quarta-feira, 18 de Maio de 2011

E quando uma receita nos faz lembrar um livro ...


Quando comecei a fazer a receita, achei que me fazia lembrar um livro. Quando me sentei à mesa e comecei a comer, tive a certeza que a salada de mozzarella, tomate, morangos e manjericão do livro Around My French Table de Dorie Greenspan me fazia lembrar o romance de Anthony Capella que lera recentemente.

Receitas de Amor de Anthony Capella é um livro fresco, leve, próprio para dias quentes, descontraídos. Não sei se foi o queijo mozzarella, o manjericão ou a própria salada em si, com os morangos e o tomate, numa combinação fora do comum que me fez lembrar o livro.

Muito resumidamente, Laura é uma jovem estudante americana que vai para Itália e decide que só sairá com homens que saibam distinguir o molho béarnise do béchamel, portanto, alguém que saiba cozinhar. Tommaso, um jovem italiano, interessante, bonito, que se faz passar por chef, conquista as atenções de Laura. Como Tommaso não sabe cozinhar, coloca o seu amigo Bruno, que é realmente um chef - trabalha no famoso Templi do conceituado Alain Dufrais - a preparar deliciosas refeições para Laura. Nisto, Bruno apaixona-se por Laura. E nem tudo corre como era suposto! É sempre assim, não é?

O que me agradou no livro, para além da história a lembrar Cyrano de Bergerac, foi a sensualidade, a magia da cozinha italiana. Tão rica! Apaixonada. Envolvente.

Os vários capítulos, organizados em secções como se fossem uma refeição italiana, antipasto, primi, secondo, insalata e dolci, estão cheios de referência à comida e à cultura italiana. O primeiro capítulo, fala-nos dos cornetti e do ristretti: «Um ristretto é feito com a mesma quantidade de café moído que um expresso normal mas com metade da água (...). O que saía do bico (...) quase não era um líquido, mas um fio castanho-avermelhado com o aspecto do mel a gotejar da ponta de uma faca de manteiga, com um creme de cor castanha e um travo doce e oleoso que dispensava o açúcar (...)». Para além disso refere que qualquer italiano sabe que tomar café sentado dificulta a digestão (sabiam?) e que não passaria pela cabeça de um italiano servir cappuccino depois das 10 da manhã. Em Itália é muito comum pedir latte macchiato.

Quando Tommaso decide abordar Laura, dá-lhe uma lebre de leite e diz-lhe para fazer sugo di lepre em vez da massa que ela estava a pensar cozinhar. Em relação às massas é referido que: «(...) se não quiser comer spaghetti, podemos comer bucatoni ou fetucine, ou pappardelle ou tagliolini ou rigatoni ou linguine ou garganelli ou tornnarelli ou fusilli ou conchiglie ou vermicelli ou maccheroni, mas (...) cada um deles exige um molho diferente. Por exemplo, um molho oleoso liga bem com massa seca mas um molho de manteiga liga melhor com a massa fresca. Fusilli - As pessoas dizem que foi inventada por Leonardo da Vinci. As aletas em espiral absorvem mais molho do que a superfície plana (...)».

Segundo o romance, existem três tipos de restaurantes em Roma. «Há as tratorie e osterie locais que, na sua maioria, só servem cozinha romana. É uma tradição fortemente enraizada nos ingredientes disponíveis nos mercados e matadouros em que não se desperdiça uma única parte do animal. Desde as orelhas à cauda existe uma receita própria e indicada para tudo, transmitida de geração em geração. Depois existe a cucina creativa, a cozinha que parte dessa tradição e faz experiências com ela. Muitos romanos comuns continuam profundamente desconfiados da experimentação para não falar dos elevados preços que a acompanham, acreditando firmemente que quanto mais se gasta menos se come. E, em terceiro lugar, há a cucina gourmet - a estranha colisão entre as cozinhas francesa e italiana (...)».

Numa das conversas entre Bruno e Tommaso, Bruno explica-lhe que «o marisco tem propriedades afrodisíacas. Os moluscos também ... como caracóis ao alho. Talvez algumas alcachofras bebés cozinhadas com hortelã-pimenta, abertas com os dedos e embebidas em manteiga derretida. E vinho, evidentemente. E depois para terminar, uma injecção de açúcar, qualquer coisa leve, mas artificial para encher de energia e felicidade (...). Se quiseres que uma pessoa se apaixone por ti, cozinhas uma refeição muito diferente, absolutamente simples mas intensa. Qualquer coisa que revele a tua compreensão da alma dela».

