sábado, 24 de janeiro de 2009

Sopa de lentilhas vermelhas

«Embora bastante atraente no aroma, a sopa de lentilhas vermelhas é tão simples de preparar como o nome indica. Marjan preferia ferver as lentilhas primeiro, antes de fritar as cebolas picadas, o alho e as especiarias num bom azeite forte. Após cobrir o refogado de lentilhas e cebolas, permitia que a saborosa sopa apurasse durante meia hora, à medida que as especiarias se entranhavam nas complacentes peles de cebola.

No livro de receitas que guardava na memória, Marjan garantia sempre um destaque especial às especiarias da sopa. O cominho adicionava à mistura o travo do amor do entardecer, mas era uma outra especiaria a causadora do maior efeito trântrico no inocente consumidor da sopa: a siah daneh, "amor no seio", ou semente de nigela. Quando esmagada entre pilão e almofariz, ou fervida em pratos como aquela sopa de lentilhas, esta modesta vagem liberta uma energia picante que repousa no mais fundo dos humanos. Libertada, arde eternamente com o desejo sem limites de um amante rejeitado. Tão poderosa é a nigela que a especiaria não deverá ser ingerida por mulheres grávidas, por receio de parto antecipado.

A nigela, proveniente do Próximo e Médio Oriente (...), raramente é utilizada em receitas ocidentais, desdenhando-se a sua capacidade de aliviar a azia e suprimir a fadiga. (...)

Marjan atarefava-se na cozinha a cortar a última cebola (...). Fritou a cebola em azeite, mexendo os pedaços até ficarem estaladiços mas não queimados, e depois reservou os encantos fritos, para mais tarde serem polvilhados nas malgas de sopa encomendadas pelos clientes ansiosos. Marjan considerava esta guarnição crocante a melhor parte da sua sopa de lentilhas vermelhas, pois afinal de contas, o mais humilde dos momentos pode muitas das vezes ser o mais recompensador.»

Marsha Mehran - Café Babilónia, Arte Plural Edições

O romance Café Babilónia está cheio de sabores e aromas. Gostei de conhecer a história de Marjan e das suas irmãs, mas gostava ainda mais de me sentar no Café Babibónia e provar as baklavas, o dugh de iogurte, o abgusht, as orelhas de elefante, as lavash e claro, a famosa sopa de romã.

O aroma da sopa de lentilhas vermelhas, apresentada no romance, conquistou-me, não me pareceu difícil e decidi experimentar.


Ingredientes
2 chávenas de lentilhas vermelhas secas
5 chávenas de água
azeite
6 cebolas picadas
1 colher de chá de açafrão-da-índia
4 colheres de chá de cominhos moídos
5 chávenas de caldo de galinha
sal
2 colheres de chá de sementes de nigela ou pimenta preta moída
1 a 2 cebolas para a guarnição

1. Colocar as lentilhas numa panela, cobrir com água e levar ao lume a cozinhar durante sensivelmente 9 minutos.

2. Depois das lentilhas cozidas, escorrer e reservar.

3. Picar as 6 cebolas para uma panela. Adicionar azeite, o açafrão-da-índia e os cominhos. Levar ao lume e deixar fritar as cebolas até ficarem transparentes. Mexer regulamente.

4. Adicionar ao preparado anterior as lentilhas cozidas, as 5 chávenas de água e o caldo de galinha. Temperar com sal e pimenta a gosto.

5. Deixar levantar fervura. De seguida baixar o lume. Deixar cozinhar em lume brando durante 40 minutos.

6. Cortar as restantes cebolas em meias luas e fritá-las num pouco de azeite até ficarem estaladiças, mas sem torrar.

7. Servir cebola frita como guarnição nas taças de sopa.

A sopa fica uma delícia. Quando se fritam as cebolas com as especiarias a casa enche-se de um magnífico e inspirador aroma.


Tal como Marjan refere, a guarnição de cebola frita faz mesmo a diferença na sopa.

A nigela já está na minha lista de ingredientes especiais a comprar.

3 comentários:

  1. Já tinha lido acerca da nigela mas nunca vi à venda. Só deve existir nas lojas de espacialidades. Essa sopa com a cebola frita deve ficar um espanto :)

    ResponderEliminar
  2. Essa sopa parece muito aromática. Deve ser muito agradável e completamente diferente das que costumamos fazer por cá.Bom fim de semana. Bjs. Bombom

    ResponderEliminar