro, porque este é que é o mês do Natal. Mas com isso não quer dizer que não se comece a preparar antes. Não deixem para o fim a compra dos presentes. Se fizerem uma lista e forem comprando, é muito mais fácil e evitam os stresses de última hora

Na minha família adoptámos uma estratégia, há uns anos atrás, que nos ajuda a todos. Para as crianças damos presentes em conjunto. Ou seja, entre cunhados e sogros, definimos um valor por casal e oferecemos um presente. Como somos sete, cada criança recebe um e não quatro ou cinco presentes. Tão mais fácil para todos.

Enquanto começamos a preparar o Natal, deixo-vos, hoje, uma salada. Uma salada de bacalhau com broa de milho que fica muito saborosa e que poderá ser uma boa sugestão para aproveitar algumas sobras dos dias de festa.

terça-feira, 13 de novembro de 2018

Queques de quinoa com bacon de peru


A quinoa é um dos ingredientes que uso, há vários anos. Penso que tenho receitas de quinoa em quase todos os meus livros. Para além de ser considerada um super alimento, este pseudo-cereal é muito versátil e permite que se faça mil e uma preparações.

Quando a Primor me desafiou a fazer uma receita com o seu bacon de peru, pensei logo em juntá-lo com quinoa. O resultado foram uns deliciosos pastéis que se comem, num instante. São óptimos para um lanche, a meio da tarde, para servir nos pequenos-almoços de domingo, ou para servir como refeição. Acompanham tão bem uma salada de verdes. Cá em casa são sempre um sucesso.

segunda-feira, 12 de novembro de 2018

Workshop O Natal com Coelho, em Lisboa


No sábado, dia 24 de Novembro de 2018, em Lisboa, no Lisbon Cooking Academy, das 10h30 às 13h30 iremos ter o workshop O Natal com Coelho. A carne de coelho é um ingrediente muito versátil que nos permite a realização de mil e uma receitas. É equiparada às carnes brancas.

O Natal com Coelho vai ser um workshop muito especial, onde teremos a oportunidade de confeccionar várias receitas com carne de coelho, todas muito práticas, e que poderão servir de inspiração para os dias de festa que se avizinham. Iremos preparar uma tentadora salada de Natal, uma deliciosa bola, pratos de tacho e de forno. Vamos fazer uma mesa repleta de deliciosos pratos de coelho para servirem, à família, este Natal. No final, degustamos tudo o que foi confeccionado.

A campanha europeia de incentivo ao consumo de carne de coelho vai oferecer convites duplos aos leitores do Cinco Quartos de Laranja para este workshop. O convite está feito. Quem quiser viver esta experiência basta:

- Levar consigo um exemplar do meu livro Cozinha para Dias Felizes;

- Inscrever-se através do preenchimento do formulário a seguir apresentado, até às 24h do dia 20 de Novembro de 2018.

Serão seleccionados aleatoriamente 9 convites duplos para o workshop. Os contemplados serão contactados, a partir do dia 21 de Novembro de 2018. Cada convite é válido para duas pessoas.

Sábado, dia 24 de Novembro, vamos cozinhar com coelho? Inscrevam-se!


sexta-feira, 9 de novembro de 2018

Coroa recheada com creme de cacau e avelã


Já se sente a chegada do Natal. Nas ruas, as montras das lojas encheram-se de luzinhas, de ideias para presentes ou com sugestões coloridas para decorarmos a casa, nesta altura do ano. Esta é uma das minhas épocas preferidas. Não pelos presentes em si, mas por tudo o que esta quadra representa. Juntar a família. O convívio à volta da mesa. A partilha. A escolha dos menus para as diferentes refeições. A divisão de tarefas. O entusiasmo com que se vive tudo isto, é mágico.

As festas de Natal, na minha família, fazem-se à volta da mesa. E se os pratos principais estão tradicionalmente definidos, os doces para as sobremesas, ou para acompanhar o chá, não. A minha escolha recai nas massas lêvedas. Ora faço bolo-rei, uma trança ou uma coroa. Para quem, como eu, anda sempre à procura de ideias para colocar na mesa de Natal, deixo-vos, hoje, a receita feita a convite da Fermipan, de uma deliciosa coroa recheada com creme de cacau e avelã.

