terça-feira, 22 de Março de 2011

Missão Laranjinha: Entre poejos e uma cozinheira de mão cheia


A última etapa da Missão Laranjinha foi passada em casa da Cristina e do João em Estremoz. Começámos por preparar várias iguarias para o nosso jantar. Mas entre a preparação do jantar, havia uma surpresa. Eu ia fazer massa fresca. Ah, pois é! Sem apelo nem agravo! A máquina foi colocada na mesa da cozinha e a Cristina pacientemente mostrou-me como deveria preparar a massa: 100g de farinha, fazer uma covinha na farinha e adicionar um ovo daqueles bem fresquinhos e de preferência de galinhas felizes, uma pitada de sal e um fio de azeite e amassar bem a massa. Perante o meu desastrado amassar - ou mimoso nas palavras da Cristina :) - acabou por me aconselhar: "tens que sentir a massa!".


Colocar os pedaços da massa na máquina para esticá-los e depois vê-los sair cortados, é realmente uma agradável experiência. Há quem diga que eu cantarolei tal era o meu nervosismo, mas por enquanto ainda não apareceram as provas definitivas! ;) Obrigada Cristina, por me ajudares a concretizar mais um objectivo para 2011.

A massa foi cozida al dente e servida com amêijoas abertas em azeite e dentes de alho esborrachados, uma sugestão da chef Alice. Por fim, acrescentou-se queijo parmiggiano reggiano ralado e folhas de manjericão. A massa fresca fica a anos luz da massa seca e feita por nós então, o sabor é mesmo outro.

A Cristina para este jantar foi incansável e revelou-se uma cozinheira de mão cheia. Tanto que até a aconselhei a criar um blogue e divulgar a boa cozinha alentejana. Se ela aceitar o desafio, pode contar já com uma fã!

A mesa de jantar estava pronta, com uma toalha branca bordada e um arranjo de cinco laranjas estrategicamente colocado. Este arranjo combinava com as laranjas colocadas na escadaria da entrada da casa, que me surpreenderam logo à chegada. A mesa encheu-se com ovos mexidos com os espargos que apanhámos ao final da tarde, queijo fresco caseiro que tem logo uma consistência diferente, farinheiras branca e preta - acho que nunca tinha comido farinheira de sangue! - confeccionadas por mão alentejana, queijo ovelha curado derretido com orégãos, azeitonas, temperadas na água com folhas de louro, casca de laranja e orégãos, e pasta de chouriço que estava uma delícia. Tivemos também Cabeça de Xara cortada em fatias finas e servida com umas gotinhas de limão, de que fiquei fã.


Para além da massa fresca, a Cristina ainda serviu cação com amêijoas e migas de batata, que poderia tentar descrever com vários adjetivos, mas só vos digo que estava óptimo. É o tipo de prato que se fica com vontade de repetir. Quem nos visse a comer, não diria que tivemos um almoço farto. Com tanta coisa boa, era impossível não provar de tudo um bocadinho. ;)


Acompanhámos a refeição com um vinho branco Quinta das Carrafouchas 2009 e um tinto Quinta do Mouro 2005, uma selecção do João, marido da Cristina.

Para sobremesa fomos surpreendidos com um pudim de poejo servido com poejo frito envolvido num polme que ficou crocante e que deu imensa alma ao pudim, do livro Entre Coentros e Poejos do chef António Nobre, que desde já recomendo. É um livro a sério, especialmente para quem aprecia a cozinha alentejana. Este foi uma presença constante durante a preparação do nosso jantar, tanto para o pudim de poejo, como para a receita de cação, assim como para umas deliciosas peras cozidas em licor e servidas com queijo derretido. Para quem dizia que estava cheia, acabei por comer o queijo todo e boa parte da pêra que dividi com o Ricardo. Estava mesmo boa! Por fim, provei ainda uma generosa fatia do bolo Russo, inspirado nos bolos russos típicos da zona e que bilhete a bilhete, colocados nos saquinhos de musselina com casca de laranja seca, fui descobrindo a receita. Acompanhámos o bolo com um licor Fradetine bem antigo.


A conversa prolongou-se noite dentro. Falámos sobre comida, sobre Anthony Bourdain e a sua Cozinha Confidencial, do chef espanhol José Andrés e do romance Cinco Quartos de Laranja, de Joanne Harris. Eu e a Cristina descobrimos que temos imensas coisas em comum, uma dessas coisas é até o nosso primeiro livro de cozinha.

E no quinto e último saquinho de musselina, um bilhete e um poema:

"- Aprende a envelhecer tranquilamente,
Colhe da vida o que ela te quer dar ...
Envelhecer assim não custa nada:
É como quem procura, no poente,
A estrela que brilhou na madrugada ..."