Bruno vai confecionar deliciosas e apaixonadas receitas para Laura. Numa dessas confecções refere que «a pasta caseira nunca se prepara sobre mármore; a frieza deste enrijece a massa e impede a decomposição dos glútens». Eu não fazia ideia. Agora que ando com vontade de voltar a fazer mais massa fresca é bom saber, que o mármore não é uma boa opção. :)

Receitas de Amor é um livro de conquista pela comida, uma comédia romântica, com imensas referências gastronómicas e no final, até são dadas algumas das receitas apresentadas no romance. Achei apenas um pouco exagerado as descrições sexuais dos encontros amorosos de Laura com Tommaso.

Vamos então à salada de mozzarella com tomate, morangos e manjericão:


Ingredientes:
2 queijos mozzarella
16 morangos
16 tomates cherry ou mini tomate chucha
pimenta rosa
flor de sal
folhas de manjericão frescas
azeite extra-virgem
vinagre de framboesa


1. Cortar os queijos em três fatias cada. Distribuí-las por dois ou três pratos.

2. Cortar os morangos e o tomate ao meio.

3. Distribuir os morangos e o tomate pelos pratos.

4. Polvilhar o queijo com um pouco de pimenta rosa ligeiramente desfeita com os dedos.

5. Polvilhar a mistura de tomate e morangos com flor de sal e as folhas de manjericão cortadas.

6. Regar com azeite e um pouco de vinagre de framboesa a gosto.


A salada soube muito bem. A combinação queijo, morangos e tomate, que me parecia inicialmente fora do comum, resultou na perfeição. Achei que o tomate e o morango fazem uma deliciosa junção.

Às vezes questiono-me. Faz-nos falta um romance que faça a exaltação da cozinha portuguesa, não acham? Quais os (bons) romances portugueses em que a cozinha aparece?

Boas leituras e bons cozinhados!

18 comentários:

  1. Laranjinha,
    adorei o texto e fiquei com vontade de ler o livro. a receita tem um aspecto delicioso, mas as vezes eu sou um bocado preconceituosa, confesso, e tenho ainda que ultrapassar algumas barreiras para fazer misturas mais inusitadas. Como combinar laranja com azeite e alho, que como ja aqui li, combina muito bem. E na verdade ja peguei em varias laranjas com a intencao de o fazer, mas no ultimo minuto volto atras e como a laranja ao natural!... ;)
    Beijinhos
    Sofia

    ResponderEliminar
  2. Mais uma delicia que partilhas, o texto e essa salada colorida a fazerem uma combinação perfeita Isabel, obrigado por tudo o que tão bem partilhas...

    beijinhos!!

    ResponderEliminar
  3. Catarina Beltrão18/05/2011, 13:38:00

    Um blog de muita aprendizagem. Além das óptimas receitas e tão bem retratadas, viajamos e cultivamo-nos. Estou completamente conquistada.

    ResponderEliminar
  4. Ficou lindo seu prato e esses morangos bem vermelhinhos, adorei!! Um abraço, Marta

    ResponderEliminar
  5. Li o livro há alguns anos e adorei, já li + alguns livros dele, mas nenhum me deliciou tanto cm este. Para quem gosta de cozinha...lê-se num ápice. Ensina-nos imenso sobre gastronomia e mostra q a cozinha italiana é mt + do q a maioria pensa... Ao lê-loquase conseguimos sentir os aromas :)
    Dora

    ResponderEliminar
  6. Que delícia!!!

    quando vi essa receita lembrei de uma que postei no meu blog, que vale muuuuito a pena fazer!

    http://cozinhando-a-dois.blogspot.com/2010/06/salada-de-morangos-com-parma.html

    da uma olhadinha e me fala se gostou!

    ResponderEliminar
  7. Gostei imenso de ler o texto e fiquei com muita vontade de ler o livro...e comer a salada! Nunca comi nada parecido mas acho que agora vou comer! Sou super fã de cozinha italiana! Um beijinho

    ResponderEliminar
  8. A salada complementou o texto...um livro bonito com uma salada deliciosa.
    Beijinho

    ResponderEliminar
  9. Não conheço o livro, mas fiquei curiosa, tenho que procurar. Essa combinação ainda ontem foi falada aqui em casa, o Luis achou estranho adicionar morangos a uma salada salgada, e prometi-lhe que ainda esta semana fazia. Ora aqui está o que era preciso para avançar
    Um beijinho

    ResponderEliminar
  10. Gostei da salada mas fiquei com muita vontade de ler o livro, que me pareceu tão delicioso como a salada!!!

