segunda-feira, 4 de março de 2013

Pastéis de legumes com farinheira e salada de tupinambo


Uma das coisas que gosto de fazer e que me deixa muito entusiasmada é ir às compras e depois vir para casa cozinhar. A partir dos produtos que comprar pensar em receitas e confeccionar uma refeição é sempre um grande desafio. Para mim, é um verdadeiro exercício de imaginação e criatividade. E é sobre esta experiência que nasce hoje aqui, no Cinco Quartos de Laranja, uma nova rubrica intitulada Receitas biológicas Brio.

Os supermercados biológicos Brio convidaram-me a visitar semanalmente as suas lojas e durante os próximos meses apresentar as receitas que vou fazendo com os seus produtos.

Uma das coisas que gosto quando visito o Brio é a possibilidade de encontrar produtos de diferentes tipos, que não se encontram tão facilmente noutro tipo de supermercados. Aqui encontramos batatas, cenouras, espargos, favas, beterrabas, mas encontramos também acelgas, ruibarbo, cherovias e tupinambo. Para quem gosta de encontrar e experimentar novos produtos, como eu, aconselho vivamente uma visita.

Por outro lado, tudo tem sabor e cheiro. As maçãs são perfumadas e doces. Deliciosas. A carne, é de animais criados com cuidado e com espaço. Sabe-se quem foi o produtor, e isso para mim é muito importante. Sabermos quem criou o que vamos comer, liga-nos. E isso faz toda a diferença.

Pastéis de legumes com farinheira

Ingredientes:
1 cebola
200 g de alho-francês sem rama
120 g de acelgas ou espinafres
1 farinheira de porco preto biológica
2 embalagens de massa quebrada
1 ovo
0,5 dl de azeite biológico
sal e pimenta preta q.b.


1. Colocar o azeite numa frigideira e levar ao lume com a cebola picada. Quando a cebola tiver transparente, adicionar o alho-francês cortado em rodelas finas.

2. Retirar a pele da farinheira e adicionar ao preparado.

3. Cortar as acelgas e os seus caules e juntar também à mistura.

4. Temperar com sal e pimenta preta a gosto.

5. Estender a massa quebrada. Com um cortador circular (diâmetro aprox. 9 cm) cortar a massa.

6. Em metade das rodelas de massa colocar a mistura de farinheira e legumes.

7. Com um pincel mergulhado em água pincelar a massa em toda a volta.

8. Colocar a outra rodela de massa por cima e com um garfo pressionar os lados de modo a que os pastéis fiquem bem fechados.

9. Com o mesmo garfo picar os pastéis por cima.

10. Pincelar os pastéis com o ovo batido.

11. Levar ao forno pré-aquecido a 180ºC, num tabuleiro forrado com papel vegetal, durante 20 minutos.

12. Servir com salada.


Salada de tupinambo com cenoura e folhas verdes

Ingredientes:
120 g de tupinambo
3 cenouras
mistura de folhas verdes
10 folhas de hortelã
1 colher de sopa de sumo de limão
3 colheres de sopa de azeite biológico
sal q.b.

1. Descascar o tupinambo e as cenouras.

2. Com ajuda de uma mandolina cortar os legumes em fatias finas.

3. Numa taça juntar os legumes cortados, as folhas verdes e a hortelã.

4. Regar com o sumo de limão, o azeite e sal a gosto. Mexer.


Os pastéis de legumes com farinheira resultam muito bem. Os que sobraram do almoço desapareceram sem deixar rasto, no lanche a meio da tarde. Foi a primeira vez que usei tupinambo numa salada em cru e cá em casa adorámos. Fica crocante. Delicioso. Experimentem.

9 comentários :

  1. Vou certamente visitar :D Ando há séculos à procura de ruibarbo, mas nunca encontrei no supermercado :(

    Esses pasteis ficaram lindos, parabéns :)

    Beijinhos e tem uma óptima semana :D

    ResponderEliminar
  2. Que curioso! Não conhecia o tupinambo. Tem um nome tão africano e se calhar nem tem essa origem. Vou investigar! bjs

    ResponderEliminar
  3. Esses pasteis estão com um aspecto delicioso!
    beijinhos

    ResponderEliminar
  4. Adorava ter um Brio aqui no Porto! Gostei das empadinhas e da salada original, nunca comi tupinambo :)

    ResponderEliminar
  5. Que lindos!!! E deliciosos certamente...
    beijinhos
    http://sudelicia.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  6. Ai que bom aspecto, adorei as cores do recehio, imagino aqui o perfume que ficou na tua cozinha. um beijo

    ResponderEliminar
  7. Eis uma receita interessante, obrigado. Só tenho um reparo a fazer. Diz que, nos supermercados com os quais tem agora uma parceria, existe carne cuja origem é conhecida e que até se sabe o nome do produtor. Pois se for a um talho ou a um hipermercado, vai saber exactamente o mesmo. Todos os produtos são de rotulagem obrigatória e o sistema português de rastreio animal é dos mais completos. Nem toda a informação está disponível, mas garanto-lhe que se houver algum problema, sabe-se exactamente que aquela costeleta é do animal x com o numero tal, que foi abatido no matadouro y às tantas horas de tal dia e que pertencia ao produtor fulano de tal, coma licença número 000 e que foi alimentado de tal maneira e etc etc etc. Cumprimentos e bom trabalho.

    ResponderEliminar