segunda-feira, 14 de Março de 2011

A caminho de Santiago de Compostela


Chegámos a Santiago de Compostela, capital da Galiza, na terça-feira de Carnaval de manhã. O dia estava muito bonito, cheio de sol, mesmo convidativo ao passeio. O primeiro local que escolhi para visitar foi o mercado. Sempre que viajo procuro conhecer os mercados dos locais por onde passo. A variedade de produtos, a apresentação, as pessoas nas compras, todo o ambiente dos mercados me cativa. Este era pequeno, estava organizado por espaços e edifícios. De um lado peixe, do outro carne, num outro edifício os legumes, queijos e enchidos. Em termos de produtos, os que me chamaram a atenção foram a carne de porco salgada, especialmente ossos, cabeça e toucinho branco alto e os queijos. A região da Galiza produz os famosos queijos Tetilla, com uma forma muito engraçada. :) No mercado comprei sementes de açafrão, vamos ver como se dão por cá. Serão semeadas em finais de Abril ou no princípio de Maio. Percebi que é uma planta que precisa de cuidados. Depois conto a experiência.

Em Santiago andámos pelas ruas, visitámos a respectiva Catedral, presenciámos na praza do Obradoiro a chegada de um pequeno grupo de peregrinos portugueses dos cerca de 100.000 de todas as nacionalidades que se dirigem a Santiago de Compostela por ano. À medida que o grupo foi chegando, foi emocionante ver como se sentiam felizes por terem cumprido o seu objectivo. Abraçavam-se, perguntavam uns pelos outros e no meio disto tudo, quase todos choravam.


Almoçámos no restaurante Orella. Eu pedi uma Sopa de Marisco e o Ricardo preferiu um Caldo Galego. Uma delícia de sopas. A sopa escolhida pelo Ricardo fez-me lembrar algumas das sopas da minha mãe, com batata e couve, mas com um caldo cheio de sabor. A sopa de marisco era um caldo cheio de berbigão, amêijoas e mexilhões. De seguida, pedimos polbo á feira (polvo à galega) e mexilhões ao vinagrete. Mais uma vez, a cozinha galega nos surpreendeu pela excelente qualidade dos pratos. O polvo tenrinho e delicioso e os mexilhões frescos e suculentos.


As pastelarias e as lojas em Santiago de Compostela revelaram-se uma constante tentação. Quis provar a famosa torta de Santiago. Esta é uma tarte feita à base de amêndoa que um destes dias quero reproduzir. Só me falta arranjar o molde da cruz (da ordem) de Santiago. Provei ainda chocolate cor-de-laranja. Uma tablete de chocolate com esta cor chama logo a atenção de qualquer laranjinha! ;)

À tarde, seguimos viagem até ao cabo Finisterra, que significa o fim da terra, e é o ponto mais ocidental de Espanha. É aqui também que termina o caminho de Santiago. Ao longo da viagem, foi interessante ir observando os recortes da costa e todas as localidades com praia, que no Verão provavelmente se enchem de veraneantes. A vista do cabo é fabulosa. Ali sentimo-nos pequeninos perante a imensidão de mar.


Para jantar fomos até à Corunha. Uma visita rápida de carro pela cidade, as baías. Aqui optámos por, como diz uma amiga, "tapear".

No último dia desta nossa pequena incursão pela Galiza, saímos do nosso alojamento, uma sossegada e muito bem decorada casa rural, Casal dos Celenis. Aqui conhecemos a Paula, uma simpática galega que fala e estuda português. Ao receber dois lusitanos, a Paula entusiasmou-se e colocou em prática os seus conhecimentos. De tal forma, que no último dia a avó, uma senhora aparentemente reservada, chegou-se ao pé de nós e disse apontando para a neta: "É portuguesa?!". :) No jardins da casa descobri uma laranjeira que também é limoeiro ou será um limoeiro que é laranjeira? A enxertia tem destas coisas!


A nossa última paragem antes de regressar a Lisboa, foi na cidade de Vigo. Aqui comemos uma das melhoras sopas de alho que me lembro de alguma vez ter comido. Excelente, com farrapos de ovo e alhos fritos laminados.


Em Vigo subimos até ao Monte do Castro, onde tivemos uma vista magnífica sobre a cidade e o porto. Vigo pareceu-me um centro de negócios moderno, com bastante movimento. Depois de assistirmos à colocação de alguns enfeites de Carnaval numa das ruas principais, de visitarmos algumas lojas de produtos para a casa, rumámos em direcção a Portugal.

26 comentários:

  1. Bem me parecia que uma visita á Galiza não dispensava a visita a Santiago. Gosto tanto de Santiago!!!

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  2. Laranjinha,
    eu tambem adoro a Galiza, traz-me as melhores memorias, nao so pelas gentes como pela terra :) a comida parece-me divinal, e fiquei em pulgas para experimentar a torta! vou esperar a que reproduzas :) beijinhos

    ResponderEliminar
  3. Estive em Santiago faz agora 1 ano... Adorei! E como +e boa a comida galega! :)
    Podes imprimir a cruz de santiago, recortas o vazio da forma e ficas com o molde para fazeres o negativo com o açúcar em pó. :)
    E como é boa essa tarte.
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  4. Santiago é sem dúvida uma cidade muito bonita, com grandes tradições e excelente comida, petiscos. Foi mesmo bem aproveitado esse vosso passeio, pelo norte. :)

    ResponderEliminar
  5. MAIS UM SITIO LINDO PARA VISITAR.
    A PRIMEIRA VEZ QUE COMI ESSA TARTE FOI TRAZIDA PELO MEU IRMÃO ,É MUITO BOA.
    PARA REPRODUZIRES A CRUZ NA TARTE , VAIS AO GOOGLE PROCURAR A CRUZ IMPRIMES E RECORTAS E DEPOIS É SÓ POR A PAPEL POR CIMA E DEITAR AÇÚCAR EM PÓ.
    BJS

    ResponderEliminar
  6. Já estive em Santiago 3 vezes e volto outra vez com muito agrado.
    Tens que tentar reproduzir essa sopa de alho que eu fiquei muito curiosa.

