Próximos Eventos
Lisboa 26 de Outubro de 2019
Sábado:
10h00 - 13h00      Workshop Pré-preparações e Refeições da Semana
 
 
15h00 - 19h00      Workshop Vamos Fazer Pão?
Inscrições/Vouchers: escola@istofaz-se.pt   218 078 640 IstoFaz-se

sexta-feira, 18 de outubro de 2019

Quiche de camarão com espargos


Há receitas que são sempre tão práticas e que se fazem nas mais diversas alturas, seja para uma festa, seja para uma refeição rápida ou para levar para o trabalho. Por vezes, servem até para darmos destino a algumas sobras.

Uma das receitas que resulta bem para as mais variadas ocasiões são as quiches. Sabem bem mornas ou frias. Nos dias em que queremos fazer uma refeição rápida, podem ser um excelente acompanhamento para, por exemplo, uma sopa. Tornam-se uma deliciosa refeição servidas com uma generosa salada mista. São óptimas para petiscar a meio da tarde. Uma fatia de quiche sabe sempre tão bem!

Quando a Parmalat me desafiou a preparar uma receita com a sua Nata com Sabores do Mar, decidi fazer uma quiche. Aproveitei umas sobras de camarão cozido que tinha, juntei-lhe uns espargos e o resultado foi uma tarte, deliciosa, que nos faz viajar pelos sabores do mar.

quinta-feira, 17 de outubro de 2019

Marmelada tradicional


Em tempo de marmelos, faz-se marmelada. Penso que de Norte a Sul, esta é a opção escolhida por muitas famílias para dar destino aos marmelos.

Adoro marmelos. Tento aproveitá-los da melhor forma nesta altura do ano, até os uso em pratos salgados. Costumo assar sempre no forno. Houve um ano que fiz marmelo cozido em calda, que fica maravilhoso. E claro, todos os anos faço marmelada. Por curiosidade, o sufixo - ada, significa que é um doce que permite o corte. E é assim que eu gosto da marmelada, com uma consistência que se possa cortar às fatias.
Aprendi a fazer marmelada usando a seguinte proporção 1 kg de marmelo limpo para 1 kg de açúcar. Por vezes, gosto de tirar um pouquinho de açúcar, até porque não faço muita quantidade e entre a que se consome cá em casa e que vamos oferecendo, a verdade é que lhe damos destino muito rapidamente.

quarta-feira, 16 de outubro de 2019

Quinoa com couve kale e lascas de bacalhau


Comemora-se, hoje, 16 de Outubro, o Dia Mundial da Alimentação. Comer bem, é cada vez mais uma preocupação, num mundo em que os produtos processados estão ao alcance de todos, são muito baratos comparativamente com a comida de verdade, a carne, o peixe, os legumes, e por isso, tornam-se, também, muito apetecíveis quando vamos às compras.

Termos consciência do que comer bem, é meio caminho andado para fazermos as escolhas mais acertadas. Ao escolhermos fazer uma alimentação equilibrada, um dos aspectos a ter em conta, é as gorduras que usamos para cozinhar. Uma das que privilegio, cá em casa, é o azeite. Uso-o para cozinhar, para temperar e até, por vezes, para fritar.

Para cada preparação, podemos escolher um azeite diferente. No mercado encontramos três categorias de azeite à venda: Azeite Virgem Extra, Azeite Virgem e Azeite.

O Azeite Virgem Extra é o sumo puro da azeitona, sem qualquer defeito sensorial ou organolético. Normalmente apresenta uma acidez entre 0 e 0,8%. Esta categoria de azeite deve ser a nossa escolha quando queremos temperar a cru.

Azeite Virgem, é um azeite que não chegou à categoria do Azeite Virgem Extra, por eventualmente apresentar alguns defeitos ligeiros ou ter uma acidez superior a 0,8%. Nesta categoria a acidez não pode ser superior a 2%. Estes azeites são bons para cozinhar.

Azeite - contém azeite refinado e Azeite Virgem, é um azeite que resulta de uma mistura de azeite lampante com Azeite Virgem. O azeite lampante apresenta uma acidez superior a 2% e uma quantidade considerável de defeitos ao nível do cheiro e sabor. Este tipo de azeite só pode ser consumido depois de refinado. Este processo limpa-o de sabores desagradáveis, melhora a cor e baixa a acidez, que será igual ou inferior a 1%. É indicado para fritar. Não o utilizem para temperar a cru.

Devemos escolher o azeite não tanto pela acidez, mas pela qualidade, ou seja, saber se ele é ou não Azeite Virgem Extra.