Fermipan é um fermento biológico feito à base de leveduras e isento de glúten. É ideal para todo o tipo de massas lêvedas, à base de farinha, ou seja, massas que têm de passar pelo processo de fermentação antes de serem cozidas.

quinta-feira, 8 de novembro de 2018

Feijoada de pato


Os dias de Outono pedem o conforto de pratos quentes. Cá em casa, nesta altura do ano, adoro fazer pratos de forno e de tacho. Pratos substanciais que nos ajudam a superar o desconforto dos dias frios, com chuva e vento. Dos dias que nos obrigam a sair de casa com botas, casaco, cachecol e guarda-chuva. Dos dias em que nos apetecia era ficar em casa, a ver a chuva a cair da janela da sala, enquanto se bebia um chá, sentados no conforto de um sofá e ouvíamos algumas das nossas músicas preferidas, a tocar na aparelhagem, já velhinha, escolhida para o móvel castanho herdado há tantos anos. Aquelas músicas que nos inspiram, que nos deixam felizes e que ouvimos, vezes sem conta.

Para um destes dias, de Outono, frios e com chuva, em que nos apetece ficar em casa, deixo-vos um prato que nos aquece o corpo e alma, uma feijoada de pato.

quarta-feira, 7 de novembro de 2018

Caril de bacalhau com camarão e couve-flor


Cá em casa, tentamos variar a nossa alimentação. Felizmente, hoje em dia, temos uma grande variedade de produtos à nossa disposição, numa ida às compras. Podemos assim, fazer pratos diferentes com muita regularidade.

Se há pratos tradicionais que fazemos, quando juntamos a família, porque sabemos que todos gostam e é mais fácil, no dia-a-dia, ou para uma refeição com amigos, adoro fazer coisas diferentes. Há, já algum tempo, que queria experimentar fazer um caril de bacalhau. Um destes dias, para um almoço demorado, com tempo para rir e conversar à mesa, foi esta a escolha. E ficou tão bom!

terça-feira, 6 de novembro de 2018

Musse de chocolate com azeite


O azeite é a alma de tantos dos nossos pratos. Um peixe cozido regado com um azeite, de qualidade, transforma-se. Uma taça de azeite para molhar o pão, antes de começarmos uma refeição, é algo que nos deixa felizes. É ingrediente indispensável na minha cozinha e provavelmente na vossa também. Cresci a ver colocar a garrafa de azeite na mesa.

Mas o azeite não é só tempero. O azeite tem um papel tantas vezes de melhorador. Uma sopa, um assado, um peixe grelhado, uma carne, uns legumes salteados, as saladas, os molhos, a maionese - que tanto gostamos- ficam tão bons quando se usa azeite, esse líquido poderoso e precioso. Nunca me esqueço da primeira vez que estive em Itália. Num dos jantares, uma das colegas italianas rega com um fio de azeite a carne fatiada de uma costeleta de vitela grelhada que partilhávamos. O sabor do azeite na carne, transformou-a. E era maravilhoso! Até à altura não me passava pela cabeça colocar azeite numa carne grelhada. Quando regressei, passei a fazer o mesmo.

Fazer azeite é um processo que requer arte e saber. E por isso, fiquei muito contente quando a Oliveira da Serra me convidou a preparar uma receita com um dos seus azeites, considerado o melhor do mundo, na categoria Frutado Verde Ligeiro, num prestigiado concurso internacional, e que se encontra à venda numa edição especial. Este azeite conjuga diferentes variedades, como a Arbequina, a Cobrançosa e a Picual, revelando na boca uma mistura de aromas verdes que nos surpreende.