Maria de Santa Isabel

Colhe da vida o que ela te quer dar! Obrigada Cristina, por todos os momentos que vivi em Estremoz! Obrigada por me teres encontrado. Obrigada por me teres feito sentir especial e muito acarinhada.

Espero que esta história não termine aqui.

20 comentários:

  1. Simplesmente deliciosa esta missão, adorei tudo o que vi e li, foste uma preveligiada e que refeição farta e deliciosamente atraente, estou sem mais palavras e como dizes...que venham mais missões como esta...Obrigado por partilhares estes momentos mágicos.

    Beijinhos!!

    ResponderEliminar
  2. Laranjinha obrigado por partilhares estas missões neste blog maravilhoso.

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  3. Laranjinha,

    Resolvi comentar só no "final" - não da história, mas da 1ª parte...
    Conseguiu desta forma maravilhosa e minuciosa transportar-nos aos locais, aos aromas e aos paladares com toda a alma e amor que nos são familiares (a nós que a seguimos hà algum tempo...)
    Desde sempre fui fã do Alentejo por si só, pela gastronomia e pelas suas gentes.
    Um beijo para si.
    Ana Maciel

    ResponderEliminar
  4. Laranjinha

    O nosso encontro foi o resultado desta nossa paixão genuína pela gastronomia, os livros, a vida! Foi sem dúvida um encontro inesquecível e MÁGICO! [pelas pessoas e o lugar]
    Este nosso encontro veio reforçar a ideia que eu tinha dessa "Laranjinha" : uma pessoa fascinante.
    Esta história não termina aqui. Isto foi o início de uma série de missões...

    Laranjinha?! Foi um prazer!

    Um grande beijinho

    Cristina

    ResponderEliminar
  5. Tu agora vais é querer andar sempre missão! :) A próxima será "Missão Carlota!" :) :)
    Tb me lembro do entusiasmo da primeira vez que fiz massa fresca. Depois com a prática, enquanto a água ferve, cortamos a massa na maquineta, é um instante. e a minha aliada no amassar: a dona bimby, 1 min, já está! :)
    Amiga, isso foi um repasto digno de um laranjal! :) :) :)
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  6. es mesmo mazinha pois com tanta coisa so faz é crescre agua na boca haaaa beijinhos

    ResponderEliminar
  7. Tanta coisa boa sobre a mesa.Fiquei curiosa com o cação com amêijoas e das migas de batata.Deve ser delicioso.

    Bjs

    ResponderEliminar
  8. Obrigado por esta partilha, lindo adorei. e se o blog de cozinha alentejana surgir já tem mais uma fã.

    ResponderEliminar
  9. Adorei!! Tudo muito lindo! beijo!

    ResponderEliminar
  10. Que momento lindo. Quanta coisa gostosa e que energia boa no ar.
    Parabéns...
    Bjs
    Deborah

    +++Tem promoção lá no meu blog. Aparece e participa, tá?
    http://www.delicias1001.com.br/2011/03/promocao-o-quem-dentro-da-sacola.html

    ResponderEliminar
  11. obrigado, irei fazer ainda hoje.

    ResponderEliminar
  12. Que maravilha de noite, sao essas coisas que fazem valer a pena. Obrigada por partilhar esses momentos. Bjs

    ResponderEliminar
  13. que tal fazer a massa? maravilhoso não é? adoro a sensação e o acto.. experimente misturar em 50/50 farinha de grão duro com farinha mais fina, ficará mais al dente.

    ResponderEliminar
  14. Também tenho o objectivo e a esperança de, um dia, fazer massa em casa :)
    Estes posts parecem sequelas do James Bond he he

    ResponderEliminar
  15. Parabéns à Laranjinha e à Cristina. Maravilhoso post sobre a minha terra. Fotografias fantásticas. Um obrigada muito especial à Cristina pelo poema...

    ResponderEliminar
  16. bem laranjinha ams que belo manjar.
    adorei tudo fiquei a salivar por esse bolo
    beijinhos

    ResponderEliminar
  17. Foi certamente especial, comer a massa fresca, que para além de ser fresca, foi feita com as tuas próprias mãos. A apresentação estada linda, apelando à calma, e a boa companhia, de certeza que foi uma refeição perfeita. :)

    ResponderEliminar
  18. Maravilhoso! Um Hino à Amizade, à Paixão pela Gastronomia local, às boas Leituras...adorei esta tua descrição pormenorizada e muito bem ilustrada, como de costume.
    Que bom teres cumprido mais este objectivo!
    Muito obrigada por partilhado estes momentos connosco, pois foi como se te tivéssemos acompanhado nessa estadia. Bjs. Bombom

    ResponderEliminar
  19. Muito obrigada a todas pelos vossos comentários.

    Um beijinho.

    ResponderEliminar