Neste Dia Mundial da Alimentação, deixo-vos uma receita preparada a convite da Oliveira da Serra. Para temperar, cozinhar ou fritar, o azeite escolhido faz toda a diferença!

terça-feira, 15 de outubro de 2019

Queques de bacon recheados com ovo cozido


Adoro variar os pequenos-almoços. Gosto de começar os dias com comida diferente. Vivemos numa época em que temos tantos produtos à nossa disposição, que variar o que comemos, só depende de nós.

Quando a Primor me desafiou a desenvolver uma receita com o seu bacon extra, pensei numa sugestão prática para os pequenos-almoços. Para os dias em que temos tempo ou, para os dias em que dá jeito ter algo pronto para pegar e levar. O resultado foram uns deliciosos e surpreendentes queques recheados com ovo cozido. Para além dos pequenos-almoços, estes queques são também bons para colocar nas marmitas.

segunda-feira, 14 de outubro de 2019

Creme de brócolos com canónigos


O que é comer bem? A alimentação é tão importante para o nosso bem estar físico, social e emocional, que responder a esta questão, aparentemente simples, se revela bastante complexo. Uma das obras, a que recorro regularmente, sobre este tema, é o livro Comer Bem é o Melhor Remédio de Alexandra Bento. A autora tem uma posição sobre a comida e sobre o modo como nos deveremos orientar, com a qual me identifico.

Há princípios, que de uma maneira geral, todos sabemos e que devem reger as nossas escolhas em termos alimentares. Deveríamos reduzir o consumo de açúcar. Reduzir o consumo de sal e de gorduras más. Optar por comer comida de verdade, carne, peixe, fruta, leguminosas, hortaliças, pão. Evitar as comidas processadas. Mas na prática, na correria dos dias, como é que podemos comer bem? Que escolhas devemos fazer para conseguirmos comer bem?

Um dos primeiros passos a dar, no sentido de fazermos uma alimentação equilibrada, está associado à organização e a seguir é cozinharmos em casa, fazendo, por exemplo, pré-preparações. Podem achar estranho, mas a organização está associada ao comprometimento. Se queremos comer bem, temos que nos envolver nessa tomada de decisão e, em casa, cozinhar. Ao cozinharmos somos nós que fazemos as escolhas.

Façam refeições variadas. Comer sempre o mesmo, não nos traz nem saúde nem felicidade. Variar a carne e o peixe. Aumentem a quantidade de legumes servidos às refeições. Batatas fritas e arroz, são acompanhamentos que fazem muita gente feliz, mas há outros igualmente interessantes.

Comer, um pouco de tudo, com equilíbrio e moderação, é quase sempre uma boa opção. No entanto, a sopa é uma das preparações que deve fazer parte dos menus de quem quer comer bem. Façam sopa, podem até fazer em quantidade e congelar em doses. Faço sopa todas as semanas, por vezes, até mais do que uma vez. E claro, tentamos também variar as nossas sopas.

sexta-feira, 11 de outubro de 2019

Robalos assados no forno com batatas


O Outono traz mudanças. Muda o tempo e muda, também, a nossa vontade de comer e de cozinhar. O Outono pede o aconchego de pratos quentes, que nos reconfortem o corpo e alma. E por isso, passamos, nesta altura do ano, a fazer mais pratos de tacho e de forno.

Confesso que adoro pratos de forno. São práticos e libertam-nos para outras tarefas. Deixo-vos, hoje, uma receita deliciosa e muito reconfortante, robalos assados no forno com batatas.

quinta-feira, 10 de outubro de 2019

Caril de lentilhas


Todos nos preocupamos, cada vez mais, com o que comemos. Para fazermos uma alimentação equilibrada é importante, também, procurarmos alternativas e experimentarmos sabores novos.

Comer bem, é variar o que se come. É colocar no prato proteínas de boa qualidade, hidratos e legumes. Confesso que, hoje em dia, não me seduzem pratos em que o acompanhamento sejam batatas fritas e arroz. É bom, é. Sabe bem, claro. Mas, quando queremos mudar a nossa alimentação temos que interiorizar que apesar de nos saber bem, não nos faz assim tão bem.

Sem queremos ser radicais, em vez das batatas fritas, sirvam uns legumes cozidos ou assados. Mudarmos a nossa alimentação não é algo que se faça, de um dia para o outro. É um processo. Também temos que dar tempo ao palato para se habituar e, também, precisamos de tempo para interiorizarmos novas práticas.

De há uns tempos para cá, decidi, que tenho que introduzir mais leguminosas na minha alimentação. Para além do feijão e do grão-de-bico, passei a ter também lentilhas de várias cores na despensa.

quarta-feira, 9 de outubro de 2019

Salada de polvo com batata


Há duas alturas do ano, em que gosto de destralhar a minha casa. Nem sempre fui assim. Quando vivia numa casa com muito espaço, ia acumulando. Guardava isto e aquilo. Havia sempre um local onde cabia mais alguma coisa. De há uns anos para cá, passei a fazer uma limpeza ao que não se usa, em duas alturas do ano, na Primavera e no Outono.

