segunda-feira, 16 de Maio de 2011

A falar de comida na Feira do Livro de Lisboa


Na passada sexta-feira, tal como anunciei aqui, estive na Feira do Livro de Lisboa, a convite de Nuno Seabra Lopes e moderador da conversa, a falar de comida. Na mesa, duas outras ilustres convidadas e com obras publicadas na área, Margarida Pereira-Muller e Paulina Mata. Já conhecia alguns dos seus trabalhos, mas estar ali na mesa ao seu lado, foi um prazer e, no início, com algum nervosismo até. Coisas de principiante nestas andanças! ;)

A conversa andou à volta da sazonalidade dos ingredientes, da importância de falarmos de comida em família, de colocarmos as crianças a ajudar em pequenas tarefas, pois quando se participa as coisas têm outro sabor. A cozinha da mãe acaba por ser a cozinha dos afectos, das sensações, da memória que nos acompanha. Falámos também de algumas mudanças. Hoje encontramos uma grande variedade de produtos durante o ano todo. De certa forma perde-se o encanto de comer determinada fruta, por exemplo, apenas em certa altura do ano. Por outro lado, encontramos muitos mais produtos que há alguns anos atrás. As courgettes, as beringelas, os chuchus, mais recentemente as acelgas, o romanesco, a pastinaga, as ervas aromáticas em vasinhos, apareceram regularmente nas secções de frutas e legumes há para aí dez ou quinze anos, talvez.

Houve uma altura em que encontrava receitas de ruibarbo em blogues ingleses e americanos com muita frequência e só há cerca de dois ou três anos é que comecei a encontrar à venda por cá. Só ainda não consegui encontrar laranjas sanguíneas! Se temos mais variedade de produtos, consequentemente a nossa maneira de cozinhar modifica-se. E aqui os blogues, na minha opinião, têm tido um papel muito importante.

Os blogues de comida, a grande maioria, é feita por pessoas sem formação na área, o que facilita o aumentar a proximidade entre o autor e o consumidor/leitor. Os blogues permitem ainda uma grande interação e partilha. O sistema de comentários é uma excelente ferramenta para os leitores tirarem dúvidas ou até darem o seu feedback de como resultou a receita ou até se foram feitas alterações ou não. Outro aspecto que é possível observar nos blogues é a republicação de receitas e o consequente enriquecimento destas, por exemplo, eu faço uma receita e depois outra pessoa acrescenta um ingrediente ou faz num bolo uma cobertura de que não me tinha lembrado. Isto já acontecia com os outros meios ditos tradicionais, mas agora o fenómeno é mais rápido e mais visível. As publicações cruzadas é outro aspecto que os blogues trouxeram através de pequenos desafios ou de concursos. Por exemplo, quando o Cinco Quartos de Laranja fez 5 anos, lançou um desafio que se intitulava Cinco anos, Cinco ingredientes, em que pedia às pessoas receitas com apenas cinco ingredientes.

Os blogues de comida são uma excelente ferramenta de divulgação da gastronomia. Chamam a atenção para ingredientes e maneiras de confecção, relatam experiências, explicam conceitos, indicam autores, fazem referências para outros blogues, traduzem receitas e arriscam combinações inovadoras. Dão a conhecer produtos. Ajudam a criar hábitos e a mudar o modo como nos relacionamos com a comida. Dado as características dos próprios blogues, estes permitem que se estabeleçam relações de confiança e empatia entre quem lê o blogue e quem o escreve. Por exemplo, eu já recebi comentários a dizer-me que vão fazer aquela receita porque as receitas da Laranjinha lhe saem sempre bem ou vão arriscar usar determinado ingrediente porque eu o aconselho! Isto acontece no Cinco Quartos de Laranja e em todos os outros blogues de comida.

Os blogues permitem uma consulta rápida das receitas e que os leitores escolham os seus favoritos. A escolha é feita pela proximidade. Escolhe-se o blogue com que nos identificamos. Há centenas de blogues de comida em Portugal e cada um tem o seu estilo. Se gosto do blogue X ou Y, quando quero procurar uma receita é a esses que vou em primeiro lugar. Sobre blogues de comida/gastronomia muito ainda há para dizer. O assunto começa a ser agora discutido e a ter alguma atenção dos meios de comunicação, o que é muito bom.