    ResponderEliminar
  7. nao conheço essa cidademas um dia gostaria de visitar.
    beijinhos

    ResponderEliminar
  8. Nelinha, Raspas de Laranja e Moranguita,

    Das cidades que visitei na Galiza, achei Santiago de Compostela especial, pelos edifícios, monumentos e por todo o ambiente que ali se vive. Gostaria de voltar.

    Um beijinho.

    ResponderEliminar
  9. Barida, Gasparzinha e São33,

    A tarte sem a cruz não tem a mesma piada, tenho que procurar no google e depois recortar. Obrigada.

    Um beijinho.

    ResponderEliminar
  10. Moira,

    tenho que tentar reproduzir a sopa de alho e o caldo galego. Ambas uma delícia. :)

    Um beijinho.

    ResponderEliminar
  11. Laranjinha este bocadinho de costa de Vigo até há Corunha é excelente a gastronomia deles é fantástica eu sou do Norte e isso é quase um passeio de domingo vou lá imensas vezes e descobro sempre coisas novas :)

    Não sei se foste lá mas aconselho sanxenxo com uma paelha divina com vista para o mar :)

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  12. Olá

    Gostaria de saber em que restaurante almoçou em Vigo. Gosto muito desta zona. Obg por partilhar as suas viagens e as suas receitas que são deliciosas.

    Obg

    Maria José Duarte

    ResponderEliminar
  13. Que fotos fantásticas. Esses mercados dão imenso gosto de ver e comprar!! :)) Beijos

    ResponderEliminar
  14. Boa tarde!

    Gostaria de contactá-la por e-mail mas para o e-mail que sugere não estou a conseguir enviar mensagens. Se puder responder para:rita.correia@ext.rtp.pt, ficaria grata.

    Obrigada!

    ResponderEliminar
  15. Olá Laranjinha
    Foi bom relembrar lugares que não visito há muito.
    Gostei muito da reportagem.
    Beijo

    ResponderEliminar
  16. Eu adoro a Galiza, todos os sítios são bonitos e as gentes são do que há de melhor! Já fiz esses percursos várias vezes e cada vez há novidades que escaparam na visita anterior...
    Confesso aqui uma coisa, vou de propósito a Tui almoçar de vez em quando, fica a cerca de 180 kms de onde vivo e gosto mesmo de ir até lá. Outras vezes é um saltinho a Vigo e à Rua das Ostras e o local de praia favorito é a Lanzada para quando há dias de sobra para gastar...

    ResponderEliminar
  17. Belas lembranças pois estive aí à bem pouco tempo, que bom que tudo correu bem Laranjinha e que disfrutas-te bem desse belo passeio,

    uma grande beijoka e obrigado por partilhares estes momentos connosco!!

    ResponderEliminar
  18. Belita a Rainha dos Couratos15/03/2011, 17:07:00

    Esqueci-me de dizer e embora já não vá a tempo para a Laranjinha pode ser que ainda sirva para quem esteja a pensar em ir a Santiago. Da útima vez que lá fui, em Setembro com um grupo de amigos, uma amiga deu-nos a conhecer o melhor sítio para 'tapear' em Santiago. É mesmo ao pé da Catedral (aí uns 100 metros) e chama-se a Taberna do Bispo.
    Só tem um problema: o que é que havemos de escolher para provar já que a oferta é TANTA??? :))

    ResponderEliminar
  19. Obrigado por partilhares esses momentos...
    Foi maravilhoso recordar todos esses sítios...
    As pessoas.... os lugares.... e a deliciosa gastronomia fazem da Galiza um lugar perfeito para escapar...
    Beijinhos nossos....

    ResponderEliminar
  20. Maria José,

    almocei no restaurante taperia Marítimo, na Montero Rios nº 38. Aqui adorei a sopa de alho.

    Um beijinho.

    ResponderEliminar
  21. estes últimos posts trouxeram-me grandes memorias... tenho de voltar rapidamente à galiza.

    ResponderEliminar
  22. Monisilva e Belita, a Rainha dos Couratos,

    muito obrigada pelas vossas sugestões. Falhei a rua das Ostras! :( Fica já registado para a próxima.

    Um beijinho.

    ResponderEliminar
  23. Sónia,

    sim, os mercados são uma tentação! Não resisto a trazer sempre qualquer coisa. :)

    Helena, Paula Mariana,

    muito obrigada pela vossa visita e comentário.

    João- Flavors and Senses,

    eu também fiquei com vontade de lá voltar. Gostei muito.

    Um beijinho.

    ResponderEliminar
  24. Blog fantástico! Parabéns... que vontade de fazer essas viagens!

    ResponderEliminar
  25. Estive em Santiago esta semana, e o polvo é divinal... acompanhado com o vinho branco e o pão.

    ResponderEliminar
  26. Estive em Santiago de Compostela há 3 meses e é um lugar maravilhoso. É como sair de casa sem realmente fazê-lo, e a sensação perpetua-se por toda a Galiza. Tendo familiares de origem galega ainda foi mais especial. A gastronomia, que tantas vezes lembra a portuguesa, tem um je ne ce quas de inovação. Para o meu paladar, é às vezes algo ácida mas geralmente muito saborosa. Já as sopas não foram dos meus pratos predilectos, muito aguadas e com um sabor ligeiramente acre, com a excepção do Caldo Galego, que tanto me lembrava do nosso querido Caldo Verde...

    ResponderEliminar