O desapego é uma arte difícil. A ligação aos objectos tem uma força sentimental tão grande, criamos com eles laços, vínculos, que reavivamos pelas memórias. Fazer a selecção do que queremos continuar a guardar, porque usamos e nos faz falta, daquilo que afinal não precisamos, não é tarefa fácil!

Uma das áreas que procuro destralhar, é o closet. Identifico as roupas que já não visto. Há, sempre, peças que guardo. Ou porque as acho muito bonitas e estou à espera da altura ideal para as usar. Peças que agora me estão largas, porque emagreci, mas nunca se sabe se ainda me vão fazer falta. É tão difícil colocar de parte o que já não usamos. Tudo nos faz falta. Não usamos agora, mas quem sabe se daqui a uns tempos não vamos precisar!?

No meio da necessidade e do apego sentimental, encontrei, obrigatoriamente, um critério, penso que ajudada pela guru da organização, Marie Kondo, que é: - se não usei determinada peça nos últimos sete anos, é porque muito provavelmente ela não me faz falta e terá que ter outro destino. Uso este critério para equipamentos, utensílios de cozinha, livros, revistas, e outras coisas que vamos acumulando. Destralhar não é fácil, mas tem que ser.

Entre as arrumações e as limpezas de Outono, deixo-vos uma salada feliz, ainda com sabor aos dias quentes de Verão.

terça-feira, 8 de outubro de 2019

Wraps com fajitas de frango


Gosto de ler. Não consigo ler tanto como gostaria, mas vou tentando ler pelo menos um livro por mês.

A escolha dos livros que leio é, por um lado, resultado de recomendações, por vezes é o tema que me chama a atenção, mas a grande maioria é escolhido pelos autores. Há autores que faço questão de acompanhar. De há uns anos para cá, que decidi que gostaria de ler mais autores portugueses. Há literatura estrangeira fabulosa, mas temos também tantos autores que merecem o nosso apoio e estima. E a melhor forma que temos de o fazer é comprar os seus livros. Por isso, tento intercalar autores portugueses e estrangeiros nas minhas leituras.

Recentemente li Uma Educação de Tara Westover, que recomendo. Um leitura que nos prende da primeira à última página e é autobiográfico. Uma escrita deliciosa que nos conta um percurso de transformação através dos estudos.

E agora, estou quase a terminar a obra Madre Paula de Patrícia Muller, que nos faz viajar até ao século XVIII e conhecer os amores do rei D. João V com a freira do Mosteiro de Odivelas.

Entre as leituras, e as viagens de trabalho que tenho feito, nos últimos dias, por vezes, quando chego a casa a solução para o jantar é uma receita rápida. Deixo-vos, hoje, umas fajitas de frango que se preparam num instante e ficam tão boas!

segunda-feira, 7 de outubro de 2019

Doce de figo com gengibre e limão


A época dos figos, vindos da horta, chegou ao fim. Este fim-de-semana, ainda consegui comer os últimos figos da figueira do quintal. Apanhados e comidos logo, sabem sempre tão bem!

Dizemos adeus ao Verão e recebemos o Outono. Na horta, os marmelos e as romãs já estão prontos a colher.

Todos os anos, procuro aproveitar a época dos figos e usá-los em saladas e bolos. Gosto também de os conservar em deliciosos doces e compotas. Este ano decidi fazer um doce de figo, desta vez, com gengibre e limão. Ficou tão bom!

sexta-feira, 4 de outubro de 2019

Meal prep, como começar?


Meal prep é um método que nos ajuda a organizar e a preparar as refeições da semana. Permite-nos rentabilizar as nossas compras, e alivia-nos da pressão de estar, sempre, a pensar no que fazer para o jantar.

Este método ajuda-nos a comer de forma mais equilibrada e saudável. Quando temos o frigorífico cheio de comida boa, já preparada, com pratos de carne, peixe, sopa e legumes, a tendência para fazermos escolhas menos acertadas diminui. Esta foi a forma que encontrei para mudar a minha alimentação.

Este método ajuda-nos a colocar as refeições na mesa, por vezes, em 15 minutos. No fundo, é só combinar as nossas pré-preparações, fazer um acompanhamento ou outro, quando se justifica, e aquecer. Tão prático, principalmente, quando chegamos a casa tarde.

Meal prep (ou food prep), é cozinhar a comida para as refeições da semana antecipadamente. Podemos escolher um dia e reservar duas a três horas para cozinhar ou, indo cozinhando. Há várias formas de o fazer. Cada família deve escolher o método que melhor se ajusta às suas necessidades. O meu método de pré-preparações é com ingredientes ou, com bases que nos irão permitir variar as refeições da semana. Mas como começar? É a pergunta que me fazem, muitas vezes.