E os livros? Os livros de receitas ainda são a referência ou não? E o YouTube?

Na minha geração, penso que os livros ainda são a referência por isso há programas de televisão que se transformam em livros, há blogues que fazem livros. Muitos dos grandes blogues de comida ingleses, americanos e franceses têm livros publicados ou artigos em revistas. O livro funciona ainda como um factor de credibilização. Ter um blogue é uma coisa, mas ter um livro publicado é outra. O patamar de referência e de estatuto é diferente. Se os livros continuarão a ser a referência para as próximas gerações ainda é uma coisa para ver. As alterações tecnológicas são tantas que o mais certo é o conceito de livro se transformar. Possivelmente com o Kindle (ou outro leitor de livros digitais), tal como foi referido na conversa, o conceito livro já se está a alterar.

Quando penso procurar uma receita normalmente não recorro ao YouTube. Faço-o quando quero ver como se faz uma determinada técnica, pois tem a vantagem de conseguir mostrar passo a passo e de forma visual a execução de uma receita, o que muitas das vezes é mais difícil colocar por escrito. Quando se escreve uma receita, há certos pormenores e passos que ficam esquecidos por parecerem tão evidentes e aí o YouTube poderá ser mais esclarecedor.

É bom falar de comida, especialmente com pessoas que têm cartas dadas na área. É bom saber que os blogues começam a ter espaços nestas conversas. Esperemos que haja mais!

Um muito obrigada ao Nuno Seabra Lopes por esta oportunidade.


P.S.: Desde quinta-feira ao final do dia que o Blogger.com, o serviço que aloja este blogue, tem tido alguns problemas. No caso do Cinco Quartos de Laranja ainda não estão repostos todos os comentários.

15 comentários:

  1. O reconhecimento do seu excelente trabalho, nota-se não só através do convite, bem como das suas sinceras palavras.

    Eu não poderia estar mais de acordo, acrescentando só mais uma coisa: blogues feitos por amadores, ,mas com uma paixão profissional pela área. :)

    Cumprimentos gastronómicos!

    ResponderEliminar
  2. Olá!

    Adorei lei o seu post.
    Tem realmente toda a razão quando diz que devemos mostrar e iniciar, desde cedo os nossos filhos na arte da culinária. Eu sempre que posso mostro-lhes como se faz, as receitas deles favoritas. E por que tenho a sorte de ter quintal (com uma pequena horta) na casa dos meus pais, vamos sempre mostrando o que é o quê...
    Eles adoram, é sempre uma experiência diferente e nova.

    Vou partilhar o seu post no meu blogue, se der autorização, claro.

    bjinhos

    ResponderEliminar
  3. Tão linda :) Os blogues são referência e os livros também. Infelizmente alguns ingredientes que mencionaste só se encontram na capital ou nos grandes centros urbanos. Se a ti ainda falta a reposição de comentários, a mim desapareceu-me a postagem e os comentários e, até hoje, ainda não voltaram :) Tive que republicar.

    ResponderEliminar
  4. Para além de ter lido com imenso agrado este post muito me agradou a maneira como falou dos blogues culinários que circulam hoje em dia na net...excelente companhia que por exclusão de partes penso que a Laranjinha é a menina de camisola branca com o lenço ao pescocço, ou é engano meu? se assim for desde já as minhas desculpas...se estiver certa desde já tb o meu obrigado pela sua jovialidade e sempre excelentes reportagens...
    Aceite um beijo e um até já

    ResponderEliminar
  5. OLá, Laranjinha
    Tive muita pena de não poder assistir à sessão, mas os últimos dias têm sido complicados. Gostei muito da forma como se referiu à blogoesfera culinária e ao sentido de partilha que a caracteriza. Parabéns. Tal como a Tuquinha também assumi que era a "menina de camisola branca com o lenço ao pescoço".
    bjs

    ResponderEliminar
  6. Laranjinha, eu fui uma privilegiada, pois pude estar presente nessa conversa tão enriquecedora.Adorei, ser uma das espectadoras, foi uma hora e meia bem passada, e acima de tudo adorei conhecer-te.