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  11. Olá, é a primeira vez que visito seu blog e amei seu cantinho, já virei seguidora! Também tenho um blog, se puder, me faça uma visita que ficarei muito feliz.Ótima receita! Beijinhos, Nane www.vovoqueensinou.blogspot.com

    ResponderEliminar
  12. Não conhecia o livro, mas fiquei com vontade de ler. Quanto à salada adoro a combinação de morangos com mozarela.

    ResponderEliminar
  13. Laranjinha,
    Após ler o teu post, deixaste-me com água na boca; não pelo prato mas sim pelo livro.
    Fiquei curiosíssima em lê-lo. Belo texto :D
    Um beijinho e traz-nos mais receitas "literárias", estas são deveras interessantes e uma forma divertida de nos apresentares livros, que por vezes nos passam despercebidos.
    Romã:*

    ResponderEliminar
  14. Tenho feito esta salada mas sem os morangos e com vinagre balsâmico. Vou experimentar assim. Que bom aspeto!
    Gaivota

    ResponderEliminar
  15. Que receita a cheirar a Verão

    ResponderEliminar
  16. Não conhecia o livro, deve ser interessante.
    Quanto à salada deve ser maravilhosa.Adoro morangos na salada, dá um sabor muito agradável.
    Bjs

    ResponderEliminar
  17. Olá laranjinha, apesar de nunca ter feito esta mistura, agrada-me!
    Também li este livro há uns anos e gostei bastante. Até fiz um pequeno post no blog (http://lume-brando.blogspot.com/2005/10/food-of-love.html).
    E por falar de livros com referências à cozinha, acho que foi colecção dos 5, com a descrição dos seus lanches e piqueniques, que fez nascer em mim o bichinho!
    Bjs
    Teresa

    ResponderEliminar
  18. Olá Sofia,
    acredita que quando vi a receita da laranja com azeite e alho também fiquei apreensiva.Há uns tempos experimentei uma salada de laranja com salsa picada, azeitonas e cebola roxa, mas acabei por não publicar!Parece estranho ligar a laranja com cebola ou até azeite, não é? E laranja polvilhada com canela? Mas nestas coisas eu gosto de arriscar e surpreendi-me. Já agora, recomendo também esta: http://cincoquartosdelaranja.blogspot.com/2008/02/laranja-com-cebola-azeite-e-presunto.html Experimenta! :)

    Paula Mariana,
    muito obrigada pela tua visita e pelas palavras de apoio.

    Catarina Beltrão,
    muito obrigada pela visita e comentário. Espero que volte!

    Marta,
    os morangos surpreendentemente combinam bem com o tomate. Foi para mim uma surpresa.

    Dora,
    é verdade tudo o que diz. Eu senti o mesmo. O livro ensina-nos imenso sobre a cozinha italiana. Falta-nos um romance que fale assim da nossa cozinha! :)

    Paula,
    já espreitei a sua receita e parece-me muito boa. Obrigada pela sugestão.

    Filipa,
    o livro lê-se num instante. É muito divertido. Foi a primeira vez que misturei morangos com tomate e gostei.

    Tuquinha,
    obrigada.

    Gisela, Moira, Romã e Sandra G,
    o livro é uma comédia romântica ligeira que nos "agarra". Lê-se num instante. A combinação morangos e tomate foi uma agradável surpresa.

    Nelinha,
    o livro é uma delícia. Boa leitura.

    Nane Cabral,
    muito obrigada pela visita. Espero que volte.

    Gaivota,
    experimenta esta salada e depois diz-me como correu. Se quiseres em vez do vinagre de framboesa podes usar vinagre balsâmico.

    Mané,
    é verdade. Tanto a receita como o livro lembram o Verão.

    Olá Teresa,
    os lanches dos 5 marcaram. Faziam crescer a água na boca! Eu achei este livro uma delícia. Divertido e cheio de comida!

    Um beijinho.

    ResponderEliminar