Como Começar?

1) Identifiquem o número e o tipo de refeições que precisam de pré-preparar.
São só jantares? São os jantares e os pequenos-almoços? São os jantares e os almoços para levar para o trabalho? Lanches? Escrevam numa folha os dias e as refeições de que necessitam.

2) As refeições que vão preparar são para quantas pessoas? Por vezes ajuda a família ter um calendário partilhado, para saberem em que dias não fazem refeições em casa. Se há um dia em que jantam todos fora. É importante, antes de começarem terem uma noção de rotinas da família à mesa.

3) O que é que vou pré-preparar? Como faço a selecção do que cozinhar para as refeições da semana? A quantidade de comida a preparar está directamente relacionada com o número de refeições a preparar e o número de comensais. A tendência é querer fazer muita coisa. O meu conselho é calma. Não queiram atingir a perfeição! Comecem pelos básicos. Alguns exemplos:
- Sopa;
- Ovos cozidos;
- Gelatina;
- Alface lavada;
- Legumes assados;
- Massa cozida;
- Carne assada ou estufada.

Escolham fazer, por exemplo, a base da sopa da semana. Cozer uns ovos, fazer gelatina e assar uma carne no forno. Se quiserem, podem fazer em doses duplas e congelar. O tempo que vão despender para pré-preparar estas receitas, depois, durante a semana, será rentabilizado.

Com a prática, vão começando, aos poucos, a fazer mais pré-preparações e a rentabilizar o vosso tempo na cozinha. Nas minhas pré-preparações semanais costumo ter: legumes, hidratos e proteínas.

Faço sempre uma base de sopa, asso legumes (como, por exemplo, batata-doce, beterraba, couve-flor, pimentos ou faço um tabuleiro com uma mistura de legumes). Confecciono, quase sempre, gelatina que coloco em frascos, que me permitam levar para um lanche, por exemplo, ou servir como sobremesa. Cozo ovos, para os lanches, para usar em saladas ou ao pequeno-almoço. Este é daqueles ingredientes que rentabilizo e uso em vários pratos. Às vezes, até junto ovo cozido picado às sopas.

Asso carne ou faço um estufado. A carne assada pode ser servida, num dia, com legumes assados. No outro, servimos com uma salada e um puré. Podemos aproveitar e fazer, com as sobras, uma frittata ou uma sandes. Um risotto ou um arroz de abóbora servido com carne assada desfiada. É tão bom! Com uma base, podemos variar o que comemos durante a semana sem a rigidez dos pratos feitos.


Com a prática, vão ver que há confecções que se ajustam melhor às pré-preparações do que outras. O importante é que interiorizem o método e comecem! Aos poucos vão ganhando confiança.


5 receitas para quem quer começar a praticar meal prep:
- Pudim de chia;
- Creme de curgete com feijão branco e amêndoa;
- Carne à bolonhesa;
- Pernas de frango assadas no forno com limão;
- Caril de camarão.


No próximo dia 26 de Outubro de 2019, das 10h às 13h, irá decorrer em Lisboa, o workshop Pré-preparações e Refeições da Semana na escola de cake design IstoFaz-se. As inscrições já se encontram abertas.

quarta-feira, 2 de outubro de 2019

Salada de feijão com tomate e abacate


Outubro já chegou. Apesar de ainda termos dias bonitos de sol e andarmos de manga curta, a verdade é que as manhãs e as noites já nos chegam mais frescas.

Gosto da mudança das estações e do que elas nos trazem. O Verão brinda-nos com a alegria, o sol, o mar, as comidas frescas e a vontade de sair de casa, viajar, aproveitar o bom tempo.

O Outono traz o recolhimento. Voltamos a procurar o conforto da nossa casa. Colocamos uma manta nos sofás, começamos a pensar em acender a lareira. Fazemos pratos de forno ou de tacho.

Mas enquanto o Outono não chega, de vez em quando, com os dias cinzentos e chuva, deixo-vos, hoje, uma deliciosa salada, muito colorida e feliz!

terça-feira, 1 de outubro de 2019

Sandes caprese


Entre a correria dos dias, há alturas em que nos apetece fazer refeições rápidas ou, até lanches mais substanciais. Os dias não são todos iguais e isso reflecte-se também no modo como comemos. Ou, pelo menos, cá em casa, é assim.

Para os dias em que há menos tempo para estar à mesa, a solução passa, tantas vezes, por uma sandes. As sandes são como as saladas, podemos fazê-las de quase tudo.

Uma combinação que adoramos, um clássico italiano, é a que junta tomate, queijo mozzarella e manjericão. No verão faço, imensas vezes, esta combinação em saladas, mas digo-vos que em sandes também resulta muito bem!