domingo, 30 de Novembro de 2008

Galinha com vinho do Porto da mãe da Catarina

Não conheço a Catarina, nem a sua mãe. Mas por esta receita, sei que é ou deve ter sido uma mão cheia na cozinha e a Catarina uma filha sortuda. A receita desta galinha encontrei-a no livro As Nossas Receitas de Maria Odette Cortes Valente e Ana Margarida Valente, Edição da Temas & Debates.


Ingredientes
1/2 galinha caseira
1 cebola média
0,5 dl de azeite
1 ramo de salsa
1 dl de vinho do Porto
1 colher de sopa de farinha torrada
água
sal e pimenta
hortelã para guarnecer
fatias de pão torrado ou frito

1. Num tacho, fazer um refogado com o azeite, a cebola picada e a salsa, em lume brando.

2. De seguida, adicionar a galinha cortada em pedaços, temperar com sal e pimenta e deixar refogar bem. Mexer de vez em quando.

3. Adicionar água até cobrir a galinha, o vinho do Porto e a farinha torrada desfeita num pouco de caldo. Deixar acabar de cozer com o tacho tapado. (Para torrar a farinha, basta colocá-la numa frigideira anti-aderente, levar ao lume e ir mexendo até a farinha ganhar um tom castanho claro.)

4. Quando a galinha estiver cozinhada, colocá-la numa travessa sobre fatias de pão frito ou torrado, e servir guarnecida com hortelã.

A receita original leva triângulos de pão frito, mas eu optei por fatias de pão torrado. Servi a galinha apenas com o pão e fica uma delícia. A receita é muito boa, mas a carne de uma galinha caseira também ajuda. Ou melhor, faz toda a diferença.

6 comentários:

  1. Pão torrado sempre faz menos mal que pão frito... e essa galinha merece algo tão saudável quanto ela :)

    ResponderEliminar
  2. Que delícia, já estou a imaginar esse molho no pãozinho...ai ai...

    bjos :)

    ResponderEliminar
  3. As fotos desta galinha estão demasiado apetitosas para conseguir resistir... o pão torrado e a hortelã completam-na na perfeição!
    Beijinhos.

    ResponderEliminar
  4. Em relação à Catarina, posso esclarecer de que não foi mais que um erro de compreensão, o título é sim '... da mãe Catarina', e não da Catarina. Pois certo é que Catarina era a minha bisavó, mãe da autora Maria Odette - e sim, confirma-se que tinha uma grande mão para a cozinha, e tanto a filha como as netas e ainda as bisnetas (confirmo) puderam disfrutar dos pratos deliciosos na casinha em Estremoz :) Boa continuação! Rita

    ResponderEliminar
  5. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  6. Ritinha,

    As suas palavras deixaram-me muito feliz.

    Muito obrigada.

    ResponderEliminar