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  7. Olá,

    Deixo o post que falei: http://agulhasebotoes.blogspot.com/2011/05/culinaria-para-os-mais-pequenos.html

    bjinhos

    ResponderEliminar
  8. Estou aqui para dizer que também fui uma priviligiada: estive lá!!
    Foi muito agradável, tanto mais que nos conhecemos (não conheci a Sandra G :( :()
    Pois é Laranjinha não nos lembrámos que era sexta-feira 13....será que foi por isso que tudo desapreceu dos blogs e só mais tarde voltou mas com erros??
    Beijinho (vi o detalhe das fotos ih ih ih)

    ResponderEliminar
  9. Deve ter sido interessantíssimo! Adoraria ter estado presente mas 300 km nos separam. Pode ser que venhas à feira do livro do Porto!...Não tendo estado presente, gostei de ler a tua visão sobre esta rede complexa que é a blogosfera e tudo o que a rodeia.
    Babette

    ResponderEliminar
  10. É um assunto que me interessa mais da parte do leitor, porque cada blogger tem o seu estilo próprio e motivação, o que une todos penso que é a busca de novas receitas, produtos e tendências.
    Há muitos anos sem net e livros sobre o assunto era quase impossível e as pessoas tinham as suas receitas que até sabiam de cor por repetirem tanto. Os bloggers mudaram isso, hoje é mais raro repetir uma receita, com tanta solicitação é preciso ser mesmo muito boa.
    Beijinhos e parabéns!

    ResponderEliminar
  11. Gostei muito da palestra e de ouvir falar sobre a mesma paixão... explicada de 3 pontos de vista diferentes... apesar de partilharem muitos pontos em comum! ;) Não tive oportunidade de fazer a pergunta, mas aqui fica o mote (quem sabe para desenvolver num futuro post): ;) Bjs e parabéns pelo crescimento contínuo deste projecto! ;)

    ResponderEliminar
  12. Gostei muito da palestra e de ouvir falar sobre a mesma paixão... explicada de 3 pontos de vista diferentes... apesar de partilharem muitos pontos em comum! ;) Não tive oportunidade de fazer uma pergunta, mas aqui fica o mote (quem sabe para desenvolver num futuro post): Porque é tão simples de entender o prazer de comer e tão difícil de explicar/transmitir o prazer de cozinhar? ;) Bjs e parabéns pelo crescimento contínuo deste projecto! ;)

    ResponderEliminar
  13. Olá!
    Tenho imensa pena de n ter estado presente, deve ter sido uma conversa deveras interessante, bastou ler o pequeno resumo que aqui publicaste para ficar com vontade de ler e conversar mais sobre o assunto.

    um abraço e até breve

    ResponderEliminar
  14. É bom ver-te nestas andanças, é sinal que os tempos estão a mudar e que os blogs começam a ser uma referência.

    ResponderEliminar
  15. Sérgio Pinto,
    gostei imenso de ler as suas palavras. Muito obrigada. Sim, é verdade, amadores mas com alma de profissionais! :)

    Agulhas e Botões,
    agradeço desde já o facto de ter partilhado o link. É tão bom ter um quintal. Que saudades!

    Ameixinha,
    obrigada. Curiosamente, mesmo nos grandes centros nem sempre é fácil encontrar alguns dos ingredientes que referi. Até ao momento tenho comentários que não voltaram! :)

    Tuquinha e Fa,
    acertaram! Essa menina é a Laranjinha. :) Muito obrigada pelos vossos comentários.

    Mané,
    foi um enorme prazer conhecê-la ao vivo.

    Babette,
    obrigada.

    Helena,
    os blogues também trazem isso. A possibilidade de fazer quase todos os dias uma receita nova. Variar. Fazer diferente. Ao ler o teu comentário, fiquei a pensar: - quais são as receitas que sei de cor? Ups ... acho que poucas! :(

    Cunhadinho Hugo,
    como explicar o prazer de cozinhar? - tens razão. É melhor tentar responder num post! ;)

    Ana,
    o fenómeno dos blogues de comida é fascinante e muito complexo. É bom ver que começa a ganhar interesse.

    Moira,
    obrigada.

    Um beijinho.

    ResponderEliminar