E se o azeite é bom na comida, a verdade é que se usa muitas vezes em sobremesas. Tantos são os bolos, os gelados, os pudins, os biscoitos ou as bolachas que têm o azeite como ingrediente. E se juntarmos azeite a uma deliciosa musse de chocolate? Cá em casa, adorámos o resultado final. Simplesmente irresistível!

segunda-feira, 5 de novembro de 2018

Workshop Receitas Práticas com Salmão, em Lisboa


No sábado, dia 17 de Novembro de 2018, em Lisboa, no Lisbon Cooking Academy, das 17h00 às 20h00 iremos ter o workshop Receitas Práticas com Salmão. O salmão é um peixe de elevado valor nutricional. Cozinha-se rapidamente e é muito versátil. Pode ser ingrediente para mil e uma receitas, na nossa casa.

Receitas Práticas com Salmão vai ser um workshop muito especial, onde teremos a oportunidade de confeccionar várias receitas com salmão, todas muito práticas, e que poderão servir de inspiração para diferentes momentos, à volta da mesa, seja para refeições a dois, ou para toda a família. Iremos preparar saladas, pratos de forno e muitas outras coisas boas com este saboroso peixe.

A Seafood From Norway vai oferecer convites duplos aos leitores do Cinco Quartos de Laranja para este workshop. O convite está feito. Quem quiser viver esta experiência basta:

- Levar consigo um exemplar do meu livro Delicioso Piquenique;

- Inscrever-se através do preenchimento do formulário a seguir apresentado, até às 24h do dia 13 de Novembro de 2018.

Serão seleccionados aleatoriamente 9 convites duplos para o workshop. Os contemplados serão contactados, a partir do dia 14 de Novembro de 2018. Cada convite é válido para duas pessoas.

Sábado, dia 17 de Novembro, vamos cozinhar com salmão? Inscrevam-se!


sexta-feira, 2 de novembro de 2018

10 dicas para quem quer fazer pão em casa


Compro, algumas vezes, pão nas padarias e supermercados. Compro principalmente quando vejo um pão com uma combinação, ou um ingrediente, que me desperta a curiosidade. Por exemplo, há uns anos passei por Aveiro, e não resisti a comprar pão com algas. Gosto de comprar pão quando visito alguma cidade. Compro pão, de vez em quando, para consumirmos no dia-a-dia ou para fazer alguma receita que pede um determinado tipo de pão. Mas, a verdade, é que desde que comecei a fazer pão em casa, passei a olhar para este alimento de outra forma. E já não sou só eu. A família, sempre que há um almoço ou jantar, ao pegar o pão que está na mesa, pergunta logo: « Foste tu que fizeste? ». O pão feito em casa é único e verdadeiramente especial. Tem sempre um sabor diferente, intenso, guloso e podemos fazer mil e uma combinações de ingredientes.

Fazer pão em casa, pode, à partida, parecer complicado. Juntar as farinhas, escolher a levedura, acertar a quantidade de água, o sal. Amassar. Deixar a levedar. Perceber se já está lêvedo, ou se já levedou demais. Enrolar e colocar o pão no forno. As massas têm os seus caprichos que mudam do Verão para o Inverno, dos dias secos e quentes para os dias húmidos. Mas, quando se compreende as massas, fazer pão é mágico. Há algo de primordial no processo de fazer pão. Algo que nos deixa felizes. E quando começamos a fazer pão queremos partilhar essa alegria com os outros.

10 dicas para quem quer começar a fazer pão, em casa, ou para quem já faz e quer melhorar:

1. Ler a receita do princípio ao fim. Já deve ter acontecido a todos, ver a imagem de um pão ou receita com um aspecto maravilhoso e quando se coloca as mãos na massa, percebermos ou que nos falta algum ingrediente, ou que a receita exige técnicas ou equipamentos que não temos. Há receitas de pão que pedem, por exemplo, pré-fermentos feitos de véspera. Ler sempre a receita do princípio ao fim, ver se entenderam tudo - há receitas mais claras do que outras - e só depois, então, partir para a acção.

