Próximos workshops
Porto 22 e 23 de Novembro de 2014
Sábado:
10h30 - 13h00      Entradas e Aperitivos para Festas
 
 
15h30 - 18h00      Doces de Natal
 
Domingo:
10h30 - 13h00      Receitas para Ofertas de Natal
Inscrições limitadas 25  work@sott.pt   91 700 1802 espaço WORK IT
Lisboa 29 de Novembro de 2014
Sábado:
10h30 - 13h00      Entradas e Aperitivos para Festas
 
 
14h30 - 17h00      Doces de Natal
Inscrições limitadas 30  formacao@acpp.pt   21 362 2705 ACPP

terça-feira, 28 de Dezembro de 2010

E assim se passou mais um Natal ...

A magia do Natal começa e rapidamente termina. Tanta azáfama, tanta preparação e num instante chega ao fim. O Natal ganha pela partilha e pela festa em família.

Este ano procurei prolongar o espírito de Natal e juntei-me com a família em três dias. Na sexta-feira de Consoada, juntei-me em casa dos meus sogros, com eles, a tia Dulce, o Hugo e obviamente o Ricardo. Este ano, portámo-nos bem e não deixámos prendas para comprar à última da hora.

A nossa festa de véspera de Natal teve o habitual bacalhau acompanhado com brócolos, couve portuguesa e outros legumes. A tia Dulce voltou-nos a brindar com umas travessas de legumes muito bem arranjadas.

Para sobremesa não faltaram os sonhos e as rabanadas feitos pela tia Dulce, bolo-rei, que o meu sogro faz questão de comprar, uma tábua de queijos e os fritos de abóbora da minha sogra. Já é uma pequena tradição a minha sogra fazer estes fritos com uma abóbora que eu trago de Santarém. Como acontece nos últimos anos, esta abóbora foi pesada com uma etiqueta a dizer Natal de 2010. A deste ano pesava aproximadamente 12 kg. Eu tenho um fascínio por abóboras, especialmente grandes. Talvez Freud tenha uma explicação para o assunto! ;)


Por volta da meia-noite começámos a abrir os presentes. Os nossos pais-natais de serviço foram o Hugo e o Ricardo que escolhiam aleatoriamente os presentes em volta do pinheirinho de natal, liam as etiquetas e entregavam ao destinatário. Isto sempre em clima de festa, com muitos risos e boa disposição. Tal como nos anos anteriores, a etiqueta vencedora foi mais uma vez, a dos primos Téte e Gino, um amoroso Pai Natal. No Natal passado, os primos Téte e Gino fizeram como etiqueta uma simpática rena. Confesso, que quando chega o Natal fico sempre curiosa em saber como serão as suas etiquetas! Pois, como poderão perceber para além de serem sempre muito originais são, também, feitas com muita perfeição. Na família, todos somos fãs.

Passei o dia de Natal na minha aldeia, perto de Santarém, com os meus pais, o meu irmão, cunhada, os meus sobrinhos Ivo e André, o meu avô materno e a minha avó paterna. A lareira esteve todo o dia acesa. Este foi um natal com bastante frio. Na mesa de natal, em casa dos meus pais, nunca me lembro de haver uma comida de tradição. Ao almoço servem o que acham que a família vai gostar, já que não apreciam peru. Este ano tivemos borrego assado no forno, que nos encantou, especialmente a mim, que como sabem adoro. Bem assadinho, suculento. Foi servido com batatas fritas, arroz e salada.


Para o dia de Natal fiz pataniscas de camarão, que toda a gente adorou, um bolo de frutas cristalizadas, um bolo de chocolate e mel, um bolo de tangerina e muffins de limão. A minha mãe fez coscorões e belhoses. Na mesa também tivemos bolo rei, bolo rainha e broas castelar.


