domingo, 16 de Agosto de 2009

Entre o Faial e o Pico

A minha viagem de férias este ano, aos Açores, começou no Faial. Cheguei ao aeroporto da Horta por volta das 14h30, de uma terça-feira e, esta era a minha primeira visita à ilha. Mas para primeira visita tive o prazer de ser acompanhada pela minha amiga Isabel e pelo seu marido Luís, que amavelmente nos foram buscar ao aeroporto e nos deram a conhecer a ilha. Enquanto esperávamos, no aeroporto, pelos nossos amigos, reparei na quantidade de mulheres taxistas que ali chegavam para recolher os passageiros. Achei curioso, pois por cá, apenas de vez em quando lá encontramos uma senhora a conduzir um táxi.

A nossa introdução à ilha começou com um pequeno petisco, sandes de frango assado e uma cerveja fresquinha no restaurante Vista da Baía do Varadouro, para depois permitir um banho no chamado Porto Comprido, com vista para o vulcão dos Capelinhos.

Depois do banho subimos um pouco e fomos visitar a zona à volta do vulcão. Essa zona está marcada por sinais de negro. A terra árida continua com muito poucos sinais de vida e o farol marca presença, agora como miradouro, mas que não chegámos a subir. Seguiu-se uma visita rápida ao Centro de Interpretação do vulcão e seguimos viagem em direcção à Praia do Almoxarife de extenso areal negro.

Acabámos este primeiro dia de viagem pelo Faial a tomar um gin tónico e um pastel de bacalhau na esplanada do famoso Peter's. Nunca um gin tónico e um pastel de bacalhau souberam tão bem!

A convite da Isabel e do Luís voltámos ao Faial no dia 7 de Agosto, uma sexta-feira com sol. Agora com um pouco mais de tempo, fizemos um passeio mais demorado por diferentes partes da ilha. Passámos pela Caldeira que nesse dia o Luís corajosamente desceu, procurámos uma queda de água e ao longo de toda a ilha pudemos contemplar os caminhos cheios de hortênsias de diferentes tons de azul, que ajudaram à designação do Faial como Ilha Azul. "O Homem que teve a ideia de bordar as estradas com estas plantas devia ter uma estátua na ilha. (...) O seu azul é o azul esmaltado dos Açores nos dias límpidos. Nos dias turvos substituem a cor do céu: são o azul desta terra enevoada e uma das suas maiores belezas. Imaginem o cinzento que se derrete e alastra e torna o céu mais azul, as molhadas de flores duma cor cada vez mais intensa e mais fresca. Há-as por toda a parte: nas estradas formando alas e nos campos formando sebes; servindo para dividir os terrenos e de tapagem aos animais pacíficos. Enchem a terra de exuberância e de azul" - escreveu Raul Brandão na obra As ilhas Desconhecidas.

Depois de uma ida à praia do Almoxarife, onde tive o meu baptismo de água no mar dos Açores, fomos até à cidade da Horta onde nessa altura decorria a Semana do Mar. Durante esta semana, a zona da marginal enche-se de barraquinhas com produtos regionais e do continente e, são organizadas diversas actividades como regatas e outras de carácter recreativo. Mas o que nos interessava mesmo eram as tasquinhas.

A Isabel, o Luís, o Ricardo e eu sentámo-nos numa barraquinha com pratos e petiscos típicos da gastronomia açoriana. Para petiscar pedimos: linguiça, morcela, torresmos (conhecidos por cá como rojões), favas com molho de unha (um nome estranho para um molho tão bom) e por fim umas lapas na chapa que achei divinas, para além do alho, manteiga parece-me que levaram um pouco de massa de malagueta. Os petiscos foram acompanhados com uma garrafa de vinho branco Frei Gigante fresquinho. Com o entusiasmo perante tão boas iguarias só houve oportunidade de tirar uma fotografia às lapas e isto porque o Luís nos chamou a atenção.

Para as sobremesas fomos a uma outra tasquinha, escolhemos arroz doce, pudim de maracujá bem servido graças à pronta intervenção da Isabel que achou que uma moça do continente merecia um pouco mais e bolo formigueiro.

Depois do jantar fugimos da chuva e procurámos abrigo num café, mas estava tudo cheio. Jovens, turistas, locais enchiam as tasquinhas e os cafés junto à marginal. Restou-nos abrigar numa esplanada com chapéus de sol abertos. Depois de tomarmos café, de falarmos sobre a beleza das ilhas, a vontade de subir ao Pico fomos assistir ao concerto dos Clã. Assim que acabou apressámos o passo em direcção ao porto para apanharmos a última lancha para Madalena, na ilha do Pico.

11 comentários:

  1. Que inveja, ando cheia de vontade de conhecer os Açores, parece-me lindo.

    ResponderEliminar
  2. Pelos vistos, umas férias maravilhosas em lugares maravilhosos.

    ResponderEliminar
  3. Quantas mais fotos mostras mais vontade tenho de conhecer os Açores. E não são só as fotos a aguçar o apetite é também a descrição que as acompanha!

    Orbigada por me lembrares que tenho mesmo de ir aos açores!!

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  4. Que paisagens lindas!!
    :)

    Um sonho.

    ResponderEliminar
  5. Os Açores têm sítios fantásticos!!!!
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  6. Sem dúvida um lugar para visitar...
    Mas o importante é mesmo aproveitar cada minuto dessas férias....
    Obrigado por partilhares....
    Beijinhos....

    ResponderEliminar
  7. Tive pena de não conhecer a Isabel, mas não faltará oportunidade de certeza. Também gosto muito de ir de férias para o Faial, tenho lá a minha irmã a viver :)
    Essas lapinhas não me escapavam :P

    ResponderEliminar
  8. também já andei por esses sitios!! e as lapinhas, que boas são! adoro-as!! bjs

    ResponderEliminar
  9. bem que sitios bonitos que os açores tm para visistar.

    ResponderEliminar
  10. Tenho a certeza de que essa tal Isabel deve ter ficado satisfeitíssima por partilhar a vossa companhia ;-)

    bjs

    PS - certamente iremos repetir as nossas aventuras açorianas.

    ResponderEliminar