2. Fazer a mise en place. Ou seja, colocar, na bancada de trabalho, os ingredientes pesados e pela ordem que devem entrar na receita. Termos todos os ingredientes, à mão, ajuda-nos a poupar tempo e é uma forma de não nos esquecermos de nenhum. Imaginem, começarem a fazer uma massa, colocarem a farinha e mais alguns ingredientes e entretanto já não saberem se colocaram o sal ou a levedura seca, por exemplo! Ou então, irem pesar um ingrediente que se aperceberam que falta, quando já começaram a amassar! Assim com tudo disposto e organizado é muito mais fácil.

3. Usar uma balança digital. Estas balanças ao mostrarem o peso, permitem uma maior precisão. Passei a pesar também os líquidos. Se a receita diz 340 ml de água podem colocar 340 g. Para resultados mais consistentes, pesem tudo. Incluindo os ovos, azeite, etc. No entanto, para quantidades muito pequenas, recorro a colheres medidoras.

4. Escolha da levedura. Podem optar por levedura fresca. Encontra-se facilmente à venda nos supermercados em cubos de 25 ou 45 g, guarda-se no frigorífico e dura um mês. Ou por levedura seca, óptima para usar quando fazemos pão que requer pouca quantidade de fermento, ou para os nossos pré-fermentos. Esta levedura, em comparação com a fresca, apresenta uma maior durabilidade. Nas receitas quando se quer converter a levedura fresca para seca, usa-se 1/3 desta última. Ou seja 30 g de levedura fresca corresponde a 10 g de levedura seca. A levedura fresca pode-se congelar, mas como é um ser vivo, à medida que o tempo passa, pode ir perdendo a sua capacidade de fermentação. Ao descongelar, usa-se um pouco mais.

5. Amassar. Podem amassar à mão, usando um robot de cozinha ou uma batedeira. À mão, para que o glúten se desenvolva, normalmente aconselha-se a que se amasse durante, aproximadamente, 10 minutos. Lembrem-se que podemos amassar de várias maneiras. Hoje em dia, há métodos para amassar baseados em intervalos de descanso das massas, o que se revela menos trabalhoso.

6. Forno. Os fornos, como sabemos, são todos diferentes. É importante conhecermos o nosso forno e se for caso disso, adaptarmos a temperatura ou o tempo de cozedura.

7. Relaxar. Fazer pão não deve ser um factor de stress. Pelo contrário. Deve ser um momento que nos ajude a descontrair. Há lá coisa melhor do que amassar enquanto se colocam os pensamentos sobre a vida em ordem e se ouve uma música inspiradora que nos faz viajar?! As massas são caprichosas, não vamos fazer o pão perfeito. Há dias, que vai correr muito bem. Há dias em que não vai correr tão bem. Se começarem a fazer pão com uma atitude descontraída, vai ser tudo mais fácil.

8. Escolher as receitas. A escolha das receitas é muito importante. Fazer pão, de uma forma básica, é juntar farinha, sal, água e levedura. Comecem com uma ou duas receitas fáceis. Há medida que ganham confiança, que vão conhecendo as massas e o modo como o vosso forno se comporta, podem então ir arriscando em receitas mais complexas. Por exemplo, pães com maior hidratação, pães com fermentações longas. Fazer pão é um processo e estamos sempre a aprender.

9.Tomar notas. É fundamental tentarmos perceber o que correu bem e o que correu mal. Depois de escolherem, uma ou duas receitas, e de as colocarem em prática podem ir fazendo pequenas alterações. Se fazem um pão de trigo numa semana, na semana seguinte podem fazer um pão de trigo com centeio. Tomem nota da quantidade de farinha usada e da hidratação. Se gostaram do resultado final, tudo bem, senão, identifiquem que alterações querem fazer. Talvez, por exemplo, mudar a percentagem de farinha de centeio usada, porque ficou um pão pesado e não era isso que queriam. Um pão mais hidratado faz alvéolos maiores, há quem goste e há quem não goste. Uma massa mais hidratada pode revelar-se mais difícil a amassar.

10. Persistência. Fazer pão é uma deliciosa aventura. É preciso ir fazendo e não desistir. Quanto mais fizermos, melhor vamos entender os caprichos das massas. Comecem a fazer pão em casa. Insistam. Persistam. Divirtam-se!

Vamos fazer pão?