Depois de almoço, abrimos os presentes, rimos, conversámos imenso. No final, ainda cantei As Pombinhas da Catrina - a meu ver, a canção mais fácil do reportório - com o meu pai ao acordeão. Obviamente, que os meus dotes vocais não foram tão calorosos como o espírito de amizade ali partilhado. Tenho que treinar! :)

No domingo, dia 26, voltei a reunir-me com a família. Desta vez com a minha cunhada Cristina, a minha sobrinha Marta, o Paulo, o Hugo e a Cláudia, em casa do meus sogros com a tia Dulce. O almoço foi peru e o recheio, que a minha sogra faz e que todos adoramos. Durante a tarde, voltámos a abrir presentes, falámos do Natal e destes dias de festa. No final, senti-me muito feliz, este foi um Natal em que consegui estar perto daqueles que são a minha família mais chegada. Espero que para o ano também o consiga!

11 comentários:

  1. Adorei ver como foi "recheado" o teu Natal!... E lembro-me dessa história ds etiquetas dos primos do ano passado (na altura ainda não tinha o meu blog).
    Tal como nós, tb reparei que não têm prato fixo no Dia de Natal. Como nós!
    E na véspera, Bacalhau, pois claro!
    um beijo
    Babette

    ResponderEliminar
  2. Ena, foi um Natal em grande, com direito a pataniscas e tudo!!! :)
    Que bom que assim foi, a família é o melhor desta quadra. :)
    Beijinho grande.

    ResponderEliminar
  3. Estou curiosa... Com a tua aldeia perto de Santarém. A minha mãe tb é ribatejana, mas quando se casou veio um bocadinho mais cá para cima! Muitos dos meus natais foram também eles passados no Ribatejo!

    ResponderEliminar
  4. "Cada casa tem seu uso, cada roca tem seu fuso", e realmente em tradições de Natal cada um de nós tem as suas! As nossa não fogem muito ao Tradicional, mas um dia que possa ser em minha casa, vou virar a mesa... e fazer tudo diferente! porque não criar as nossas próprias tradições?
    Parabéns pela imaginação e sugestões, aquele chevre com chocolate ficou debaixo de olho ;)

    ResponderEliminar
  5. Cunhadinho Hugo29/12/2010, 00:27:00

    A etiqueta dos primos Tété&Gino era muito gira, mas a da D.ª Claúdinha e as da Cristina&Paulo, com a foto das miúdas, também não lhes ficou atrás! ;) Ai ai ai ai ai ai :)

    ResponderEliminar
  6. Querida amiga,

    Lautos banquetes natalícios! Fiquei impressionada não só com o tamanho da abóbora, mas sobretudo com as iguarias que preparaste para o dia de Natal: 4 bolos e as segundas melhores pataniscas do mundo (as melhores são as tuas de bacalhau!). Parabéns! ;-)

    beijos e bom ano!

    ResponderEliminar
  7. Idilico será a palavra? =) *

    ResponderEliminar
  8. Foi um Natal aterefado com direito a viagens mas com muito afecto ... Revi-me no teu Natal - Consoada a 200 kg (mais ou menos) de onde passo o dia 25. Mas faço assim ano após ano ( e já se passaram 10 anos) pois o mais importante é não ter de escolher família mas passar com toda a Família. =)
    Beijinhos e um feliz ano de 2011.
    Margarida e Carolina

    ResponderEliminar
  9. Para mim Natal aqui por França longe das raizes dos meus pais (uma aldeia ao pé de Tomar) tambem nao seria Natal sem os "velhoses ou felhoses de abobera com açucar e canela" feitos pela minha mae como antigamente se faziam pelas minhas avos... o mais importante é continuar a transmitir algumas receitas e sabores aos nossos filhos que nunca viveram em Portugal. Tenho a sorte de ter os meus pais ao pé de mim e também os meus sogros que sao de Ponte da Barca com outras tradiçoes culinarias e assim podemos saborear estes pequenos tresouros.
    Boas Festas

    Margarida

    ResponderEliminar
  10. Olá Isabel !
    Por favor, você teria uma receita testada e aprovada de Broas Castelar?
    Desde já agradecoa a sua atencao
    Beijos grandes dessa sua admiradora

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Helvia,

      por acaso ainda não testei nenhumas Broas Castelar. Vou colocá-las na minha lista de receitas a fazer. ;)


      Um beijinho.

      Eliminar